9 de junho de 2010

Adolfo e Carol fazem jazz de lá com bossa de cá

Resenha de CD
Título: Lá e Cá
Here and There
Artista: Antonio Adolfo
e Carol Saboya
Gravadora: AAM Music
Cotação: * * * *

Em 2009, dois anos depois de terem lançado o CD Ao Vivo - Live (2007), o pianista Antonio Adolfo e a cantora Carol Saboya fizeram show na série Jazz Impressions, na Flórida (EUA), com quarteto liderado pelo músico carioca. O roteiro da apresentação norteou a escolha do repertório de Lá e Cá - Here and There, disco gravado no Rio de Janeiro (RJ), em dezembro de 2009, por Adolfo e Carol com adesões dos músicos Leo Amuedo (guitarra), Jorge Helder (baixo), Rafael Barata (bateria) e Serginho Trombone (trombone). Captado em estúdio como se fosse ao vivo, Lá e Cá está sendo lançado no Brasil neste mês de junho de 2010. O título alude ao fato de pai e filha viverem na ponte entre Brasil e Estados Unidos. E traduz com perfeição o conceito do CD. Trata-se de um disco de jazz em que Adolfo reitera sua maestria ao piano ao tocar músicas próprias (como Cascavel, composto em 1974) e alheias (como Sabiá, a parceria de Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque que voa alto no embalo do canto leve de Carol). Mas é o jazz de lá tocado com a bossa de cá. Exemplo perfeito da interação é Easy to Love. O tema de Cole Porter (1891 - 1964) é ambientado em clima de samba-jazz à moda do som feito no Beco das Garrafas na década de 60. Solista convidada de cinco das doze faixas, Carol Saboya brilha em suas intervenções, experimentando tons ligeiramente lânguidos em So in Love (outro tema de Cole Porter) e imprindo tanta suavidade a All the Things You Are (Jerome Kern e Oscar Hammerstein) que seu canto parece flutuar sobre a melodia da canção norte-americana. Saboya também pôs sua voz límpida a serviço de A Night in Tunisia (Dizzy Gillespie, Frank Paparelli e Jon Hendricks) e de Time After Time (Sammy Cahn e Jule Styne). Mas o brilho maior é de Adolfo - livre, leve e solto no exercício do jazz brazuca. Ao fim do disco, quando combina seu tema Toada Jazz (O Retirante) com outra obra-prima do fino cancioneiro de Cole Porter (1891 - 1964), Night and Day, Adolfo reforça o elo da música de cá com a canção de lá, ratificando o êxito de um disco que não inventa moda - visto que tal fusão jazzística vem sendo repetida desde os anos 60 - mas que expõe a harmonia da união de exímio pianista com ótima cantora que, por acaso, são pai e filha...

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Em 2009, dois anos depois de terem lançado o CD Ao Vivo - Live (2007), o pianista Antonio Adolfo e a cantora Carol Saboya fizeram show na série Jazz Impressions, na Flórida (EUA), com quarteto liderado pelo músico carioca. O roteiro da apresentação norteou a escolha do repertório de Lá e Cá - Here and There, disco gravado no Rio de Janeiro (RJ), em dezembro de 2009, por Adolfo e Carol com adesões dos músicos Leo Amuedo (guitarra), Jorge Helder (baixo), Rafael Barata (bateria) e Serginho Trombone (trombone). Captado em estúdio como se fosse ao vivo, Lá e Cá está sendo lançado no Brasil neste mês de junho de 2010. O título alude ao fato de pai e filha viverem na ponte entre Brasil e Estados Unidos. E traduz com perfeição o conceito do CD. Trata-se de um disco de jazz em que Adolfo reitera sua maestria ao piano ao tocar músicas próprias (como Cascavel, composto em 1974) e alheias (como Sabiá, a parceria de Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque que voa alto no embalo do canto leve de Carol). Mas é o jazz de lá tocado com a bossa de cá. Exemplo perfeito da interação é Easy to Love. O tema de Cole Porter (1891 - 1964) é ambientado em clima de samba-jazz à moda do som feito no Beco das Garrafas na década de 60. Solista convidada de cinco das doze faixas, Carol Saboya brilha em suas intervenções, experimentando tons ligeiramente lânguidos em So in Love (outro tema de Cole Porter) e imprindo tanta suavidade a All the Things You Are (Jerome Kern e Oscar Hammerstein) que seu canto parece flutuar sobre a melodia da canção norte-americana. Saboya também pôs sua voz límpida a serviço de A Night in Tunisia (Dizzy Gillespie, Frank Paparelli e Jon Hendricks) e de Time After Time (Sammy Cahn e Jule Styne). Mas o brilho maior é de Adolfo - livre, leve e solto no exercício do jazz brazuca. Ao fim do disco, quando combina seu tema Toada Jazz (O Retirante) com outra obra-prima do fino cancioneiro de Cole Porter (1891 - 1964), Night and Day, Adolfo reforça o elo da música de cá com a canção de lá, ratificando o êxito de um disco que não inventa moda - visto que tal fusão jazzística vem sendo repetida desde os anos 60 - mas que expõe a harmonia da união de exímio pianista com ótima cantora que, por acaso, são pai e filha...

9 de junho de 2010 11:05  
Anonymous Anônimo said...

Carol ainda nos deve um dvd. Há uns 2 anos ela gravou um DVD e ainda hoje não tive notícias dele. Será q ela não gostou do resultado?

9 de junho de 2010 16:03  
Blogger Heloisa said...

Belo disco, mesmo, Mauro. Estou ouvindo agora, repetidamente. Adoro o timbre da Carol, as músicas ficam lindíssimas na voz dela. E ela arrebenta ao trazer um swingue da maior elegância nos vocalises que faz em "Night in Tunisia. Antonio é um mestre sempre. Assim como os músicos que estão com ele. Maravilha.

2 de julho de 2010 17:41  
Anonymous Heloisa Tapajós said...

Belo disco mesmo,Mauro. Adoro o timbre da Carol, as músicas ficam sempre lindas na voz dela. Que emoção ela joga em "So in love"... E a elegância do swingue dos vocalises de "Night in Tunisia"?
E Antonio Adolfo... O que ainda se pode dizer sobre ele, né? Sempre um Mestre. Assim como cada um dos músicos que está neste trabalho. Maravilha.

2 de julho de 2010 17:47  

Postar um comentário

<< Home