4 de outubro de 2007

Roberta soa graciosa e previsível em bom show

Resenha de show
Título: Que Belo Estranho Dia para se Ter Alegria
Artista: Roberta Sá
Local: Teatro Rival-Petrobrás (RJ)
Data: 3 de outubro de 2007
Cotação: * * * 1/2

Roberta Sá soou tão graciosa quanto previsível na estréia carioca de seu novo (bom) show, Que Belo Estranho Dia para se Ter Alegria. Com maior desenvoltura cênica, qualidade já mostrada em recente show dividido pela cantora com Rodrigo Maranhão no Canecão (RJ), a artista subiu ao palco do reformado Teatro Rival para promover o lançamento de seu segundo CD - o melhor disco nacional de 2007 (até o momento). Roberta criou show enxuto e coeso, mas linear. Saiu de cena (calorosamente) aplaudida depois de contagiar a platéia com Laranjeira, o samba de Roque Ferreira que deságua na cadência baiana, com direito às palmas da platéia para marcar seu ritmo envolvente. Só que nem seu bom bis - com No Braseiro e Girando na Renda - apagou a sensação de que falta um algo mais no espetáculo. O roteiro entrelaça músicas dos dois álbuns de Roberta sem sequer uma única surpresa - nem que fosse uma música inédita na voz da artista, enfim, um sopro de ousadia.

Mesmo previsível, Roberta Sá entoa repertório irretocável. E sua opção por cantar ritmos brasileiros - arranjados com vivacidade e as sutis programações eletrônicas de Rodrigo Campello, o diretor musical do show e produtor dos CDs da cantora - é acertada. Até porque o canto de Roberta tem frescor bissexto na cena nacional. Frescor completado em cena com gestual que está ficando cada vez mais expressivo - a julgar por números como Alô Fevereiro, Interessa (samba delicioso que Roberta extraiu do repertório de Linda Batista), Pelas Tabelas e A Vizinha do Lado. Falta - ainda - a cantora aprimorar seu discurso em cena, geralmente sem graça...

Fora do tom buliçoso, a cantora põe a sua límpida emissão vocal a serviço de músicas como Cicatrizes e Janeiros. Sua leitura de Casa Pré-Fabricada - hit do repertório do grupo Los Hermanos - exala serenidade e meiguice de linhagem bossa-novista. Bisada em Mais Alguém - já hit em algumas rádios de perfil adulto contemporâneo - e em Cansei de Esperar Você, lindo samba da lavra de Ivone Lara e Délcio Carvalho que Roberta revive no novo CD. A cantora está cada vez mais segura em cena, reeditando no palco os tons de seus discos. Na inebriante Ah, Se Eu Vou..., destaque do CD Braseiro, ela chegou a ser merecidamente aplaudida no meio da música pelo tom contagiante do número. Enfim, cantora, repertório e arranjos são ótimos e fiéis a tudo de bom que se ouve nos álbuns da artista. O que impede Que Belo Estranho Dia para se Ter Alegria de ser um grande show é unicamente e justamente a incapacidade de Roberta Sá de surpreender e ir além dos registros de seus discos...

83 Comments:

Anonymous Anônimo said...

" Que Belo Estranho Dia para se Ter Alegria " o melhor disco nacional de 2007 ??!! Sei não ... Mas não resta dúvidas de que é um bom cd !

" Ah, Se Eu Vou ... " é realmente inebriante e um dos destaques do ' Braseiro ' mas a versão de Roberta não acrescenta muito a de Nena Queiroga do cd ' Xotes e Forrós ' de 2003 !

Roberta Sá é graciosa sim mas recentemente esteve no Circo de Edgard (MTV) e cantou ' Loirinha Bombril '. Muito fraca . Se for pra ter surpresas como essa é melhor nem ter !

Mas queria muito ter assistido o show. E desejo sucesso a Roberta Sá !

Diogo Santos
caxias.diogo@bol.com.br

4 de outubro de 2007 00:18  
Anonymous Anônimo said...

A mulher acabou de lançar um disco e vc já quer uma música inédita, Mauro? Caraca!!!
Sempre peguei no pé dela, mas sou justo.

Jose Henrique

4 de outubro de 2007 00:18  
Blogger Mauro Ferreira said...

Zé, eu disse uma música inédita NA VOZ dela... Paula Toller, por exemplo, canta Mamãe Coragem em seu show solo e nunca tinha gravado a música. Foi nesse sentido.

4 de outubro de 2007 00:20  
Anonymous Anônimo said...

Gostei muito do Cd de Roberta, mas pra mim o titulo de melhor de 2007 está nas mãos de CÉLIA (Faço no tempo soar minha sílaba) e que bom que Célia tenha acertado o tom da sílaba, esse tem me emocionado muito mais. A versão de 'Tango de Nancy' é perfeita!

4 de outubro de 2007 01:15  
Anonymous Anônimo said...

Roberta está presa ao seu repertório. Se o Pedro Luis sair da vida dela, talvez ela se solte mais e ouse!!!! Ela pode muuuito mais!

4 de outubro de 2007 01:24  
Anonymous Anônimo said...

