26 de junho de 2009

Ivan avaliza Diogo em depoimento para release

Diogo Nogueira - visto acima na foto de Guto Costa que ilustra a capa de seu segundo álbum, Tô Fazendo a Minha Parte - ganha o aval de Ivan Lins em depoimento inserido na abertura do texto que apresenta o disco do cantor aos formadores de opinião. Ivan não assina o release, mas seu depoimento foi estrategicamente posicionado na introdução do texto como forma sutil de mostrar que Ivan aprova a gravação de seu samba Sou Eu - letrado por Chico Buarque e dado a Diogo por iniciativa de Chico - pelo filho de João Nogueira (1941 - 2000). O samba - vale lembrar - estava com Simone que, por conta de um grave descompasso com Chico (supostamente por questão relativa ao gênero da letra), não vai mais gravar Sou Eu. Detalhe: o samba é de fato bom, tem suingue envolvente e os versos malandros de Chico (que engrossa o coro da gravação) são valorizados pela interpretação do jovem cantor. Eis o - generoso - depoimento de Ivan Lins sobre Diogo Nogueira:

"Desde o primeiro dia em que escutei o Diogo cantar, fiquei impressionado e virei fã. Diogo Nogueira, seguindo o curso do rio paterno, mostra para a nação brasileira, através de seu lindo cantar, que é um dos mais talentosos intérpretes da nova geração de sambistas cariocas. E, sendo portelense, sempre terá as bençãos de grandes mestres, o amor de uma linda comunidade e o calor de todos os brasileiros. Que Deus te proteja, Diogo, e que sua arte maravilhosa seja teu escudo e tua devoção. Obrigado, garoto. Um grande abraço, Ivan Lins".

37 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Diogo Nogueira - visto acima na foto de Guto Costa que ilustra a capa de seu segundo álbum, Tô Fazendo a Minha Parte - ganha o aval de Ivan Lins em depoimento inserido na abertura do texto que apresenta o disco do cantor aos formadores de opinião. Ivan não assina o release, mas seu depoimento foi estrategicamente posicionado na introdução do texto como forma sutil de mostrar que Ivan aprova a gravação de seu samba Sou Eu - letrado por Chico Buarque e dado a Diogo por iniciativa de Chico - pelo filho de João Nogueira (1941 - 2000). O samba - vale lembrar - estava com Simone que, por conta de um grave descompasso com Chico (supostamente por questão relativa ao gênero da letra), não vai mais gravar Sou Eu. Detalhe: o samba é de fato bom, tem suingue envolvente e os versos malandros de Chico (que engrossa o coro da gravação) são valorizados pela interpretação do jovem cantor. Eis o - generoso - depoimento de Ivan Lins sobre Diogo Nogueira:

"Desde o primeiro dia em que escutei o Diogo cantar, fiquei impressionado e virei fã. Diogo Nogueira, seguindo o curso do rio paterno, mostra para a nação brasileira, através de seu lindo cantar, que é um dos mais talentosos intérpretes da nova geração de sambistas cariocas. E, sendo portelense, sempre terá as bençãos de grandes mestres, o amor de uma linda comunidade e o calor de todos os brasileiros. Que Deus te proteja, Diogo, e que sua arte maravilhosa seja teu escudo e tua devoção. Obrigado, garoto. Um grande abraço, Ivan Lins".

26 de junho de 2009 18:29  
Anonymous Anônimo said...

A mídia super valoriza uns artistas que, na minha opinião, não passam de razoáveis. Diogo, Teresa Cristina e Rita Ribeiro são apenas razoáveis cantores. Acho que os valores de hoje em dia são diferentes de quando a mídia se interessava e criticava Edu Lobo, Maria Bethânia ou uma Elis. E não é questão de viver de passado, é simplesmente constatar os verdadeiros talentos.

26 de junho de 2009 18:49  
Anonymous Anônimo said...

Vergonha, vergonha, vergonha.

26 de junho de 2009 18:51  
Anonymous Anônimo said...

