15 de julho de 2009

Boas novas atestam o vigor de Kleiton & Kledir

Resenha de CD e DVD
Título: Autorretrato
Artista: Kleiton & Kledir
Gravadora: Som Livre
Cotação: * * * *

Desativada em 1987, após cinco álbuns que traduziram a música gaúcha para o idioma pop, a dupla Kleiton & Kledir voltou à cena em meados dos anos 90. Vieram os inevitáveis CDs e DVDs com regravações de músicas próprias e alheias que, embora bons, tinham um ranço saudosista. E o fato é que somente com este vigoroso Autorretrato - o primeiro trabalho de inéditas dos irmãos Ramil desde 1986 - é que a obra do duo realmente avança, com a inspiração dos áureos tempos. "Tu me ensina a viver que eu te ensino a sonhar, cheios de esperança", se propõem Kleiton & Kledir na faixa-título, em que celebram a amizade enquanto traçam seus perfis, acentuando as diferenças de forma espirituosa.
Escorados na produção bem elegante de Paul Ralphes, que dá tom contemporâneo ao seu som sem as tais mudernidades, os gaúchos remoem a nostalgia da cidade natal em Pelotas, expõem a paixão por mulheres (Eva, com direito a uma versão feminina, Adão, cantada com o grupo Chicas no DVD homônimo que documenta a gravação do CD) e mergulham no regionalismo pop em temas como Polca Loca e A Dança do Sol e da Lua, hábeis ao evocar ritmos tradicionais do Sul sem clima folclórico. Pode acreditar: Autorretrato está à altura dos melhores álbuns da dupla. É verdade que os irmãos às vezes patinam no romantismo mais convencional em temas como Só Liguei (de bela melodia, diga-se) e, sobretudo, História de Amor. Em contrapartida, faixas como Na Correnteza do Rio, O Tempo Voa e Estrela Cadente estão impregnadas daquela boa poesia romântica típica da dupla. Até os vocais, arranjados com maestria por Kleiton, soam firmes nas 13 músicas de Autorretrato. Ouça Ao Sabor do Vento e sinta que o tempo parece não ter passado para Kleiton & Kledir. Enfim, a Maria Fumaça - atividada em 1979 - voltou para os trilhos, tchê...

29 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Desativada em 1987, após cinco álbuns que traduziram a música gaúcha para o idioma pop, a dupla Kleiton & Kledir voltou à cena em meados dos anos 90. Vieram os inevitáveis CDs e DVDs com regravações de músicas próprias e alheias que, embora bons, tinham um ranço saudosista. E o fato é que somente com este vigoroso Autorretrato - o primeiro trabalho de inéditas dos irmãos Ramil desde 1986 - é que a obra do duo realmente avança, com a inspiração dos áureos tempos. "Tu me ensina a viver que eu te ensino a sonhar, cheios de esperança", se propõem Kleiton & Kledir na faixa-título, em que celebram a amizade enquanto traçam seus perfis, acentuando as diferenças de forma espirituosa.
Escorados na produção bem elegante de Paul Ralphes, que dá tom contemporâneo ao seu som sem as tais mudernidades, os gaúchos remoem a nostalgia da cidade natal em Pelotas, expõem a paixão por mulheres (Eva, com direito a uma versão feminina, Adão, cantada com o grupo Chicas no DVD homônimo que documenta a gravação do CD) e mergulham no regionalismo pop em temas como Polca Loca e A Dança do Sol e da Lua, hábeis ao evocar ritmos tradicionais do Sul sem clima folclórico. Pode acreditar: Autorretrato está à altura dos melhores álbuns da dupla. É verdade que os irmãos às vezes patinam no romantismo mais convencional em temas como Só Liguei (de bela melodia, diga-se) e, sobretudo, História de Amor. Em contrapartida, faixas como Na Correnteza do Rio, O Tempo Voa e Estrela Cadente estão impregnadas daquela boa poesia romântica típica da dupla. Até os vocais, arranjados com maestria por Kleiton, soam firmes nas 13 músicas de Autorretrato. Ouça Ao Sabor do Vento e sinta que o tempo parece não ter passado para Kleiton & Kledir. Enfim, a Maria Fumaça - atividada em 1979 - voltou para os trilhos, tchê...

15 de julho de 2009 14:01  
Anonymous Anônimo said...

