25 de março de 2009

Leila foca obra de Gudin com certa linearidade

Resenha de CD
Título: Pra Iluminar
- Ao Vivo
Artista: Leila Pinheiro
e Eduardo Gudin
Gravadora: Tacacá Music
Cotação: * * *

Eduardo Gudin é o parceiro de José Carlos Costa Netto em Verde, o samba que projetou nacionalmente a paraense Leila Pinheiro em 1985 no Festival dos Festivais. De lá para cá, a discografia da cantora volta e meia se entrelaçou com a obra do compositor. Contudo, os laços nunca foram tão estreitos como neste CD Pra Iluminar, em que Leila foca exclusivamente a obra de Gudin com o envolvimento do autor no projeto, captado ao vivo em abril de 2007 em show no Teatro FECAP, em São Paulo (SP). Gudin participou da seleção do repertório, elaborou os arranjos na função de Diretor Musical e ainda se aventurou como cantor em Velho Ateu - o samba que fecha o disco. Pra Iluminar tinha tudo para ser álbum antológico. Contudo, a luz jogada sobre Leila na obra de Gudin é difusa em certos momentos. Há uma certa linearidade - na interpretação e na construção do roteiro - que tira (um pouco) o brilho do disco. As primeiras seis músicas são sambas. O Amor e Eu, Chorei (belo muito conhecido, mas pouco associado a Gudin), Ainda Mais e Mente são sambas nobres nos quais Leila mostra o habitual domínio técnico. Mas é difícil ouvir Mente -faixa embelezada por intervenções do bandolim de Milton Mori - sem recordar o luminoso registro feito em 1978 por Clara Nunes (1942 - 1983). Da mesma forma, Vânia Bastos já transitou pela Paulista com mais intimidade. Leila, no entanto, é cantora segura que alcança picos de densidade emocional em temas que celebram o amor (Luzes da Mesma Luz e a inédita O Amor Veio me Visitar) ou mesmo o fim dele (Obrigado). Pena que estes temas estejam alocados num mesmo bloco que torna o disco, por vezes, pesado. No fim, os sambas voltam a dar o tom. Paulistanamente, o canto de Leila retrata flashes de sampa em Praça 14 Bis e celebra a força do brasileiro e do próprio samba em Neo-Brasil. Por sua vez, Verde já soou com cores mais vivas na voz afinada da cantora. De toda forma, Pra Iluminar é CD que mantém a discografia de Leila Pinheiro nos trilhos. Uns ajustes no roteiro e uma luzes a mais nas interpretações fariam o show crescer em (futuro e provável) DVD.

19 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Eduardo Gudin é o parceiro de José Carlos Costa Netto em Verde, o samba que projetou nacionalmente a paraense Leila Pinheiro em 1985 no Festival dos Festivais. De lá para cá, a discografia da cantora volta e meia se entrelaçou com a obra do compositor. Contudo, os laços nunca foram tão estreitos como neste CD Pra Iluminar, em que Leila foca exclusivamente a obra de Gudin com o envolvimento do autor no projeto, captado ao vivo em abril de 2007 em show no Teatro FECAP, em São Paulo (SP). Gudin participou da seleção do repertório, elaborou os arranjos na função de Diretor Musical e ainda se aventurou como cantor em Velho Ateu - o samba que fecha o disco. Pra Iluminar tinha tudo para ser álbum antológico. Contudo, a luz jogada sobre Leila na obra de Gudin é difusa em certos momentos. Há uma certa linearidade - na interpretação e na construção do roteiro - que tira (um pouco) o brilho do disco. As primeiras seis músicas são sambas. O Amor e Eu, Chorei (belo muito conhecido, mas pouco associado a Gudin), Ainda Mais e Mente são sambas nobres nos quais Leila mostra o habitual domínio técnico. Mas é difícil ouvir Mente -faixa embelezada por intervenções do bandolim de Milton Mori - sem recordar o luminoso registro feito em 1978 por Clara Nunes (1942 - 1983). Da mesma forma, Vânia Bastos já transitou pela Paulista com mais intimidade. Leila, no entanto, é cantora segura que alcança picos de densidade emocional em temas que celebram o amor (Luzes da Mesma Luz e a inédita O Amor Veio me Visitar) ou mesmo o fim dele (Obrigado). Pena que estes temas estejam alocados num mesmo bloco que torna o disco, por vezes, pesado. No fim, os sambas voltam a dar o tom. Paulistanamente, o canto de Leila retrata flashes de sampa em Praça 14 Bis e celebra a força do brasileiro e do próprio samba em Neo-Brasil. Por sua vez, Verde já soou com cores mais vivas na voz afinada da cantora. De toda forma, Pra Iluminar é CD que mantém a discografia de Leila Pinheiro nos trilhos. Uns ajustes no roteiro e uma luzes a mais nas interpretações fariam o show crescer em (futuro e provável) DVD.

25 de março de 2009 12:12  
Anonymous Anônimo said...

A música mais linda de Gudin é uma parceiria com Paulo Vanzolini chamada "Longe de casa eu choro". Uma das músicas mais bonitas sobre o amor por uma cidade que eu conheço. E foi pouco gravada (duas vezes pelo próprio Gudin). Pena que parece não ter sido incluída neste album.

25 de março de 2009 12:40  
Anonymous Anônimo said...

Maravilha de CD !!

A bela obra de Gudin e a grande voz da cantora Leila Pinheiro!!

Celebrando uma parceria de mai de 20 anos !!
Vou comprar o meu já !!