Não acho esse Diogo tudo que falam, a começar não tem recursos vocais, o que tb herdou do pai, não cantava nada, voz peculiar e medíocre.
Infelizmente nesse País onde vivemos se endeusam demais quem não merece, e se esquecem demais dos que tem valor realmente.
Um País que não cultiva História, Cultura, tudo aqui é manipulado pela mídia fazendo com que a juventude de hoje reconheça realmente o que é uma boa música.
Querem fazer do cara um novo ZECA PAGODINHO mais jovem.
Nao sou muito fã do ZECA tb, mas pelo menos o ZECA tem carisma de sobra, é autêntico e não fabricado como esse cara.

26 de junho de 2009 20:13  
Blogger Ju Oliveira said...

bom ouvir que a canção é realmente boa. estou ansiosa para ouvir.

um sambinha safado (no bom sentido) sempre cai bem...

26 de junho de 2009 23:02  
Anonymous Anônimo said...

Quem é da geração de agora nunca vai entender o que aconteceu com a MPB nos anos 60 e 70. Alcançamos um patamar que dificilmente chegarremos novamente. Vimos de uma geração fantástica com Elizeth, Angela e Dalva e nos deparamos com Edu Lobo, Caetano Veloso, Gil, Gal, Bethânia , Elis etc... Foi um bloco de concreto de tanto talento e criatividade. Nem mesmo Cassia Eller , Zelia, Marisa, Adriana e outros mais atuais conseguiram chegar perto de tanta genialidade. Aí chegam Diogo Nogueira, Pitty, Rita Ribeiro, Roberta Sá e tantos outros e fica difícil não comparar. Tudo tem seu tempo e sua hora, mas analisar e não constatar que o melhor já aconteceu é impossível!!

26 de junho de 2009 23:25  
Anonymous Dirce said...

Não tem condição de um álbum de samba ter essa capa. Estou nervosa...

27 de junho de 2009 00:48  
Anonymous Anônimo said...

De fato, me parece que Diogo e Teresa Cristina são supervalorizados.
Enquanto Maria Rita até evita mencionar o nome da Elis, Diogo ainda segue perigosamente os passos do pai sem mostrar realmente a que veio (e essa capa de galã não ajuda em nada).
Simone já prestou boas contribuições à obra do Chico, negar-lhe a canção foi uma descortesia ímpar!

27 de junho de 2009 01:07  
Anonymous Anônimo said...

Aos saudosistas é muito simples: NÃO OUÇAM. Nenhum dos citados aí fazem o tipo artista pré-fabricado que a mídia nos empurra ouvido adentro. Dá para escapar apenas, repito, não ouvindo.

27 de junho de 2009 02:29  
Anonymous Anônimo said...

Comparar é inevitável, claro, anônimo. Mas não se pode viver 60, 70 anos ouvindo sempre o mesmo artista.
NÃO HOUVE OUTRA ELIZETH, MAS NOS "ACOSTUMAMOS" COM BETHÂNIA. NÃO HOUVE OUTRO TOM JOBIM, MAS NOS "ACOSTUMAMOS" COM CHICO BUARQUE, NÃO HOUVE OUTRO NELSON GONÇALVES MAS NOS "ACOSTUMAMOS" COM EMÍLIO SANTIAGO. QUE NOS ACOSTUMENTOS E FELIZES COM ROBERTA SÁ, LENINE E ZÉ LUIZ MAZZIOTTI RESPECTIVAMENTE. SENÃO, TUDO BEM, OUÇA SEUS ÍDOLOS ATÉ MORRER, SEM PROBLEMA, MAS DEIXEM QUE OUTROS RENOVEM OS SEUS, SE "ACOSTUMANDO" COM ELES.

27 de junho de 2009 02:35  
Anonymous Anônimo said...

Quem vive de passado é museu.
Bem vindos Diogo, Roberta, Vanessa, e tantos outros.

Tem mais, dizer que Rita Ribeiro é apenas razoável, pelo amor de Deus... Limpeza nos tímpanos urgentemente.

27 de junho de 2009 09:20  
Anonymous Anônimo said...

