17 de agosto de 2009

Veia pop de Simone aflora em CD arejado e feliz

Resenha de CD
Título: Na Veia
Artista: Simone
Gravadora: Biscoito Fino
Cotação: * * * *

Na Veia - o CD de Simone que a Biscoito Fino põe nas lojas neste mês de agosto de 2009 - tem sido alardeado como um trabalho que dialoga com a discografia construída pela cantora na década de 70. Não é por aí. A despeito de conter músicas de dois compositores recorrentes na obra áurea de Simone, como Abel Silva e Gonzaguinha (1945 - 1991), Na Veia remete mais a Seda Pura (2000), álbum de pegada mais pop. Entre sambas, baladas e até um blues (Pagando pra Ver, parceria de Abel com Nonato Luís), Simone deixa aflorar sua veia pop ao cantar em tons leves e elegantes um curioso repertório formado por inéditas de Adriana Calcanhotto, Marina Lima, Erasmo Carlos e Marcos Valle. Já no samba que abre o disco, Love (Paulo Padilha, compositor da cena indie paulista), Na Veia pulsa num tom desencanado. Reiterado pelo clima boemio que norteia Certas Noites, parceria de Adriana Calcanhotto com Dé Palmeira. O repertório exala felicidade. Ou vontade de ser feliz, como sinalizam os versos de Migalhas, balada na qual é perceptível o DNA melódico do cancioneiro romântico de Erasmo Carlos. Essa felicidade pontua tanto Na Minha Veia - o grande samba de Martinho da Vila e Zé Katimba que inspira o bom título do disco - como Bem pra Você, a balada assinada por Marina Lima com Dé Palmeira. A louvação ao amor feliz é feita com sensualidade, exposta sobretudo nos versos de Deixa Eu te Amar (o samba popularizado por Agepê nos anos 80 que Simone revive em clima mais cool), de Hóstia - canção que estende a parceria de Erasmo com Marcos Valle - e de Definição da Moça, o tema (menos inspirado...) composto por Adriana Calcanhotto a partir de poema de Ferreira Gullar. Dentro do espírito do disco, a bissexta incursão da cantora pelo ofício de compositora nem destoa do repertório assinado por autores mais experientes. Vale a Pena Tentar é canção antiga, inicialmente intitulada À Beira dos Lençóis e idealizada por Simone em 1973 ou 1974 como imediata resposta a Proposta, marco inaugural da fase motel da obra de Roberto Carlos. A letra foi levemente burilada por Hermínio Bello de Carvalho, generosamente creditado como parceiro. Num jogo já ganho, vale destacar ainda a ótima regravação de Geraldinos e Arquibaldos, samba de Gonzaguinha arranjado com naipe de metais por Luiz Brasil. A propósito, o afiado time de arranjadores arregimentados pelo produtor Rodolfo Stroeter - Nelson Ayres, Rildo Hora, Julinho Teixeira e Luiz Brasil, com colaborações da própria artista - contribui decisivamente para criar a atmosfera de leveza que torna Na Veia um dos mais arejados discos de Simone.

