23 de maio de 2010

Supertramp se reúne e festeja 40 anos em turnê

Inativo desde 2002, o grupo britânico Supertramp vai se reunir - com o tecladista fundador Rick Davies, mas sem o dissidente vocalista e guitarrista Roger Hodgson - para festejar seus 40 anos de carreira fonográfica com turnê cuja rota (a ser iniciada na Alemanha, em 2 de setembro de 2010) já contabiliza por ora 11 países europeus. Alvo de provável registro ao vivo em DVD e blu-ray, a 70-10 Tour celebra as quatro décadas do lançamento do primeiro álbum da banda, Supertramp, editado em julho de 1970.

2 Comments:

Anonymous Jayme said...

estão com contas pra pagar ha ha

23 de maio de 2010 18:29  
Anonymous Klaklue said...

(e cuidado, que estes Supermendigos levam 30 a 40 por bilhete por cada cabecinha)

É óptimo a banda honrar Portugal com 2 concertos... o do Porto já está inclusive esgotado.

Só que é uma pena o Roger Hudgson não fazer parte da digressão. Estranho um pouco o que foi simplesmente divulgado, sobre Rick Davis não o ter convidado para esta digressão (mas é verdade que Roger estava e está numa digressão a solo). Para além de ser o primeiro fundador da banda, Rick Davis (Roger Hudgson, apontado como co-fundador, foi chamado pelo seu anúncio de jornal, juntamente com outros 2 que desistiram do grupo antes de este obter sucesso no seu 3º álbum) foi sempre quem mais esforços fez no sentido de juntar a banda de cada vez. Foi Roger que saiu da banda que estava na berra para ficar com a família e dedicar-e à sua carreira a solo nos anos 80, e foi ele o único que não se reuniu com os Supertramp em 2002 (e mesmo em 2005, quando se voltou a insistir sobre o assunto). Mesmo que bastantes dos sucessos mais conhecidos da banda sejam músicas de Roger (e a sua voz de falsete seja uma das marcas do que é mais conhecido no grupo, o papel de Rick Davis como compositor ("Goodbye Stranger", "Bloody Well Right", "Ain't Nobody But Me", "Cannonball" que julgo que foi gravado tb com um dos membros dos Pink Floyd...) é um pouco subestimado.

Este desentendimento deve desiludir muitos dos apreciadores da banda, como eu! Não que eu deixe de os ir ver agora em Setembro em Lisboa por isso (Helliwell, do saxofone e sopros também de marca, vem fazer compania ao Rick)... mas mesmo assim! Parece mesquinha a exigência de Roger Hudgson de não tocarem as músicas em que ele tem mais créditos (como os singles "Breakfast in America" e "Logical song") que pôr-nos iam vibrantes a todos, visto a tournée dedicar-se a celebrar a fundação da banda.

Mesmo assim, anseio pelo concerto. Viva os Supertramp!

7 de setembro de 2010 11:24  

Postar um comentário

<< Home