Pessoal, que desespero!!! Ela apenas tem dois álbuns!!! Ela está em começo de divulgação desse trabalho. Devagar com o andor!
O nível de exigência em torno da moça vem se elevando numa proporção descomunal. Daqui a pouco vão querer que ela seja uma das integrantes do Circo de Soleil no palco e dai por diante.
Ela é mais contida e a música que canta é mais intimista. Imagina ela fazendo "performance" em músicas como "Cansei de esperar você", "O pedido", "Belo estranho dia de amanhã"...sem condições né?
Mesmo que tenhamos uma avalanche de lançamentos nesse fim de ano, "Que Belo Estranho Dia pra se ter Alegria" já está entre os Top 5 de 2007.
Espero que ela consiga controlar essa cobrança demasiada que vem se fazendo em torno de seu nome!!!!

4 de outubro de 2007 08:46  
Anonymous Anônimo said...

Gosto é gosto!!!
Eu adorei o show. E tenho certeza que o Mauro só não deu 4* pelos malas de plantão desse blog que iam cair matando em cima (kkkk)

4 de outubro de 2007 08:58  
Anonymous Anônimo said...

Mas Paula Toller tem mili anos de carreira, indepedente de fazer parte de um grupo...

Bruno.

4 de outubro de 2007 09:01  
Anonymous Anônimo said...

muitos elogios nem da vontade de lê...

4 de outubro de 2007 09:06  
Anonymous Anônimo said...

Então, sr Anônimo da 9:06 AM, é fácil...não leia!

4 de outubro de 2007 09:22  
Anonymous Anônimo said...

Mauro deu 3 estrelas e meia por que quis mesmo... Duvido que ele tenha se intimidado por meia dúzia de descompensados que frequentam esse blog!!! Ele tem as suas queridas e isso ele deixa bem claro! Não acho nada demais, e além de tudo, o blog é dele mesmo...

4 de outubro de 2007 09:48  
Anonymous Anônimo said...

Melhor disco deste ano???? Esqueceu da Mônica Salmaso?

4 de outubro de 2007 10:00  
Anonymous Anônimo said...

Mauro,

Desculpa minha falta de conhecimento ou de depreendimento, mas poderia esclarecer o que quis dizer com:
[...] Até porque o canto de Roberta tem frescor bissexto na cena nacional.[...}
Valeu!

4 de outubro de 2007 10:01  
Blogger Tudo foi feito ... said...

Ahhh Mauro gostei do CD da Roberta Sá mas...
Não sei se é o CD do ano não!!! Acho o da Vanessa da Mata um páreo duro heimmmm!!!
Abraços

4 de outubro de 2007 10:18  
Anonymous Anônimo said...

Roberta entrou para o seleto e duvidoso time das protegidas do Mauro. E isso não é bom. O cara enche a cantora de elogios, comete o crime de já dizer que o cd da moça é o melhor de 2007, gera grandes expectativas em torno dela. Aí vem com esse papinho de previsível para Roberta! Deixe a garota em paz, Mauro. Vá pegar no pé de Marisa Monte, outra cantora ainda mais previsível, mas que te falta coragem para falar mal dela.

E concordo que o blog é dele e aqui ele puxa o saco de quem quiser. Por isso mesmo que não o considero crítico musical. Não há isenção nas opiniões dele. É tudo pelo lado pessoal. Se é amigo, ele fala bem. Se não é, desanda a falar mal. Crítico musical vai bem além disso!

4 de outubro de 2007 11:23  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, faço minhas TODAS as suas palavras em seu comentário.
Roberta é mesmo graciosa, escolhe repertório com discernimento e bom gosto e está fazendo uma carreira deliciosa mas...uma boa dose de vodka com limão não lhe faria mal.

Carlos, se Mauro me permite:
Roberta tem um ar primaveril, exala um cheirinho de banho e alfazema e uma voz com a limpidez de um belo copo dágua fresquinha.
Ela é clara, compreende?
E bissexta, porquê em épocas de adjetivos excessivos...bem, isso vc entendeu...

beijinho

4 de outubro de 2007 11:32  
Anonymous Anônimo said...

Juliana disse...
Vi esse show no Teatro Fecap aqui em São Paulo e fiquei... confusa.
Não posso dizer que foi bom, mas também não posso dizer que foi ruim. Fiquei agradavelmente surpresa com algumas coisas e muito decepcionada com outras.

Pontos positivos:
1. Ela canta de verdade. Hoje em dia, gostar da voz de alguém em disco não significa nada. Com a tecnologia, pode-se editar, consertar e até afinar uma voz completamente desafinada por computador (Vanessa da Mata!!!). A voz de Roberta é tão pura ao vivo quanto nos discos. Viva!!!
2. Acho Que Belo Dia... extremamente irregular no repertório, inferior a Braseiro, mas muitas músicas que eu não gostei no disco cresceram ao vivo.