O Problema não é que o passado é "museu!"
O problema é que o presente não se faz juz ao que realmente dão merecimentos e atenção.
Claro que existem hoje no presente boa safra, mas muito pouco, tira-se por base os compositores.
Já não se fazem mais Chicos Buarques, Ivans Lins, e tantos outros...
e assim como não se fazem mais Bethanias, Simones, e tantas outras.
Fácil! quais cantoras da atualidade alcançaram os patamares que esses daí de cima alcançaram e que de qualquer forma permanecem até hoje realizando e vendendo seus discos...??????? QUEM????
Pois é ... então os chamados "museus!" tem sim uma grande história na MPB e ainda continuam fazendo dela o que há de melhor na nossa música!!!

tá falado!!!

27 de junho de 2009 10:34  
Anonymous Anônimo said...

Pois é , o bloco dos saudosistas baixou em peso por aqui, que implicância barata com o que é novo . Eu ainda não sou muito fã do Diogo, o acho ainda um pouco sem identidade, com um repertório sem raízes, muito focado na obra de sucessos do pai( vamos ver agora ) . Mas tbm sei reconhecer que ele tem talento, carisma e uma boa voz, só falta mesmo um bom repertório inédito(quem sabe agora).
Ficar fazendo essa comparação rasteira e no mínimo falta de boa vontade ou até mesmo preguiça. Cada artista , em sua época ,tem sua importância e é único, e graças á Deus novos talentos surgem sempre pra garantir a manutenção de nossa Boa Música
E realmente é preciso limpar os ouvidos pra ouvir : Rita Ribeiro, Roberta Sá , Moisés Marques,Mõnica Salmaso, Zeca Baleiro , Chico César, Teresa Cristina,Ana Costa,Mariana Aidar,Renato Braz, Mart´nália.... È preciso sair do marasmo,fazer uma faxina e reconhecer que a música Brasileira Foi , È e continuará sendo A MELHOR DO MUNDO>.

27 de junho de 2009 10:45  
Anonymous Diniz said...

Peraí, gente, estão querendo comparar uma turma que está na faixa etária dos 30 e poucos anos com outra geração que já passou dos 60? Que injustiça é essa? Ainda não deu tempo para que Roberta Sá, Maria Rita, Edu Krieger, Teresa Cristina e outros construíssem uma obra do porte de Bethânia, Chico Buarque, Elis, Beth Carvalho... talvez realmente nem consigam, mas vamos dar tempo ao tempo, certamente muita coisa bonita ainda vem por aí! Não esqueçamos também que, na época áurea dos festivais, o lixo cultural que a indústria fonográfica produzia era muito menor, ou seja, a formação cultural do povo era muito mais rica. Hoje em dia, essa turma boa que apareceu está lutando para que o país não seja apenas um mar de bundas, axés, popozudas e outras bobagens. A luta da rapaziada nova é pela qualidade em meio a tanta porcaria, e eu aplaudo isso!

27 de junho de 2009 12:59  
Anonymous Luc said...

Embora me alinhe aos saudosistas do blog (não fico apenas nos anos 60 e 70, volto até Pixinguinha e Ary Barroso), reconheço que a música de hoje goza de grande liberdade estética e tem talentos que nada deixam a dever aos de ontem: Renato Braz, Simone Guimarães, Monica Salmaso, André Mehmari, Marisa Monte et al.

2:29, quando você diz 'saudosistas, simplesmente não ouçam os novos', você não entende que a gente quer ouvir, quer conhecer, quer gostar, mas não consegue. É um drama...

- Renato Braz, domingo estou lá no seu show com Dori Caymmi!

27 de junho de 2009 15:05  
Anonymous Anônimo said...

Drama é sempre esperar que aquele compositor novo, aquele sabe, é... seja um Tom Jobim.
Drama é sempre esperar que aquele cantor novo, aquele sabe, é...
seja sempre um Ney Matogrosso.
Drama é esperar que aquela cantora nova, aquela sabe, é...
seja sempre uma Gal Costa.
Drama é esperar que aquela compositora nova, aquela sabe, é...
seja sempre uma Sueli Costa.

Vão esperar sentados - ou melhor, deitados.

