5 de abril de 2010

Bethânia saúda 'Mundo de Dentro', CD de Dori

Dori Caymmi lança no Brasil, neste mês de abril de 2010, o 12º álbum de sua discografia solo, Mundo de Dentro, já editado nos Estados Unidos e Japão com o título de Inner World. No disco, Dori - visto acima em foto de Myriam Vilas Boas - recebe Edu Lobo (no frevo Chutando Lata) e Renato Braz (em Quebra-Mar). A novidade é que a edição brasileira do CD é apresentada por Maria Bethânia, que gravou pela primeira vez música de Dori - É o Amor Outra Vez, incluída pelo compositor em Mundo de Dentro - no seu recente álbum Tua (2009). Eis o texto-saudação de Bethânia:

"Dori,
Seu disco é lindo. Tudo que eu gosto tanto: linda música, poesia inspirada, amizades novas, velhos amigos, vozes raras, timbres e intenções belíssimos. Sua música cobrindo a palavra do Paulinho, encontro de pura luz. Saúde de já poder dizer só o que mais interessa.
Outros parceiros, que novidade tão bem-vinda essa parceria com o Chico, que saudade do Buarque assim, sabendo de cada pulsação, do ritmo de amar de uma mulher, e o melhor, tão comovido com isso!
Edu com sua voz que o frevo tingiu, machucando os corações em dueto com você. Ai, todas as saudades que sinto do Recife...
Obrigada por me deixar dizer quanto me comoveu seu disco, suas escolhas, sua dedicatória. É bonito ver você com sua música, ver a música lhe ganhando, lhe dando um baile, lhe governando, guiando, dizendo que sem ela não há saída, muito menos encanto.
Que alegria sentir o ninho bem cuidado."
Maria Bethânia
Rio de Janeiro, 3 de março de 2010.
P.S.: Quando cita Chico Buarque, Bethânia se refere à primeira parceria do compositor com Dori Caymmi, Fora de Hora - não exatamente uma novidade, pois foi composta para a trilha sonora do filme Lara (2003) e regravada por nomes como Nana Caymmi.

23 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Dori Caymmi lança no Brasil, neste mês de abril de 2010, o 12º álbum de sua discografia solo, Mundo de Dentro, já editado nos Estados Unidos e Japão com o título de Inner World. No disco, Dori - visto acima em foto de Myriam Vilas Boas - recebe Edu Lobo (na faixa Chutando Lata) e Renato Braz (em Quebra-Mar). A novidade é que a edição brasileira do CD é apresentada por Maria Bethânia, que gravou pela primeira vez música de Dori - É o Amor Outra Vez, incluída pelo compositor em Mundo de Dentro - no seu recente álbum Tua (2009). Eis o texto-saudação de Bethânia:

"Dori,
Seu disco é lindo. Tudo que eu gosto tanto: linda música, poesia inspirada, amizades novas, velhos amigos, vozes raras, timbres e intenções belíssimos. Sua música cobrindo a palavra do Paulinho, encontro de pura luz. Saúde de já poder dizer só o que mais interessa.
Outros parceiros, que novidade tão bem-vinda essa parceria com o Chico, que saudade do Buarque assim, sabendo de cada pulsação, do ritmo de amar de uma mulher, e o melhor, tão comovido com isso!
Edu com sua voz que o frevo tingiu, machucando os corações em dueto com você. Ai, todas as saudades que sinto do Recife...
Obrigada por me deixar dizer quanto me comoveu seu disco, suas escolhas, sua dedicatória. É bonito ver você com sua música, ver a música lhe ganhando, lhe dando um baile, lhe governando, guiando, dizendo que sem ela nãoo há saída, muito menos encanto.
Que alegria sentir o ninho bem cuidado."
Maria Bethânia
Rio de Janeiro, 3 de março de 2010.

5 de abril de 2010 14:07  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, que parceria de Buarque com Dori Bethânia fala? É uma canção inédita dos dois? Acho que devias citar isso no texto... abraço

5 de abril de 2010 16:03  
Anonymous Luc said...

