23 de junho de 2010

Jack emerge sem fôlego ao fim de 'To the Sea'

Resenha de CD
Título: To the Sea
Artista: Jack Johnson
Gravadora: Brusfire
Records / Universal Music
Cotação: * * *

O beach boy Jack Johnson não tira onda em seu quinto álbum de estúdio, To the Sea, ora lançado neste mês de junho de 2010. A safra de 13 inéditas surfa no mesmo clima do repertório dos álbuns anteriores do cantor. Para quem é fã de seu pop-luau, To the Sea oferece mais do mesmo com elegância e inspiração irregular. You and your Heart, At or with me (com ecos de Beach Boys e sutis toques de blues no arranjo em sua parte final) e a faixa-título (com guitarra esperta) são alguns destaques. Já a balada When I Look up funciona quase como vinheta por não chegar a completar um minuto. O problema de To the Sea - gravado entre Hawaí e Los Angeles (EUA), com produção dividida entre Johnson, Robert Carranza e integrantes da banda do artista - é o mesmo dos quatro álbuns anteriores do cantor: a linearidade. Por ser praticamente uniforme, o disco vai ficando menos sedutor à medida em que avança para sua segunda metade. Turn your Love e The Upsetter, por exemplo, são temas menores que logo denunciam o curto fôlego do compositor para preencher um CD com sua obra inteiramente autoral. To the Sea traz algumas boas canções, como My Little Girl, só que, ao fim do álbum, Jack Johnson emerge sem fôlego autoral. Ainda que acerte ao ficar na sua praia, sem tirar onda. Mergulhe somente se for fã!!!

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

O beach boy Jack Johnson não tira onda em seu quinto álbum de estúdio, To the Sea, ora lançado neste mês de junho de 2010. A safra de 13 inéditas surfa no mesmo clima do repertório dos álbuns anteriores do cantor. Para quem é fã de seu pop-luau, To the Sea oferece mais do mesmo com elegância e inspiração irregular. You and your Heart, At or with me (com ecos de Beach Boys e sutis toques de blues no arranjo em sua parte final) e a faixa-título (com guitarra esperta) são alguns destaques. Já a balada When I Look up funciona quase como vinheta por não chegar a completar um minuto. O problema de To the Sea - gravado entre Hawaí e Los Angeles (EUA), com produção dividida entre Johnson, Robert Carranza e integrantes da banda do artista - é o mesmo dos quatro álbuns anteriores do cantor: a linearidade. Por ser praticamente uniforme, o disco vai ficando menos sedutor à medida em que avança para sua segunda metade. Turn your Love e The Upsetter, por exemplo, são temas menores que logo denunciam o curto fôlego do compositor para preencher um CD com sua obra inteiramente autoral. To the Sea traz algumas boas canções, como My Little Girl, só que, ao fim do álbum, Jack Johnson emerge sem fôlego autoral. Ainda que acerte ao ficar na sua praia, sem tirar onda. Mergulhe somente se for fã!!!

23 de junho de 2010 14:47  

Postar um comentário

<< Home