27 de julho de 2009

Disco solo de Callado evoca bons tempos idos

Resenha de CD
Título: João Callado
Artista: João Callado
Gravadora: Biscoito Fino
Cotação: * * *

É bem sintomático que o único tema não autoral do primeiro disco solo de João Callado - o ótimo cavaquinista do Grupo Semente - seja Flor Amorosa, choro de Joaquim Callado (1848 - 1880), um dos compositores que ajudaram a dar uma identidade nacional à música brasileira. João Callado - o álbum ora lançado pela Biscoito Fino - evoca tempos idos, a despeito de trazer um ou outro samba que poderia figurar em qualquer CD que for semeado atualmente na Lapa (RJ) e arredores. Mesmo assim, os versos de Callado e Ana Costa para a melodia de Enganado Coração têm uma poesia que remete ao passado seminal da música brasileira. Teresa Cristina é quem canta o samba. Outra cria da Lapa, Moyseis Marques é parceiro e convidado vocal de Ilusão, outro samba do CD. Contudo, o solo de Callado - fundador dos grupos Abraçando Jacaré e Cordão do Boitatá - é basicamente instrumental e não se limita ao samba e tampouco ao choro. Há samba e choro em farta quantidade, mas há também jongo (o tema homônimo) e até uma modinha, Risquei teu Nome na Areia, entoada por Soraya Ravenle e emoldurada pelo piano de Marcelo Caldi. Aliás, um dos acertos do CD é apresentar cada faixa com uma formação bem diferente. Cinelândia, por exemplo, é solada pelo piano erudito de Maria Teresa Madeira. E esse universo erudito é mixado com a pegada do choro no tema apropriadamente intitulado Choro Sonata, faixa que fecha este CD que deixa boa impressão sem, de fato, arrebatar.

3 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

É bem sintomático que o único tema não autoral do primeiro disco solo de João Callado - o ótimo cavaquinista do Grupo Semente - seja Flor Amorosa, choro de Joaquim Callado (1848 - 1880), um dos compositores que ajudaram a dar uma identidade nacional à música brasileira. João Callado - o álbum ora lançado pela Biscoito Fino - evoca tempos idos, a despeito de trazer um ou outro samba que poderia figurar em qualquer CD que for semeado atualmente na Lapa (RJ) e arredores. Mesmo assim, os versos de Callado e Ana Costa para a melodia de Enganado Coração têm uma poesia que remete ao passado seminal da música brasileira. Teresa Cristina é quem canta o samba. Outra cria da Lapa, Moyseis Marques é parceiro e convidado vocal de Ilusão, outro samba do CD. Contudo, o solo de Callado - fundador dos grupos Abraçando Jacaré e Cordão do Boitatá - é basicamente instrumental e não se limita ao samba e tampouco ao choro. Há samba e choro em farta quantidade, mas há também jongo (o tema homônimo) e até uma modinha, Risquei teu Nome na Areia, entoada por Soraya Ravenle e emoldurada pelo piano de Marcelo Caldi. Aliás, um dos acertos do CD é apresentar cada faixa com uma formação bem diferente. Cinelândia, por exemplo, é solada pelo piano erudito de Maria Teresa Madeira. E esse universo erudito é mixado com a pegada do choro no tema apropriadamente intitulado Choro Sonata, faixa que fecha este CD que deixa boa impressão sem, de fato, arrebatar.

27 de julho de 2009 10:08  
Anonymous Anônimo said...

O disco é belíssimo e acho que o Mauro foi um pouco econômico na cotação. :)

Callado é um grande compositor e autor do grande samba, em parceria com Teresa Cristina, "O Passar Dos Anos", feito em homenagem ao integrante da Velha Guarda da Portela, Casquinha. A música está no CD "A Vida Me Fez Assim", Teresa Cristina & Grupo Semente, de 2004.

Abraços,

Geraldo Pimentel - Vitória (ES)

P.S.: É provável que neste ano saia o segundo CD solo de Pedro Miranda, também integrante do Grupo Semente

27 de julho de 2009 10:44  
Blogger dudu said...

É bom saber que pessoas como vc Mauro, que eu já acompanho há bastante tempo e o Sr Geraldo que é meu amigo de ORKUT avalisam qualquer artista.
Vou ouvir este CD>
Abçs.

27 de julho de 2009 18:43  

Postar um comentário

<< Home