Pontos negativos:
1. Sonoridade. O show é bateria, percussão, programações eletrônicas, violão apagadíssimo. Só. Muito pobre. Em diversos momentos trechos dos discos, como introduções de sopros, são reproduzidos pelo computador. Nenhuma surpresa nos arranjos. Um saco!
2. O Mauro tem razão quando fala da falta de desenvoltura de Roberta ao falar com a platéia, ela é muito sem graça, parece estar com vergonha das pessoas ali presentes.
3. Nunca concordei com essas comparações entre Roberta e Marisa Monte, nunca vi semelhanças. Mas vendo Roberta no palco pela primeira vez, EM ALGUNS MOMENTOS, no gestual ela lembra muito a Marisa, aquele gestual meio falso, forçado, nada a ver.
4. Concordo também com o Mauro que um show tem sempre obrigação de apresentar um número pelo menos (umzinho só!) diferente dos discos. Se for só pra ouvir os discos reproduzidos no palco, eu fico em casa ouvindo os discos.
5. Por último, interpretação. Roberta é doce e meiga. E transforma tudo em mimo. O show tem um tom só. Todas as canções são cantadas com meiguice, não importa do que estejam falando; canções políticas como Pelas Tabelas e Braseiro, canções que falam de paixão, de ódio, de saudade e de alegria, todas ficam mimosas, um dengo só. No começo é encantador, mas depois fica chato e entediante, além de dar a ela um ar infantil. Não há drama no show, não há variação de sentimentos.

Enfim, voz nota 10, foi uma belíssima surpresa. Paguei só R$10 então não posso dizer que não valeu a pena, mas se tivesse pago mais...

4 de outubro de 2007 11:38  
Anonymous Anônimo said...

Já pensou esses "carentes" 30 anos atrás, quanto todas estavam no auge e a gente tinha uma gama muito maior de cantoras interessantes ?

Não era esse cenário bobagem de hoje...

Em tempos de funk e Preta Gil, o público de MPB ficou carente.

4 de outubro de 2007 12:10  
Anonymous Anônimo said...

Tive a oportunidade de assistir ao show no Teatro FECAP e adorei.Acho que não precisa de muitos estardalhaços para se fazer um bom show.Em nenum momento o show é enfadonho e só senti mesmo a falta de um bom violão.Concordo que este cd é uma delícia, tanto quanto Braseiro e Roberta é afinadíssima.Saí do nordeste para ver o show e tb vi o da Vanessa da Mata(no palco ígual ao outro show-só muda cenário e banda e desafinando em algumas canções).

4 de outubro de 2007 12:16  
Blogger Vinny said...

Roberta Sá e Vanessa da Mata, são os melhores CDs de 2007, sem dúvida!

Fico confuso em dizer qual é o melhor... mas isso não importa!

Quero muito ter oportunidade de ver esse show, espero que ela venha e logo pra Salvador!

4 de outubro de 2007 12:44  
Anonymous Anônimo said...

Tem gente que vai dizer: Se fosse a Maria Rita, o show não seria tão insosso. E todo mundo já se cansou de comparações que andam rolando antes do cd das duas serem lançados. Mas não é que dessa vez eu não discordaria dos "comparadores"?!
MR pode deixar a desejar em vários aspectos, mas de palco... É uma barra bater de frente com ela.

ps: Vanessa da Mata entre os melhores discos do ano? Sei não se ela tá com essa bola toda.

4 de outubro de 2007 14:01  
Anonymous Anônimo said...

Oba! Mauro, entendi o que quis dizer, sim.
Eu não fico frustrado se uma cantora que tem 2 discos gravados faz um show e "só" canta músicas deles, pra mim estaria mais do que bom.
Outro dia estava vendo um show da Céu(pela TV) e ela canta algumas músicas novas e tal, mas, ela só tem um disco, tem mais é que fazer isso mesmo.
Enfim, é uma questão de opinião.
Um abraço

Jose Henrique

4 de outubro de 2007 14:31  
Anonymous Anônimo said...

Anita, obrigado pelos esclarecimentos quanto ao uso da palavra "bissexto"!
Juliana, concordo em grande parte com o que você mencionou a respeito da presença de palco da Roberta. Entretanto, discordo quando você se refere a interpretação de músicas como "Samba de Amor e Ódio", "Samba de um Minuto", "Belo estranho dia de amanhã", "Pelas Tabelas" serem conduzidas de maneira MEIGA. Ou você sentou longe do palco ou não se ateve a fisionomia dela, pois ela tentava transmitir o sentimento de indignação, ódio e dai por diante. Acho que num todo ela se sai bem, quando é pra ser meiga, no caso de "Mais Alguém", "Casa pré-fabricada", "Cansei de esperar você", ela manda o recado. Quando o show vira mais pro lado festivo, "Laranjeira" e "Ah, se eu vou" ela dá outra cara.
Bom, não posso ser hipócrita a ponto de dizer que ela já domina totalmente o palco, até mesmo porquê ela só tem dois anos de carreira!
Pessoal, tentem entender que ela nunca vai se entregar de corpo e alma como Elis fazia, as vezes sinto implicitamente esse tipo de comentário. Nem vai ser, ainda bem, PUXADORA de axé!

Ah, para aqueles que acham que ela é robótica no palco e não sabe lidar com adversidades, dêem uma conferida no que aconteceu na música "Samba de amor e ódio" quando da apresentação do sábado da FECAP que está disponível no youtube. Vale a pena ver como ela é SEM GRAÇA e não sabe SE VIRAR!!!

Roberta Sá, sem querer, é motivo de polêmica constantemente!

4 de outubro de 2007 14:33  
Anonymous Anônimo said...

Juliana,

Como você foi maRRRvada! Mas é isso mesmo. Roberta é linda, simpática, absurdamente afinada e merece todo respeito, reconhecimento e projeção por investir nessa música de boa qualidade. Isso já é bastante bom para uma cantora iniciante. Mas fico por aí nos elogios, no mais acho apenas um grande exagero.