Eu como vejo o bonito não só na flor como no Beija-Flor não dramatizo nada.

VIVA DIOGO, "BEIJA-FLOR" COMPETENTE DA NOVA GERAÇÃO DO SAMBA.

27 de junho de 2009 16:43  
Anonymous Anônimo said...

Música brasileira boa foi na década de 1930. A década de 1960 e 70 foi medíocre.

Já que é para ser saudosista, fico com Ary, Noel, Pixinguinha, Aracy, Geraldo, Wilson Batista, Ismael Silva, Francisco Alves, Orlando Silva, Vadico, Orestes Barbosa, Cartola...

O que é enduesado é a década de 1960. Bando de chatos por aqui.

27 de junho de 2009 16:44  
Anonymous Anônimo said...

"Ah todo chato é bonzinho
Nunca nos faz nenhum mal
Ah todo chato é calminho
Como se faltasse sal

Ah todo chato te conta
Aonde passou o Natal
E sempre te dá uma dica
De onde ir no Carnaval

Ah todo chato cutuca
Pra você prestar atenção
Chama a cabeça de "cuca"
E arranha um violão

Diz que inventou uma música
E canta as 600 que fez
E quando você abre sua boca e
boceja
Ele canta tudinho outra vez".

Versos de Oswaldo Montenegro. Só para botar lenha na fogueira, afinal, estamos em junho pessoal.

27 de junho de 2009 19:16  
Anonymous Luc said...

Nóóóóó! Fiquei mal agora...

Estou me achando o 'você que ama o passado e que não vê'. A Elis está me olhando feio da estante de DVDs.

Vou direto ligar o rádio e ouvir as novidades - montes de Diogo Nogueira - antes que o generational gap me engula.

Saudações saudosistas, mas querendo melhorar.

27 de junho de 2009 21:44  
Anonymous Anônimo said...

Sou de São Bernardo do Campo,SP.Infelizmente o Diogo não é um grande cantor.Nem vai ser.Acabei de ver no SESI daqui o cantor Mateus Sartori interpretando a obra do Dorival Caymmi.Foi uma das coisas mais bonitas que já escutei nesta vida.O Mateus Sartori é o melhor e mais completo cantor da atualidade,mas não tem pais famosos.O que fazer nestes casos meu querido Mauro.Será que Sartori deveria convidar algum artista de nome nacional para ser seu padrinho?Isso é muito triste.Bom domingo galera.

27 de junho de 2009 23:51  
Anonymous Anônimo said...

Luc, tô ligando também a TV e o SOM para ouvir MAIS UMA VEZ o DVD do "filho do João Nogueira".

28 de junho de 2009 12:27  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo das 23h41 foi procurar sobre Mateus Sartori no You Tube.Meu Deus o que é isso.O cara sensacional.A voz é muito bonita e afinda mesmo.Pode contar comigo para divulgar o Mateus.Só não estou achando o CD para comprar.Gosto também do Diogo Nogueira pela tradição familiar.

28 de junho de 2009 14:59  
Anonymous Anônimo said...

Não sou o anônimo das 23h41 mas você acha no "site" da CD Point (www.cdpoint.com.br) a R$ 28,90 mais frete - pode dividir em 3 (VISA) ou 6 (MASTERCARD) sem juros.
O cara é bão mesmo.
Divirta-se.

PS: gosto do Diogo porque gosto mesmo.

Abraços.

28 de junho de 2009 17:06  
Anonymous Anônimo said...

Quando falam de CANTOR com c maiúsculo e falam desse Mateus, deve ser porque nunca ouviram com atenção Emilio Santiago, Dick Farney ou um Ney Matogrosso...só pode....

28 de junho de 2009 22:47  
Anonymous Anônimo said...

Pesquisei sobre esse Mateus Sartori comentado aqui.
Gostei muito.Aparecem muitas cantoras,mas cantores são poucos nesta nova geração.Esse menino é um passarinho.E para completar é lindo.Ai Tô nervosa.Escutei Valerá a Pena,do Dorival caymmi.Uma delícia,toca a alma.Quero ele cantando na minha casa.Quando ele vem ao Rio?Alguém sabe?
Mauro,interessante seu blog estar virando um ponto troca de inforamções sobre música de qualidade.Vc é muito generoso em publicar.Parabéns.
Beijos,
Terezinha/Botafogo

29 de junho de 2009 10:14  
Anonymous Anônimo said...

