7 de dezembro de 2009

'Escândalo' nada soma à discografia de Ro Ro

Resenha de CD
Título: Escândalo
Artista: Ângela Ro Ro
Gravadora: Discobertas
Cotação: * * *

A rigor, Escândalo - o CD que compila os áudios de 18 números feitos por Ângela Ro Ro na temporada de 2005 do homônimo programa de TV apresentado por ela no Canal Brasil - nada acrescenta à discografia da cantora e compositora. Inclusive porque todas as 18 músicas já foram registradas em melhores condições por Ro Ro nos seus álbuns. Apenas os teclados de Ricardo Mac Cord - autor de todos os arranjos - acompanham a voz rouca da cantora numa formação que se revela insuficiente para temas como o samba Fila de Ex-Mulher, por exemplo. Aliás, o repertório peca por priorizar músicas (Garota Mata Hari, Viciei em Você, Raiado de Amor, Boemia do Sono e Sim, Dói) de um álbum menor na discografia da artista (Acertei no Milênio, Jam Music, 2000) em detrimento das músicas da fase áurea da compositora. Desse período inicial, apenas Fogueira e Simples Carinho marcam discreta presença no disco em registros de emoção rarefeita - a mesma que norteia as abordagens de standards internacionais como All of me, As Time Goes by e Senza Fine. A favor do disco, vale ressaltar que a excelência da masterização comandada por Ricardo Carvalheira. Contudo, a boa qualidade técnica dos registros - todos inéditos em disco - não torna Escândalo menos requentado. Indicada apenas para fãs extremados de Ângela Ro Ro, esta compilação de áudios das aberturas do extinto programa de TV ao menos não deixa passar em branco os 30 anos de carreira fonográfica da artista, (não) comemorados em 2009. Que venha um CD de boas inéditas!!

9 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

A rigor, Escândalo - CD que compila os áudios de 18 números feitos por Ângela Ro Ro na temporada de 2005 do homônimo programa de TV apresentado por ela no Canal Brasil - nada acrescenta à discografia da cantora e compositora. Inclusive porque as 18 músicas já foram registradas em melhores condições por Ro Ro nos seus álbuns. Apenas os teclados de Ricardo Mac Cord - autor de todos os arranjos - acompanham a voz rouca da cantora numa formação que se revela insuficiente para temas como o samba Fila de Ex-Mulher, por exemplo. Aliás, o repertório peca por priorizar músicas (Garota Mata Hari, Viciei em Você, Raiado de Amor, Boemia do Sono e Sim, Dói) de um álbum menor na discografia da artista (Acertei no Milênio, Jam Music, 2000) em detrimento das músicas da fase áurea da compositora. Desse período inicial, apenas Fogueira e Simples Carinho marcam discreta presença no disco em registros de emoção rarefeita - a mesma que norteia as abordagens de standards internacionais como All of me, As Time Goes by e Senza Fine. A favor do disco, vale ressaltar que a excelência da masterização comandada por Ricardo Carvalheira. Contudo, a boa qualidade técnica dos registros - todos inéditos em disco - não torna Escândalo menos requentado. Indicada apenas para fãs extremados de Ângela Ro Ro, esta compilação de áudios das aberturas do extinto programa de TV ao menos não deixa passar em branco os 30 anos de carreira fonográfica da artista, (não) comemorados em 2009. Que venha um CD de boas inéditas!!

7 de dezembro de 2009 09:45  
Anonymous Anônimo said...

Pode ser que a qualidade da concepção musical realmente deixe a desejar, mas o fato de não ser MAIS um registro dos grandes sucessos é que faz o produto mais interessante.
O álbum Acertei no Milênio traz a compositora inédita depois de anos. É no mínimo limitador querer sempre a fase áurea e não deixar a fase atual aparecer. Sinceramente não considero realmente o melhor da RoRo, mas também não é o pior. O CD Compasso é extremamente agradável, basta não ouvir esperando que a próxima faixa seja Amor Meu Grande Amor ou Gota de Sangue.

7 de dezembro de 2009 17:41  
Anonymous Anônimo said...

A canção FOGUEIRA foi gravada pela Betânia em seu melhor disco ate hj - Ciclo (1983). Essa canção e esse disco são lindos demais da conta...

7 de dezembro de 2009 19:08  
Anonymous Anônimo said...

Triste o responsável pela seleção de repertório desse cd. Provavelemnte alguém que não conhece a carreira de Ro Ro.

7 de dezembro de 2009 22:08  
Anonymous Anônimo said...

Esse disco deveria se chamar "Vexame", e não "Escândalo". Angela tem se repetido demais. Pode ser talentosíssima, mas tudo nela virou um grande déjà-vu. Há décadas, seus shows são os mesmos, os arranjos bregas do Ricardo Macord são os mesmos, o repertório é o mesmo e até a roupa (preta, sempre preta) parece ser a mesma.
Não entendo como uma pessoa talentosa, dona de uma voz linda, não tenha criatividade para no mínimo partir para algo no mínimo diferente do feijão-com-arroz. Se não há canções boas de sua autoria, por favor, cante músicas boas de outros compositores. E por favor: largue os arranjos de churrascaria do Ricardo Macord!

8 de dezembro de 2009 10:36  
Anonymous Anônimo said...

A seleção deste CD foi feita pela própria Angela e seu diretor musical, posto que são - como explicado - as aberturas de voz e piano para os programas da temporada 2005 do Escandalo. É um lançamento documental, é um lançamento histórico.

8 de dezembro de 2009 20:55  
Anonymous Anônimo said...

Os arranjos do Ricardo são horríveis mesmo... Angela poderia lançar um cd de intérprete. Ninguém aguenta mais essa mesmice!!! Ela é maravilhosa, mas só se repete.

8 de dezembro de 2009 23:15  
Anonymous Anônimo said...

Acompanho seu trabalho há 30 anos, desde sua seminal estréia! Estive perto entrevistando-a no fim dos 80, em fase de semi-anonimato,num show com quatro gatos pingados, em Maceió. Não gravava nada. Depois da volta por cima e antes do bom "Compasso", estive com ela num Festival de Jazz de Ouro Preto.
Guerreira e bem-vinda! Em tempos de magras Gadús, temos que agradecer de joelhos por RoRo ainda estar viva e em cena!
Abs,
Ricardo Guima

9 de dezembro de 2009 12:24  
Anonymous Anônimo said...

Acho que o repertório é o contrário de óbvio. São, na maioria, lads Bs da obra de RoRo, boas múiscas de um disco que foi agraciado por um prêmio da APCA. Não são gravações criadas com a finalidade de virarem disco. Mas se viraram, é bom.

Mas tb acho que RoRo poderia fazer um disco de intérprete. Se eu pudesse e meu dinheiro desse eu chamaria ela para gravar um CD com grandes clássicos da dor de cotovelo dos anos 50, aquelas coisas barra pesadas dos repertórios de Dalva de Oliveira, carmen Costa, Maysa e Nora Ney, que cairiam como uma luva na voz e no estilod e RoRo. Imaginem ela cantando Vingança, Que será, Meu mundo Caiu, Eu sou a outra, Ninguém me ama, Escuta e outras pérolas!

10 de dezembro de 2009 13:47  

Postar um comentário

<< Home