51 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Na Veia - o CD de Simone que a Biscoito Fino põe nas lojas neste mês de agosto de 2009 - tem sido alardeado como um trabalho que dialoga com a discografia construída pela cantora na década de 70. Não é por aí. A despeito de conter músicas de dois compositores recorrentes na obra áurea de Simone, como Abel Silva e Gonzaguinha (1945 - 1991), Na Veia remete mais a Seda Pura (2000), álbum de pegada mais pop. Entre sambas, baladas e até um blues (Pagando pra Ver, parceria de Abel com Nonato Luís), Simone deixa aflorar sua veia pop ao cantar em tons leves e elegantes um curioso repertório formado por inéditas de Adriana Calcanhotto, Marina Lima, Erasmo Carlos e Marcos Valle. Já no samba que abre o disco, Love (Paulo Padilha, compositor da cena indie carioca), Na Veia pulsa num tom desencanado. Reiterado pelo clima boemio que norteia Certas Noites, parceria de Adriana Calcanhotto com Dé Palmeira. O repertório exala felicidade. Ou vontade de ser feliz, como sinalizam os versos de Migalhas, balada na qual é perceptível o DNA melódico do cancioneiro romântico de Erasmo Carlos. Essa felicidade pontua tanto Na Minha Veia - o grande samba de Martinho da Vila e Zé Katimba que inspira o bom título do disco - como Bem pra Você, a balada assinada por Marina Lima com Dé Palmeira. A louvação ao amor feliz é feita com sensualidade, exposta sobretudo nos versos de Deixa Eu te Amar (o samba popularizado por Agepê nos anos 80 que Simone revive em clima mais cool), de Hóstia - canção que inaugura a parceria de Erasmo com Marcos Valle - e de Definição da Moça, tema (menos inspirado) composto por Adriana Calcanhotto a partir de poema de Ferreira Gullar. Dentro do espírito do disco, a bissexta incursão da cantora pelo ofício de compositora nem destoa do repertório assinado por autores mais experientes. Vale a Pena Tentar é canção antiga, inicialmente intitulada À Beira dos Lençóis e idealizada por Simone em 1973 ou 1974 como imediata resposta a Proposta, marco inaugural da fase motel da obra de Roberto Carlos. A letra foi levemente burilada por Hermínio Bello de Carvalho, generosamente creditado como parceiro. Num jogo já ganho, vale destacar ainda a ótima regravação de Geraldinos e Arquibaldos, samba de Gonzaguinha arranjado com naipe de metais por Luiz Brasil. A propósito, o afiado time de arranjadores arregimentados pelo produtor Rodolfo Stroeter - Nelson Ayres, Rildo Hora, Julinho Teixeira e Luiz Brasil, com colaborações da própria artista - contribui decisivamente para criar a atmosfera de leveza que torna Na Veia um dos mais arejados discos de Simone.

17 de agosto de 2009 09:41  
Anonymous Anônimo said...

O CD é realmente lindo.

A inédita de Marina e o samba de Martinho se destacam.

A regravação do Agepê também ficou deliciosa de ouvir.

E ainda continua com o recorde!!!
A CAPA MAIS FEIA QUE A BISCOITO FINO JA FEZ!!!

17 de agosto de 2009 10:03  
Blogger Thelonius said...

Simone cantando como nunca, inovando e renovando repertório , antenada com a MPB nova e a que navega há tempos...na véspera de quase 40 anos de carreira e inacreditáveis 60 de idade, ela soube dar o pulo do gato, isso é para poucos...Boa surpresa!

17 de agosto de 2009 10:06  
Blogger Rafael said...

Olá, Mauro,

Teria alguma e-mail pelo qual eu pudesse entrar em contato com você para pedir uma informação importante a respeito do cd/dvd "Movimento Afropopbrasileiro" de Margareth Menezes? Sou pesquisador da área (mais especificamente músicas do carnaval baiano) e tenho encontrado dificuldades para encontrar um contato viável com a produção e distribuição desse material. Desculpa ocupar um espaço indevido pra isso. Meu e-mail: rafaelsr.ribeiro@gmail.com

Atenciosamente,

Rafael Rosa.

17 de agosto de 2009 11:12  
Anonymous Anônimo said...

Não acho a foto do L.Aversa feia, fotografa naturalmente sem artifícios com as fotos recentes de Bethânia que tbém clicou, ela está despojada, direta, jovem e clean...qto ao cd o Mauro já disse tudo.Espero a estréia no canecão!!!Valeu Cigarra!!1

17 de agosto de 2009 11:19  
Anonymous Betina said...

ainda não comprei o cd, mas ouvi trechos nosite da Simone e achoque ele tá clean, jovial. eu gostodo baiana da gema, mas aquele disco me soa 'antigo', esse parece que tá no tempo de hoje

17 de agosto de 2009 12:14  
Anonymous Marcelo said...

Parabéns Mauro pela resenha linda, bem escrita e que valoriza os novos ares de nossa grande cigarra, diva da música brasileira.

17 de agosto de 2009 12:33  
Anonymous Anônimo said...