Vejo que o disco traz "Rio Amazonas", que já estava no "Brasilian Serenata". Chutando Lata é título e canção de "Kicking Cans" (1992).
Esses repetecos são bem-vindos, porque ambas as músicas são 21k e os discos originais praticamente não circularam no Brasil. Os meus eu tive que encomendar fora.
Boa coisa que, desde 'Influências', os discos de Dori Caymmi possam ser comprados com menos dificuldade no Brasil.

5 de abril de 2010 17:12  
Anonymous Luc said...

É bem verdade que em "Brasilian Serenata" (escreve-se assim mesmo), "Rio Amazonas" não tinha a letra de PC Pinheiro. Era tema instrumental, assim como naquele disco antológico da Wanda Sá e Célia Vaz.

5 de abril de 2010 17:21  
Anonymous Anônimo said...

Esse disco é maravilhoso e Dori é um dos nossos maiores compositores. Além disso toca, arranja e canta como poucos. Um artista completo. Mundo de Dentro vale a pena!!

5 de abril de 2010 19:30  
Anonymous Danilo said...

Dori com Chico? Não ouvi e já gostei...

5 de abril de 2010 20:17  
Anonymous lurian said...

A canção do Chico com Dori que conheço é "Fora de hora" gravada muito bem pela Joyce Moreno.

5 de abril de 2010 21:37  
Blogger Amigos das Bibliotecas said...

Pena que fora da questão músico/compositor Dori seja tão ranzinza e intolerante com a nova música produzida no Brasil

5 de abril de 2010 23:14  
Blogger André Luís said...

Oba, mais uma participação do sublime Renato Braz...! Maravilha!

6 de abril de 2010 09:51  
Anonymous Luc said...

É verdade. Dori cultiva o azedume, hoje folclórico. Nos shows, então, é fel puro.

Mas a música...

6 de abril de 2010 11:37  
Anonymous Anônimo said...

Esse "azedume" do Dori além de inofensivo procura alertar-nos para os rumos que a MPB se deixou levar.Suas queixas são profundamente corretas além de muito divertidas.A turma é muito dengosa e fica ressentida atoa com o esse verdadeiro mestre.Fez a produção e os arranjos dos melhores discos de Nana Caymmi e quando a gente os escuta hoje,vê que os caras estavam fazendo a melhor musica do pais e do mundo.Essa falta de reconhecimento e o descambo geral nos privou de mais um dos grandes gênios brasileiros permanecer entre nos.VOLTA DORI!

6 de abril de 2010 13:15  
Anonymous Anônimo said...

anonimo das 13:15 faço minhas as suas palavras
CONCORDO EM GÊNERO NÚMERO E GRAU.

6 de abril de 2010 15:33  
Anonymous Anônimo said...

Fora de hora foi gravada por Nana Caymi no último CD. É o amor outra vez é linda, mas a sensação que eu tenho na gravação da Bethania é que ela modificou a música, que ela mais parece uma oração. Acho que ficaria linda na voz de uma Leny Andrade, Nana Caymi, Áurea Martins ou Alcione.

6 de abril de 2010 16:43  
Anonymous Danilo said...

Acho que essa rabugice do Dori não é pra ser levado tão a sério.Quando ele esculhamba os Tribalistas(que aliás também gosto muito)é muito engraçado.Curto sua genialidade, descarto sua caretice e fica tudo certo...

6 de abril de 2010 17:52  
Anonymous Anônimo said...

Pra quem é filho de Dorival Caymmi, conviveu com Luiz Eça, Baden, e Jobim, é contemporâneo de Edu Lobo e Chico, e ajudou a fazer da música brasileira uma das mais ricas do mundo, deve ser muito difícil mesmo ficar calado diante da pobreza de algumas coisas que são endeusadas na música brasileira de hoje. Dori resmunga com propriedade. Eu adoro! E espero que continue sempre a resmungar.

6 de abril de 2010 18:17  
Anonymous Anônimo said...

Bethânia COMOVIDA??? Que novidade!!!

6 de abril de 2010 18:43  
Anonymous Diogo ! said...

Dori é,sem dúvida,um músico com M maiusculo mas em suas entrevistas ele, as vezes, ataca moinhos de ventos. Criticou Gilberto Gil por Gil ser fã de Bob Marley,não gosta de Rita Lee e só a escuta por causa da mulher que é fã,fez mil elogios a Joyce - com quem fez um belo cd chamado " Rio-Bahia ",a mesma Joyce que já gravou até com Fábio Jr ...



