8 de janeiro de 2010

Elza emprega marketing no roteiro de 'Operária'

A ideia - de fazer um show com músicas que abordam a saga do trabalhador no Brasil - é ótima, mas, a rigor, o roteiro do (bom) show Elza, Operária Brasileira - estreado por Elza Soares no Teatro Rival, no Rio de Janeiro (RJ), na noite de 7 de janeiro de 2010 - não sustentou o conceito alardeado na mídia. Após os três coerentes números do começo (Pedreiro Waldemar / O Trem Atrasou, Três Apitos e Construção), o roteiro revisita músicas cantadas por Elza - caracterizada de operária na foto de Mauro Ferreira - em seus dois últimos shows, Arrepios (feito com o violonista João de Aquino) e Compulsivos e a Perigosa (dividido com o grupo Farofa Carioca). Mas todas com arranjos novíssimos, timbrados na pressão da big-band que acompanha a cantora no show, em cartaz até sábado, 9 de janeiro. Eis o roteiro apresentado na estreia nacional de Elza, Operária Brasileira:

1. Pedreiro Waldemar (Wilson Batista e Roberto Martins) /
O Trem Atrasou (Paquito, Estanislau Silva e Artur Vilarinho)
2. Três Apitos (Noel Rosa)
3. Construção (Chico Buarque)
4. Ave Maria no Morro (Herivelto Martins) /
Faceira (Ary Barroso) /
Adeus América (Geraldo Jacques e Haroldo Barbosa) /
Eu Quero um Samba (Haroldo Barbosa e Janet Almeida)
5. Bebete Vãobora (Jorge Ben Jor)
6. Hoje É Dia de Festa (Jorge Ben Jor)
7. Cry me a River (Arthur Hamilton) /
Juventude Transviada (Luiz Melodia)
8. Timbó (Ramón Russo)
9. A Carne (Marcelo Yuka, Seu Jorge e Wilson Cappellette)
10. Heróis da Liberdade (Silas de Oliveira, Mano Décio da Viola e Manoel Ferreira)
11. Salve a Mocidade (Luiz Reis) /
Bloco de Sujo (Luiz Reis e Luís Antonio)
Bis:
12. Malandro (Jorge Aragão e Jotabê)
- com citação de Som de Preto (MCs Amilcka e Chocolate)

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

A ideia - de fazer um show com músicas que abordam a saga do trabalhador no Brasil - é ótima, mas, a rigor, o roteiro do (bom) show Elza, Operária Brasileira - estreado por Elza Soares no Teatro Rival, no Rio de Janeiro (RJ), na noite de 7 de janeiro de 2010 - não sustentou o conceito alardeado na mídia. Após os três coerentes números do começo (Pedreiro Waldemar / O Trem Atrasou, Três Apitos e Construção), o roteiro revisita músicas cantadas por Elza - caracterizada de operária na foto de Mauro Ferreira - em seus dois últimos shows, Arrepios (feito com o violonista João de Aquino) e Compulsivos e a Perigosa (dividido com o grupo Farofa Carioca). Mas todas com arranjos novíssimos, timbrados na pressão da big-band que acompanha a cantora no show, em cartaz até sábado, 9 de janeiro. Eis o roteiro apresentado na estreia nacional de Elza, Operária Brasileira:

1. Pedreiro Waldemar (Wilson Batista e Roberto Martins) /
O Trem Atrasou (Paquito, Estanislau Silva e Artur Vilarinho)
2. Três Apitos (Noel Rosa)
3. Construção (Chico Buarque)
4. Ave Maria no Morro (Herivelto Martins) /
Faceira (Ary Barroso) /
Adeus América (Geraldo Jacques e Haroldo Barbosa) /
Eu Quero um Samba (Haroldo Barbosa e Janet Almeida)
5. Bebete Vãobora (Jorge Ben Jor)
6. Hoje É Dia de Festa (Jorge Ben Jor)
7. Cry me a River (Arthur Hamilton) /
Juventude Transviada (Luiz Melodia)
8. Timbó (Ramón Russo)
9. A Carne (Marcelo Yuka, Seu Jorge e Wilson Cappellette)
10. Heróis da Liberdade (Silas de Oliveira)
11. Salve a Mocidade (Luiz Reis) /
Bloco de Sujo (Luiz Reis e Luís Antonio)
Bis:
12. Malandro (Jorge Aragão)
- com citação de Som de Preto (MCs Amilcka e Chocolate)

8 de janeiro de 2010 10:57  

Postar um comentário

<< Home