22 de fevereiro de 2010

'Elba', de 1981, ganha a primeira edição em CD

Chega enfim ao formato digital em fevereiro de 2010 Elba, o único título da discografia de Elba Ramalho que ainda não havia sido (re)editado em CD. Lançado em 1981, o terceiro álbum da cantora foi o último de sua passagem pela CBS (hoje Sony Music), gravadora pela qual a intérprete já havia lançado Ave de Prata (1979) e Capim do Vale (1980). Elba é o título menos inspirado da trilogia, mas tem seu valor. A intérprete pôs sua voz - então ainda rascante e agreste - em músicas de Caetano Veloso (Cajuína), Bráulio Tavares (Temporal, uma parceria com Fubá), Humberto Teixeira (Dono dos teus Olhos, com arranjo de cordas), Elomar (O Pedido), Lula Côrtes (Lua Viva) e Rosil Cavalcanti (Aquarela Nordestina), entre outros compositores. Elba sai via Sony Music.

24 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Chega enfim ao formato digital em março de 2010 Elba, o único título da discografia de Elba Ramalho que ainda não havia sido (re)editado em CD. Lançado em 1981, o terceiro álbum da cantora foi o último de sua passagem pela CBS (hoje Sony Music), gravadora pela qual a intérprete já havia lançado Ave de Prata (1979) e Capim do Vale (1980). Elba é o título menos inspirado da trilogia, mas tem seu valor. A intérprete pôs sua voz - então ainda rascante e agreste - em músicas de Caetano Veloso (Cajuína), Bráulio Tavares (Temporal, uma parceria com Fubá), Humberto Teixeira (Dono dos teus Olhos, com arranjo de cordas), Elomar (O Pedido), Lula Côrtes (Lua Viva) e Rosil Cavalcanti (Aquarela Nordestina), entre outros compositores. Elba sai via Sony Music.

22 de fevereiro de 2010 09:52  
Anonymous Anônimo said...

Até que enfim!! Já não bastava o "Ave de Prata" ter saído em 2002 em tiragem limitadíssima (na época, só o vi em salvador para nunca mais!!) e nunca mais ser relançado. Agora teremos o prazer de (re)ouvir essa pérola da discografia de Elba. Mauro tem razão, dos 3 primeiros esse é uma obra menor, mas tem também "Oitava" de Cátia de França (genial compositora nunca mais gravada por Elba) e "Amanhã eu vou" (Luiz Gonzaga/Beduíno), outra maravilha. Já não era sem tempo. Recomendadíssimo!!

Abs,
Ricardo Guima

22 de fevereiro de 2010 11:13  
Anonymous André Ricardo said...

Adoro essa fase da Elba. Acho que atualmente sua voz ficou tão educada q perdeu aquele jeito mais nordestino. Mas é uma das grandes de nossa música!

P.S.: Mauro, é a primeira vez q participo e já vou te explorando: dá pra vc resenhar os relançamentos de Profana, Bem-Bom e Lua de mel como o diabo gosta, de nossa cantora maior, Gal Costa?

Obrigado a vc e aos colegas participantes!

22 de fevereiro de 2010 12:24  
Anonymous Léo said...

Ótimo disco da Elba, mais intimista do que o habitual. A voz ainda rascante, embora já se note uma evolução vocal em relação aos dois discos anteriores.
Também gosto muito dessa fase da Elba, e esse relançamento é bastante oportuno! Que venham também "Ave de Prata" e "Capim do Vale", que considero ainda melhores do que esse em termos de repertório.

22 de fevereiro de 2010 12:46  
Blogger Maurício said...

Esse disco é remasterizado?

22 de fevereiro de 2010 14:09  
Anonymous Panela Musical said...

Dá-lhe Rodrigo Faour!Mais um de seus esforços para repôr nas prateleiras discos esquecidos e empoeirados da MPB.Fico triste pq o restante da discografia da Elba em sua fase Polygram não será relançado (por enquanto).