PS:Esculhambou Marisa e os Tribalistas mas tem na net um video dele cantando com ela ...

6 de abril de 2010 21:28  
Anonymous Odimar Feitosa said...

Diogo, quando vc diz "A mesma Joyce que já gravou até com Fábio Jr" leva a entender que Joyce Moreno vive abrindo concessões. Conheço bem a obra da Joyce de ponta a ponta e posso afirmar com categoria que ela é uma das artistas mais respeitáveis desse país, pelo talento como instrumentista, cantora e compositora. Sem qualquer preconceito ao gênero, mas desconheço qualquer música gravada por ela que tenha um apelo kitsch. E mais, a música que ela gravou com Fábio Jr. não é uma música de gosto duvidoso e integra um disco com várias presenças femininas, Joyce enquanto compositora, inclusive de uma música "Feminina" é ali, presença mais que necessária, portanto acho, se me permite, descabida sua observação.

7 de abril de 2010 09:19  
Anonymous Diogo ! said...

Concordo Odimar, Joyce é uma das artistas mais respeitáveis desse país, pelo talento como instrumentista, cantora e compositora.


Mas lembro bem de uma lúcida entrevista dela se dizendo,com razão,deprê lá pelos anos 80 pelo tipo de música que o Brasil ouvia naquela década e que não conseguia espaço se não abrisse concessões.Não abriu.Anos 80 onde Fábio Jr. teve êxitos atrás de êxitos.

O dueto de Joyce com Fábio Jr. é em " Compromisso " e passou batido.Foi em 98 e saiu em CD e DVD em 2008/9.Eu tenho os dois!


Minha critica foi destinada ao Dori e não a Joyce.Ela grava com quem quiser e tem liberdades artisticas para isso.

7 de abril de 2010 10:36  
Anonymous Anônimo said...

Diogo,esses "esculhambas" do Dori não é para atingir os artistas pessoalmente e nem quanto ao talento dos caras,muito pelo contrário,reconhece que todos são talentosos e por isso mesmo os critica por não serem mais exigentes consigo mesmo,pois possuem cultura e capacidade de sobra.Sempre o desmereceram "por fazer" uma musica chata,trite,difícel e pouco popular.A verdade é que a grande injustiça disso tudo é um artista da capacidade do cara não conseguir viver condignamente em sua pátria tão adorada por ele.É um absurdo artistas como ele e sua irmã resistindo a todos tipos de adversidades naqueles terríveis anos 80,fazendo trabalho primoroso e genial,ter que a qualquer situação mais extrema de dificuldade na vida,ter que ser salvado por colegas em campanhas de solidariedade,vaquinhas e etceteras.O Brasil precisa aprender dar espaço,respeito e dignidade aos seu artistas no geral,independente da ideologia do mercado ou qualquer que for.

7 de abril de 2010 11:48  
Anonymous Anônimo said...

de novo falando-se mal dos anos 80..e se hoje no Brasil se ouvisse os artistas e seus grandes sucessos doa anos 80??? tudos eria muito melhor...naofazer concessoes nao me traz mais perto da obra de nehum dos dois..nem de Nana ..nem de Dori...as qualidades artisticas de ambos pra mim nao estao atrladas a isso...ambos teem uma obra requintada mas muito chata!

10 de abril de 2010 23:26  
Anonymous Anônimo said...

23:26,permanecer chato e requintado ou torna-se medíocre e descartável,são escolhas,como são escolhas suas movendo seu gosto.O que se questiona aqui é apenas o preço pago por não fazer concessões ou faze-las.Todos saem perdendo com os estigmas,mas nem todos com a possibilidade de se manter vivo,sobrevivendo com seu trabalho com o mínimo de dignidade.Abraços!

11 de abril de 2010 11:56  
Anonymous Anônimo said...

Nana e Dori Caymmi não tem nada de chatos.São adoráveis!Esse argumento é manobra antiga daqueles que não tem e não querem compromisso com a competencia e a paciência de se permitir a contemplação.Cada vez que ouço "Fora de Hora" com a Nana me surpreendo e me convenço de que Bethânia tem toda razão e lucidez no que diz.

12 de abril de 2010 09:37  

Postar um comentário

<< Home