4 de outubro de 2007 14:39  
Anonymous Anônimo said...

amei o comentário de juliana.

tb acho o cd de roberta o melhor do ano até aqui.

corroboro tudo que mauro escreveu e anita pontuou.

roberta é muito boa, tb assisti ao show em sao paulo mas ainda está verdinha. ok, tem muito tempo pela frente, sem dúvida. eu aguardo.

e, igual a juliana, considero o gestual de marisa monte totalmente fake e desengonçado, ainda mais que roberta, a quem falta eloquência em cena.

roberta deve assistir uma maria bethânia, que esbanja vitalidade, graça, densidade e versatilidade em cena. claro que isso não 'pega', mas é sempre bom para um profissional dar uma sapiada no que andam fazendo os mestres.

viva roberta!

4 de outubro de 2007 15:27  
Anonymous Anônimo said...

Nossa, pra que ela precisa ficar rolando no palco? Se matando de fazer gestos e dai por diante??? Ela é Roberta Sá, tem a identidade dela...Se ela é tímida é parte da personalidade dela! Daqui a pouco vão querer que ela a cada verso que cante coloque uma legenda embaixo do palco pra esclarecer o que ela está executando no palco...Menos gente!
Outra coisa, o post não é sobre Maria Rita, mas como a citaram,quando do primeiro cd dela, assisti a alguns shows e achava meio forçado a "interpretação" para Santa Chuva!
Vou dar uma "dica" pra Roberta. Faça acrobacias, contorcionismo e dê um show de drama piegas no palco, dai você vai se "igualar" aos "monstros intocáveis" da mpb mais da antiga, de cerca de 40 anos atrás!!!!! quanta bobagem!

4 de outubro de 2007 16:13  
Anonymous Anônimo said...

engraçado: eu também julgava que o mauro era incapaz de surpreender em uma crítica. e não é que ele apontou um defeito na cantora predileta? incrível!

4 de outubro de 2007 16:50  
Anonymous Anônimo said...

Eu tb não gosto de contorcionismos e excesso de drama, é por isso que acho a Elis Regina uma chata.

Jose Henrique

4 de outubro de 2007 17:08  
Anonymous Anônimo said...

Os ventos não estão realmente a favor.
É tamanha a mediocridade reinante, que uma cantora correta, mediana, colegial e honesta passa a parecer ícone contemporâneo.
Não é para menos: Maria Rita, boa promessa no CD de Milton Nascimento anos atrás, se revelou uma cantora sem personalidade nenhuma; Ceu, bom programa para a garotada baladeira da Vila Madalena, está longe da qualificação que vez por outra lhe atribuem; Vanessa da Mata, compositora de recursos, é uma cantora abaixo do mediano; Mariana Aydar poderia ser Maria Antônia, Roberta Jó, Joana Loureiro, ou qualquer jovem mulher que se prontificasse a cantar, enfim...

pensando bem, Roberta deve mesmo enxergar alguns passos adiante do nariz, afinal, encontra-se numa época de cegueira reverenciada.

4 de outubro de 2007 17:09  
Anonymous Anônimo said...

Na minha listinha TOP'S 2007 estão Vitor Ramil (Satolep Sambatown), Vanessa da Mata (Sim), Fafá de Belém ao vivo, Célia (bem lembrada) e, claro Roberta Sá (Que belo estranho dia...) mas obvimente aguardo Elba Ramalho (o q ouvi no site gostei!)

4 de outubro de 2007 19:27  
Anonymous Anônimo said...

José Henrique, pela primeira vez tenho que concordar com o que você disse!

4 de outubro de 2007 20:03  
Blogger André said...

Ricco, concordo totalmente contigo. Tá difícil crer nessas boas moças de aparência, nomes e sobrenomes de secretárias e recepcionistas, cantando choros, cirandas e sambas com a mesma linguagem que Sinhô ou Caymmi usavam há 50 anos atrás. Essa gente não tem sal nem pimenta. Cantora importante na década, por incrível que pareça, é Maria Bethânia, salvo menções honrosas pra Elza Soares ou Bebel Gilberto. Até acredito numa renovação da mpb, mas até agora isso infelizmente não aconteceu. Logo aparecerá gente mais original e inspirada.

4 de outubro de 2007 20:04  
Anonymous Anônimo said...

Estive no show na FECAP e posso dizer que também notei Roberta Sá mais contida que o habitual. Ela é uma grande intérprete, poucas vezes vi tanta feminilidade e doçura em palco, mas que foi ao Tom Jazz esse mês retrasado, viu uma Roberta mais desenvolta e carismática. Ela contagiou o público e seduziu até os mais céticos. Fiquei impressionado com sua performance em "Eu sambo mesmo" parecia o "hit" do ano, porém não repetiu em seu bis na FECAP, faltou sim, um pouco mais de ousadia. Exageros a parte Roberta veio pra ficar pois tem talento inegável e não precisa usar de "peripécias" para conquistar seu público. Parabéns Mauro, crítico irretócável!

4 de outubro de 2007 21:27  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, acabei de voltar do show.... Ainda estou contagiado pela beleza do show. Roberta está maravilhosa. É impressionante como as músicas cresceram no palco. Ela está mais solta, leve, graciosa... Um grande futuro essa moça tem.

4 de outubro de 2007 23:43  
Anonymous Anônimo said...

