8 de fevereiro de 2010

Wanessa recorre a Shakira e Gaga para entreter

Resenha de Show de Abertura
Título: Meu Momento
Artista: Wanessa (em fotos de Mauro Ferreira)
Participação especial: DJ Negralha
Local: HSBC Arena (RJ)
Data: 7 de fevereiro de 2010
Cotação: * * 1/2
Abrir os concorridos shows de Beyoncé em Florianópolis (SC) e no Rio de Janeiro (RJ) foi o grande momento da carreira de Wanessa, ex-Camargo. Ainda à procura de sua identidade no mundo da música, a filha de Zezé Di Camargo conseguiu sucesso em 2009 ao firmar parceria com o rapper norte-americano Ja Rule na gravação de Fly, hit de seu último álbum, Meu Momento. Por conta dessa guinada pop, que tornou seu som mais atual, Wanessa conquistou - supostamente com o aval de Beyoncé - o direito de abrir três das cinco apresentações da I Am... Tour no Brasil. Tarefa que ela desempenhou com dignidade, a julgar pelo pocket-show que abriu a primeira das duas apresentações cariocas da cantora norte-americana. Eram 19h em ponto, na noite calorenta de 7 de fevereiro de 2010, quando as luzes da platéia da HSBC Arena se apagaram para que o foco recaísse somente sobre o DJ Negralha, que iniciou seu set tocando hits estrangeiros como 4 Minutes (Madonna), American Boy (Estelle) e I Gotta a Feeling (Black Eyed Peas). Na sequência, acompanhada pelas pick-ups de Negralha, Wanessa entrou em cena, lançando logo mão do hit Fly. Vivaz, a neta de Francisco mostrou que dança bem - coadjuvada por quatro bailarinas - e soube recorrer a repertório alheio (ciente da anemia do seu próprio cancioneiro) para entreter o público que esperava por Beyoncé. Entre hits de Lady Gaga (Just Dance) e Shakira (Hips Don't Lie), Wanessa cumpriu seu papel com energia e a correção possível sem - de fato - seduzir o público. Falta alma!!

16 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Abrir os concorridos shows de Beyoncé em Florianópolis (SC) e no Rio de Janeiro (RJ) foi o grande momento da carreira de Wanessa, ex-Camargo. Ainda à procura de sua identidade no mundo da música, a filha de Zezé Di Camargo conseguiu sucesso em 2009 ao firmar parceria com o rapper norte-americano Ja Rule na gravação de Fly, hit de seu último álbum, Meu Momento. Por conta dessa guinada pop, que tornou seu som mais atual, Wanessa conquistou - supostamente com o aval de Beyoncé - o direito de abrir três das cinco apresentações da I Am... Tours no Brasil. Tarefa que ela desempenhou com dignidade, a julgar pelo pocket-show que abriu a primeira das duas apresentações cariocas da cantora norte-americana. Eram 19h em ponto, na noite calorenta de 7 de fevereiro de 2010, quando as luzes da platéia da HSBC Arena se apagaram para que o foco recaísse somente sobre o DJ Negralha, que iniciou seu set tocando hits estrangeiros como 4 Minutes (Madonna), American Boy (Estelle) e I Gotta a Feeling (Black Eyed Peas). Na sequência, acompanhada pelas pick-ups de Negralha, Wanessa entrou em cena, lançando logo mão do hit Fly. Vivaz, a neta de Francisco mostrou que dança bem - coadjuvada por quatro bailarinas - e soube recorrer a repertório alheio (ciente da anemia do seu próprio cancioneiro) para entreter o público que esperava por Beyoncé. Entre hits de Lady Gaga (Just Dance) e Shakira (Hips Don't Lie), Wanessa cumpriu seu papel com energia e a correção possível sem - de fato - seduzir o público. Falta alma!!

8 de fevereiro de 2010 10:34  
Anonymous Anônimo said...

Falta BRASIL!

8 de fevereiro de 2010 11:07  
Blogger Célia Porto said...

Como você mesmo disse, ela ainda está a procura de uma identidade. Isto só acontece quando o artista valoriza suas raízes. No caso de Wanessa, que nega a influência do pai, porque é deslumbrada com pop estilo norte americano, é mais complicado. Já fez o tipo Mariah Carey e outras. Falta mesmo, como disse o anônimo aí, Brasil sem medo de ser feliz.

8 de fevereiro de 2010 12:05  
Anonymous Anônimo said...

Falta talento.

8 de fevereiro de 2010 15:04  
Anonymous Anônimo said...