22 de fevereiro de 2010 16:34  
Anonymous Anônimo said...

sabe q prefiro essa elba 70/80, e sua voz rascante e certeira?

elba fez alguns dos melhores espetáculos musicais da cena brasileira, pena q ultimamente não tenha mantido este fôlego.

elba, entretanto, não nos deve nada. entregou sua arte a mãos cheias. aprimorou seu canto (às vezes excessivamente adocicado) e manteve o discernimento e bom senso.

seria ótimo assistir a outro show tão bem produzido e vibrante quanto os de tempos atrás (os dois últimos a q assisti estavam bem 'pobrinhos' e elba parecia se ressentir da falta de estrutura a q está habituada (pelo menos nas grandes casas do eixo rio-sp).

elba é uma grande artista; das melhores do cenario musical deste país de (pretensas) cantoras.

22 de fevereiro de 2010 17:39  
Blogger Wagner Hardman Lima said...

Mauro, a grafia do parceiro de Bráulio Tavares em Temporal é Fuba e não Fubá.

abraços

22 de fevereiro de 2010 21:46  
Anonymous Anônimo said...

Elba ainda tinha voz nessa época. Hoje não consegue mais dar aqueles agudos e notas mais altas como antigamente. Esse cd é maravilhoso.

23 de fevereiro de 2010 00:23  
Anonymous Anônimo said...

Este CD foi realizado apenas para cumprir contrato. Apesar de bom repertório, foi muito mal cuidado. Arranjos torpes, Elba com um fio de voz (apesar da ALMA q sempre teve), acrescentou pouco à discografia da artista.
Os fãs, contudo, o apreciam imenso. (Elba, nem tanto).
Tb sou dos q preferiam a Elba agreste, lasciva e contundente de tempos idos. Para meu gosto, no que baixou o tom, a cantora suavizou alem da conta.
Seus últimos trabalhos não têm carisma, apesar de bem intencionados.
E, verdade, Elba já realizou grandes espetáculos, especialmente nos 80.
Ao lado de Bethania e Ney Matogrosso, a paraibana figura no olimpo dos palcos tapuias (tá na hora de produzir outro belo espetáculo).
Assisti a gravação de seu DVD em S.Paulo e saí constrangido. Um show (e depois o proprio DVD) 'sem clima', sem a verve habitual, um produto completamente acéfalo na trajetória de Elba.

23 de fevereiro de 2010 09:42  
Anonymous Anônimo said...

Que venha TODOS!!

23 de fevereiro de 2010 12:21  
Anonymous Anônimo said...

Faz tempo que espero esse relançamento. Aliás os dois albuns que se chamam apenas ELBA, eu nunca inha achado em CD, o outro é o que tem a balada VEM FICAR COMIGO. Será que vai ganhar reedição ???

edu caffaro - abc

23 de fevereiro de 2010 12:45  
Anonymous Anônimo said...

Adoro este disco e, agora, finalmente completarei a discografia de Elba que eu tanto gosto, seja na fase inicial (é a que mais gosto), seja na fase Polygram, seja na fase BMG, seja na Biscoito Fino. Elba, Gal e Bethânia estão um degrau acima na MPB.
Valeu!!!

23 de fevereiro de 2010 14:52  
Anonymous dani fitti said...

Elba Ramalho ficou alguns anos sem gravadora e com crise no casamento - que se encerrou - com Gaetano Lops. Com não alimenta xororô, Elba Ramalho se pôs a trabalhar. Abortou idéias e adiou projetos sim. É verdade também que seus ultimos albuns não foram bem nas vendas mas ganharam diversos prêmios, inclusive o Grammy Latino.

Por conta da crise financeira que se abateu no mercado fonográfico nos anos 2000, Elba cancelou suas tipicas férias de verão - e ainda cogitou a idéia de vender sua casa de praia em Trancoso, na Bahia - e enxugou os gastos com seus shows optando por apresentações acústicas onde se acompanhava de, no máximo, mais 4 músicos.