Finalmente palmas para a música de Simone. Arte gráfica ? Deixa para museólogos.

17 de agosto de 2009 13:20  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, esta não é a primeira parceiria de Marcos Valle e Erasmo Carlos. "Sem Você Não Dá" foi gravada no album de Marcos de 1986 e Letras do Silencio foi gravada por Nana em 2001

17 de agosto de 2009 13:40  
Anonymous Anônimo said...

O mais importante é que ela está cantando muito bem e se renovando sem perder a identidade. Simone sempre convence aos seus seguidores, principalmente no palco.

17 de agosto de 2009 13:48  
Anonymous Anônimo said...

Dá-lhe, Cigarra. Estou felicíssimo com o disco. Garanto que há muitos outros sentindo a mesma felicidade.

17 de agosto de 2009 14:10  
Anonymous Anônimo said...

A primeira parceria de Erasmo e Mascos Vale foi inaugurada no Cd "Desejo" de Nana Caymmi:"Frases do Silêncio" em 2001.

17 de agosto de 2009 14:21  
Anonymous Anônimo said...

Muito sucesso para Simone neste novo e belo trabalho. Ela continua linda!

17 de agosto de 2009 14:32  
Anonymous Anônimo said...

(...) "O repertório exala felicidade. Ou vontade de ser feliz" (...)
Mauro, parabéns pela resenha, não porque esteja falando bem de Simone,mas pelo fato de ser uma análise justa. Acho que você acertou "na veia" quando diz que o repertório exala felicidade. A própria Simone acaba de dizer em entrevista (não me lembro onde exatamente) que ela queria cantar o amor, mas que não fosse aquela coisa "pra baixo". Aliás, se repararmos bem, já vai longe o tempo da Simone exageradamente dramática, do rosto melancólico das fotos. Ela própria está mais leve no palco, dança mais, ri escancaradamente, sem pudores. Palmas pra Cigarra que, como dizia Chacrinha, ela merece.
Luca

17 de agosto de 2009 15:45  
Anonymous Anônimo said...

As faixas que escutei estão surpreendentes!!! A sonoridade dos arranjos de uma elegância ímpar e a voz...que voz...Há muito esperava novamente isso dessa cantora, que os Deuses te protejam Simone!!!

17 de agosto de 2009 17:26  
Anonymous Anônimo said...

Vou comprar com certeza. Simone sempre será uma grande cantora da MPB. O CD ta lindo pelos trechos que ouvi. Eu ja adoro o Baiana da Gema, mas esse parece estar realmente mais descontraído. Salve a Cigarra! Eu gostei da capa, não sei que tanto criticam essa capa.

17 de agosto de 2009 19:29  
Blogger i.danca said...

Sou fã do Padilha e fiquei surpresa e feliz ao saber que a Simone gravou o "Love".
Vou ouvir!!!
Detalhe: ele é paulista!
bjs
i.danca

17 de agosto de 2009 19:36  
Anonymous Anônimo said...

MA-RA-VI-LHO-SO! Elegante, espontâneo e lindo demais como a Cigarra! Ela é tudo mesmo!!!! Joy

17 de agosto de 2009 19:51  
Anonymous Anônimo said...

Como fã de Simone sempre e sempre - mesmo em sua fase pós "Amar" e pré "Sou Eu" - só posso ficar muito feliz em ver minha rainha (a minha é ela, Bethânia é a dos outros) mantendo seu talento intacto. E SEM INVENTAR.

Bela resenha, Mauro, mas sou suspeito.

17 de agosto de 2009 20:51  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, Paulo Padilha é um compositor da cena indie PAULISTANA. Tem 3 discos solo muito interessantes e foi recentemente gravado pelo Marcos Sacramento. Mora em SP há anos e foi baixista do grupo Aquilo Del Nisso.

17 de agosto de 2009 21:26  
Blogger Nana said...

Concordo com o Mauro,realmente "Na Veia",lembra muito o "Seda Pura".
O que importa mesmo é ouvir simone Cantar e encantar seus fãs.

Na veia promete...