Que bobagem rotularem tanto a Wanessa, pelo fato do ex Camargo. Cara, quando ela assinava artisticamente assim, as más línguas também falavam: "Está se beneficiando do nome do pai". Pô, ninguém está satisfeito.
Outra coisa, ela é uma artisa cheia de sucessos, só que românticos. Fato esse que a fez usar de alguns covers interessantes para repertório.
Ela é tão bonita, é linda.
Alex G.O/SP

8 de fevereiro de 2010 15:48  
Anonymous Anônimo said...

Wanessa Camargo ou ex-Camargo, pouco importa, nunca teve talento, sempre gemeu baladinhas sem graça e usou e abusou do nome do papai e do titio famosos.
Está querendo se dar bem no mercado internacional empurrada pelo marido, que virou empresário e a fez abandonar o sobrenome. Vai quebrar a cara.

8 de fevereiro de 2010 17:28  
Anonymous Anônimo said...

Mano Freire disse

Essa menina ainda insiste em cantar??

8 de fevereiro de 2010 21:07  
Blogger Viniciusj said...

Wanessa é uma das poucas artistas brasileiras que se joga no novo.
Por ser uma cantora dedicada e com taleto, sempre estarei apoiando o carisma e a humildade que ela tem.

Parabéns Wanessa pelo seu desempenho!

8 de fevereiro de 2010 21:41  
Blogger Honrado Principe dos Ares Secos said...

Como assim ela nao é mais Wanessa Camargo??? Agora elavai ser Wanessa de que??? Ficou faltando algo.... Ela precisa ser Wanessa de Alguma Coisa... Ela nao vai arrumar um nome pra ela?

9 de fevereiro de 2010 10:18  
Anonymous Anônimo said...

kkkkkkkkkkkk Wanessa de Q ! Pronto.

Q talento ?
Q voz ?
Q falta de bom gosto !

Ela tinha que ser só modelo, pronto, assim não estragava meus ouvidos no radio ! O hit (?? ) Fly, só tocou por causa do Ja Rule, fala sério.

9 de fevereiro de 2010 11:18  
Anonymous Anônimo said...

Falta mais que alma. Falta TUDO!

9 de fevereiro de 2010 22:03  
Anonymous Anônimo said...

Nem modelo. É baixinha. Modelo tem que ser alta.

10 de fevereiro de 2010 01:30  
Anonymous Anônimo said...

Não é preconceito, mas tem umas filhas de artistas que dão medo. A Wanessa é péssima! Coitadinha! A gente nota que ela se esforça, mas não tem como segurar o rojão. Vi um show da filha da cantora Claudia em um bar. É ridículo. Nem sei o nome da criatura. Só sei que é horrível. Esse povo acha que só porque é filha de artista tem que cantar. Meus sais!

11 de fevereiro de 2010 15:32  
Blogger Renan Leal said...

Pelo jeito você tem uma certa implicância com Wanessa, você critica todos os discos, todas as musicas e tudo o que ela vem a fazer. Eu não estava no show, mas pelos vídeos que vi no YouTube parece que ela seduziu a galera, sim. Só que a galera não estava lá para vê-la e sim para ver a Beyoncé que ganharia muito mais se cantasse só músicas românticas, porque vamos combinar, entre ouvir os gritos de Wanessa em 'Não me leve a mal', seu novo single, e os gritos de Beyoncé em músicas como Single Ladies... Por favor, não me leve a mal, mas eu prefiro Wanessa. A Beyoncé é gostosa, é, mas pra mim não passa disso. As músicas são mais barulho que melodiae harmonia, e Wanessa era a brasileira mais adequada pra abrir o espetáculo mesmo. Fale de Ivete, gostaria d ever um resenha sobre o show de abertura dela. Wanessa 'supostamente com o aval de Beyoncé' abriu o show, mas e a Ivete?!... ah, é pq ela trouxe a Beyoncé pro Brasil, tá explicado.

11 de fevereiro de 2010 17:19  
Anonymous Anônimo said...

Ivete Sangalo tem carisma, talento e voz, apesar de repertório ter seus muitos pontos fracos.

Wanessa Camargo é tão inóqua que sempre que sai uma reportagem sobre ela numa dessas revistas de fofoca, é falando do cabelo, do casamento... musicalmente ela não representa nada.

14 de fevereiro de 2010 01:28  
Anonymous Anônimo said...

a wanessa é ésteril como cantora tudo que ela faz nao tem raizes nao brota nada genuino dessa moça, se ela ficar sem lançar discos todo ano e mudar o visual ninguem se lembra dela coitada ta sempre correndo atras do talento que nunca teve

6 de março de 2010 14:02  

Postar um comentário

<< Home