13 de junho de 2010

'Mrs. Lennon' descortina beleza da obra de Yoko

Resenha de CD
Título: Mrs. Lennon
Artista: Vários
Gravadora: Discobertas
Cotação: * * * *

Demonizada por ter - em tese - provocado a separação dos Beatles, fato questionável se objeto de uma análise menos apaixonada, Yoko Ono sempre teve vida própria no mundo da música e, sobretudo, das artes plásticas. Obra geralmente envolta em atmosfera experimental e vanguardista que, no caso da música, tem nuances e, sim, alguma beleza - descortinada por Mrs. Lennon, tributo em que várias cantoras brasileiras regravam o repertório de Yoko sob a batuta dos produtores Marcelo Fróes (idealizador do projeto) e Clemente Magalhães. O CD abre com a faixa-título, Mrs. Lennon, tema ideal para o timbre operístico de Cida Moreira, que se acompanha ao piano. Na sequência, a gaúcha Hevelyn Costa ambienta Who Has Seen the Wind? em um clima bossa-novista. A canção é de 1970, mesmo ano da natalina Listen the Snow Falling, abordada pela banda Ampslina, de Recife (PE). A faceta mais experimental do cancioneiro de Yoko é (bem) exposta pelo duos Digitaria e Tetine. Oriundo da cena eletrônica de Belo Horizonte (MG), Digitaria revive Death of Samantha em clima quase lisérgico. Já Tetine se solta em Why. Experiências (nem sempre saborosas...) à parte, a música de Yoko Ono também pode ser deliciosamente pop - como prova o irresistível refrão do rock Sisters O Sisters, defendido pelo trio Doidivinas em ambiência retrô. Na mesma batida roqueira, há Midsummer New York (em regravação da banda carioca Fuzzcas) e Move on Fast (com Marília Barbosa & Pelv's). Já Silvia Machete prova na interpretação firme de Yangyang que seu canto não precisa de mise-en-scène circense para prender a atenção. Por sua vez, Mathilda Kóvak imprime tom de cabaré a Yes, I'm your Angel enquanto Isabella Taviani se mostra à vontade na batida de reggae que sustenta Don't Be Scared. Quando evita arroubos dramáticos, Taviani sempre se revela boa cantora. Mantendo o bom nível, Katia B defende Walking on Thin Ice - tema gravado por Yoko com John Lennon (1940 - 1980) em 8 de dezembro de 1980, data em que o ex-Beatle foi assassinado. A canção foi lançada por Yoko como single em 1981. No lado B, havia It Happened, cujos versos resignados adquirem tom bluesy no registro de Ângela RoRo. No fim, Zélia Duncan entoa, com o habitual rigor estilístico, Goodbye Sadness, poético tema em que Mrs. Lennon deu adeus ao luto e retomou a vida. Fecho pungente para tributo que expõe nuances do supra-sumo de obra que merece análises menos tendenciosas.

5 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Demonizada por ter - em tese - provocado a separação dos Beatles, fato questionável se objeto de uma análise menos apaixonada, Yoko Ono sempre teve vida própria no mundo da música e, sobretudo, das artes plásticas. Obra geralmente envolta em atmosfera experimental e vanguardista que, no caso da música, tem nuances e, sim, alguma beleza - descortinada por Mrs. Lennon, tributo em que várias cantoras brasileiras regravam o repertório de Yoko sob a batuta dos produtores Marcelo Fróes (idealizador do projeto) e Clemente Magalhães. O CD abre com a faixa-título, Mrs. Lennon, tema ideal para o timbre operístico de Cida Moreira, que se acompanha ao piano. Na sequência, a gaúcha Hevelyn Costa ambienta Who Has Seen the Wind? em um clima bossa-novista. A canção é de 1970, mesmo ano da natalina Listen the Snow Falling, abordada pela banda Ampslina, de Recife (PE). A faceta mais experimental do cancioneiro de Yoko é (bem) exposta pelo duos Digitaria e Tetine. Oriundo da cena eletrônica de Belo Horizonte (MG), Digitaria revive Death of Samantha em clima quase lisérgico. Já Tetine se solta em Why. Experiências (nem sempre saborosas...) à parte, a música de Yoko Ono também pode ser deliciosamente pop - como prova o irresistível refrão do rock Sisters O Sisters, defendido pelo trio Doidivinas em ambiência retrô. Na mesma batida roqueira, há Midsummer New York (em regravação da banda carioca Fuzzcas) e Move on Fast (com Marília Barbosa & Pelv's). Já Silvia Machete prova na interpretação firme de Yangyang que seu canto não precisa de mise-en-scène circense para prender a atenção. Por sua vez, Mathilda Kóvak imprime tom de cabaré a Yes, I'm your Angel enquanto Isabella Taviani se mostra à vontade na batida de reggae que sustenta Don't Be Scared. Quando evita arroubos dramáticos, Taviani sempre se revela boa cantora. Mantendo o bom nível, Katia B defende Walking on Thin Ice - tema gravado por Yoko com John Lennon (1940 - 1980) em 8 de dezembro de 1980, data em que o ex-Beatle foi assassinado. A canção foi lançada por Yoko como single em 1981. No lado B, havia It Happened, cujos versos resignados adquirem tom bluesy no registro de Ângela RoRo. No fim, Zélia Duncan entoa, com o habitual rigor estilístico, Goodbye Sadness, poético tema em que Mrs. Lennon deu adeus ao luto e retomou a vida. Fecho pungente para tributo que expõe nuances do supra-sumo de obra que merece análises menos tendenciosas.

13 de junho de 2010 13:40  
Anonymous Anônimo said...

nossa, quanto beatles... é beatles demais...

13 de junho de 2010 15:28  
Anonymous Hugo said...

yoko não quis ser 'mulherzinha' de lennon. esse foi o grande 'pecado' dela. desconheço sua música, agora essa estória de que ela 'acabou' com os beatles é pra boi dormir...

13 de junho de 2010 18:34  
Anonymous Anônimo said...

olha,vou ouvir...não sabia!
beijo meu!
lu!

16 de junho de 2010 20:54  
Blogger Sandro CS said...

Sou fã das canções experimentais da Yoko Ono desde 1980 (quando foi lançado o LP "Double Fantasy"). Sempre adorei as faixas dela, que eram alternadas pelas do John, especialmente "Kiss Kiss Kiss" e "I'm Your Angel". Fiquei também interessado neste CD por trazer de volta ao estúdio, depois de anos sem gravar, a grande cantora (e atriz) MARILIA BARBOSA, de quem sou fã absoluto. Quem conhece a obra e a bagagem musical da Marilia, vai ficar surpreso com sua interpretação neste disco! Mas não vou revelar o mistério... (rs) Recomendo a todos.

19 de agosto de 2010 15:35  

Postar um comentário

<< Home