Carlos, primeira vez?!?!
Vc tá muitooooooooo mal,cara!
Desejo melhoras. :>)

Jose Henrique

5 de outubro de 2007 01:13  
Blogger Unknown said...

Anônimo das 10:00, também adoro a Mônica, mas acho difícil as noites de gala dela alcançarem o dia de se ter alegria da Roberta.

E, Zé, quanto à Elis, também concordo com você!!!

5 de outubro de 2007 02:08  
Anonymous Anônimo said...

Zé, não estou mal não...rs...
Você está angariando adeptos quanto aos exageros de certos "ícones"!!!!

5 de outubro de 2007 08:36  
Anonymous Anônimo said...

José Henrique,

Eu admiro muito Elis, porque ela não tinha medo de se arriscar, demonstrando sua emoção, exercitando novos estilos de interpretação e pesquisando novos compositores, mesmo correndo o risco de ficar exagerada de vez em quando.

Na minha opinião (veja bem), é isso que destaca um grande intérprete, como, por exemplo, Bethânia, Gal, Nana e a saudosíssima Cássia Eller. (curioso, só listei mulheres...)

Eu gosto da voz da Roberta Sá e acho ela linda, mas queria que ela se arriscasse um pouco mais e saísse um pouco dessa linha meiguinha de interpretação, que me cansou um pouco quando escutei o cd novo dela.

Mas é apenas a minha opinião...

abração,
Denilson

5 de outubro de 2007 09:42  
Anonymous Anônimo said...

Denilson,

Você acha que uma letra do porte de "samba de amor e ódio" e "samba de um minuto" é meiga? "laranjeira", "girando na renda" e "alô, fevereiro" se referem ao mundo perfeito?
Só não vale falar que ela é a "garota Sandy"...rs..

5 de outubro de 2007 09:51  
Anonymous Anônimo said...

Roberta é bacana, é gata, tem talento, ainda vai crescer muito.
É a melhor de sua geração.
E, cá entre nós, Mônica Salmaso é um porre de cerveja quente.

5 de outubro de 2007 10:24  
Anonymous Anônimo said...

Mônica Salmaso é porre de cerveja quente porque se inspirou em outro porre, a Zizi Porre, que por sua vez tentou imitar a chatérrima Marisa Monte, que imitou Gal Costa e os Novos Baianos com sua Baby Consuelo. Gal, pelo menos, imitou um monte de gente ao mesmo tempo e fez seu estilo - incluindo João Gilberto, Janis Joplin, Dalva de Oliveira e não sei quem mais. Agora estamos aí com várias Marisas, pra inglês ver, no mercado. A única que não imita Marisa é Maria Rita. Socorro! Kkk.

5 de outubro de 2007 11:19  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo das 11:19 AM, menos né???
Tinha que botar a Maria Rita em um post da Roberta só pra provocar!!!
Já que falou dela, ela nunca imitou a mãe dela né?? Santa ingenuidade.
Não se esqueça de que todos antes de cantar tem alguma inspiração. Não confunda um papel sulfite com o dom de cantar, pois o primeiro não acumula memória e o segundo é repleto de influências. Vai de cada um saber dosar o quanto isso impacta em seu trabalho!

5 de outubro de 2007 11:30  
Anonymous Anônimo said...

Oi, anônimo das 9:51

Eu não me referi ao repertório e sim à interpretação da RS. Me parece ser muito linear e, na falta de um termo melhor, "meiga" (rsrsrs), independente do estilo, do ritmo ou da letra da música.

Mas é só uma questão do meu gosto pessoal.

abração,
Denilson

5 de outubro de 2007 11:43  
Anonymous Anônimo said...

carlos, show de bola!

e para os que aludem à genética:
luíza possi, por ex, tem nítida influência da mãe mas não a imita. ok. é mediana mas não busca a clonagem.
maria rita tenta a todo custo repetir as (inimitáveis) performances da mãe. é apenas de doer.
- ou de lascar, como diria a pimentinha.

5 de outubro de 2007 14:59  
Anonymous Anônimo said...

e, isso mesmo: mônica salmaso é um porre de cerveja quente, enquanto roberta é uma taça de champanhe com uvas verdes, acompanhado de ostras frescas em pleno café da manhã na riviera francesa.

na primavera, bien sür!

5 de outubro de 2007 15:03  
Anonymous Anônimo said...

"Mônica Salmaso é porre de cerveja quente porque se inspirou em outro porre, a Zizi Porre, que por sua vez tentou imitar a chatérrima Marisa Monte"

AHHHHHHH tá bom então!
que bom que você explicou tudo tão direitinho... Senão eu ia pensar que esse comen(o)tário só falava bobagem. Pelamor... Não escreve se não tiver nada mais... útil!
Virou bagunça!
Até Elis tá na roda... Acho que quem não gosta de Elis não ouviu ELis, além da nova brasil fm. E se ouviu (bem ouvido) e não gostou, nunca vai gostar de nada mesmo.

5 de outubro de 2007 15:31  
Anonymous Anônimo said...

Elis realmente não deveria ser citada em um post sobre Roberta Sá, mas não há dúvida que sua filha tenta imitá-la fragorosamente.
Uma geração de cantoras teve a Elis como referência mas Maria Rita foi além e pulou o muro que separa influência de imitação deslavada.Diga-se de passagem, até nas 'macaquices' e cacoetes fisionômicos da genial cantora. Imagine se tivesse convivido com ela.