Finalmente algo novo da dupla. O talento deles merecia isso.
Almondegas e a primeira fase não poderia passar e ficar apenas nos covers de si memso
Ótimo
Carioca da Piedade, do tempo que o grupo deles fez estreia em novela, saramandaia

15 de julho de 2009 15:37  
Anonymous Anônimo said...

Ontem, hoje, sempre: SÃO O MÁXIMO!
TÁ COMPRADO, TCHÊ!

15 de julho de 2009 18:34  
Anonymous Anônimo said...

Dêem uma olhada no post anterior.
JÁ DISSERAM TUDO DESTA DUPLA ÍMPAR.

15 de julho de 2009 18:37  
Anonymous Anônimo said...

ADORO OS MANINHOS AÍ (E AINDA TEM O CAÇULA VITOR...) SEJA REGRAVANDO, SEJA CANTANDO MÚSICAS ALHEIAS, SEJA "AO VIVO", SEJA NOS "ALMÔNDEGAS", SEJA "SOLO" QUANDO EM 1990 SE SEPERARAM E CADA UM LANÇOU O SEU (O DE KLEITON, INFELIZMENTE SÓ EM LP) E SEJA EM INÉDITAS.
K&K SÃO SINÔNIMOS DE QUALIDADE. MÚSICA PARA RIR("TROVA", "MARIA FUMAÇA"); PARA AMAR("PAIXÃO", "FONTE DA SAUDADE"), PARA OUVIR "CONCENTRADO" ("NAVEGA CORAÇÃO", "SEMEADURA"); PARA "TOCAR NO RÁDIO" ("VIVA", "NEM PENSAR", "DEU PRA TI", "BEIJOQUEIRO"...)

SÃO "DUCA". Esses - por milagre ou por acidente - a Universal relançou (AMÉM!).

15 de julho de 2009 19:02  
Anonymous Anônimo said...

Amo essas vozes e esses "irmões" e seu jeito de fazer canções.

Anônimo, o poeta (mesmo forçando um pouquinho a barra na ortografia).

15 de julho de 2009 20:27  
Anonymous Anônimo said...

Não sou muito chegado a "versões". Poucos acertaram mas "Corpo e Alma" faz parte das exceções.
Portanto eu complemento o anônimo:
... seja "VERSIONANDO"...

Ô NOTÍCIA BOA!

15 de julho de 2009 20:44  
Anonymous Anônimo said...

Bela resenha, Mauro. O fã de carteirinha aqui agradece - mesmo não tendo nota máxima (eu já ouvi e daria, mas como sou fã...)
Abraços.

15 de julho de 2009 21:54  
Anonymous Anônimo said...

Estou com quase 40, sou um colecionador de discos do tipo "ninguém toca, ninguém chega perto" e esses dois aí foram os únicos que me fizeram jogar um disco fora por "tempo de uso".
A quantidade de vezes que eu ouvi - e ouço até hoje, mas em CD - o 2º disco provou-me que acetato "gasta". É E SEMPRE SERÁ UMA OBRA-PRIMA ("SEMEADURA" É DE CHORAR).
VIVA OS MANINHOS AÍ. TRI-LEGAL, TCHÊ! ("lugar comum", mas não resisti... vai um chimarrão aí ?)

15 de julho de 2009 22:01  
Anonymous Anônimo said...

Pela sua crítica aí, Mauro, parece que o tempo não passou para Kleiton & Kledir. Que bom. Sempre foram perfeitos, até quando gravaram os clássicos gaúchos e regravaram seus sucessos no disco "Dois" (se bem que as primeiras gravações são imbatíveis).

PS: se não me engano, eles gravaram um CD do Programa Ensaio de Fernando Faro (desses que a Biscoito Fino e outras vem relançando em DVD também). Se você ou alguém puder confirmar e, em caso positivo, me informar se dá para achar agradeço de chimarrão, digo, de coração :-)

15 de julho de 2009 22:07  
Anonymous Anônimo said...

"Nos Naufrágios que o destino vem tentando me pregar, vou nadando meus caminhos devagar... Desde os tempos de menino aprendi a navegar com as bússolas que eu mesmo inventar..."
É BONITO DEMAIS.
QUE NÃO ABANDONEM MAIS OS TRILHOS.

15 de julho de 2009 22:12  
Anonymous Anônimo said...

Para quem quer conhecer um tiquinho da cultura gaúcha - já que a mineira e a baiana têm aos montes - ouçam "Roda de Chimarrão", "Maria Fumaça", "Trova", "Pára Pedro" - quer saber ? OUÇAM TUDO!

