3 de março de 2010

'O Ano 1' é bom começo de Ailton como cantor

Resenha de CD
Título: O Ano 1
Artista: Jorge Ailton
Gravadora: La Toller LMC
/ Microservice
Cotação: * * * 1/2

Quando Lulu Santos lançou seu 22º álbum, Singular (EMI Music, 2009), uma das faixas que chamou atenção foi Atropelada, tema de Jorge Ailton e Apoena Frota que Lulu cantou com atitude firme, entre espertos grooves eletrônicos. Atropelada reaparece, em tom mais doído, no primeiro CD solo de Ailton, O Ano 1, editado pelo selo de Paula Toller com distribuição da Microservice. Projetado na cena indie carioca como vocalista da banda Funk U, Ailton - que ganha a vida como baixista de nomes como Sandra de Sá, Martn'ália e a própria Toller - debuta solo com disco de tons menos funkeados. Doses de pop (Soliquida), psicodelia (em Muito Melhor Assim) temperam repertório autoral de bom nível. O suingue carioca da faixa-título, O Ano 1, denuncia a origem do artista. Entre balada pop (Substantivo Feminino) e suave canção de desenho melódico que lembra a arquitetura do soul de Cassiano (Coração Retrô, parceria de Ailton com Paula Toller), faixas como O Óbvio indicam que Ailton também tem talento com letrista. Ao fim da décima e última faixa, Casta dos Abençoados, do visceral verso "Nada mais é difícil que a solidão", O Ano 1 deixa boa impressão. Produzido por Alexandre Vaz, com competência e sem clichês, o álbum é bom começo de Jorge Ailton em sua carreira como cantor solista.

3 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Quando Lulu Santos lançou seu 22º álbum, Singular (EMI Music, 2009), uma das faixas que chamou atenção foi Atropelada, tema de Jorge Ailton e Apoena Frota que Lulu cantou com atitude firme, entre espertos grooves eletrônicos. Atropelada reaparece, em tom mais doído, no primeiro CD solo de Ailton, O Ano 1, editado pelo selo de Paula Toller com distribuição da Microservice. Projetado na cena indie carioca como vocalista da banda Funk U, Ailton - que ganha a vida como baixista de nomes como Sandra de Sá, Martn'ália e a própria Toller - debuta solo com disco de tons menos funkeados. Doses de pop (Soliquida), psicodelia (em Muito Melhor Assim) temperam repertório autoral de bom nível. O suingue carioca da faixa-título, O Ano 1, denuncia a origem do artista. Entre balada pop (Substantivo Feminino) e suave canção de desenho melódico que lembra a arquitetura do soul de Cassiano (Coração Retrô, parceria de Ailton com Paula Toller), faixas como O Óbvio indicam que Ailton também tem talento com letrista. Ao fim da décima e última faixa, Casta dos Abençoados, do visceral verso "Nada mais é difícil que a solidão", O Ano 1 deixa boa impressão. Produzido por Alexandre Vaz, com competência e sem clichês, o álbum é bom começo de Jorge Ailton em sua carreira como cantor solista.

3 de março de 2010 19:14  
Blogger Karen said...

ainda não pude ouvir o disco mas conheço algumas faixas e já curto o trabalho de Jorge de outras primaveras (Funk U, Paula Toller, Sandra de Sá...). Que tenha muito sucesso, ele merece tudo de bom!

5 de março de 2010 11:07  
Blogger Bleffe said...

Depois de fazer shows em MG e PE, o Bleffe está de volta aos palcos do RJ.

Com seu repertório autoral influenciado pelas mais variadas vertentes do Rock (o estilo da banda, segundo o vocalista Christian Garcia, é "Plural Rock"), e também com versões de músicas consagradas, o Bleffe se apresenta no Espaço Multifoco, na Lapa (RJ).

Além do Bleffe, a banda Mimesis se apresentará no palco do Espaço Multifoco.

E o Bleffe vai sortear CINCO ingressos para esse show!!!

Saiba mais clicando no link:

http://bleffepoprock.blogspot.com/2010/03/show-do-bleffe-1303-na-lapa-rj-que-tal.html

8 de março de 2010 14:30  

Postar um comentário

<< Home