Bem, sobre Roberta, é realmente colocada. Canta direitinho, está afinada, só precisa vir se apresentar em Belém.

Bom final de semana para todos.

5 de outubro de 2007 16:41  
Anonymous Anônimo said...

A Elis entrou na roda pois as vezes elas exagerava na interpretação das músicas...só por isso...Não se questiona o seu valor.
Se ter presença de palco é ser igual ao tal do Rick Valen, melhor a Roberta continuar tímida mesmo!!!

5 de outubro de 2007 16:52  
Anonymous Anônimo said...

Não existe mais sonífero, chato e aborrecido do q a Monica Salmaso. Talvez a Teresa Cristina...

5 de outubro de 2007 17:05  
Anonymous Anônimo said...

Legal saber que Zizi tentava copiar Marisa Monte. Comentário muito inteligente, parabéns. Bom ouvido. Bastante discernimento. Em termos de datas também é uma informação interessante.

5 de outubro de 2007 17:58  
Anonymous Anônimo said...

O post é sobre Roberta, mas dessa moça eu desisti de falar... vou esperá-la me convencer de que ela é, de fato, tudo isso que vocês colocam aqui... Tomara que consiga, pois assim, estamos diante de uma das maiores cantoras do planeta, desde o início de sua carreira, já que os comentaristas já chegaram ao ponto de dizer que que ela é a Gal do futuro... Enfim....

Quanto à Maria Rita, creio que as pessoas que dizem que ela imita a mãe, que ela é uma fraude, vão fazê-lo sempre, mesmo sem escutá-la. O discurso já está pronto. Se dessem o mínimo de atenção ao seu disco novo, Samba Meu, perceberiam que ela está cada vez mais distante dos traços da Elis... Na medida do possível, claro, afinal os timbres são muito parecidos.

Sobre Mônica Salmaso, só quero deixar um registro positivo, já que me parece que o pessoal por aqui não curte muito. Pra mim é uma das grandes cantoras do Brasil na atualidade. Séria, repertório impecável, técnica perfeita e uma cantora de grande personalidade sim.

Será que tá faltando alguém? Sobre Elis não vou me estender, mas para mim está em outro nível, entre os gênios que esse país já produziu.

Ah sim, e, para mim, sempre que se fala em grandes cantoras, não posso deixar de citar Rosa Passos. Espero que depois de sua homenagem à Elis, Rosa encontre um público maior em seu país. Prestem mais atenção nessa baianinha... O Brasil não tem só Bethânia, Gal... tem uma cantora no mesmo nível destas, mas que poucos acompanham.

Salve Rosa sempre.

Anderson Falcão

Brasília - DF

(Ouvindo Maria Rita - Samba meu)

5 de outubro de 2007 19:34  
Anonymous Anônimo said...

Ahuahauhauha

Quanta gente equivocada!
Zizi Possi imitando Marisa Monte?foi a maior baboseira q já li no seu blog Mauro! Kkkkkkkkk
Só tendo senso de humor. E tome cerveja quente pra quem não gostar da Monica Salmaso pq ela veio pra ficar! kkkkkkkkkk

5 de outubro de 2007 23:09  
Anonymous Anônimo said...

Detestável essa tal de Roberta Sá. Vozinha enjoada! Zizi, Marisa Monte, afffff. Prefiro as cantoras de vozerão, como Simone, Rosana, Ana Carolina. Isso sim é que é cantora! O resto é pouca vergonha!

5 de outubro de 2007 23:28  
Anonymous Anônimo said...

"Maria Rita foi além e pulou o muro que separa influência de imitação deslavada"
Falar do Simoninha, do Jair Oliveira, do Pedro Mariano (que cantou várias músicas da mãe), do Moreno Veloso ninguém fala!
Mas a Maria Rita tem que carregar o carma de ser filha do ícone. Não tenho dó dela. Tenho pena de quem não entendeu a proposta dela que é muito diferente da proposta da mãe.

6 de outubro de 2007 00:08  
Anonymous Anônimo said...

Anônimo das 11:28Pm, cada um com seu gosto né???
Detestável é ver cantoras que utilizam a homossexualidade para angariar fãs, que aparecem em capas de revistas expondo sua identificação sexual e que tem "voz de homem", como parece ser a sua preferência, de acordo com as suas favoritas! Ah, faltou você mencionar a Cássia Eller, Zélia Duncan, Isabela Taviani... também!

6 de outubro de 2007 09:33  
Anonymous Anônimo said...

Roberta Sá e Maria Rita são as melhores cantoras da atualidade!!!!!!!!!!

6 de outubro de 2007 11:35  
Anonymous Anônimo said...

Da atualidade, não sei. Mas da nova geração, sem dúvida. E Edu Krieger e Rodrigo Maranhão são os melhores compositores.

6 de outubro de 2007 13:08  
Anonymous Anônimo said...

A cantora deste ano é a Marrom, O dueto com o Gilberto Gil é lindo, sem dúvida a gravação do ano. Alcione é de um tempo em que as cantoras precisavam ter mais do que um repertório de sambas e choros todos parecidos com jeito que os universitários na música da Lapa adoram, para fazerem certo sucesso com um público restrito e tão chato quanto eles. Aquela coisa Blasé, Pálida, Existencialista e anacrônica que Marisa Monte, Roberta Sá e toda a geração da Lapa exibem. Ainda fico com Fafá, Elba, Alcione, Clara... Como disse um anônino, a nova geração ainda não chegou... E Salve Martinália!