O casamento com Gaetano Lops se foi e hoje na Biscoito Fino, Elba Ramalho além de se preparar para participar do especial " Emoções Sertanejas " ao lado do idolo Roberto Carlos, gravar um album todo dedicado a obra de Chico Buarque, um DVD para comemorar seus 30 anos de carreira, ainda coleciona participações aconchegantes em trabalhos de amigos ( participou do DVD de Tania Mara,Targino Gondim e Monobloco e dos album do Padre Fábio de Mello e da coletânea " Ataulfo Alves - 100 Anos " )

Viva Elba Ramalho

23 de fevereiro de 2010 16:18  
Anonymous Anônimo said...

Disco de colecionador, sem valor técnico, mas tô de olho.
Quero o meu.

23 de fevereiro de 2010 20:20  
Anonymous leo said...

Elba nasceu artista e aprimorou ao infinito sua arte.
Nestes primeiros discos, apesar do impacto que causaram, sua voz era um fio de cabelo. Vibrante, petulante, elétrico, mas um fio. Com o tempo encorpou a voz, bancou suas escolhas, definiu um estilo e fez bonito.
Creio que Elba ainda seja capaz de produzir discos e espetáculos vibrantes; espero que tenha oportunidades para tal - ou, como boa brasileira - crie as oportunidades.
Vou aplaudir de pé.

25 de fevereiro de 2010 09:32  
Blogger GnER said...

Uma grande ajuda do Faour para recolocar esse disco no mercado de novo e de acordo com ele o Ave de Prata e o Capim do Vale são os próximos lançamentos da Elba.

25 de fevereiro de 2010 15:46  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel Andrade disse..


Pra quem não sabe esse disco fecha a trilogia do que há de melhor na carreira da paraibana. É um disco absolutamente fantástico. Graças a Deus não estourou.
Lua viva arrebenta.
Oitava idem.
Temporal é maravilha.
O Pedido é clássico.
E Vem ser nevegaddor, do jornalista pernambucano Marco Polo, é demais, pode ouvir mil vezes que não cansa.
E nem ser porque Elba esqueceu essa linda balada.
Se aparecer compro, embora já tenho de uma cópia de vinil.

26 de fevereiro de 2010 23:04  
Anonymous Caetano Lopes said...

Emanuel, o repertorio é mesmo bom, mas o disco tinha arranjos paupérrimos (manjados) e a voz de Elba que já não era grande coisa, sumiu quase q completamente nas gravações. Lembro q este disco foi um hiato entre o anterior e o subsequente.

Isso não desmerece a importância do lançamento em CD, o qual tb comprarei (sou fãzaço dos primeiros anos de Elba - exatamente os de minha adolescência passados em João Pessoa, e até hj inesquecíveis).

27 de fevereiro de 2010 12:45  
Anonymous Anônimo said...

Esse cd tem um repertório horrível. Salvam-se umas duas canções... Mas vale o resultado em cd para os fãs.

27 de fevereiro de 2010 14:34  
Anonymous Anônimo said...

O problema é que Elba nunca sossegou numa gravadora !

27 de fevereiro de 2010 17:09  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel Andrade disse

discordo de que esse Cd tenha reperório ruim. E tenho certeza de que depois do Coração Brasileiro , nunca mais veio nada com o mesmo peso.Só os shows. Elba se tornou uma artista comercial, atenta ao que manda o mercado. Os garnde encontros trouxeram algumas surpresas.E ai um shows ótimos e outros razoáveis.

27 de fevereiro de 2010 17:56  
Anonymous lara said...

não entendi, chèrie, por que 'graças a deus não estourou???'.
vcs aí no brazil continuam torcendo contra???

ah, já sei, deve ser aquela mentalidade terceiro-mundo que acha q se fizer sucesso vai cair na boca do povo, nas garras do mercado, enfim, desandar o bolo...por isso q meu brasil ainda é o q é...

elba é maravilhosa. os discos são apenas subterfúgios para ela se apresentar no palco, que, verdadeiramente, é o seu lugar.

28 de fevereiro de 2010 14:55  
Blogger igor said...

Mauro, cadê a crítica dos relançamentos dos discos Profana,Bem Bom e Lua de Mel da Gal ?

1 de março de 2010 10:10  

Postar um comentário

<< Home