15 de julho de 2009 22:15  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel Andrade

K e K são sempre bons, são os caras que não enchem o saco nas rádios e nem nos programas de Tvs de queinta categroia. O lirismos deles é maravilhoso. Tirando aquele disco do beijoqueiro, o os outros são fantásticos.Quem não teve a oportunidade de conhecer essa dupla no auge é so pegar o DVD da trajetória e ver o barato que são.

15 de julho de 2009 22:36  
Anonymous Anônimo said...

Escrevi no primeiro e vou repetir nesse: SEMEADURA é das mais belas letras da nossa MPB - e a julgar pela época tinha era concorrência.
Outros citaram o violino de Kleiton que fazia o diferencial e fazia mesmo; era novidade na época (seu Marcus Viana ainda estava ensaiando) o instrumento clássico enriquecendo a MPB tradicional ou regional da dupla dinâmica aí - é só prestar atenção na abertura de "Navega Coração". Bonito é pouco. Maravilhoso ainda não é suficiente.

15 de julho de 2009 23:01  
Anonymous Anônimo said...

Um par perfeito. Vim descobrir quando se lançaram em carreira-solo em 1990.
Kleiton mais "apurado", experimentando mais, não se permitindo clichês do sucesso fácil; Kledir puro POP, música para vender sem nenhuma vergonha disso, refrões "ouviu uma vez, decorou", regravações dos sucessos da dupla e por aí vai.
JUNTOS É UM ACRESCENTANDO BELEZA À BELEZA DO OUTRO E UM CONSERTANDO AS DEFICIÊNCIAS DO OUTRO.
Há males que vem para bem. E QUE NÃO SE SEPAREM MAIS.

15 de julho de 2009 23:13  
Anonymous Anônimo said...

"...típica da dupla". Disse tudo, Mauro. Esses caras tem um quê de não sei quê que ainda tento decifrar. São únicos. Não vejo em quem tenham se inspirado ou quem tenham inspirado. SÃO FUNDAMENTAIS.
Sabem não ser enjoativos mandando um bardo POP descartável do tipo "Nem Pensar", sabem não ser "bregas" mandando uma balada romântica do tipo "Paixão", sabem não ser metidos a intelectuais mandando um hino do tipo "Semeadura", sabem não ser de guetos mandando uma regional do tipo "Bailão". MÚSICA UNIVERSAL CHEIA DE SIMPLICIDADE E DIFERENCIAL - ou eu é que sou do tipo fã cego e surdo ?

15 de julho de 2009 23:35  
Anonymous Anônimo said...

Piúma, se passares por aqui vai lembrar de mim. Lembra quando me levaste todo trêmulo no camarim dos teus primos aí naquele show no Caneção na época de "Nem Pensar" ?
Ridículo ou motivo de orqulho ? Sei lá.
Abraços, Piúma.

15 de julho de 2009 23:40  
Blogger Kleiton said...

Mauro,

Obrigado pelas palavras sobre o Autorretrato. Estamos felizes com tudo o que está acontecendo.

Abç

Kleiton Ramil

16 de julho de 2009 21:28  
Anonymous Anônimo said...

Comentário ilustre, hein?! A crítica de fato faz jus ao talento de vocês, Kleiton. Aliás, não paro de ouvir o novo CD no Sonora. É muito tri!!

17 de julho de 2009 14:10  
Anonymous Anônimo said...

Obrigado a você, Kleiton - a ao maninho Kledir - por terem sido a "trilha-sonora" de minha adolescência/juventude.
Desejo sucesso sempre.

NÃO NOS DEIXEM MUITO TEMPO SEM OUVIR NOVAS E BELAS CANÇÕES - mesmo que ouvir, ouvir mais uma vez, ouvir de novo... as "velhas" ainda seja um "programaço".

Abraços "Loucos de Luz" para vocês.

17 de julho de 2009 19:49  
Anonymous Anônimo said...

No outro "Post" eu disse que eram uma "simpatia". Tão vendo ?
Artistas que não se sentem em pedestais e diferentes de ninguém.
Tavito fez a mesma coisa.
Não tem como se decepcionar com "artistas-seres-humanos" como esses.

