5 de junho de 2010

Tiradas de Ivone alegram 'talk-show' com Bruno

Resenha de Show
Título: Nas Escritas da Vida
Artista: Ivone Lara e Bruno Castro (em foto de Mauro Ferreira)
Convidados: André Lara e Aline Calixto
Local: Teatro Rival (RJ)
Data: 4 de junho de 2010
Cotação: * * * 1/2
Em cartaz até sábado - 5 de junho de 2010 - às 19h30m

Não, não foi um show convencional, mas, a rigor, um talk-show mediado pela diretora e roteirista Marília Barboza. Que poderia ter sido formal e até didático não fossem as tiradas espirituosas de Dona Ivone Lara, que dividiu a mesa e o palco carioca do Teatro Rival com o parceiro Bruno Castro, a própria Marília Barboza e os convidados André Lara - neto de Ivone - e Aline Calixto. Com a autoridade de seus 89 anos, a compositora de Tiê interrompeu a todo momento as intervenções de Marília com observações bem-humoradas que divertiram o público. Em cartaz somente até este sábado, 5 de junho de 2010, o talk-show Nas Escritas da Vida tem como pretexto badalar o recém-lançado CD homônimo, que reúne 12 músicas da parceria de Ivone com Bruno, iniciada em 2001 com Um Grande Sonho, samba não por acaso eleito para ser o primeiro cantado pela dupla no show. Só que o roteiro extrapola o disco atual e faz apanhado superficial da obra de Ivone Lara sob perspectiva histórica - a ponto de apresentar choro (Um a Zero) e afro-samba amaxixado (Yaô) na abertura feita antes da entrada de Ivone e Bruno no palco, com a participação de casal de bailarinos.
A presença de Aline Calixto sob episódica. Em evolução cênica, a cantora mineira soltou sua voz graciosa somente em Dizer Não pro Adeus, parceria de Ivone e Bruno com Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008), composta a partir da introdução de Sonho Meu (1978) lançada por Zeca Pagodinho no álbum Uma Prova de Amor (2005). Já André Lara, pela habitual intimidade com a avó, se sentou à mesa e participou do papo musical antes de defender (com grande desenvoltura, mas sem real brilho na interpretação) Investida Fatal, sua parceria com Ivone e Bruno, lançada pelo Quarteto em Cy e rebobinada pelos autores no CD Nas Escritas da Vida. Após a lembrança de sucessos da parceria de Ivone com Délcio Carvalho, como os já inevitáveis Acreditar e Sonho Meu (ambos acompanhados em coro forte pelo público), o roteiro se concentro nas músicas da parceria que originou o disco e o show. Noites de Magia e Nas Escritas da Vida são sambas de alta estirpe poética e melódica. Só que o tom mais informal das interpretações do show não evidencia toda a nobreza das melodias e das letras poéticas - qualidades plenamente realçadas no disco (clique aqui para ler a resenha do CD Nas Escritas da Vida). Ainda assim, é sempre um privilégio ver e ouvir Ivone Lara em cena. Tanto que a plateia marcou o ritmo de Na Própria Palma - tema que evoca o espírito dos sambas antigos feitos pelos escravos nos terreiros - e riu com as tiradas espontâneas de Ivone Lara, rainha espirituosa que diluiu, com tais comentários, o caráter professoral do roteiro.

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Não, não foi um show convencional, mas, a rigor, um talk-show mediado pela diretora e roteirista Marília Barboza. Que poderia ter sido formal e até didático não fossem as tiradas espirituosas de Dona Ivone Lara, que dividiu a mesa e o palco carioca do Teatro Rival com o parceiro Bruno Castro, a própria Marília Barboza e os convidados André Lara - neto de Ivone - e Aline Calixto. Com a autoridade de seus 89 anos, a compositora de Tiê interrompeu a todo momento as intervenções de Marília com observações bem-humoradas que divertiram o público. Em cartaz somente até este sábado, 5 de junho de 2010, o talk-show Nas Escritas da Vida tem como pretexto badalar o recém-lançado CD homônimo, que reúne 12 músicas da parceria de Ivone com Bruno, iniciada em 2001 com Um Grande Sonho, samba não por acaso eleito para ser o primeiro cantado pela dupla no show. Só que o roteiro extrapola o disco atual e faz apanhado superficial da obra de Ivone Lara sob perspectiva histórica - a ponto de apresentar choro (Um a Zero) e afro-samba amaxixado (Yaô) na abertura feita antes da entrada de Ivone e Bruno no palco com a participação de casal de bailarinos.
A presença de Aline Calixto sob episódica. Em evolução cênica, a cantora mineira soltou sua voz graciosa somente em Dizer Não pro Adeus, parceria de Ivone e Bruno com Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008), composta a partir da introdução de Sonho Meu (1978) lançada por Zeca Pagodinho no álbum Uma Prova de Amor (2005). Já André Lara, pela habitual intimidade com a avó, se sentou à mesa e participou do papo musical antes de defender (com grande desenvoltura, mas sem real brilho na interpretação) Investida Fatal, sua parceria com Ivone e Bruno, lançada pelo Quarteto em Cy e rebobinada pelos autores no CD Nas Escritas da Vida. Após a lembrança de sucessos da parceria de Ivone com Délcio Carvalho, como os já inevitáveis Acreditar e Sonho Meu (ambos acompanhados em coro forte pelo público), o roteiro se concentro nas músicas da parceria que originou o disco e o show. Noites de Magia e Nas Escritas da Vida são sambas de alta estirpe poética e melódica. Só que o tom mais informal das interpretações do show não evidencia toda a nobreza das melodias e das letras poéticas - qualidades plenamente realçadas no disco (clique aqui para ler a resenha do CD Nas Escritas da Vida). Ainda assim, é sempre um privilégio ver e ouvir Ivone Lara em cena. Tanto que a plateia marcou o ritmo de Na Própria Palma - tema que evoca o espírito dos sambas antigos feitos pelos escravos nos terreiros - e riu com as tiradas espontâneas de Ivone Lara, rainha espirituosa que diluiu com seus comentários o caráter professoral do roteiro.

5 de junho de 2010 14:46  
Anonymous Diogo ! said...

Tenho apreciado esse momento do blog - com posts antecedento a critica de shows,como no caso de Jorge Vercilo,Gilberto Gil,Marina Lima,George Israel e agora D.Ivone Lara. Não sei se proposital mas deixo aqui meus parabéns e agradecimentos Mauro.


Só fiquei mesmo curioso pra saber que tiradas foram essas da D.Ivone. E também se a " habitual intimidade " com o neto é dada aos constantes encontros dos dois nas rodas de samba da vida ou simplesmente pelo elo afetivo ...



Aquele abraço
Diogo Santos

5 de junho de 2010 22:27  
Anonymous Bernardo said...

Délcio Carvalho não foi? Anunciaram a presença dele!

6 de junho de 2010 10:07  
Anonymous Anônimo said...

Título de nobreza antes do nome: ELA pode. Tem uns aí que insistem em colar "dona" na frente do nome de certas cantoras... fica parecendo proprietária de pastelaria.

LITO

8 de junho de 2010 13:17  

Postar um comentário

<< Home