28 de fevereiro de 2010

Pop 80 não resiste à 'malhação' da turma atual

Resenha de CD
Título: Malhação ID
Artista: Vários
Gravadora: Som Livre
Cotação: *

A trilha sonora da temporada de 2010 do seriado juvenil Malhação - em cujo nome foi adicionado um ID porque em tese as atuais personagens da trama estão à procura de identidade - é conceitual. Sim, há um conceito: bandas projetadas nos anos 2000 foram recrutadas para regravar hits do pop rock da década de 80. O resultado é ruim, como pode ser conferido no CD Malhação ID, recém-lançado pela Som Livre com a trilha sonora da atual temporada do seriado exibido pela Rede Globo. O único nome que realmente acrescenta algo de novo e bom à música que regrava é Bonde da Stronda, que traz Tic Tic Nervoso para o universo do funk. Lançado em 1984 com êxito nacional, o sucesso da banda Magazine se ajustou perfeitamente à batida tensa dos bailes da pesada. Já o NX Zero põe seu uniforme peso emo em Um Certo Alguém (Lulu Santos, 1983) enquanto o Fresno dilui os sentimentos e a beleza da balada Lanterna dos Afogados (Paralamas do Sucesso, 1989). Por sua vez, Hevo 84 sintoniza mal o apelo tecnopop de Rádio Pirata (RPM, 1985). Chimarruts erra ao pôr em Meu Erro (Paralamas do Sucesso, 1984) a mesma aguada batida de reggae com que Jammil desgasta A Fórmula do Amor (Leo Jaime, 1985) e Marauê se perde na Sonífera Ilha (Titãs, 1984). Perdidos na Selva (Gang 90, 1981) também estão os músicos do Seu Cuca, afogados na tentativa de emergir na new wave de Júlio Barroso. Sem senso de humor, Catch Side expõe Ciúme (Ultraje a Rigor, 1985) com a mesma burocracia com que Jullie avisa que Tudo Pode Mudar (Metrô, 1985). Vai ser difícil também atender a súplica de Babi em Me Chama (Lobão, 1984) se a referência for a gravação do autor ou a de Marina Lima. Enfim, o CD Malhação ID somente reforça o fato - óbvio - de que a geração 2000 do pop nacional não herdou o talento da heróica turma dos 80 e tampouco a pegada das bandas dos 90, que seguiram outras trilhas, mas com a personalidade e a alma que inexistem nestes grupos atuais que parecem fabricados em linha de montagem. Ainda bem que, por problemas jurídicos de autorização, a Legião Urbana ficou fora dessa trilha malhada...

5 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

A trilha sonora da temporada de 2010 do seriado juvenil Malhação - em cujo nome foi adicionado um ID porque em tese as atuais personagens da trama estão à procura de identidade - é conceitual. Sim, há um conceito: bandas projetadas nos anos 2000 foram recrutadas para regravar hits do pop rock da década de 80. O resultado é ruim, como pode ser conferido no CD Malhação ID, recém-lançado pela Som Livre com a trilha sonora da atual temporada do seriado exibido pela Rede Globo. O único nome que realmente acrescenta algo de novo e bom à música que regrava é Bonde da Stronda, que traz Tic Tic Nervoso para o universo do funk. Lançado em 1984 com êxito nacional, o sucesso da banda Magazine se ajustou perfeitamente à batida tensa dos bailes da pesada. Já o NX Zero põe seu uniforme peso emo em Um Certo Alguém (Lulu Santos, 1983) enquanto o Fresno dilui os sentimentos e a beleza da balada Lanterna dos Afogados (Paralamas do Sucesso, 1989). Por sua vez, Hevo 84 sintoniza mal o apelo tecnopop de Rádio Pirata (RPM, 1985). Chimarruts erra ao pôr em Meu Erro (Paralamas do Sucesso, 1984) a mesma aguada batida de reggae com que Jammil desgasta A Fórmula do Amor (Leo Jaime, 1985) e Marauê se perde na Sonífera Ilha (Titãs, 1984). Perdidos na Selva (Gang 90, 1981) também estão os músicos do Seu Cuca, afogados na tentativa de emergir na new wave de Júlio Barroso. Sem senso de humor, Catch Side expõe Ciúme (Ultraje a Rigor, 1985) com a mesma burocracia com que Jullie avisa que Tudo Pode Mudar (Metrô, 1985). Vai ser difícil também atender a súplica de Babi em Me Chama (Lobão, 1984) se a referência for a gravação do autor ou a de Marina Lima. Enfim, o CD Malhação ID somente reforça o fato - óbvio - de que a geração 2000 do pop nacional não herdou o talento da heróica turma dos 80 e tampouco a pegada das bandas dos 90, que seguiram outras trilhas, mas com a personalidade e a alma que inexistem nestes grupos atuais que parecem fabricados em linha de montagem. Ainda bem que, por problemas jurídicos de autorização, a Legião Urbana ficou fora dessa trilha malhada...

28 de fevereiro de 2010 12:02  
Anonymous Carlos Eduardo said...

Ola Mauro, sobre esses problemas juridicos sobre a autorização da legião Urbana, seria da parte do Dado e Bonfa ou da familia do Renato? pois nunca endento como sai discos so com musicas do Renato como as do Multishow, e as vezes o Dado e Bonfa liberam para outros artistas. A familia e os ex integrantes são brigados?

1 de março de 2010 16:15  
Blogger Lara Cervasio said...

Ainda bem que, por problemas jurídicos de autorização, a Legião Urbana ficou fora dessa trilha malhada... [2]

Essas bandinhas são a vergonha nacional. E o Jay Vaquer, sem o merecido reconhecimento. Aff!

4 de março de 2010 09:00  
Blogger gii nunes said...

a trilha é legal sim são as pessoas mais velhas q estão acostumadas com as musias antigas e óbvio q Malhação ñ ia colocar essas coisas de 20 anos atrás...me polpe...as regravações são p/ a novelinha ñ pros amantes dos anos 80 ou talvez anos 60
Eu gostei pq são regravações p/ nós ADOLESCENTES com bandas q estão fazendo sucesso!!!!!ao contrario daquelas dos anos 80!!!!!!!

8 de abril de 2010 10:30  
Anonymous dadinho said...

Esse Gii Nunes é muito otário mesmo. Essas músicas ficaram ridículas, nem de longe se comparam com as originas, que são INFINITAMENTE melhores. Essas bandas de hoje não têm um pingo de criatividade e eles não copiam só as músicas (as roupas e o excesso de cores veram da onde, meu amigo Gii Nunes? Dos anos 80, é claro!!!!). E as cópias não acabam por aí: eu já ouvi músicas do Sempre Livre e do Leo Jaime na novela. Tudo regravado, é claro.
RPM, Blitz, Lobão, Metrô... esses caras eram tão e eles estragaram. Como é que esse povo vem falar de criatividade, se eles só copiam coisas de uma época que eles consideram "ridícula" e "ultrapassada"? Não dá mesmo pra entender.
Ahh... Gii Nunes, ser adolescente não é uma desculpa pra gostar desse lixo: eu tenho só quinze anos e conheço e adoro música dos anos 80. E eu digo: viva Blitz! Viva New Wave! Abaixo Malhação!

PS: a música Perdidos na Selva não da Gang 90 e As Absurdettes, é da Blitz (do primeiro disco deles, que tinha uma capa supercolorida e que vinha com uma HQ dentro, lembra?)

20 de maio de 2010 17:45  

Postar um comentário

<< Home