27 de maio de 2010

Venegas faz a mesma (boa) coisa em 'Otra Cosa'

Resenha de CD
Título: Otra Cosa
Artista: Julieta Venegas
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * * 1/2

Julieta Venegas faz a mesma coisa de sempre em Otra Cosa, sexto álbum da estrela pop do México e o primeiro de inéditas desde o consagrador Limón y Sal (2006). No entanto, no caso de Venegas, isso é até bom. A cantora e compositora reedita seu padrão de elegância em disco de atmosfera eletroacústica cuja sonoridade logo remete ao Unplugged MTV (2008) que ampliou a popularidade da artista no Brasil por conta do dueto com Marisa Monte na bela canção Ilusión. A atual safra de 12 inéditas nem sempre está à altura de Venegas - especialmente em temas como Duda - só que Otra Cosa soa sedutor. Seja pela pegada pop de faixas como Amores Platónicos, Bien o Mal (acertadamente eleita o primeiro single do álbum) e Despedida. Ou mesmo pelas músicas em que, munida de seu acordeom, Venegas evoca as raízes da música mexicana sem ranços folclóricos. São os casos de Revolución e, sobretudo, de Original. Mesmo quando o fôlego da compositora parece curto, a cama instrumental de Otra Cosa embala as músicas com o bom gosto característico da artista, roçando o sabor de Limón y Sal.

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Julieta Venegas faz a mesma coisa de sempre em Otra Cosa, sexto álbum da estrela pop do México e o primeiro de inéditas desde o consagrador Limón y Sal (2006). No entanto, no caso de Venegas, isso é até bom. A cantora e compositora reedita seu padrão de elegância em disco de atmosfera eletroacústica cuja sonoridade logo remete ao Unplugged MTV (2008) que ampliou a popularidade da artista no Brasil por conta do dueto com Marisa Monte na bela canção Ilusión. A atual safra de 12 inéditas nem sempre está à altura de Venegas - especialmente em temas como Duda - só que Otra Cosa soa sedutor. Seja pela pegada pop de faixas como Amores Platónicos, Bien o Mal (acertadamente eleita o primeiro single do álbum) e Despedida. Ou mesmo pelas músicas em que, munida de seu acordeom, Venegas evoca as raízes da música mexicana sem ranços folclóricos. São os casos de Revolución e, sobretudo, de Original. Mesmo quando o fôlego da compositora parece curto, a cama instrumental de Otra Cosa embala as músicas com o bom gosto característico da artista, roçando o sabor de Limón y Sal.

27 de maio de 2010 18:52  
Anonymous Diogo ! said...

Esse album afasta (ainda) mais Julieta Venegas dos padrões fonograficos da música latina. Diria até que está bem britpop.

" Revolución" - com coral infantil ? - é a minha favorita mas gostei da faixa título e de " Bien o Mal " também. Uma curiosidade,quase incomoda, é o curto tempo de duração das faixas.Muitas tem menos de 3 minutos!


Viva Julieta Venegas!
Aquele abraço!
Diogo Santos

27 de maio de 2010 19:06  
Anonymous Eduardo Mezzonato said...

O meu cd já está quase rachando de tanto que eu ouço. Acompanho ela desde o primeiro trabalho e este cd está maravilhoso! Recomendo para amantes da boa música e para estudantes de espanhol. Mas infelismente tive que importar o meu, pois algumas gravadoras tratam com descaso o lançamento de alguns cds latinos. Pois sempre que ligo pra Sony, as pessoas responsáveis estão sempre ausentes ou ocupadas. Por isso acabo importando. E isso é ruim, pois não ajuda a economia do nosso país e não se pode medir a popularidade do artista por aqui.

27 de maio de 2010 19:11  
Blogger Lara Cervasio said...

Ela é a mesma que canta com o Lenine, 'Miedo'?

E a música com a Monte é maravilhosa. Gostei muito!

Beijos

28 de maio de 2010 13:14  

Postar um comentário

<< Home