Pedro

25 de março de 2009 17:39  
Anonymous OLIVEIRA said...

EU QUERO O DVD!!!!!
Chega de comprar o CD e depois dar ou jogar fora com o lançamento do "futuro e provável" DVD. Nessa eu já caí muito e não caio mais.

25 de março de 2009 18:14  
Anonymous Léo said...

Lindo CD!
Concordo sobre o bloco pesado, mas isso é mínimo diante de um CD tão bem feito, Ótimo repertório, arranjos de muito bom gosto, e interpretações onde a emoção vêm de forma elegante e sutil, aliada à uma técnica precisa, para quem realmente sabe ouvir e sentir.

Destaque para "Sempre se pode sonhar" (melodia, letra, arranjo e interpretações perfeitos), e "Neo Brasil".

Enfim, tudo no mais alto nível, como é normal quando se trata de Leila Pinheiro.

25 de março de 2009 18:34  
Anonymous Anônimo said...

Imperdível !!

Finalmente o encontro luminoso da bela voz de Leila Pinheiro com a grande música de Gudin !!
Já estava escrito !! Era só uma quetão de tempo !!

Obrigado leila & Gudin !!

Eduardo Pompeu

25 de março de 2009 21:46  
Anonymous Anônimo said...

Música adulta e civilizada !! com a técnica refinada de Leila Pinheiro !!

"Se é pra ser feliz eu vou"

"Bis... Estrela do Norte, que contagia e faz feliz"

Valeu MF !!

Afonso Claudio

25 de março de 2009 21:53  
Anonymous Anônimo said...

Tive a honra de assistir esse show maravilhoso por três vezes.
Na primeira e na segunda temporada.Leila Pinheiro apenas cantando estava melhor do que nunca.Uns dos melhores e mais sofisticados shows que eu assisti nos últimos tempos.Esse cd e o futuro dvd sempre foram muito aguardados.

26 de março de 2009 01:41  
Anonymous Anônimo said...

Concordo que um ou outro acerto no roteiro teria dado um brilho maior ao cd. No mais o registro está muito bonito. Agora, uma questão se impõe, se não me falha a memória é o 3º projeto seguido para as músicas do Gudin: Mônica Salmaso, Renato Braz e outros;Fátima Guedes (bastante intenso) e agora Leila...fica um pouco repetitivo. Que tal o E. Gudin fazer um projeto inédito para seus bons intérpretes?

26 de março de 2009 09:31  
Anonymous Anônimo said...

Finalmente um belo registro da obra de Gudin, por uma de suas principais interpretes !

Obrigadíssimo Leila Pinheiro por este belo presente !

Sucesso...

Ronaldo Batista

26 de março de 2009 21:48  
Anonymous Anônimo said...

O CD está perfeito! As excelentes composições de Gudin casaram perfeitamente com a voz maravilhosa de Leila.
Que venha o DVD!

26 de março de 2009 22:20  
Anonymous Anônimo said...

Já comprei o cd e já matei a saudade de um show inesquecível para quem assistiu.

26 de março de 2009 23:21  
Anonymous Heron Coelho said...

Ihhh, Mauro, sou suspeito pra falar porque dirigi cenicamente e fiz o roteiro do show, como você pode ver no encarte, e que sofrera algumas pequenas alterações ao virar disco.
Você diz haver "uma certa linearidade - na interpretação e na construção do roteiro - que tira (um pouco) o brilho do disco". Talvez isso possa acontecer sim, pois o show tinha uma direção cênica, toda uma construção de luz, de movimentos de Leila, com Gudin às vezes em contra-luz, elementos que no "ao vivo" caloroso do show podem, quem sabe, ter contrariado os percalços que você aponta ao ouvir o CD (pena não haver nenhum registro visual do show!!!).
Bem, o que posso dizer é isso - discos passam, mas a beleza da arte fica, e creio que até essa propriedade sublime do "artístico" possa também passar por altos e baixos, não?

Heron Coelho

27 de março de 2009 11:33  
Anonymous Anônimo said...

Parabéns Heron Coelho !

Um dos melhores shows de Leila Pinhero !
Uma grande voz para uma grande obra !
Só quem viu sabe como foi lindo !

Obrigado !

Claudio Fiorini

27 de março de 2009 23:06  
Anonymous Anônimo said...

Discos passam?????

O que ficam de um cantor são os discos, e é por isso que um cantor tem que ter todo o cuidado ao fazer um disco, e é por isso que muitas vezes um disco ao vivo não segue o roteiro do show que o gerou. Não vi o show, nem ouvi o disco, mas falar que "discos passam", para mim, é uma grande mentira.

28 de março de 2009 10:19  
Anonymous Anônimo said...

Concordo. Para mim, os shows passam. O que fica é o disco.

28 de março de 2009 12:05  
Anonymous OLIVEIRA said...

É, pelo que disse Heron, não teremos DVD. Confirmado ? Aguardo para comprar o CD, pois não vou esperar pelo que não virá.

29 de março de 2009 09:47  
Anonymous Anônimo said...

Leila é uma grande artista. Sincera, de bom gosto e simpática com seu público. Mas ainda nos deve seu primeiro disco em cd!!!

1 de abril de 2009 00:36  
Anonymous Anônimo said...

Assisti ao show e comprei o cd. Tudo perfeito. Que venha o dvd porque esse registro tem que ser pra sempre. Adorei demais o cd.

26 de abril de 2009 14:21  

Postar um comentário

<< Home