29 de maio de 2009

Pedro lança CD pop que EMI recusou em 2004

Resenha de CD
Título: Incondicional
Artista: Pedro Mariano
Gravadora: Nau
Cotação: * * *

Em 2003, Pedro Mariano saiu da Trama - a gravadora na qual havia obtido alguma projeção - e assinou contrato com a EMI Music, para a qual tinha sido convidado com todas as honras pelo então diretor artístico da companhia, Jorge Davidson. Só que o CD que marcaria a estreia do cantor na EMI, embora finalizado, não chegou a ir para às lojas. Incondicional - ora editado, cinco anos depois, como título inaugural do selo de Mariano, Nau - foi recusado em março de 2004 pelo executivo que assumia a empresa, Marcos Maynard, que apresentou ao artista a proposta (imediatamente rejeitada) de gravar um disco de bolero ou de bossa nova. Fora da EMI, Mariano foi fazer registro de show pela Universal Music, onde gravou DVD e CD ao vivo com quatro músicas que agora podem ser ouvidas nas versões originais de estúdio: Três Moedas (Frejat, George Israel e Mauro Santa Cecília), Memória Falha (de Jair Oliveira), Quase Amor (de Jorge Vercillo) e Colorida e Bela (Jair Oliveira). A última é a melhor delas. Com bela letra que resiste sem a música (já em si sedutora), Colorida e Bela mostra que a produção autoral de Jair Oliveira merece mais atenção de público e crítica. No entanto, como já foi gravada por Mariano, a melhor novidade de Incondicional é Simplesmente, parceria de Samuel Rosa com Chico Amaral que tem todo jeito de hit radiofônico (no caso, a novidade reside no registro de Mariano, pois a canção já ganhou desde 2004 gravações como a de Marina Machado). A propósito, Incondicional é um disco de pegada explicitamente pop e contemporânea. Os arranjos valorizam o suingue de músicas como Reação. Ainda assim, o repertório - que destaca parceria de Marcos Valle com Lulu Santos, Próxima Atração - não se mostra coeso ao longo das 14 faixas. Mariano ainda não fez CD estupendo.

9 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Em 2003, Pedro Mariano saiu da Trama - a gravadora na qual havia obtido alguma projeção - e assinou contrato com a EMI Music, para a qual tinha sido convidado com todas as honras pelo então diretor artístico da companhia, Jorge Davidson. Só que o CD que marcaria a estreia do cantor na EMI, embora finalizado, não chegou a ir para às lojas. Incondicional - ora editado, cinco anos depois, como título inaugural do selo de Mariano, Nau - foi recusado em março de 2004 pelo executivo que assumia a empresa, Marcos Maynard, que apresentou ao artista a proposta (imediatamente rejeitada) de gravar um disco de bolero ou de bossa nova. Fora da EMI, Mariano foi fazer registro de show pela Universal Music, onde gravou DVD e CD ao vivo com quatro músicas que agora podem ser ouvidas nas versões originais de estúdio: Três Moedas (Frejat, George Israel e Mauro Santa Cecília), Memória Falha (de Jair Oliveira), Quase Amor (de Jorge Vercillo) e Colorida e Bela (Jair Oliveira). A última é a melhor delas. Com bela letra que resiste sem a música (já em si sedutora), Colorida e Bela mostra que a produção autoral de Jair Oliveira merece mais atenção de público e crítica. No entanto, como já foi gravada por Mariano, a maior novidade de Incondicional é Simplesmente, parceria de Samuel Rosa com Chico Amaral que tem todo jeito de hit radiofônico. A propósito, Incondicional é um disco de pegada explicitamente pop e contemporânea. Os arranjos valorizam o suingue de músicas como Reação. Ainda assim, o repertório - que destaca parceria de Marcos Valle com Lulu Santos, Próxima Atração - não se mostra coeso ao longo das 14 faixas. Mariano ainda não fez CD estupendo.

29 de maio de 2009 18:20  
Blogger TONINHO SPESSOTO said...

Na verdade, Pedro Mariano é o terceiro a gravar Simplesmente. A canção foi gravada anteriormente por Marina Machado (no álbum Tempo Quente) e por Karyme Hass (no álbum Amor Solene).

29 de maio de 2009 21:44  
Anonymous Anônimo said...

Tenho todos os cds de Pedro. Ele está cantando cada vez melhor! Siga em frente Pedro!

29 de maio de 2009 23:34  
Anonymous Anônimo said...

Toninho Spessoto é uma grande figura.Legal te ver aqui no Blog do Mauro.Gosto muito do seu Papo de Músico pela Radio Usp de SP.Acho o Pedro Mariana um bom cantor,mas com aquela pegada black que não me agrada muito.Mas galera escutem Mateus Sartori.Vocês vão ficar chocados com a beleza do canto e da voz.Bom fim de semana Brasil!

30 de maio de 2009 10:55  
Blogger Histórias do Arteiro said...

Pedro Mariano, excelente cantor. "Simplesmente" é uma canção perfeita!

31 de maio de 2009 05:41  
Anonymous Diogo ! said...

De fato, Mariano ainda não fez CD estupendo mas todos são bons. O último é o mais fraco mas não chega a ser ruim ...

O melhor é o " Intuição " seguido pelo " Voz e Piano " e pelo " Voz no Ouvido " de 2000. Ainda não ouvi esse mas pretendo.

PS: Sucesso a Pedro em seu selo próprio.

31 de maio de 2009 19:03  
Anonymous Anônimo said...

O único parentes na discografia dele é o desnecessário CD Ao Vivo com repertório que tende ao popularesco quando inclui "Amor Perfeito".
Não sei o que cobram dele, se todos os seus CDs são coerentes com a proposta musical dele.

1 de junho de 2009 11:14  
Anonymous Anônimo said...

Sempre que leio críticas a respeito do trabalho do Pedro Mariano, percebo que as pessoas e a mídia cobram dele uma pessoa que ele não é.
O Pedro é pop, é soul. Quem vai ao show vê um artista extremamente profissional, mas ao mesmo tempo, muitíssimo informal e descontraído.
Vendo o artista por este ângulo, todos os cd´s dele são excelentes!
Abraços a todos

1 de junho de 2009 11:40  
Blogger Fabiana said...

O Pedro, é maravilhoso. Eu adoro!!! Sucesso!!!

1 de junho de 2009 20:52  

Postar um comentário

<< Home