4 de maio de 2009

'The Eternal' traz barulhos bons de Sonic Youth

Resenha de CD
Título: The Eternal
Artista: Sonic Youth
Gravadora: Matador
Records
Cotação: * * * 1/2

Um dos ícones mais antigos e resistentes da vasta cena indie de rock dos Estados Unidos, a banda Sonic Youth recuperou o vigor dos tempos áureos em 2006 ao lançar o álbum Rather Ripped. Com lançamento agendado para 9 de junho de 2009, mas já vazado na internet, The Eternal marca a estreia do grupo na gravadora Matador Records e assinala seu retorno ao mercado fonográfico alternativo. É um disco quase tão interessante quanto o anterior. Fãs dos barulhos do grupo vão encontrar alguns bons nos seis minutos e nove segundos da faixa Anti-Orgasm, destaque da safra de inéditas. Produzido por John Agnello, The Eternal concilia climas e referências da discografia da banda. Se a música de abertura, Sacred Trickster, é um power pop sucinto de pouco mais de dois minutos, o longo tema que encerra o CD - Massage the History - alterna tons em seus nove minutos e 43 segundos, com direito a longas e quase etéreas passagens instrumentais. Entre uma e outra faixa, há temas bem mais melodiosos, caso de Antenna, e uma composição (Walking Blue) em que a banda tenta (e até consegue) evocar a atmosfera do rock de Neil Young. Entre outros méritos, The Eternal marca a entrada no Sonic Youth do baixista Mark Ibold, egresso do grupo Pavement. É um bom disco que vai agradar até antigos fãs dessa lenda do rock indie dos EUA.

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Resenha de CD
Título: The Eternal
Artista: Sonic Youth
Gravadora: Matador
Records
Cotação: * * * 1/2


Um dos ícones mais antigos e resistentes da cena indie do vasto rock norte-americano, a banda Sonic Youth recuperou o vigor dos tempos áureos em 2006 ao lançar o álbum Rather Ripped. Com lançamento agendado para 9 de junho de 2009, mas já vazado na internet, The Eternal marca a estreia do grupo na gravadora Matador Records e assinala sua volta ao mercado fonográfico alternativo. É um disco quase tão interessante quanto o anterior. Fãs dos barulhos do grupo vão encontrar alguns bons nos seis minutos e nove segundos da faixa Anti-Orgasm, destaque da safra de inéditas. Produzido por John Agnello, The Eternal concilia climas e referências da discografia da banda. Se a música de abertura, Sacred Trickster, é um power pop sucinto de pouco mais de dois minutos, o longo tema que encerra o CD - Massage the History - alterna tons em seus nove minutos e 43 segundos, com direito a longas e quase etéreas passagens instrumentais. Entre uma e outra faixa, há temas mais melodiosos, caso de Antenna, e uma composição (Walking Blue) em que a banda tenta (e até consegue) evocar a atmosfera do rock de Neil Young. Entre outros méritos, The Eternal marca a entrada no Sonic Youth do baixista Mark Ibold, egresso do grupo Pavement. É um bom disco que vai agradar até antigos fãs dessa lenda do rock indie dos EUA.

4 de maio de 2009 16:29  

Postar um comentário

<< Home