Tem cantor com C maiúsculo como os citados aí. São os chamados INTÉRPRETES. Beleza e potência vocal. E tem cantores, vou citar só Milton Nascimento, por exemplo, que não são com C maiúsculo mas tem outras e maravilhosas qualidades: respiração, presença, carisma, divisão rítmica e por aí vai. MÚSICA NÃO TEM REGRA, NÃO É CIÊNCIA EXATA. Depende BASICAMENTE de emoção e estado de espírito, tanto para quem canta como para quem ouve.
PS: instrumentistas é outra história, estou falando de cantores - ou intérpretes.

E vale para elas também: Gal é técnica pura. Muito afinada e nota dez. Nana é emoção pura e nota dez também. VIVA A MPB E SUA DIVERSIDADE.

AH, é claro que há estrelas que juntam as duas coisas e aí não tem para ninguém. Exemplo: Elis Regina.
Abraços.

29 de junho de 2009 18:40  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo "desafinado", Emílio canta uma barbaridade, assim como Ney, Nelson Gonçalves, Dick Farney, Djavan, Renato Braz - se for para o feminino o texto vai longe - mas música e "cantar" não é só isso.

Muitos já gravaram "Sem Fantasia" - o próprio Emílio - mas ninguém conseguiu superar o registro de Chico (que não é "C"antor) com Bethânia.

Muitos já gravaram "Beatriz" mas ninguém superou o registro de Milton (que também não é "C"antor).

Muitos já gravaram "Desenredo" (inclusive o intocável Boca Livre) mas ninguém superou o registro de Nana (que não é "C"antora).

Ouça "desarmado" tudo que é bonito, sendo verde, azul ou amarelo (para não perder NADA!)

29 de junho de 2009 19:05  
Anonymous Anônimo said...

Anônino das 22:47: Elis Regina foi ao céu quando gravou "O Bêbado e a Equilibrista" e me levou junto.
João Bosco, o autor da melodia, com seu jeito ÚNICO de cantar, que não entraria na sua lista, também gravou DO SEU JEITO e muito bela também ficou. Não sei se "voz limpa, cristalina, intocável" seja pré-requisito para uma bela interpretação, não. Se fosse assim eu seria fã de música "gospel" e... detesto.

29 de junho de 2009 19:09  
Anonymous Anônimo said...

Terezinha minha conterrânea, se gostas de pesquisar - e isso é muito bom e fundamental neste país se quiser música de verdade e não aquelas que o jabá vende - pesquisa Rogério Franco (ouça "Estação Fronteira"); pesquisa Tadeu Franco (ouça "Alma Animal"); pesquisa Nilson Chaves (ouça "Tempodestino" que ainda vem com Leila Pinheiro ainda em Belém); pesquisa Paulinho Pedra Azul (esse já é mais conhecido mas caso não conheças... e ouça "Valsa do Desencanto"); pesquisa Muiza Adnet (ouça "A Santinha Lá da Serra"). Satisfação garantida ou pode me xingar aqui de volta.

29 de junho de 2009 21:43  
Anonymous Anônimo said...

"Muitos já gravaram "Beatriz" mas ninguém superou o registro de Milton (que também não é "C"antor)."
O Milton não é Cantor????!!!!!! Tudo bem que a voz de Milton hoje não é mais um quarto do que já foi, mas na época em que ele estava em forma, cara, ele era CANTOR, sim. E sua gravação de "Beatriz" não é insuperável apenas por conta da sua belísisima iterpretação, mas porque poucas vozes dão conta (sem trucagem) de uma música de tamanha extensão.

30 de junho de 2009 12:08  
Anonymous Anônimo said...

