26 de julho de 2010

Navas alinha Bezerra, Fred e Ritchie em 'Tecido'

Em seu oitavo álbum, Tecido, Carlos Navas alinha sucessos de Ritchie (Voo de Coração) e Bezerra da Silva (1927-2005), Sequestraram a Minha Sogra. Sob a direção musical de Ronaldo Rayol, o bom cantor de São Paulo (SP) também costura no repertório inéditas de Kléber Albuquerque (Hino dos Palhaços de Semáforo), de Alzira E e Arruda (Quem Sabe) e de Fred Martins e Marcelo Diniz (Contramão), entre outros compositores. O CD Tecido está sendo lançado - pela gravadora Lua Music - neste mês de julho de 2010.

15 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Em seu oitavo álbum, Tecido, Carlos Navas alinha sucessos de Ritchie (Voo de Coração) e Bezerra da Silva (1927-2005), Sequestraram a Minha Sogra. Sob a direção musical de Ronaldo Rayol, o bom cantor de São Paulo (SP) também costura no repertório inéditas de Kléber Albuquerque (Hino dos Palhaços de Semáforo), de Alzira E e Arruda (Quem Sabe) e de Fred Martins e Marcelo Diniz (Contramão), entre outros compositores. O CD Tecido está sendo lançado - pela gravadora Lua Music - neste mês de julho de 2010.

26 de julho de 2010 10:58  
Anonymous Anônimo said...

Acho Carlos Navas muito fraco como cantor. O repertório até pode ser bom, mas vocalmente não me diz absolutamente nada.

26 de julho de 2010 13:02  
Blogger Sandro CS said...

Dentre minhas novas aquisições de CDs na semana passada, está esse novíssimo trabalho do Carlos Navas, cuja carreira venho acompanhando atentamente há alguns anos.
Discretamente, mas de forma decisiva, Navas construiu uma carreira coerente e sólida. Do início nos bastidores, como produtor de nomes como Alzira Espíndola, Lucina e a diva Alaíde Costa, dentre outros, até passar para o centro do palco, ele vem trilhando as óbvias dificuldades de uma escolha musical que prima pela (alta) qualidade do canto e das canções, ao invés da cômoda escolha de um repertório,
digamos, mais "palatável" para as grandes massas.

Ouvindo as duas primeiras faixas do novo CD, "Onde O Vento se Inventou" e "Contramão", o que chama de imediato a atenção é a maturidade da interpretação do cantor, (positivamente) mais contido que em trabalhos
anteriores, mas, ao mesmo tempo, com a sensibilidade ainda mais à flor da pele, na medida exata das duas lindíssimas canções. A terceira faixa, "Isso Não Vai Ficar Assim", do vanguardista Itamar Assumpção, de dificílima métrica e letra ainda mais tortuosa, ganhou versão surpreendentemente cool em dueto inusitado com a sumida Lady Zu - outro grande nome de nossa música que não tem o devido reconhecimento da crítica.

O CD, cuja temática são os relacionamentos humanos, mantém-se coeso nas demais faixas, com destaque para a faixa-título, que começa com uma arrebatadora interpretação da atriz Clarisse Abujamra, que declama um fragmento de seu texto "Na Artéria". A
balada oitentista "Vôo de Coração", de Ritchie, ganhou em densidade na versão do cantor paulistano, acrescido do irretocável piano de Moisés Alves. Por fim, a divertida "Sequestraram Minha Sogra", de Bezerra da Silva, samba que pode soar distoante do resto do disco, mas guarda total coerência com a recente trajetória de Navas, que em 2007 lançara tributo a Mário Reis, pioneiro das gravações elétricas no Brasil, e cujo repertório também continha deliciosas canções de duplo sentido (como "Gavião Calçudo").

O que se vê no CD "Tecido", como um todo, é que, 14 anos depois de "Pouco Pra Mim", seu trabalho de estréia, Carlos Navas pode e deve se orgulhar de já possuir uma discografia de peso, de muito bom gosto, e, acima de tudo, atemporal.

O novo disco, ao passo que fecha um ciclo de experimentações (o cantor iniciou com 3 discos voltados para o pop, lançou os projetos Vinícius de Moraes e Chico Buarque para crianças, revisitou Mario Reis, e volta para o pop com "Tecido"), traz "de brinde" um cantor mais maduro, coeso, e que tem muito o que oferecer para a boa música brasileira. "Tecido" é um dos melhores discos de 2010!

26 de julho de 2010 13:21  
Blogger André Luís said...

Gosto bastante da voz do Navas, vamos ver o repertório, aguardar mais esse álbum...

26 de julho de 2010 13:32  
Anonymous Heron Coelho said...

Com esse "Tecido", cujo entrelaçar de linhas pude acompanhar distante, mas atento, Carlos Navas consolida sua carreira como um dos intérpretes mais inteligentes musical e esteticamente desse país. E não só eu acho isso: bastam ler as palavras do sábio Herminio Bello de Carvalho, no encarte de CD anterior do cantor (sobre Mário Reis), assim como este recente trabalho tem agradado crítica e ouvintes como Marcos Sacramento, entre outros batalhadores de verdade, que fazem da arte um ofício de vida.
Em um país onde qualquer um, sem formação artística ou experiência, produz e grava em escala industrial, eu, como diretor de teatro e musical, com 12 anos de carreira, parabenizo o cantor Carlos Navas por essa nova etapa em sua trajetória, e à Lua Music, por nos oferecer uma pérola que me surpreendeu, e me surpreende a cada audição.
Heron Coelho

26 de julho de 2010 15:40  
Anonymous Nábia Vilella said...

