22 de junho de 2009

Teresa faz a festa do Carioca com samba e forró

Crônica de Show (1º set)
Evento: Feijoada de aniversário do Carioca da Gema
Artista: Teresa Cristina e Grupo Semente
Local: Carioca da Gema (RJ)
Data: 21 de junho de 2009
Cotação: * * * *

Na parede, um painel de fotos do compositor Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008) expressava na frase 'Valeu, Luiz Carlos da Vila' a saudade deixada pelo sambista. Na cozinha, o vaivém dos pratos de feijoada que voavam em direção às mesas estavam em sintonia com o frenesi do salão. A noite de domingo, 21 de junho de 2009, era especial para o Carioca da Gema, um dos mais cultuados redutos do samba na Lapa, o revitalizado bairro boêmio da zona central do Rio de Janeiro (RJ). É que a casa celebrava nove anos e a ocasião, aliás, era tão especial que a estrela maior do palco apertado do local, a carioca Teresa Cristina, até interrompeu sua licença-maternidade para fazer com o grupo Semente uma única apresentação festiva do show que agita tradicionalmente o Carioca da Gema nas noites de sexta-feira. Nas mesas ou na pista, cheia mas não abarrotada como de costume, o clima era de real confraternização. Como se todos os fiéis frequentadores da casa naquela noite fizessem parte de um clube ou de uma sociedade quase secreta. Afinal, mesmo aberta ao público, a festa-show de aniversário foi noticiada basicamente através de e-mails e de comunidades do orkut. A senha para a entrada era comungar da alegria de sambar ao som de Teresa e do Semente. "Não faz feitiço quem não tem um terreiro", sentenciou a cantora logo no primeiro verso do primeiro samba do primeiro set da apresentação, Maria Joana, a jóia de Sidney Miller (1945 - 1980) tirada do baú pelas cantoras da nova geração do samba (Maria Joana foi gravada por Nara Leão e por Gal Costa nos anos 60). E Teresa fez o seu feitiço...

O samba parece ser o dom de todos que ali se reuniam para ouvir Teresa e o Semente. Mas é um samba sem fronteiras ou bairrismos cariocas. Tanto que o imortal Dorival Caymmi (1914 - 2008) se diz presente com quitutes como Lá Vem a Baiana, Rosa Morena e Vatapá. Acontece que Caymmi é baiano, mas isso pouco importa para o público e os artistas. E é por isso que entra no roteiro tanto um clássico do maranhense João do Vale (1934 - 1996) - Pé do Lajeiro - quanto uma Chula Cortada do baiano Roque Ferreira. É por isso também que, como é noite de junho, Luiz Gonzaga (1912 - 1989) foi evocado no arraial pagodeiro com Olha pro Céu. E quando, na sequência, o cantor Pedro Miranda puxa São João na Roça ninguém estranha quando casais começam a abrir espaço na pista para dançar quadrilha. Ampliada com a cantoria do Pagode Russo. É festa! Que pode ser junina em algum momento, mas todo mundo sabe que a quadrilha acaba em samba. Carioca. E da gema!!

20 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Na parede, um painel de fotos do compositor Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008) expressava na frase 'Valeu, Luiz Carlos da Vila' a saudade deixada pelo sambista. Na cozinha, o vaivém dos pratos de feijoada que voavam em direção às mesas estavam em sintonia com o frenesi do salão. A noite de domingo, 21 de junho de 2009, era especial para o Carioca da Gema, um dos mais cultuados redutos do samba na Lapa, o revitalizado bairro boêmio da zona central do Rio de Janeiro (RJ). É que a casa celebrava nove anos e a ocasião, aliás, era tão especial que a estrela maior do palco apertado do local, a carioca Teresa Cristina, até interrompeu sua licença-maternidade para fazer com o grupo Semente uma única apresentação festiva do show que agita tradicionalmente o Carioca da Gema nas noites de sexta-feira. Nas mesas ou na pista, cheia mas não abarrotada como de costume, o clima era de real confraternização. Como se todos os fiéis frequentadores da casa naquela noite fizessem parte de um clube ou de uma sociedade quase secreta. Afinal, mesmo aberta ao público, a festa-show de aniversário foi noticiada basicamente através de e-mails e de comunidades do orkut. A senha para a entrada era comungar da alegria de sambar ao som de Teresa e do Semente. "Não faz feitiço quem não tem um terreiro", sentenciou a cantora logo no primeiro verso do primeiro samba do primeiro set da apresentação, Maria Joana, a jóia de Sidney Miller (1945 - 1980) tirada do baú pelas cantoras da nova geração do samba (Maria Joana foi gravada por Gal Costa e Caetano Veloso em 1967 no LP Domingo). É feitiço...

