3 de fevereiro de 2010

Mayer expia dor de amor em acertado tom pop

Resenha de CD
Título: Battle Studies
Artista: John Mayer
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * * 1/2

John Mayer foi projetado em 2001 ao lançar Room for Squares, seu primeiro álbum que, a rigor, já era o segundo, embora trouxesse algumas regravações do real primeiro álbum do cantor, Inside Wants Out, lançado de forma obscura em 1999. Na ocasião, o cantor e compositor mostrou que fazia competente pop folk de caráter contemporâneo. Contudo, Mayer extrapolou o gênero e flertou com o blues e com o jazz no ao vivo Try! (2005). Continuum (2008) trouxe o artista de volta ao trilho pop com consistente repertório autoral. Battle Studies - lançado em novembro de 2009 nos Estados Unidos e recém-editado no Brasil pela Sony Music - mantém Mayer nesse trilho, apesar de incluir no coeso repertório um cover do seminal bluesman Robert Johnson (1911 - 1938), Crossroads. Em seu quinto álbum de estúdio (o quarto, para efeitos mercadológicos), Mayer expia dor de amor - em tese por causa das idas e vindas do namoro com a atriz Jennifer Ariston - em clima ameno que, de acordo com o release, foi inspirado pelo pop californiano dos anos 70 e 80. Rótulos à parte, Battle Studies tem bons momentos. A balada All We Ever Do Is Say Goodbye, de refrão sedutor, é um deles. Perfectly Lonely - pop timbrado na guitarra de Mayer - é outro. Em contrapartida, resulta insossa a intervenção de Taylor Swift - a jovem cantora de country laureada com o Grammy 2010 de Álbum do Ano - em Half of my Heart. No todo, Mayer mostra com Battle Studies que soube se preservar digno na primeira década de sua carreira...

3 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

John Mayer foi projetado em 2001 ao lançar Room for Squares, seu primeiro álbum que, a rigor, já era o segundo, embora trouxesse algumas regravações do real primeiro álbum do cantor, Inside Wants Out, lançado de forma obscura em 1999. Na ocasião, o cantor e compositor mostrou que fazia competente pop folk de caráter contemporâneo. Contudo, Mayer extrapolou o gênero e flertou com o blues e com o jazz no ao vivo Try! (2005). Continuum (2008) trouxe o artista de volta ao trilho pop com consistente repertório autoral. Battle Studies - lançado em novembro de 2009 nos Estados Unidos e recém-editado no Brasil pela Sony Music - mantém Mayer nesse trilho, apesar de incluir no coeso repertório um cover do seminal bluesman Robert Johnson (1911 - 1938), Crossroads. Em seu quinto álbum de estúdio (o quarto, para efeitos mercadológicos), Mayer expia dor de amor - em tese por causa das idas e vindas do namoro com a atriz Jennifer Ariston - em clima ameno que, de acordo com o release, foi inspirado pelo pop californiano dos anos 70 e 80. Rótulos à parte, Battle Studies tem bons momentos. A balada All We Ever Do Is Say Goodbye, de refrão sedutor, é um deles. Perfectly Lonely - pop timbrado na guitarra de Mayer - é outro. Em contrapartida, resulta insossa a intervenção de Taylor Swift - a jovem cantora de country laureada com o Grammy 2010 de Álbum do Ano - em Half of my Heart. No todo, Mayer mostra com Battle Studies que soube se preservar digno na primeira década de sua carreira...

3 de fevereiro de 2010 08:20  
Anonymous Anônimo said...

PUTZ!

A CADA DIA QUE PASSA ESSE CARA FICA MAIS ...

3 de fevereiro de 2010 10:53  
Anonymous Anônimo said...

maravilhoso esse disco, pra mim o melhor dele, adorei.

3 de fevereiro de 2010 19:16  

Postar um comentário

<< Home