CARLOS NAVAS...JÁ FIZEMOS UM TRABALHO JUNTO, E GANHEI ESSE DISCO DE PRESENTE, E O PRESENTE MAIOR FOI DEGUSTAR A BELEZA DESSA VOZ AFINADA E AGORA COM UMA PROJEÇÃO DIFERENTE!!! E DIFERENTE É SEMPRE BOM, NÉ? INDA MAIS COM UM REPERTÓRIO DESSES...

NÁBIA VILELLA (cantora e atriz)

26 de julho de 2010 15:48  
Anonymous Rita Alves said...

Atenta e pesquisadora de música, ouço o repertório de Carlos Navas desde o seu primeiro disco. Numa constante evolução, tanto de escolha das músicas, quanto da interpretação, este é, para mim, um dos mais felizes momentos da música brasileira: resgate de belas canções aliado a novas composições, interpretação primorosa, músicos excelentes. Aos poucos e com muita coerência Carlos Navas está sedimentando seu tranalho e colocando seu nome no rol dos grandes intérpretes deste país. Coragem, sobretudo, de colocar nomes que pouco circulam na mídia, mas que fazem diferença na qualidade. Parabéns, Carlos Navas. Tecido de seda, algodão cru, sisal e poesia... como é o nosso melódico e mesclado país.

26 de julho de 2010 18:35  
Anonymous Rubens Lisboa said...

Carlos Navas é, hoje, um dos grandes nomes da nossa MPB. Voz única, presença cênica impoluta, repertório em permanente evolução.
Palmas para ele!

27 de julho de 2010 06:54  
Anonymous Anônimo said...

Não gosto desse cantor. Presença nula no palco e voz completamente comum. Tirando Ney , Emilio Santiago e o veterano Cauby, na minha opinião, só o Pedro Mariano tem uma carreira interessante atualmente.

27 de julho de 2010 08:50  
Blogger Reinaldo said...

é um CD maravilhoso, com músicas muito bem interpretadas com uma voz deliciosa, adoro ouvir este trabalho realizado por ele

27 de julho de 2010 15:30  
Blogger Tombom said...

Nem tanto ao céu, nem tanto à terra... Carlos Navas é, hoje, um bom cantor --- como observa o Mauro Ferreira em sua nota --- e está em aprimorada evolução. Tive a oportunidade de assisti-lo aqui em Sampa bem no início de sua carreira, muitos anos atrás... Confesso que, naquela época, não gostava muito do timbre dele e da forma com que interpetava as canções. Mas ele vem mostrando mais apuro, bom gosto na escolha do repertório, e um visível esforço em melhorar/controlar sua emissão vocal. Só os verdadeiros artistas do canto é que se preocupam com isso. Carlos Navas pode não agradar muita gente, mas isso faz parte do "jogo". Toda unanimidade é burra, já dizia Nelson Rodrigues... Que seja muito bem-vindo este novo CD!

Tom Bom
São Paulo/SP, Brasil

27 de julho de 2010 15:46  
Blogger CN said...

Querido Mauro, como leitor assíduo que sou do seu blog e eventual comentarista, não posso deixar de lhe agradecer por registrar o nascimento do meu novo disco, TECIDO, que já vem me dando muitas alegria, como, por exemplo, as canções inéditas de compositores que admiro, a autorização que tive de Ritchie e Bernardo Vilhena para regravar VOO DE CORAÇÃO e as participações incríveis de Clarisse Abujamra, estupenda atriz, e Lady Zu, uma voz sem igual. Agradeço a todos que aqui estiveram e , em especial, aos que postaram comentários sensíveis,me incentivando e sempre me fazendo refletir sobre a caminhada e as escolhas. Sigo meu caminho de interpretar o que sinto, acreditando sempre no aprendizado e na evolução. Viva a boa música. Saúde, paz e fiquem com Deus! Carlos Navas

27 de julho de 2010 18:28  
Blogger Rafael Saar said...

"Tecido" de alta qualidade! A voz de Carlos Navas é mesmo um tecido macio e resistente quando cercado de pessoas tão interessantes e tendo em sua composicão um repertório tão bom como neste álbum!
Gosto especialmente de "Contramão"! Estou ouvindo muito!

27 de julho de 2010 22:07  
Blogger Soli said...

O Carlos é um super cantor. Voz e repertório irretocáveis. O cara traz o antigo com sabor de novo e passeia pelo novo despertando antigas e eternas emoções. Parabéns por mais este trabalho e por nos trazer Clarisse Grova, essa deusa da canção tão pouco celebrada.

27 de julho de 2010 22:34  
Anonymous Anônimo said...

Acho lindo o Carlos Navas cantando "Não Faça idéias erradas de mim...", mas acho na carreira dele falta uma boa produção, uma outra postura de palco e outras parcerias. Muitas vezes ele parece um velho de 18 anos. É um ótimo cantor que ainda não se encontrou, eu acho.

27 de julho de 2010 23:31  

Postar um comentário

<< Home