6 de outubro de 2007 13:50  
Anonymous Anônimo said...

Mart´nália é muito ruim...vá de retro...

6 de outubro de 2007 17:49  
Anonymous Anônimo said...

cada uma tem seu espaço. roberta sá é linda, talentosa, canta bem e escolhe o repertório direitinho. tudo dentro dos conformes. não entendo o porquê dessa pressa exarcebada para compara-la com outra cantoras com mais tempo de carreira. me parece provocação sem um pingo de bom senso. roberta é boa naquilo que se propõe a fazer. isso basta.

:)

7 de outubro de 2007 00:33  
Anonymous Anônimo said...

Mart'nália é bom demais...

E Salve Mart'nália (2)

Anderson Falcão

Brasília - DF

7 de outubro de 2007 00:35  
Anonymous Anônimo said...

Mart´nália é horrível (2)...
Samba vulgar!!!
Dentro da linha que ela canta sou mais a matriz ELZA SOARES...a quem ela imita e em muito com a tentativa de fazer os mesmo cacoetes com a voz!!!

7 de outubro de 2007 16:11  
Anonymous Anônimo said...

Shirle de Moraes e Roberta Sá...são as melhores do momento.

8 de outubro de 2007 10:57  
Anonymous Anônimo said...

concordo, shirle é incrível...onde anda?

8 de outubro de 2007 11:27  
Anonymous Anônimo said...

Também vi o show da Roberta Sá, no teatro Fecap, achei-a afinada,o show foi muito bom, mas faltou aquele arrebatamento que algumas cantoras conseguem de sobra.Acho que ela chega lá,se bem que algumas cantoras também tímidas e de pouco tempo de carreira como foi dito sobre ela, chegam no palco e simplemente arrebentam.Em alguns momentos,lembra sim a Marisa Monte,sem problemas.. e qual o problema?

8 de outubro de 2007 14:06  
Anonymous Anônimo said...

Shirle está por vir com novo trabalho. Agora sem as amarras do Guto Graça Melo, a coisa vai...

8 de outubro de 2007 14:51  
Anonymous Anônimo said...

Lamento pelos que enchem tanto a bola de Roberta Sá. A participação desta está bem aquém em "Desenredo" no CD do Boca Livre. Anos luz da versão devastadora de Nana Caymmi. Dêem um tempo, pode ser que Roberta Sá chegue lá!

9 de outubro de 2007 10:43  
Anonymous Anônimo said...

Lamento pelos que têm inveja do trabalho da Roberta. Não se analisa uma cantora apenas por uma música e sim pelo conjunto da obra! E este é altamente positivo!

9 de outubro de 2007 13:12  
Anonymous Anônimo said...

Bom, agora vc pegou pesado,ao compará-la com Nana e sua interpretação única.

9 de outubro de 2007 15:05  
Anonymous Anônimo said...

A desculpa para interpretações fraquinhas agora tornou-se inveja? Cantar alegre e meigo é fácil. Agora por densidade numa música é outra, em todo caso ela poderia ter se esquivado... Pode ser que Roberta Sá consiga, vamos dar tempo, isso não quer dizer que ela seja ruim.
Tem umas pessoas panóicas e acríticas por aqui, eu hein! Defensoras de plantão!

9 de outubro de 2007 19:02  
Anonymous Anônimo said...

Fique você com a Nana, a Maria e a Chiquinha...etc... e pare de importunar com algo que não tem nada a ver! Realmente deve ser "única" pois ela anda tão apagada e mal se tem notícia da referida...Passar bem!

9 de outubro de 2007 20:42  
Anonymous Anônimo said...

Quando não se tem argumentos apela-se para a ofensa ativa! Tem gente precisando é de psicoterapia, + q d musica... ahuahauhaua
Comparar a carreira - de longe espetacular - de Nana com uma iniciante. Chega a ser piada, realmente o anônimo pegou pesado com a novata!

10 de outubro de 2007 00:39  
Anonymous Anônimo said...

Espetacular????kkkk (isso sim é que é piada, cômico) Best seller???
"Nunca na história desse país" se viu um "legado" da magnitude da cantora-motivo de devoto defensor da discípula do clã baiano!!! Cara, não gostar ou achar Roberta fraca é problema de cada um!
Ainda bem que ela ainda não começou a dar cambalhotas, piruetas, malabarismos e maneirismo!! Além se ficar forçado é muito fora de moda e datado meu cidadão.
Na boa, acho que as pessoas precisam entender que cada artista tem seu valor e não é necessária a comparação INTERTEMPORAL, até mesmo porquê as tecnologias são diferentes, a concepção sobre os arranjos e realidade são muito, mas muito distantes...

10 de outubro de 2007 06:34  
Anonymous Anônimo said...

