14 de outubro de 2010

O blues e o rock absolvem Clapton em 'Clapton'

Resenha de CD
Título: Clapton
Artista: Eric Clapton
Gravadora: Reprise
Records / Warner Music
Cotação: * * * 1/2

Em seu 19º álbum de estúdio, Clapton, o primeiro solo em cinco anos, Eric Clapton não inventa modo. O guitarrista continua apegado ao blues - no caso, um blues polido como se pode perceber em faixas como Rocking Chair e River Runs Deep - sem esquecer o rock (Run Back to your Side, um dos temas inéditos que se irmana com clássicos como Autumn Leaves) e o jazz estilo dixieland (When Somebody Thinks You're Wonderful, faixa que agrega Wynton Marsalis ao trompete e Allen Toussaint ao piano). A produção do álbum - capitaneada pelo próprio Eric Clapton em parceria com seu fiel escudeiro, o também guitarrista Doyle Bramhall II - é luxuosa, contando com os vocais de J.J.Cale em três faixas (Everything Will Be All Right, a já citada River Runs DeepThat's no Away to Get Along) e a participação de Sheryl Crow em Diamonds Made from Rain. Aos 65 anos, o artista já parece deitado em berço esplêndido, mas, diante da perspectiva da morte, ele já reflete sobre a finitude em temas de Clapton. Uma das faixas, a propósito, se chama Judgement Day. E o fato é que, a julgar por seus últimos álbuns, Eric Clapton certamente seria absolvido se hoje fosse o dia do juízo final. O blues o absolve.

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Em seu 19º álbum de estúdio, Clapton, o primeiro solo em cinco anos, Eric Clapton não inventa modo. O guitarrista continua apegado ao blues - no caso, um blues polido como se pode perceber em faixas como Rocking Chair e River Runs Deep - sem esquecer o rock (Run Back to your Side, um dos temas inéditos que se irmana com clássicos como Autumn Leaves) e o jazz estilo dixieland (When Somebody Thinks You're Wonderful, faixa que agrega Wynton Marsalis ao trompete e Allen Toussaint ao piano). A produção do álbum - capitaneada pelo próprio Eric Clapton em parceria com seu fiel escudeiro, o também guitarrista Doyle Bramhall II - é luxuosa, contando com os vocais de J.J.Cale em três faixas (Everything Will Be All Right, a já citada River Runs Deep e That's no Away to Get Along) e a participação de Sheryl Crow em Diamonds Made from Rain. Aos 65 anos, o artista já parece deitado em berço esplêndido, mas, diante da perspectiva da morte, ele já reflete sobre a finitude em temas de Clapton. Uma das faixas, a propósito, se chama Judgement Day. E o fato é que, a julgar por seus últimos álbuns, Eric Clapton certamente seria absolvido se hoje fosse o dia do juízo final. O blues o absolve.

14 de outubro de 2010 18:50  

Postar um comentário

<< Home