25 de maio de 2009

Calmo e com classe, Iggy transita por clássicos

Resenha de CD
Título: Préliminaires
Artista: Iggy Pop
Gravadora: Virgin
Cotação: * * * 1/2

Longe de soar bizarra na voz de Iggy Pop, a regravação de How Insensitive - a versão em inglês de Insensatez, um dos vários clássicos universais do repertório de Tom Jobim (1927 - 1994) - é um dos destaques de Préliminaires, o inusitado álbum que Iggy Pop lança na Europa nesta segunda-feira, 25 de maio de 2009. Com sua voz grave, Iggy entoa com classe a canção de Jobim emoldurado por batida que remete ao tic-tac linear de um relógio. Inspirado no polêmico livro A Possibilidade de uma Ilha, do escritor francês Michel Houellebecq, o disco flagra o roqueiro - precursor do punk nos anos 60 com seu grupo The Stooges - em momento de paz. A propagada influência do jazz de Nova Orleans (EUA) aparece em uma ou outra faixa, como King of the Dogs, cujo clima de cabaré faz evocar o som de uma big-band da era do swing. Je Sais que Tu Sais combina sussurros sensuais em francês com leve levada de blues. Contudo, Préliminaires é - em essência - um disco de canções como I Want to Go to the Beach e Spanish Coast, esta embalada com cordas. Há, sim, algum resquício do passado roqueiro do artista em Nice to Be Dead, mas, no todo, o disco é de fato calmo e suave. A ponto de ser aberto e fechado com Les Feuilles Mortes, um standard da canção francesa da década de 40. As duas versões combinam eletrônica, tom jazzy (em especial a que fecha o disco) e a voz cavernosa de Iggy Pop, que abre o disco recitando versos em francês. Esse velho moço está bem diferente!!

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Longe de soar bizarra na voz de Iggy Pop, a regravação de How Insensitive - a versão em inglês de Insensatez, um dos vários clássicos universais do repertório de Tom Jobim (1927 - 1994) - é um dos destaques de Préliminaires, o inusitado álbum que Iggy Pop lança na Europa nesta segunda-feira, 25 de maio de 2009. Com sua voz grave, Iggy entoa com classe a canção de Jobim emoldurado por batida que remete ao tic-tac linear de um relógio. Inspirado no polêmico livro A Possibilidade de uma Ilha, do escritor francês Michel Houellebecq, o disco flagra o roqueiro - precursor do punk nos anos 60 com seu grupo The Stooges - em momento de paz. A propagada influência do jazz de Nova Orleans (EUA) aparece em uma ou outra faixa, como King of the Dogs, cujo clima de cabaré faz evocar o som de uma big-band da era do swing. Je Sais que Tu Sais combina sussurros sensuais em francês com leve levada de blues. Contudo, Préliminaires é, em essência, um disco de canções como I Want to Go to the Beach e Spanish Coast, esta embalada com cordas. Há, sim, algum resquício do passado roqueiro do artista em Nice to Be Dead, mas, no todo, o disco é de fato calmo e suave. A ponto de ser aberto e fechado com Les Feuilles Mortes, um standard da canção francesa da década de 40. As duas versões combinam eletrônica, tom jazzy (em especial a que fecha o disco) e a voz cavernosa de Iggy Pop, que abre o disco recitando versos em francês. Esse velho moço está bem diferente.

25 de maio de 2009 12:28  

Postar um comentário

<< Home