Felicidade e sucesso pra nossa eterna cigarra.

17 de agosto de 2009 21:42  
Anonymous Anônimo said...

em tempo.. tem gente elogiando demais depois de ouvir 30 sgs de cada música...tem que ouvir o cd TODO... da 4aº em diante já num se aguenta.. chato, muito chato!!

17 de agosto de 2009 22:48  
Anonymous Anônimo said...

Realmente um trabalho belissímo ,e há os que falam da capa.
Simone está enxutona ,linda na capa.
Capas mais feias q as de Bethanêa não tem.
faxineira

18 de agosto de 2009 00:01  
Blogger Claudio Almeida said...

Não sei qual o é problema com a capa. Simone está ótima! Estou ansioso para ouvir o CD.

18 de agosto de 2009 07:41  
Anonymous Anônimo said...

A verdade é que Simone esta mais antenada e o resultado é esse ótimo CD.Sabe quer o momento não é para baladas tristes,mesmo porque esse tipo de canção,como se tem discutido muito,anda em crise de criatividade.

18 de agosto de 2009 09:01  
Anonymous Anônimo said...

Já ouvi o CD inteiro e com certeza os 30 seg de cada música não fazem juz ao grande CD que realmente surpreende, finalmente uma grande obra `a altura dessa imensa voz.

18 de agosto de 2009 09:04  
Anonymous lu velloso said...

pelo visto praticamente todo mundo aqui tem seus contatos na gravadora ou trabalha no ramo.
como só ouvi os trechos do site oficial e eles são realmente muuuuito curtos não tenho condições de avaliar o produto.
resta-me torcer que seja bacana pq há anos (desde 'sou eu') simone não produz nada que me emocione.

18 de agosto de 2009 10:02  
Anonymous Anônimo said...

Acho engraçado dizer que o importante é o conteúdo.

Mas quando a capa é bonita todo mundo fala.

No mundo inteiro a capa dos discos tem valor imenso para os fãs.

Revistas como Rollings Stones sempre fazem votação das capas históricas.

Se não tivesse importância as gravadoras não contratariam fotógrafos, produtores de moda, cabelo e make-up e o que mais se faça necessário para que seja "a capa".

E tudo isso ´ra chegar a conclusão que:
A BISCOITO FINO ERROU FEIO.
A CAPA É HORRÍVEL!!!

18 de agosto de 2009 10:34  
Anonymous Anônimo said...

Não concordo com a Lu Velloso. Depois de A partir do Raios de Luz Simone retomou uma regularidade no repertório e gravou o belo CD que tem seu nome todo no título, isso sem falar no álbum dedicado a Ivan Lins. O trabalho com a Zélia resultou num CD óbvio mas o DVD é ótimo. Tudo cheio de emoção.

18 de agosto de 2009 10:51  
Anonymous Anônimo said...

"Simone Bittencour de Oliveira" eh emocionante do inicio ao fim, depois deste gostei muito de "Feminino"...tenho outros mas nao gostei embora nao faca nenhum ressalvo a voz...acho que o que falta nas novas cancoes eh beleza integral - melodia gostosa e letra bonita - algo que faca diferenca...gravar o novo nao eh sinonimo de nada, visto que Bethania nao tenha tido sucesso de radio nenhum neste peridodo Biscoito...nao existe mais as "musicas de interpretes ". Os medalhoes da MPB nao compoen nada que entre no "insconsciente coletivo do pais". Rarissimas excessoes. O que fica mesmo eh o prazer de ver Simone trabalhando, linda, na ativa...esta capa eh feia..embora a Simone mulher esteja belissima mas faltou mesmo producao...ar chic e fashion...e esta blusa meio curta trouxe um ar estranho - bem diferente do chic que eh o figurino de Simone no placo. Torco para que ela venda muito, para que as radios toquem e quero comprar o meu logo logo. Gosto da cigarra independente de repertorio, gravadoras,produtores... tudo isto passa e o princiapal mesmo eh quem canta...a voz esta acima ate mesmo da propria obra de um cantor.

