22 de abril de 2010

100 anos de Custódio Mesquita mereciam festa

Custódio Mesquita (1910 - 1945) completaria 100 anos no próximo domingo, 25 de abril de 2010. Ofuscados pelos centenários de Noel Rosa (1910 - 1937) e Adoniran Barbosa (1910 - 1982), os 100 anos do parceiro de Sadi Cabral (1906 - 1986) no fox Mulher não mereceram, por ora, a atenção devida do meio musical e da própria mídia. Pianista e regente, o autor do fox Nada Além - feito em parceria com Mário Lago (1911 - 2002) - foi um compositor sofisticado. O refinado acabamento harmônico de suas músicas já levou jornalistas e pesquisadores de música popular a recorrer ao clichê de que Custódio Mesquita foi o "Tom Jobim dos anos 30 e 40". Mas o fato é que a maioria de sua obra caiu em progressivo esquecimento. Os foxes Mulher (gravado por Silvio Caldas em março de 1940) e Nada Além (lançado por Orlando Silva em julho de 1938) foram suas únicas músicas que realmente passaram de geração em geração através de sucessivas gravações. Há outras igualmente bonitas - como o samba-canção Saia do Caminho (lançada por Aracy de Almeida em 1946, um ano depois da morte do parceiro de Evaldo Rui no tema), Velho Realejo (valsa gravada por Silvio Caldas em março de 1940 no mesmo disco que apresentou Mulher) e Como os Rios que Correm pro Mar (lançada pelo mesmo Silvio Caldas em 1944) - que volta e meia ainda são ouvidas. Contudo, a maior parte jaz em completo esquecimento. Injustiça como o compositor projetado em 1933 com a gravação da marchinha Se a Lua Contasse por Aurora Miranda (1915 - 2005)! Seria bacana que, efemérides à parte, os intérpretes brasileiros redescobrissem o repertório de Custódio Mesquita, propagado em disco por vozes potentes como as de Carlos Galhardo (1913 - 1985), Orlando Silva (1915 - 1978) e o recorrente Silvio Caldas (1908-1998) - mas hoje quase inteiramente ignorado.

7 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Custódio Mesquita (1910 - 1945) completaria 100 anos no próximo domingo, 25 de abril de 2010. Ofuscados pelos centenários de Noel Rosa (1910 - 1937) e Adoniran Barbosa (1910 - 1982), os 100 anos do parceiro de Sadi Cabral (1906 - 1986) no fox Mulher não mereceram, por ora, a atenção devida do meio musical e da própria mídia. Pianista e regente, o autor do fox Nada Além - feito em parceria com Mário Lago (1911 - 2002) - foi um compositor sofisticado. O refinado acabamento harmônico de suas músicas já levou jornalistas e pesquisadores de música popular a recorrer ao clichê de que Custódio Mesquita foi o "Tom Jobim dos anos 30 e 40". Mas o fato é que a maioria de sua obra caiu em progressivo esquecimento. Os foxes Mulher (gravado por Silvio Caldas em março de 1940) e Nada Além (lançado por Orlando Silva em julho de 1938) foram suas únicas músicas que realmente passaram de geração em geração através de sucessivas gravações. Há outras igualmente belas - como o samba-canção Saia do Caminho (lançada por Aracy de Almeida em 1946, um ano depois da morte do parceiro de Evaldo Rui no tema), Velho Realejo (valsa gravada por Silvio Caldas em março de 1940 no mesmo disco que apresentou Mulher) e Como os Rios que Correm pro Mar (lançada pelo mesmo Silvio Caldas em 1944) - que volta e meia ainda são ouvidas. Contudo, a maior parte jaz em completo esquecimento. Injustiça como o compositor projetado em 1993 com a gravação da marchinha Se a Lua Contasse por Aurora Miranda (1915 - 2005)! Seria bacana que, efemérides à parte, os intérpretes brasileiros redescobrissem o repertório de Custódio Mesquita, propagado em disco por vozes potentes como as de Carlos Galhardo (1913 - 1985), Orlando Silva (1915 - 1978) e o recorrente Silvio Caldas (1908-1998) - mas hoje quase inteiramente ignorado.

22 de abril de 2010 11:21  
Anonymous Diogo ! said...

Seria bacana mesmo pois muitas das músicas citadas - como " Nada Além " ( que descobri numa elegante gravação feita por Hebe Camargo em 1997 )e " Como os Rios que Correm pro Mar " ( em gravação de Teresa Cristina - preterida (?)pela sambista ) - são lindas demais e, digamos,atemporais!

22 de abril de 2010 11:28  
Anonymous Anônimo said...

só falam do centenário de Chico Xavier ...

22 de abril de 2010 11:33  
Anonymous Anônimo said...

Efemérides a parte, Marcos Sacramento gravou em seu penúltimo disco, Sacramentos, duas canções de Mesquita - (Adivinhe Coração - parceria com Evaldo Ruy e Mentirosa, com Mário Lago)


Além do cantor estupendo que é, Sacramento é antenado e compromissado com o melhor que a música brasileira já produziu e produz.

Anderson Falcão
Brasília - DF

22 de abril de 2010 12:44  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, corrija a data:

"...Injustiça como o compositor projetado em 1993..."

Abraço!

22 de abril de 2010 13:31  
Anonymous Alexandre Siqueira said...

Bom dia, Mauro.

Custódio Mesquita, "hoje quase inteiramente ignorado"... Creio que o valor e propósito do seu blog é exatamente o de não deixar que isso aconteça, tô certo? Belíssima lembrança! Parabéns!

23 de abril de 2010 02:12  
Anonymous Anônimo said...

Falando nisso...
O primeiro SOM BRASIL será o do ADONIRAN BARBOSA e com Arnaldo Antunes, Os Demônios da Garoa, Céu e o rapper Renegado.

24 de abril de 2010 16:34  

Postar um comentário

<< Home