9 de outubro de 2010

Linkin se afasta do nu metal em CD conceitual

Resenha de CD
Título: A Thousand Suns
Artista: Linkin Park
Gravadora: Warner Music
Cotação: * * * 

Dez anos depois  do lançamento de seu primeiro álbum, Hybrid Theory (2000), o grupo norte-americano Linkin Park já pouco lembra a banda que ajudou a instituir os cânones do nu metal, a explosiva mistura de rap, rock pesado e música eletrônica.  Anunciado pelo (excelente) single The Catalyst,  A Thousand Suns - quarto álbum do grupo de Mike Shinoda, recém-lançado no Brasil pela Warner Music - distancia o Linkin Park do nu metal, sedimentando uma virada já ensaiada no anterior Minutes to Midnight (2007), disco produzido pelo mesmo Rick Rubin que pilotou este quarto álbum ao lado de Shinoda. Que vem alertando os fãs nas entrevistas promocionais de que o CD não oferece uma "coleção de singles". De fato, A Thousand Suns é um disco conceitual de caráter meio apocalíptico, já anunciado pelo tema que introduz as 15 faixas, The Requiem. As guitarras são abafadas por um instrumental mais épico, quase psicodélico, ainda que os riffs de Brad Delson se façam ouvir fortes em Iridescent, por exemplo. Contudo, a pegada melódica do Linkin Park ainda soa facilmente identificável em faixas como Robot Boy e a bela Waiting for the End. Da mesma forma que o rap se insinua em When They Come for me, tema de textura eletrônica em que o Linkin Park cruza informações do hip hop e da música árabe - dois universos díspares que não se chocam. A Thousand Suns não diminui o peso do Linkin Park na cena pop, mas exige atenção e sucessivas audições para não decepcionar quem espera ouvir um álbum como o aclamado Meteora (2003). O conceito já é outro...

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Dez anos depois do lançamento de seu primeiro álbum, Hybrid Theory (2000), o grupo norte-americano Linkin Park já pouco lembra a banda que ajudou a instituir os cânones do nu metal, a explosiva mistura de rap, rock pesado e música eletrônica. Anunciado pelo excelente single The Catalyst, A Thousand Suns - quarto álbum do grupo de Mike Shinoda, recém-lançado no Brasil pela Warner Music - distancia o Linkin Park do nu metal, sedimentando uma virada já ensaiada no anterior Minutes to Midnight (2007), disco produzido pelo mesmo Rick Rubin que pilotou este quarto álbum ao lado de Shinoda. Que vem alertando os fãs nas entrevistas promocionais de que o CD não oferece uma "coleção de singles". De fato, A Thousand Suns é um disco conceitual de caráter meio apocalíptico, já anunciado pelo tema que introduz as 15 faixas, The Requiem. As guitarras são abafadas por um instrumental mais épico, quase psicodélico, ainda que os riffs de Brad Delson se façam ouvir fortes em Iridescent, por exemplo. Contudo, a pegada melódica do Linkin Park soa facilmente identificável em faixas como Robot Boy e a bela Waiting for the End. Da mesma forma que o rap se insinua em When They Come for me, tema de textura eletrônica em que o Linkin Park cruza informações do hip hop e da música árabe - dois universos díspares que não se chocam. A Thousand Suns não diminui o peso do Linkin Park na cena pop, mas exige atenção e sucessivas audições para não decepcionar quem espera ouvir um álbum como o aclamado Meteora (2003). O conceito já é outro...

9 de outubro de 2010 12:06  

Postar um comentário

<< Home