18 de agosto de 2009 11:35  
Anonymous Anônimo said...

Lu o álbum já está `a venda no Rio, se quiser pode baixar pela tim store, n foi um post ouvindo 30s, ouvi o cd inteiro, abçs.

18 de agosto de 2009 11:56  
Anonymous Anônimo said...

Capas vistas em monitores são totalmente diferentes ainda mais quando a foto preza por ser simples, quanto ao conteúdo n podia ser melhor...que as Fms veiculem!!!

18 de agosto de 2009 12:59  
Anonymous Anônimo said...

Discordo um pouco da comparação com SEDA PURA.
Ali era um disco mais intimista, mais pop e mais cool. Foi um belíssimo trabalho, mas NA VEIA tem mais a "cara" de Simone. NA VEIA é um disco que lembra um pouco alguns álbuns do início dos anos 80, especialmente DELIRIOS E DELICIAS, só que com arranjos e numa linguagem mais atual.
M.S.
O que remete aos anos 70 é volta do Nelson Ayres. A faixa que mais gostei foi NA MINHA VEIA e a que menos me cativou foi o poema musicado pela Adriana Calcanhoto. De resto, baladas e sambas, ou seja, o que melhor SIMONE sabe cantar. DEIXA EU TE AMAR foi uma "aula". Um disco arejado, feliz e diferente de seus ultimos trabalhos, Simone está cantando num tom mais acima, mostrando que tá com a voz linda, assim como ela em seus inacreditáveis 5.9.
Só acho que no blues do Abel Silva, podia ter se "soltado" mais. Quem sabe nos shows!

18 de agosto de 2009 13:04  
Anonymous Anônimo said...

as músicas estão muito esticadas, ela repete INTEIRAS duas vezes.. arfff e tem umas bem bregas tipo Migalhas, Hóstia e Bem prá vc ( Marina, cadê vc??????)

18 de agosto de 2009 18:05  
Anonymous Anônimo said...

Brega é vc meu caro.Não gostar da cantora é uma coisa...agora achar a poesia de Migalhas ou Bem pra você bregas???O que seia então cult, elegante ou sofisticado? Agressão barata.

18 de agosto de 2009 18:31  
Anonymous Anônimo said...

no site da BF tem hotsite onde se pode ouvir TODAS as músicas inteiras. preferida? Calcanhoto,DEFINIÇÃO DA MOÇA.menos preferida concordo com vc Mauro, PAGANDO PRÁ VER .

18 de agosto de 2009 23:52  
Anonymous Anônimo said...

Não há como negar que é um disco leve e deliciosamente dançante. Certas noites da Calcanhoto, é provocativa,vadia e com um ritmo irresistível. Na Minha Veia é um samba com a cara do Martinho, que a Cigarra soube encar muito bem - certamente vai grudar no ouvido. Migalhas é linda e a música da Marina não tem nada de brega. O disco é daqueles de você colocar pra tocar numa dessas manhãs lindas e ensolaradas de domingo e deixar rolar inteiro...
Luca

19 de agosto de 2009 09:05  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, adorei a entrevista que vc fez com a Simone para a Isto É. Existe vida inteligente na crítica musical brasileira!! Tem saído cada matéria de arrepiar pelas redundâncias, lugares comuns e desinformação. AVE MAURO!!

19 de agosto de 2009 19:49  
Anonymous marcelo said...

Isso mesmo. Mauro é um dos melhores resenhistas do Brasil. Merecemos críticas inteligentes e fora do estereótipo que insiste em repetir que Simone é brega. Você analisou o novo cd sem pré-conceitos, sem pré-definições. Parabéns!
Concordo com o colega acima: a música de Marina Lima é uma poesia contagiante. O que é ser brega nessa canção. Paremos de lugares comuns e taxativos!

20 de agosto de 2009 10:31  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, parabéns pela resenha: enxuta, verdadeira e feliz (como o CD da Cigarra). Putz eu esperava uma obra assim desde Seda Pura - e o teu texto acertou na mosca (ou na veio, pra não deixar de ser óbvio). Simone exala não somente felicidade, mas também elegância: tava todo desconfiado de Deixa eu te amar, mas a Cigarra regravou com tal dignidade que jogou pra escanteio a breguice do Agepe. Como você mesmo disse, Mauro,JOGO GANHO!!!!

