11 de março de 2009

Vallen canta Milton e Caetano no primeiro DVD

Projetado em 2007 ao sair vitorioso no programa de calouros comandado pelo apresentador de TV Raul Gil, Ricky Vallen - nome artístico de Weverton Carlos de Mello - vai completar 31 anos no sábado, 14 de março de 2009. Sua festa vai ser no palco do Canecão, a tradicional casa de shows do Rio de Janeiro (RJ), na qual Ricky Vallen se apresenta pela terceira vez. Desta vez, com o intuito de gravar ao vivo CD e DVD, o primeiro do astro, contratado pela gravadora Sony Music. No roteiro, eclético como o repertório do primeiro CD do cantor, Homenagens (2007), Vallen enfileira sucessos de Ângela Maria (Tango pra Tereza), Lenine (Paciência), Caetano Veloso (Milagres do Povo, emendado com Pérola Negra, hit afro-baiano de Daniela Mercury), Milton Nascimento (Maria Maria) e Vander Lee (a bela Esperando Aviões), entre outros nomes. Até Miss Celie's Blues - tema da trilha sonora do filme A Cor Púrpura - está escalado no repertório. Obviamente, o hit radiofônico de Vallen - Vidro Fumê, recentemente adicionado por Adriana Calcanhotto ao roteiro do show Maré - foi incluído no set list do show a ser gravado ao vivo.

22 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Projetado em 2007 ao sair vitorioso no programa de calouros comandado pelo apresentador de TV Raul Gil, Ricky Vallen - nome artístico de Weverton Carlos de Mello - vai completar 31 anos no sábado, 14 de março de 2009. Sua festa vai ser no palco do Canecão, a tradicional casa de shows do Rio de Janeiro (RJ), na qual Ricky Vallen se apresenta pela terceira vez. Desta vez, com o intuito de gravar ao vivo CD e DVD, o primeiro do artista, contratado pela gravadora Sony BMG. No roteiro, eclético como o repertório do primeiro CD do cantor, Homenagens (2007), Vallen enfileira sucessos de Ângela Maria (Tango pra Tereza), Lenine (Paciência), Caetano Veloso (Milagres do Povo, emendado com Pérola Negra, hit afro-baiano de Daniela Mercury), Milton Nascimento (Maria Maria) e Vander Lee (Esperando Aviões), entre outros nomes. Até Miss Celie's Blues - tema da trilha sonora do filme A Cor Púrpura - está escalado no repertório. Obviamente, o hit radiofônico de Vallen - Vidro Fumê, recentemente adicionado por Adriana Calcanhotto ao roteiro do show Maré - foi incluído no set list do show a ser gravado ao vivo.

11 de março de 2009 18:15  
Anonymous OLIVEIRA said...

Perdoai-o Senhor e proteja Milton e Caetano.

11 de março de 2009 18:17  
Anonymous Anônimo said...

Nunca ouvi. Mas só por ter arrogância de ir lá no Canecão, berço e trampolim de Elymar, já é louvável.
Posso nunca ouvir (exceto na voz de Adriana), mas o moleque já merece respeito.
Saiu do auditório de calouros e está sobrevivendo.
Afinal de contas, do Fama, reality musical global, até aqui, só Roberta Sá sobreviveu com louvor,

Carioca da Piedade, do tempo que Aracy era jurada e já não cantava mais

11 de março de 2009 18:20  
Anonymous Léo said...

Sony BMG?
Sony Music, não é?

11 de março de 2009 18:38  
Blogger Débora said...

Ele canta muito. Ainda é imaturo musicalmente. Acho que o fato dele ser evangélico ainda o limita... MAs ainda será um bom Ney Matogrosso genérico.

11 de março de 2009 19:22  
Anonymous mauricio said...

CORAAAAAAAAAGEMMMMMM!!!!!!!!!!

11 de março de 2009 20:24  
Blogger Jorge Reis said...

Gostaria de começar parafraseando Maria Rita: EVANGÉLICO, CONTA OUTRA, NESTA EU NÃO CAIO MAIS...
O garoto não é genérico de ninguém, é apenas um rapaz latino americano, sem dinheiro no banco, se é que me entendem...
Ele está se agarrando a possibilidade de projeção, este tal de Elymar Santos não serbe de exemplo para ninguém, alugou o Canecão a vinte anos, mas, nunca deixou de cantar músicas de churrascaria, e sde não era para deixá-las, para que se apresentar no canecão ?
Enfim, não sei ...
Desejo melhor sorte ao jovem neófito, que precisa descubrir urgentemente que o menos é mais quando bem utilizado, cantar não é gritar, isso não dfá certo (excessão feita a Maria Bethânia)...
Afinal se MB que saiu dos confins da Bahia e descobriu um bom repertório, ainda que repetitivo, porque ele que nasceu próximo ao polo cultural do Rio de Janeiro também não pode aprender a gostar de Paris e escolher um novo repertório...
Ney tá velho, Edson Cordeiro optou pelo exterior, enfim...
TEMOS VAGA...

11 de março de 2009 20:34  
Anonymous Anônimo said...

Aliás, quando passei próximo ao Canecão na minha temporada carioca dei uma olhada nos cartazes e pude constatar que de boas atrações a casa passou distante! Ninguém merece as futuras apresentações! Decaiu MUITO! Belo? Rick Vallen? Alexandre Pires? Só Jesus salva!