Espero sinceramente que Roberta não se enverede pela coisa fácil da caricatura, do over, do exagerado e do "visceral" como fazem certos "ícones" únicos...rs...Realmente é difícil ela não cantar bonito, até mesmo porquê ela tem uma beleza fora de série e uma voz, sem dúvida alguma "cristalina". Quem não conhece a obra de um artista deveria se ater de comentários desprovidos de argumentos. Roberta não canta somente músicas do tipo "mundo perfeito"...Então, antes de escreverem algo por falta de conhecimento, e nesse caso a palavra ignorância faz todo o sentido, reflitam melhor no que escrevem. A partir dai aponte música por música do repertório da Roberta e vamos fazer uma análise sintática, morfológica, gestual, nexo-causal, gramatical e...etc...Podemos ter uma noção holística da obra e tirar a prova dos nove!
Bom, acho que pessoas sensatas e que consigam interpretar um texto sabe do que falei!
Desnecessária qualquer tipo de intervenção médica, como foi apontado por um dos anônimos!
Já que foi apontado que cantar alegre é fácil, então que essa pessoa se predisponha e tente a sorte no cenário musical...não é fácil? Então, desejamos boa sorte!

10 de outubro de 2007 08:30  
Anonymous Anônimo said...

Se bem entendi, Não foi falado que Roberta Sá é fraca, mas que teve uma interpretação fraca na música em questão... Parodiando Gal na queda do violão em "Gal a todo Vapor" - Acontece... hehehe

10 de outubro de 2007 11:07  
Anonymous Anônimo said...

Foi dito sim, caro anônimo das 11:07.
Foi mencionado que Roberta tem "interpretações fraquinhas"!!!
E até mesmo na exposição do comentário do Mauro não foi dito nada a respeito da falta de presença de palco e sim que ela deveria ousar no que se refere a fugir da apresentação apenas das músicas dos álbuns.
Ai, vem "criaturas" desprovidas de bom senso e começam a comparar com cantores de outrora. Totalmente desnecessário, pra não dizer o mínimo!

10 de outubro de 2007 13:12  
Anonymous Anônimo said...

realmente é triste essa comparacao com Nana Caymmi. Roberta interpreta muito melhor, além de ter mais voz, talento etc. Roberta, ao lado de Simone e Maria Rita, é a melhor cantora do Brasil.

10 de outubro de 2007 16:34  
Anonymous Anônimo said...

É tão engraçada essa paixão pela Roberta Sá, o que os apaixonados não conseguem perceber, até porque a paixão cega, é que na sua contenção de gestos, Roberta Sá é tão caricatural quanto as não contidas, assisti ao Show da Roberta no Canecão, e seus gestos parecem tão ensaiados quanto os da Bethânia, a rainha da caricatura, ou da Marisa Monte, a rainha da caricatura contida.

10 de outubro de 2007 21:31  
Anonymous Anônimo said...

Caricatura contida, essa foi boa...gostei,também reparei que a Robertinha Sá ameaça fazer umas caretas durante algumas músicas.Reparei pq eu estava na fila do gargarejo na Fecap,não achei nada de mais,só achei engraçado pq criticam tanto isso em outras cantoras e no entanto....

10 de outubro de 2007 23:00  
Anonymous Anônimo said...

Vagner, acho que ela precisa mexer as mãos quando canta, certo? Até onde eu sei ela possui todos os membros do corpo humano...Ela é sútil no gestual e não over, como as "rainhas" nordestinas!!! Seria caricatural se ela começasse a dar uma de "Carmem Miranda" ao interpretar "Interessa?", e olha que essa música da espaço pra isso hein...rs...
Não quero dizer que Roberta esteja pronta e fechada, mas que dentro do estilo mais discreto e sereno ela faz o papel muito bem. Sem precisar se descabelar, chorar e mandar o povo tirar o pé do chão!
Cada um no seu estilo e tudo certo!

10 de outubro de 2007 23:49  
Anonymous Anônimo said...

Estar na moda é ser blasé?

Deixem que cada um(a) construa seu estilo.

Participando: Quem fala que a versão da Roberta é melhor que a da Nana, ou desconhece a segunda, ou é fã-nático. Trata-se de uma música da época da ditadura e precisa ser interpretada com dor, lamento,etc...(como Nana o fez) coisa que Roberta realmente não conseguiu imprimir à canção. Aquele é solo fértil pra Nana, o de Roberta é outro, esse fato deve ser considerado...

11 de outubro de 2007 00:43  
Anonymous Anônimo said...

As pessoas insistem em dizer que Roberta é blasé....coitados!!! O repertório dela não dá espaço pra ela ser uma alucinada e "enlouquecida" e acho que as pessoas não captaram o "tchan" da coisa ainda.
Outra coisa, ninguém disse que a versão de Roberta é melhor/igual/pior que a Nana. Então, meu caro, pare de criar polêmica desnecessária!
Quando um cantor "canta" ele precisa mexer os músculos faciais né??? Gente implicante ...rs...Vocês não vão conseguir depreciar o trabalho da Roberta, tenham certeza disso. Viva Roberta ! Apreciar uma boa cantora é uma coisa (e eu faço parte desse time) é diferente de ser cego e alienado.

11 de outubro de 2007 06:28  
Anonymous Anônimo said...

Ora dizem isso e aquilo da Roberta, ora dizem aquilo e isso da Maria Rita, não importa, gosto das duas.As duas tem talento de sobra para driblar os tititis naturais de fãs apaixonados que não medem as palavras.Ganhou a música brasileira, que não muito tempo atrás andava num marasmo, depois que a Cássia Eller se foi.

11 de outubro de 2007 10:49  

Postar um comentário

<< Home