17 de abril de 2010

Núñez expõe a presença celta nos sons do Brasil

Resenha de CD
Título: Alborada
do Brasil
Artista: Carlos Núñez
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * * *

Alborada do Brasil - o CD que o galego Carlos Núñez lançou em 2009 e que a Sony Music editou no Brasil em março de 2010 - cumpre sua função de expor a presença e a influência da música celta na vasta cultura brasileira. Com faixas produzidas por Alê Siqueira, Mario Caldato e Fernando Conde (este em parceria com o próprio Núñez), o álbum se vale de ritmos brasileiros - como o choro (Vou Vivendo, de Pixinguinha e Benedito Lacerda), o samba (Alvorada, parceria de Cartola, Carlos Cachaça e Hermínio Bello de Carvalho - ouvida na voz de Wilson das Neves) e o xote (Xotes Universitários, título dado ao medley que agrega vários sucessos nordestinos) - para ressaltar afinidades entre o cancioneiro celta e a música produzida no Brasil. A gaita de fole é o instrumento que mais bem evidencia essa eventual irmandade. Não por acaso, a faixa que se ajusta com mais perfeição ao conceito do disco é Gaita, tema composto por Radamés Gnattali (1906 - 1988) a partir de poema de Augusto Meyer (1902 - 1970), historiador e folclorista de raiz modernista, vinculado ao mesmo Sul do Brasil que gerou Adriana Calcanhotto, intérprete da faixa. Alborada do Brasil mostra também que a música de Milton Nascimento e Fernando Brant - no caso, Ponta de Areia, tocada no disco pelo grupo The Chieftains - também pode evocar os sons da Irlanda. Da mesma forma que o baião de Luiz Gonzaga (1912 -1989) também pode ter algo de celta em sua formação. Até a Bahia põe seu baticum no caldeirão galego na faixa Padaria Elétrica da Barra, parceria de Brown (intérprete convidado do tema) com Alê Siqueira e Carlos Núñez. Enfim, Alborada do Brasil - que mistura rap e a voz de Fernanda Takai em Alborada de Rosalía, melodia tradicional musicada pela poetisa Rosalía de Castro (1837 - 1885) - é projeto original cujo conceito é esmiuçado no detalhado texto do encarte que situa cada uma das 13 faixas, provando que são reais as afinidades entre a cultura celta e a miscigenada música do Brasil. Deve ser ouvido!!

2 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Alborada do Brasil - o CD que o galego Carlos Núñez lançou em 2009 e que a Sony Music editou no Brasil em março de 2010 - cumpre sua função de expor a presença e a influência da música celta na vasta cultura brasileira. Com faixas produzidas por Alê Siqueira, Mario Caldato e Fernando Conde (este em parceria com o próprio Núñez), o álbum se vale de ritmos brasileiros - como o choro (Vou Vivendo, de Pixinguinha e Benedito Lacerda), o samba (Alvorada, parceria de Cartola, Carlos Cachaça e Hermínio Bello de Carvalho - ouvida na voz de Wilson das Neves) e o xote (Xotes Universitários, título dado ao medley que agrega vários sucessos nordestinos) - para ressaltar afinidades entre o cancioneiro celta e a música produzida no Brasil. A gaita de fole é o instrumento que mais bem evidencia essa eventual irmandade. Não por acaso, a faixa que se ajusta com mais perfeição ao conceito do disco é Gaita, tema composto por Radamés Gnattali (1906 - 1988) a partir de poema de Augusto Meyer (1902 - 1970), historiador e folclorista de raiz modernista, vinculado ao mesmo Sul do Brasil que gerou Adriana Calcanhotto, intérprete da faixa. Alborada do Brasil mostra também que a música de Milton Nascimento e Fernando Brant - no caso, Ponta de Areia, tocada no disco pelo grupo The Chieftains - também pode evocar os sons da Irlanda. Da mesma forma que o baião de Luiz Gonzaga (1912 -1989) também pode ter algo de celta em sua formação. Até a Bahia põe seu baticum no caldeirão galego na faixa Padaria Elétrica da Barra, parceria de Brown (intérprete convidado do tema) com Alê Siqueira e Carlos Núñez. Enfim, Alborada do Brasil - que mistura rap e a voz de Fernanda Takai em Alborada de Rosalía - é projeto interessante e original cujo conceito é esmiuçado no detalhado texto do encarte que situa cada uma das 13 faixas, provando que são reais as afinidades entre a cultura celta e a miscigenada música do Brasil. Deve ser ouvido!!

17 de abril de 2010 18:07  
Blogger fábio Passadisco said...

Mauro... esse CD é mesmo muito bom e o pout-porri intitulado “Nau Bretoa” é composto pelas músicas “Feira de Caruaru” (Onildo Almeida), “Geremuado” (Pedro Sertanejo), “Mourão” (Guerra Peixe/Clóvis Pereira), “Dança do Caboclo” (Hekel Tavares/Olegário Mariano), “Nas Águas Verdes do Mar” (do repertório do Maracatu Porto Rico), “Caicó” (Teca Calazans/Heitor Villa-Lobos), “Morte e Ressurreição do Boi” (Mestre Gasosa), “Forró de Dois Amigos” (Edmilson do Pífano/Ratinho dos Oito Baixos)... que contou com as participações de Lenine, cantando a ciranda “Nas Águas Verdes do Mar”, a bateria da Escola de Samba Beija Flor e o rabequeiro Carlos Herz.

Imperdível.

18 de abril de 2010 10:06  

Postar um comentário

<< Home