O samba parece ser o dom de todos que ali se reuniam para ouvir Teresa e o Semente. Mas é um samba sem fronteiras ou bairrismos cariocas. Tanto que o imortal Dorival Caymmi (1914 - 2008) se diz presente com temas como Lá Vem a Baiana, Rosa Morena e Vatapá. Acontece que Caymmi é baiano, mas isso pouco importa para o público e os artistas. E é por isso que entra no roteiro tanto um clássico do maranhense João do Vale (1934 - 1996) - Pé do Lajeiro - quanto uma Chula Cortada do baiano Roque Ferreira. É por isso também que, como é noite de junho, Luiz Gonzaga (1912 - 1989) é evocado no arraial pagodeiro com Olha pro Céu. E quando, na sequência, o cantor Pedro Miranda puxa São João na Roça ninguém estranha quando casais começam a abrir espaço na pista para dançar quadrilha. Ampliada com a cantoria do Pagode Russo. É festa! Que pode ser junina em algum momento, mas todo mundo sabe que a quadrilha acaba em samba. Carioca. E da gema!!

22 de junho de 2009 12:15  
Anonymous Anônimo said...

Maria Joana também foi lindamente gravada por Nara Leão, no melhor disco dela: Vento de Maio, que tem 5 músicas do Sidney Miller. A gravação do próprio, no primeiro disco, também é genial.

22 de junho de 2009 13:17  
Anonymous Anônimo said...

Maria Joana foi gravada SOMENTE por Gal Costa, no disco Domingo que ela gravou ao lado com Caetano. Mas a voz é só dela.

22 de junho de 2009 15:13  
Anonymous Anônimo said...

Ouso dizer que é a herdeira de Beth Carvalho. Por enquanto é só princesa.

22 de junho de 2009 18:39  
Anonymous Anônimo said...

Olha só, nem vou entrar no mérito das sucessões até porque eu acho que a Teresa já encontrou o seu espaço nesse seleto grupo. Teresa é uma excelente cantora e compositora que tem trilhado bonito. Teresa Cristina é de verdade, não tem fronteiras (nesse aspecto assemelha-se MUITO à Beth!). Teresa é tanto da Lapa quanto da quadra da Portela, do Cacique de Ramos quanto do Candongueiro, da Zona Norte e dos bares da Zona Sul, enfim, Teresa trilha e busca novas alternativas dentro do gênero, percorre bastante e tem feito novas parcerias com grandes compositores (eu ainda espero a gravação da música dela em parceria com o Arlindo sobre Iemanjá!) e cada vez mais tem se firmado. Não é mais promessa, é afirmação! Concretização!
Quanto à escola Lapa, hoje em dia eu fico contente. Anteriormente, há uns três ou quatro anos quando passava férias no Rio, confesso que saía por vezes frustrado pelo fato de simplesmente ignorarem o samba dos quintais. Não cantavam alguns compositores de samba, sobretudo os descobertos na quadra do Cacique de Ramos ou nas quadras das escolas de samba, celeiros de GRANDES e EXCEPCIONAIS compositores. Hoje em dia não se vê mais isso, graças a Deus! Tanto se ouve um samba do Luiz Carlos da Vila quanto do Ataulfo Alves, se escuta Martinho, Zeca, Arlindo, Dona Ivone (até ela não tinha espaço!) como também Paulinho, Cartola, Nelson, Noel, Ismael e tantos outros. Felizmente o povo da Lapa (que eu tambem reconheço que MUITO fizeram pela nova retomada do samba) corrigiu esse equívoco. No tempos atuais, cada vez menos temos espaço para o separatismo. Como diria Cartola, na voz da minha Rainha: "E ouço da natureza que sejam bem-vindos!" Todos, aliás! Abraços,

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

22 de junho de 2009 19:51  
Anonymous Anônimo said...

E ainda compõe. É a melhor artista surgida nos últimos tempos, independente de gênero.

22 de junho de 2009 20:50  
Anonymous Anônimo said...

Taí a O TALENTO dessa geração. Que me perdoem os fãs de Roberta Sá - a quem muito aprecio também - mas não tem pra ninguém.

22 de junho de 2009 22:05  
Anonymous Anônimo said...

viva Teresa! Amo, amo, amo...

Quanto mais ouço seus discos, mas tenho vontade de ouvir.

Espero que essa licença-maternidade acabe logo e Teresa e o Semente venham pra SP.

22 de junho de 2009 22:05  
Anonymous Anônimo said...

retificando Mauro: "que eu também reconheço: MUITO fizeram pela nova retomada do Samba!" Abs,

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

22 de junho de 2009 22:18  
Anonymous Anônimo said...

Marcelo,

O nome da composição da Teresa Cristina em parceria com o Arlindo Cruz é "Oferendas". Teresa chegou a cantar a música numa apresentação que fez em São Paulo. Acredito que o vídeo ainda esteja disponível no YouTube.

Teresa Cristina deve gravar o seu próximo disco ainda este ano. Segundo entrevista concedida ao programa Metrópolis, TV Cultura, Teresa disse que a idéia é gravar um CD só com composições de sua autoria. Destaque para a linda "Convite à Tristeza" que ela tem cantado em suas últimas apresentações.

