23 de abril de 2010

Badu suaviza som (e discurso) em 'Amerykah 2'

Resenha de CD
Título: New Amerykah Part Two - Return of the Ankh
Artista: Erykah Badu
Gravadora: Motown / Universal Music
Cotação: * * *

Sexto álbum de Erykah Badu, a segunda parte do projeto New Amerykah - intitulada Return of the Ankh - deixa no ouvinte certa decepção, embora seja injusto classificar como ruim este quinto disco de estúdio da cantora habituada a fazer classuda mistura de neosoul e r & b. É que, na comparação com a primeira explosiva parte, Return of the Ankh soa sem pegada, quase linear. Badu suavizou o discurso e o som, atualmente quase todo orgânico, sem a dose alta de eletrônica que saltou aos ouvidos em New Amerykah Part One - 4th World War (2008), álbum de alto teor político, timbrado na cadência incendiária do rap mais engajado. Nessa atual sequência, produzida com a sofisticação recorrente na discografia da artista, Badu desloca o discurso da esfera política para a afetiva. Mais leve e mais convencional, o som de músicas como 20 Feet Tall e Love está em sintonia com tal mudança de rota, que desvia o discurso da artista do público para o privado. Ainda que a controvertida decisão de Badu de filmar o clipe da (boa) faixa Window Seat inteiramente nua, na rua, tenha provocado sido, em última análise, uma decisão política que testa os limites e a moral da Nova América. Artista sempre inquieta e interessante, Badu deixa que o piano assuma o primeiro plano em boa parte dos arranjos de Return of the Ankh. Há até grooves funkeados em uma ou outra faixa, como Turn me Away (Get MuNNY), mas a vibe do álbum é calma. O que, em si, não é um defeito. O maior problema do disco é, a rigor, a irregularidade da (autoral) safra de inéditas que a artista apresenta nessa sequência.

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Sexto álbum de Erykah Badu, a segunda parte do projeto New Amerykah - intitulada Return of the Ankh - deixa no ouvinte certa decepção, embora seja injusto classificar como ruim este quinto disco de estúdio da cantora habituada a fazer classuda mistura de neosoul e r & b. É que, na comparação com a primeira explosiva parte, Return of the Ankh soa sem pegada, quase linear. Badu suavizou o discurso e o som, atualmente quase todo orgânico, sem a dose alta de eletrônica que saltou aos ouvidos em New Amerykah Part One - 4th World War (2008), álbum de alto teor político, timbrado na cadência incendiária do rap mais engajado. Nessa atual sequência, produzida com a sofisticação recorrente na discografia da artista, Badu desloca o discurso da esfera política para a afetiva. Mais leve e mais convencional, o som de músicas como 20 Feet Tall e Love está em sintonia com tal mudança de rota, que desvia o discurso da artista do público para o privado. Ainda que a controvertida decisão de Badu de filmar o clipe da (boa) faixa Window Seat inteiramente nua, na rua, tenha provocado sido, em última análise, uma decisão política que testa os limites e a moral da Nova América. Artista sempre inquieta e interessante, Badu deixa que o piano assuma o primeiro plano em boa parte dos arranjos de Return of the Ankh. Há até grooves funkeados em uma ou outra faixa, como Turn me Away (Get MuNNY), mas a vibe do álbum é calma. O que, em si, não é um defeito. O maior problema do disco é, a rigor, a irregularidade da (autoral) safra de inéditas que a artista apresenta nessa sequência.

23 de abril de 2010 11:51  
Anonymous Moisés said...

a capa é inspiradora!

23 de abril de 2010 15:05  
Blogger 'Diih´ Complicated said...

isso que você chama de blog nao tem nem um post sobre Taylor Swift?

que mancadaaaaa!

escreve sobre a tay ae ...!

23 de abril de 2010 17:02  
Anonymous Júlia said...

inspiradora até é, mas não 'capto' a mensagem...

23 de abril de 2010 17:41  

Postar um comentário

<< Home