KLEITON, QUEM AGRADEÇE SOU EU: AS MÚSICAS QUE ME ENCANTARÃO ATÉ MORRER E A SIMPATIA E PACIÊNCIA QUE VOCÊS TIVERAM COMIGO - UM MOLECOTE QUE MAIS PARECIA FÃ HISTÉRICA DO RPM - DEPOIS DO CANSAÇO DE UM SHOW QUANDO ME DERAM UMA BAITA ATENÇÃO NO CAMARIM DO CANECÃO. E ACHO QUE NÃO TINHA A HAVER O FATO DE O MARCELO PIÚMA - PRIMO DE VOCÊS - TER SIDO O INTERLOCUTOR, NÃO.

17 de julho de 2009 20:13  
Anonymous Anônimo said...

Ouça E COMPRE! O artista agradece.

17 de julho de 2009 20:14  
Anonymous Anônimo said...

Eu não paro é de ver/ouvir o DVD no meu "sonoro" e televisivo mesmo.
Sem "mudernidade", sem tentar ser diferente, é só beleza - e basta.
E é a dupla de sempre: amor; humor; regional-universal e - como disse o Mauro - "poesia romântica" que só eles fazem.

PS: Kleiton, quem agradece sou eu.
Namorei ao som de "Paixão" e "Fonte da Saudade". Me diverti ao som de "Nem Pensar", "Viva", "Beijoqueiro", "Maria Fumaça", "Trova", "Canção da Meia-Noite". Conheci outros "litorais" e "serras" ao som de "Trova", "Pampa de Luz", "Bailão", "Noite de São João".
Admirei "Navega Coração", "Loucos de Luz", "Androginismo", "Semeadura"

AS NOVAS ? TEM AMOR, DIVERSÃO, "CONHECIMENTO" E ADMIRAÇÃO. MINHA CRÍTICA ? Não há estrelas que definam, são como às do céu também. Infiniiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiitas.

17 de julho de 2009 21:03  
Anonymous Anônimo said...

Kleiton, sempre fiquem felizes pelas graças que proporcionaram à juventude 80. Assim como fizeram parte da minha, devem ter feito parte de muitas.
Era na vitrola, na roda de violão ou no rádio (no tempo em que rádio tocava também coisa boa além de "jabá").
Mas eu confesso: conheci a dupla vendo a novela da Bandeirantes "Cavalo Amarelo" ( o tema de abertura era "A Roda da Fortuna").

17 de julho de 2009 21:09  
Anonymous Anônimo said...

Nunca parei de ouvir esses dois aí. Desde 1980. Lá se vão quase 30 anos... (tô ficando velho).

17 de julho de 2009 21:15  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo, o "Programa Ensaio" com Kleiton & Kledir foi lançado nos BOXs (4) com 10 CDs em cada "A Música Brasileira deste Século por Seus Autores e Intérpretes" do selo "SESC SP" da TV Cultura. A versão em DVD não há - ainda, tomara - como já há de outros deste mesma série como você já citou.
Tem na "Modern Sound" no Rio. O Problema é que tem de comprar o box respectivo já que a loja não vende separado e sai caro (de R$ 270,00 a R$ 300,00).
Torçemos para que alguma gravadora - alô, Biscoito Fino - relançe em DVD como já fiseram com muita coisa desta série.
Abraços.

PS: Mauro, censuraste a discografia COMPLETA da dupla que postei por quê ? Olha o retrabalho aí. Caso censure este também, reinforme ao anônimo pelo menos.
Abraços.

18 de julho de 2009 15:04  
Anonymous Anônimo said...

Kleiton, caso dê uma passadinha por aqui de novo, vou abusar: há como adquirir seu LP solo em CD ?
Fiz o mesmo com Tavito e ele me enviou seus dois LPs nunca digitalizados - em CD e com capa e tudo. Grande Tavito.
Se der também, já agradeço.

18 de julho de 2009 17:54  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo, tenha vergonha não. Sabe como eu descobri o Vitor Ramil, que é bem mais "radical" que os maninhos aí ? Na noleva "Os Adolescentes" - também da Bandeirantes - com "Loucos de Cara".
Bendito tempo em que novelas davão-se ao luxo de encaixar músicas inéditas ou de verdade em sua trilha.

18 de julho de 2009 21:18  
Blogger Piuma said...

Olá para todos! Eu sou o Piuma e gostaria de lembrar quem foi comigo no canecão ver o show dos primos K&K. Desculpa se não lembro, mas o tempo faz estragos com a memória!
Um abraço em todos
Piuma

6 de novembro de 2009 21:12  

Postar um comentário

<< Home