Que venha este novo trabalho do presente que o inesquecível João Nogueira nos deixou!
E por favor, pessoal,abram as suas mentes... ninguém conhece o trabalho e já tem gente julgando.
E para o anônimo que postou no dia 26, às 18:51. a mensagem
"vergonha, vergonha, vergonha", vergonha , temos que ter dos políticos, da miséria, dos que roubam... não dos que estão trabalhando como o Diogo e dezenas de novos talentos que temos por aí.

30 de junho de 2009 19:14  
Anonymous Anônimo said...

Por favor, peço até de joelhos, não me entendam mal. AMO Milton Nascimento. Quando digo não ser cantor digo não ter aquela voz típica e herdeira dos anos 50 (antes da Bossa-Nova mostrar outra forma de cantar): aquela afinação e potência parecida com as de cantor de ópera. Da minha geração concordei com Emilio e Ney que fazem o que querem com a voz.
Milton É ÚNICO, assim como João Bosco como citaram aí e concordo, mas não tem e nunca teve essa extensão, esse "faço o que eu quero com a garganta". MAS ISSO NÃO ME FAZ DEIXAR DE TÊ-LO COMO UM DOS 5 MAIORES CANTORES, COMPOSITORES E "SER-HUMANO" da minha rica geração - tô com 40.
Mais uma vez REPITO: AMO MILTON E "BEATRIZ" COM ELE NÃO TEM CONCORRÊNCIA.
Mais uma vez peço desculpas - até a mim mesmo - se minhas palavras diminuíram sequer um tiquinho desse REI DAS MONTANHAS MINEIRAS, DO LITORAL CARIOCA, DA NEBLINA PAULISTA, DO FRIO SULISTA, DA SECA NORDESTINA, DA NATUREZA NORTISTA, ENFIM, ESSE REI DO BRASIL - E UM DOS REIS DO MUNDO!!!!

30 de junho de 2009 19:26  
Blogger MIster Teles, o Musical said...

NOssa, vendo os comentarios aqui fiquei curioso em relaçao ao Mateus Sartori e fui baixar o disco dele no blog "Um que tenha", realmente ele canta mto bem, e olha q é dificil eu gostar de voz de homem.

Qto ao Diogo Nogueira, po, pessoal, vamos dar uma chance para o cara, né? Se eu nao me engano este é o segundo disco dele, leva um tempo tb para o cara encontrar o caminho dele, né? A gente torce o nariz pq ele é filho de cantor mas vamos dar uma chance! Eu ouvi e gostei mto da alegria contagiante dele.

30 de junho de 2009 23:38  
Anonymous Anônimo said...

Mister Teles, se não gostas da voz de Renato Braz é porque não ouvistes o cara. Voz é aquilo ali.

1 de julho de 2009 21:27  
Blogger MIster Teles, o Musical said...

Olá Anonimo, que coincidencia no ultimo sabado fui ao show do Renato Braz com Dori Caymmi, aqui em Brasilia, até fiz um relato em meu blog, depois veja, adorei o cara!
Renato Braz, Mateus Sartori e Rubi atualmente estao sendo os meus "passarinhos" prediletos!

2 de julho de 2009 23:23  
Anonymous Anônimo said...

Pois é Mister Teles, ainda bem que és da turma do bom gosto e não do "quero aparecer". Foi justamente há alguns anos atrás - quando do lançamento de seu 1º disco numa "canja" no Programa do Jô - que "chapei" ao ouví-lo cantar "Porto". De quem ? Do grande Dori.
Abraços também e viva o trio - e eu ainda incluiria o D'artagnam Zé Luiz Mazziotti.

3 de julho de 2009 00:13  
Anonymous Anônimo said...

mauro, seu blog é um livro de inforamções na internet constante. aqui no destaque diogo nogueira. e muita gente comentou sobre cantores. fui pesquisar e comprar para ouvir. citaram Rubi, mateus sartori e renatro braz. não os conhecia. rubi, não gostei. lembra o ney piorado. mateus, com seus franciscos. sem emoção, igual. renato braz, espetacular, interpretações lindas e emocionantes. abraços aos leitores atentos do blog.
marquinhos - poços de caldas(mg)

30 de agosto de 2010 23:33  

Postar um comentário

<< Home