Abraços,

Geraldo Pimentel

22 de junho de 2009 23:15  
Blogger fernando said...

Teresa alem de bela cantora é belissima compositora, tendo parcerias com Argemiro Patrocinio, Roque ferreira, José Renato, Arlindo Cruz e prepara mais composiçoes com o mesmo.

Suas composiçoes Acalanto, Candeeiro, Pra cobrir a solidao, Cordao de Ouro e Portela isto no seu CD O MUNDO É O MEU LUGAR - ao vivo - que foi tido por um jornal de SAO PAULO como um dos 10 meslhores CDS da Década.

Para completar o seu reinado ela prepara um CD so com musicas inéditas, porém eu rezo para que ela inclua não so MARIA JOANA mas como Desencontro, Ela e eu entre outras.

SARAVÁ TERESA!

Fernando Venancio

23 de junho de 2009 10:35  
Anonymous Anônimo said...

Marcelo, muitos fizeram sim, mas alguém sempre tem que ligar o botão para a festa começar, alguém tem que dar o primeiro toque na bola pro jogo começar, alguém tem que dar o primeiro olhar para o amor começar. E esse alguém foi a "princesa" aí.

23 de junho de 2009 21:13  
Blogger Ju Oliveira said...

há muito tempo que Teresa não é mais promessa.

Voz especial, está cantando cada vez melhor, tem critério, carisma e talento pra selecionar e compor canções lindas. Nada nela soa falso.

Que venha logo o cd novo e muitos shows em todo o Brasil!

23 de junho de 2009 21:25  
Anonymous Anônimo said...

Geraldo,

Muito obrigado pela informação! Fiquei sem computador ontem o dia inteiro. Grande abraço e vou procurar ouvi-la mais uma vez.

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

24 de junho de 2009 08:51  
Anonymous Anônimo said...

Verdade anônimo. Teresa foi a pioneira da nova turma da Lapa. Abs,

Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

24 de junho de 2009 13:42  
Blogger Estalactites hemorrágicas said...

Teresa Cristina
é tudo de bom
linda em sua arte
compositora que se revela.
Teresa Cristina
é a cor do som
azul Portela em toda parte
e comandando a noite, ela
por merecimento
por sentimento
pelas canções que chegam com o vento
aos ouvidos dos que querem
o entendimento pra felicidade.
Cantora única
como deve ser cada estrela nesse vasto palco Brasil.
Obrigado pela linda noite no Carioca
Parabens tb ao Grupo Semente

24 de junho de 2009 22:04  
Anonymous Anônimo said...

Teresa é tudo de bom. Sofisticação e simplicidade de braços dados.

Ouvia muita gente falar que ela era sem graça no palco, e eu ficava sem acreditar, uma vez que achava os discos dela lindíssimos (principalmente o primeiro disco autoral). Quando assisti ela ao vivo se dissipou totalmente minhas dúvidas. Ela não tem nada de sem graça. Pelo contrário. Ela é uma verdadeira graça.

25 de junho de 2009 23:48  
Anonymous Anônimo said...

Tenho respeito pela Tereza Cristina,mas ela não tem voz.Coisa MUITO importante para uma cantora.Não sei o que dizer.No show no Sesc Pompéia,São Paulo, fiquei até constrangido...Vai ver que o "charme" é não ter voz.

28 de junho de 2009 18:13  
Blogger fernando said...

Anonimo, na sua ultima postagem voce reconhece a cantora Teresa Cristina ao admitir Respeito.
Olha so que coisa mais bonita!
Respeitamos a quem?
Á Deus, aos nossos pais,as leis... bem isso ja da uma ideia da magnitudade da cantora.
Nós respeitamos quem esta acima de nós ou a quem esta em igualdade com a gente.

Quanto á voz ela mesma diz em sua composiçao CANTAR:
"Cantar , desnudar-se diante da vida, é vestir-se com a voz que se tem..."
Só nessa estrofe ela ja disse ao que veio; pois se coloca nua e crua aos julgamentos, portanto verdadeira e honesta na sua arte.(verdadeira)
E mais adiante:
"E nao ter que explicar pra ninguem a razao dessa tal melodia."
É SO SENTIR...OUVIR O CANTO DA SEREIA ...e para tal nao é necessario grandes extensoes(ou seria griatrias de algumas divas pops americanas)

Em outro trecho:
"Num canto vou jogando a minha vida pra voce...por isso fecho os olhos pra nao ver."
É AMOR...DOAÇAO E CRIAÇAO.
E voce captou isso. Nós todos que estamos aqui discutindo esse assunto: O CANTO DA SEREIA, nao uma imaginária, curvilinea,uma cantora-fruta, mas uma SEREIA de fato encantadora em sua arte.

Fernando

29 de junho de 2009 12:06  
Anonymous Anônimo said...

Fernando, nem preciso elogiar. Fica meio óbvio demais em se tratando da princesa do samba - Beth tá viva ainda e graças a Deus!

29 de junho de 2009 19:31  

Postar um comentário

<< Home