20 de agosto de 2009 18:24  
Anonymous Anônimo said...

"Certas Noites" é tudo!!! Dispensáveis Paulinho da Viola e Abel Silva, infelizmente.

22 de agosto de 2009 03:31  
Anonymous Anônimo said...

"Certas noites é tudo" (2)

Mas não dispenso nem Abel nem Paulinho. Impossível dispensá-los, já que o batida de Pagando pra Ver é super desencanada. Eu gosto. Nem dispensaria Paulinho, pois é sempre sinônimo de qualidade no samba.

22 de agosto de 2009 15:13  
Anonymous Anônimo said...

No dia que Paulinho da Viola for dispensável a Humanidade acaba.
INdispensável pensar antes de escrever.

23 de agosto de 2009 02:40  
Anonymous Anônimo said...

e tem mais ainda sobre essa do Abel. Não é inédita: foi gravada por Marcus Caffé no disco Deja Vu de 2008.

23 de agosto de 2009 17:12  
Anonymous Anônimo said...

e antes do Marcus Caffé pelo Belchior... ué!! No release da BF falando desse cd Na Veia eles falam que é uma das "inéditas".. tem gente comendo bola... a BF já foi mais rigorosa. Agora sai com release com informação errada, letra de música trocada... ais,ais,ais meus sais...

23 de agosto de 2009 19:53  
Anonymous Anônimo said...

Mano Freire disse...

Na música do Gonzaginha Simone simplesmente arrasa. Aliás, só ela paga o Cd. Agora a da Adriana Cklcanhoto, foi a descosntrução do belo poema de Gullar. Simone bem que poderia ter dispensado, já que a gauchinha não compunha nada de novo e que prestassse.

23 de agosto de 2009 23:47  
Blogger Juarez Francisco de Freitas Santos said...

O CD é bom mesmo...
mas a capa....que coisa horrivel!!!

24 de agosto de 2009 08:00  
Blogger novoluar said...

Mas por que essa negatividade com Definição da moça?! Já vi várias críticas e não só aqui. PRA MIM É UM ÊXTASE, UMA DELÍCIA! Salvo Jóia, que não digeri direto e um pouco de Pagando pra ver (que tem frases incômodas, que não cabem na música e é preciso 'quebrá-las' ou quebrar a voz cantando-a), o resto é simplesmente ABSOLUTO! Tudo em seu registro. Love, ESPETACULAR, ídem a Na minha veia, perfeitamente cantandos por uma SIMONE DIVA DO SAMBA (nem sempre reconhecida), com boníssimos arranjos e letras. Se as baladas ficassem mais 'vestidas', aí viria aquele aguaceiro de críticas alternando diferentes palavras com igual sentido: breguice, cafonice, kitsch, tal. Concordo com a pessoa que disse que esse disco é mais a cara da Simone (até mesmo na maneira de gravar) e isso, já, pra mim, é BOM! Curto muitísimo esse lançamento e torço que estoure no rádio e nas paradas de discos!

26 de agosto de 2009 20:43  
Blogger Jow said...

Nusss eu amei esse CD. Fazia tempo q eu não houvia uma cantora da MPB gravar algo tao belo. Parabéns Simone. Continue sempre assim.

3 de setembro de 2009 20:14  
Anonymous Anônimo said...

Simone. Sempre bem vinda.

9 de setembro de 2009 10:08  
Anonymous Anônimo said...

Simone eu te amo!!
Que voz linda! meu Deus! fico fascinado ao ouvir a voz de Simone!
Para mim a faixa mais sensual e brilhante do CD é " Bem pra você"
nossa me senti a paixão da vida dela ouvindo,,,que delícia!!
É a cigarra arrebentando de tanta luz e enchendo de som o ar!!
Simone maravilhosa!! te amo!!

19 de julho de 2010 21:56  

Postar um comentário

<< Home