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

PS: Mauro, por favor, tem show na Barra! Dia 14/03, o grande encontro do Samba (vi afixado em Laranjeiras os cartazes!) com Diogo Nogueira e a Rainha-Mor do Samba: Dona Beth Carvalho! Pena que perderei!

11 de março de 2009 20:52  
Anonymous Anônimo said...

Esse aí segue a linha das cantoras que acham que cantar e interpretar é GRITAR. Tem gente que curte...

11 de março de 2009 20:56  
Anonymous Anônimo said...

Mano Freire disse..

Cá pra nós esse cara é dramático. E imagine o drama que ele vai fazer com Milagres do Povo, do Caetano. Uma bela música que Caetano só fez legal na gravação original do seriado global(Tenda dos MIlagres) e no programa Chico e Caetano. Depois tudo que foi feito com a canção foi drama, até Gal conseguiui engavetá-la trsitemente. Daniela, piorou e por assim como outras aventureiros da axé. Mas é assim, tudo que passa pelo coador daquela bancada do Raul Gil, é de doer. Lamento.

11 de março de 2009 21:29  
Blogger faBIO said...

A versão de Daniela com ''Dulce Pontes'' é maravilhosa...

11 de março de 2009 21:56  
Anonymous Anônimo said...

Gente, olha o preconceito. Acho bacana ele encarar um repertório de bom nível.

11 de março de 2009 22:24  
Anonymous Denilson said...

Bem amigos...

O Ricky Vallen tem uma história de vida bastante difícil. (http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/03/04/ricky-vallen-um-menino-prodigio-dos-programas-de-calouros-ao-palco-do-canecao-754684920.asp)

Assim, respeito muito o seu trabalho profissional, apesar de não gostar do seu estilo de interpretar. Ele realmente conseguiu atingir um público fiel e cativo. Acho isso extremamente válido.

Quem sabe com o tempo e com a maturidade (ele é muito jovem!) ele venha a mudar de estilo para algo menos popularesco...

Em relação à resenha do Mauro, só não entendi direito qual o intuito de citar o nome verdadeiro dele. Achei totalmente dispensável.

abração,
Denilson

PS: Marcelo Barbosa, você veio ao Rio e não avisou nada, hein?

12 de março de 2009 07:57  
Anonymous Anônimo said...

Fala, meu caro Denilson!

Sempre no carnaval! Da próxima vez armamos um chopinho! Grande abraço,

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

PS: Realmente é um pouco de preconceito musical meu. Eu acho ele MUITO exagerado em todos os aspectos! Do visual a interpretação!

12 de março de 2009 08:21  
Anonymous Anônimo said...

Ele realmente segue os passos de Elymar Santos. Até o repertório salada mista com linguiça e picanha é parecido.
Como se junta tanta referência musical no mesmo pacote? É preciso haver uma harmonia... A produção dele ainda é do pessoal do Raul Gil?

12 de março de 2009 09:24  
Anonymous Anônimo said...

Continuo achando engraçado as pessoas tacharem de preconceito quando outras não gostam do trabalho de um artista. Porque preconceito?? Eu não suporto interpretações exageradas, visuais exagerados, cantores que gritam, e esse Rick é tudo isso. As pessoas é que tem que saber respeitar e aceitar gostos e opiniões diferentes. Eu AMO bossa nova e adoro Nara Leão. Quem não gosta é preconceito?? Não acho... é apenas questão de afinidade e identificação, enfim... gosto é gosto!

12 de março de 2009 14:11  
Anonymous Anônimo said...

Depois que ouvi o tal do Rick Vallen cantar "Separação" do repertório da Simone numa Homenagem ao Artista com a própria presente... francamente... muito piroso! Quando incorpora a Maria Bethania então? Ninguem aguenta!!

12 de março de 2009 22:10  
Anonymous Anônimo said...

Com 30 anos já não mais tãooo jovem. E é over e chato.

13 de março de 2009 03:37  
Anonymous Anônimo said...

Rick quase sempre peca pelos exageros!!! Tem muito que aparar as arestas!!!Mas, merce tudo que vem acontecendo em sua vida, e se não fosse Raul Gil, talvez nunca tivesse tido uma oportunidade de verdade, aliás essa é a única razão de existência do programa do raul, tentar revelar novos talentos e muita gente boa saiu de lá e continua pisando naquele palco. Se Raul acabar, quem vai continuar com a cultura dos prorama de calouro.?

14 de março de 2009 01:32  
Anonymous Anônimo said...

Aracy de Almeida, a jurada, deve estar se revirando no túmulo.

14 de março de 2009 11:14  
Anonymous adriano said...

acho q ele deveria cantar mais e berrar menos.... sem contar q precisa se encontrar e fazer música romântica é ainda mais difícil...

15 de março de 2009 12:05  
Anonymous Luc said...

Ricky Vallen está abrindo seu caminho. É um artista de valor. Ainda tem um pouco de camaleão, o hábito de reproduzir trechos de interpretações alheias, inclusive nos arranjos e no gestual. Sim, a influência de Maria Bethânia é perceptível e, aos 30 anos, isso já não é tão necessário, embora a paixão de Vallen pela cantora possa justificá-lo em parte.

Tenho a impressão de que coisas boas virão de Ricky. Tudo vai depender das escolhas que fizer, a principal delas a de ser um artista de massa ou de liberdade.

15 de março de 2009 14:25  

Postar um comentário

<< Home