29 de agosto de 2010

Azul ganha mais cor do que Vermelho em cena

Resenha de Show
Título: Azul e Vermelho
Artista: Nina Becker (em foto de Rodrigo Amaral)
Local: Arena do Espaço Sesc - Copacabana (RJ)
Data: 28 de agosto de 2010

Cotação: * * * 1/2
Em cartaz no Sesc Pompéia (SP) - em 14 e 15 de outubro

Por ter sido gravado em CD de tons intencionalmente desbotados, o repertório de Azul ganha mais cor no palco. No show em que Nina Becker lança seus dois simultâneos primeiros discos fora da Orquestra Imperial, Azul e Vermelho, o cancioneiro de Azul sofre a transmutação mais visível por ser encorpado em cena pelo quarteto formado por Gabriel Bubu (guitarra), Bartolo (também na guitarra), Eduardo Manso (baixo) e Thomas Harres (bateria). Ao menos na Arena do Espaço Sesc, onde o show fez sua estreia nacional em 27 e 28 de agosto de 2010, ótima sequência com quatro temas de Azul fez desabrochar a beleza oculta de Flor Vermelha (Nuno Ramos e Romulo Fróes), Não Tema (Renato Martins), Ela Adora (Nina Becker, Marcelo Callado e Ricardo Dias Gomes) e Dans Ton Île (Domenico Lancellotti e Zoy Anastassakis). Contudo, ainda que as tonalidades azuis sejam mais sedutoras em cena, o show é fiel ao som alternativo dos discos. Paradoxalmente, o bloco inicial com músicas de Vermelho - em tese, o CD quente - é a sequência mais fria do show, embora seja nesse bloco inicial que Nina trilhe, bem climática, os belos caminhos melódicos da Estrada do Sol (Tom Jobim e Dolores Duran), situada no roteiro entre De um Amor em Paz (Domenico Lancellotti com Délcio Carvalho) e Toc Toc (Rubinho Jacobina). Em qualquer tom, o show vai desvendando aos poucos as sutilezas do canto íntimo da artista. Que surpreende ao entoar um tema de Jimi Hendrix (1942 - 1970) - May This Be Love (Waterfall) - número em que o quarteto esboça sonoridade mais pesada. Em seguida, a adesão especialíssima de Nelson Jacobina na guitarra dá colorido todo especial ao Samba Jambo e a Lágrimas Negras, dois temas da lavra de Jacobina com Jorge Mautner. Aliás, Mautner é parceiro do guitarrista Bartolo em Supermercado do Amor, sucesso do repertório da Orquestra Imperial a que a vocalista recorre para insinuar, já no fim do show, clima carnavalesco. Não por acaso, Supermercado do Amor é alocado no roteiro entre duas músicas do CD Vermelho - Volte Sempre (Renato Martins) e Superluxo (Nervoso e Nina Becker) - que se alinham com as cores da folia no que pode ser considerado o bloco mais pop do show. No bis, uma surpreendente incursão pelo repertório do efêmero grupo Obina Shock - com Vida, hit radiofônico de 1986 - insinua que, em cena, o Carnaval pop de Nina Becker não deverá ter um fim tão radical...

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Por ter sido gravado em CD de tons intencionalmente desbotados, o repertório de Azul ganha mais cor no palco. No show em que Nina Becker lança seus dois simultâneos primeiros discos fora da Orquestra Imperial, Azul e Vermelho, o cancioneiro de Azul sofre a transmutação mais visível por ser encorpado em cena pelo quarteto formado por Gabriel Bubu (guitarra), Bartolo (também na guitarra), Eduardo Manso (baixo) e Thomas Harres (bateria). Ao menos na Arena do Espaço Sesc, onde o show fez sua estreia nacional em 27 e 28 de agosto de 2010, ótima sequência com quatro temas de Azul fez desabrochar a beleza oculta de Flor Vermelha (Nuno Ramos e Romulo Fróes), Não Tema (Renato Martins), Ela Adora (Nina Becker, Marcelo Callado e Ricardo Dias Gomes) e Dans Ton Île (Domenico Lancellotti e Zoy Anastassakis). Contudo, ainda que as tonalidades azuis sejam mais sedutoras em cena, o show é fiel ao som alternativo dos discos. Paradoxalmente, o bloco inicial com músicas de Vermelho - em tese, o CD quente - é a sequência mais fria do show, embora seja nesse bloco inicial que Nina trilhe, bem climática, os belos caminhos melódicos da Estrada do Sol (Tom Jobim e Dolores Duran), situada no roteiro entre De um Amor em Paz (Domenico Lancellotti com Délcio Carvalho) e Toc Toc (Rubinho Jacobina). Em qualquer tom, o show vai desvendando aos poucos as sutilezas do canto refinado da artista. Que surpreende ao entoar um tema de Jimi Hendrix (1942 - 1970) - May This Be Love (Waterfall) - número em que o quarteto esboça sonoridade mais pesada. Em seguida, a adesão especialíssima de Nelson Jacobina na guitarra dá colorido todo especial ao Samba Jambo e a Lágrimas Negras, dois temas da lavra de Jacobina com Jorge Mautner. Aliás, Mautner é parceiro do guitarrista Bartolo em Supermercado do Amor, sucesso do repertório da Orquestra Imperial a que a vocalista recorre para insinuar, já no fim do show, clima carnavalesco. Não por acaso, Supermercado do Amor é alocado no roteiro entre duas músicas de Vermelho - Volte Sempre (Renato Martins) e Superluxo (Nervoso e Nina Becker) - que se alinham entre as cores da folia no que pode ser considerado o bloco mais pop do show. No bis, uma surpreendente incursão pelo repertório do efêmero grupo Obina Shock - com Vida, hit radiofônico de 1986 - insinua que, em cena, o Carnaval pop de Nina Becker não deverá ter um fim tão radical...

29 de agosto de 2010 16:54  
Anonymous Anônimo said...

Me surpreendi com o show, muito embora o calor da banda, que é ótima, acaba por eclipsar a beleza da voz de Nina, já que ela não tem grandes canções na manga...Mas valeu por relembrar Lágrimas Negras. Fica só um toque: só se encontra os discos em apenas UMA loja virtual, acho que a distribuição não tem sido muito eficaz.

29 de agosto de 2010 22:33  
Blogger Luca said...

que grupo é esse Obina Shock?

30 de agosto de 2010 00:35  
Anonymous Barci said...

lotou ?

30 de agosto de 2010 10:54  

Postar um comentário

<< Home