10 de julho de 2010

Leci celebra Candeia no 'Comitê' da Mangueira

São Paulo (SP) - Casa recém-aberta na Rua Augusta, frenético point noturno da cidade de São Paulo (SP), Comitê - vizinha da roqueira Studio SP - tem abrigado em seu pequeno palco artistas identificados com a música brasileira mais tradicionalista. Na madrugada deste sábado, 10 de julho de 2010, a Velha Guarda da Mangueira se apresentou no Comitê em show que contou com a participação de Leci Brandão (vista no post em foto de Mauro Ferreira). Além de fazer sete números com o grupo de veteranos da agremiação verde-e-rosa do Rio de Janeiro (RJ), Leci exaltou em seu farto set individual bambas ligados à outras escolas de samba cariocas. Casos do portelense Candeia (1935 - 1978) e de Ivone Lara, dama do Império Serrano. De Candeia, Leci fez valer o Testamento de Partideiro. De Ivone, reabriu Sorriso Negro. Mas não esqueceu de saudar os mangueirenses Jamelão (1913 - 2008) - de cujo repertório reviveu o partido alto O Samba É Bom Assim, da lavra de Norival Reis e Hélio Nascimento - e Cartola (1908 - 1980), lembrado com O Sol Nascerá. Outro ilustre mangueirense, Nelson Cavaquinho (1911 - 1986) foi celebrado através de A Flor e o Espinho, clássico da parceria com Guilherme de Brito (1922 - 2006). Em ótima forma vocal, Leci também passeou por joia do repertório de Jovelina Pérola Negra, Sorriso Aberto, e por dois sucessos próprios (Zé do Caroço e Isso É Fundo de Quintal). Luxo!

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

São Paulo (SP) - Casa recém-aberta na Rua Augusta, frenético point noturno da cidade de São Paulo (SP), Comitê - vizinha da roqueira Studio SP - tem abrigado em seu pequeno palco artistas identificados com a música brasileira mais tradicionalista. Na madrugada deste sábado, 10 de julho de 2010, a Velha Guarda da Mangueira se apresentou no Comitê em show que contou com a participação de Leci Brandão (vista no post em foto de Mauro Ferreira). Além de fazer sete números com o grupo de veteranos da agremiação verde-e-rosa do Rio de Janeiro (RJ), Leci exaltou em seu farto set individual bambas ligados à outras escolas de samba cariocas. Casos do portelense Candeia (1935 - 1978) e de Ivone Lara, dama do Império Serrano. De Candeia, Leci fez valer o Testamento de Partideiro. De Ivone, reabriu Sorriso Negro. Mas não esqueceu de saudar os mangueirenses Jamelão (1913 - 2008) - de cujo repertório reviveu o partido alto O Samba É Bom Assim, da lavra de Norival Reis e Hélio Nascimento - e Cartola (1908 - 1980), lembrado com O Sol Nascerá. Outro ilustre mangueirense, Nelson Cavaquinho (1911 - 1986) foi celebrado através de A Flor e o Espinho, clássico da parceria com Guilherme de Brito (1922 - 2006). Em ótima forma vocal, Leci também passeou por joia do repertório de Jovelina Pérola Negra, Sorriso Aberto, e por dois sucessos próprios (Zé do Caroço e Isso É Fundo de Quintal). Luxo!

10 de julho de 2010 12:55  

Postar um comentário

<< Home