9 de novembro de 2009

Remake de 'Fama' dilui conflitos do filme de 80

Resenha de Filme
Título: Fama
Direção: Kevin
Tancharoen
Elenco: Naturi
Naughton, Asher Book,
Walter Perez, Kay
Panabaker e outros
Cotação: * * *
Em cartaz nos cinemas
do Brasil desde 6/11/09

Que fique claro logo no início: quem for assistir ao remake do musical Fama sem ter em mente o filme original de 1980 - dirigido por Alan Parker - tem grandes chances de gostar da refilmagem comandada pelo coréografo e hoje cineasta Kevin Tancharoen. O roteiro - que acerta ao seguir a estrutura básica do original - e as coreografias sustentam bem o interesse do espectador. Contudo, é inegável que o Fama de 2009 evoca intencionalmente o clima do musical High School Musical, o fenômeno juvenil criado pela Disney. Escorado em inspirada trilha sonora que rendeu hits como Fame (tema explosivo que ressurge em levada modernosa e é mal aproveitado na sequência final do remake) e Out Here on my Own (entoado na refilmagem por Naturi Naughton, dona da voz mais poderosa do elenco de 2009), o Fama de 1980 focou conflitos existenciais típicos da juventude enquanto narrava a luta de uma turma de aspirantes artistas ao longo dos quatro anos vividos na conceituada e disputada New York City High School of Performing Arts. O Fama de 2009 dilui estes conflitos em trama maquiada para fisgar os fãs de High School Music (sintomaticamente, o papel do mocinho cantor Marco foi confiado a um ator com pinta de galã, Asher Book, fofo, mas com uma voz asséptica). A própria cidade de Nova York pareceu bem mais real e conflituosa no filme original. No remake, a dose de realidade é menor. Talvez por isso, a emoção seja rarefeita, embora a narrativa seja fluente e - vale repetir - prenda a atenção porque a história em si continua boa. Do elenco, o único nome promissor é Naturi Naughton, intérprete de Denise, pianista clássica que se descobre cantora e incursiona pelo universo do hip hop para desgosto dos pais. Naughton canta bem. Aliás, sua interpretação de Out Here on My Own é um dos poucos números musicais realmente bacanas da refilmagem (os duetos de Naughton com Collins Pennie, bom intérprete de Malik, também têm vitalidade). A presença do rap na atual trilha sonora é justificada porque o ritmo já está enraizado no universo musical norte-americano e soa tão natural quanto a disco music evocada no filme de 1980. O real problema do novo Fama é a diluição dos conflitos dos jovens artistas em favor de uma estética mais clean e, sobretudo, de uma superficialidade que traduz os dias de hoje...

1 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Que fique claro logo no início: quem for assistir ao remake do musical Fama sem ter em mente o filme original de 1980 - dirigido por Alan Parker - tem grandes chances de gostar da refilmagem comandada pelo coréografo e cineasta Kevin Tancharoen. O roteiro - que acerta ao seguir a estrutura básica do original - e as coreografias sustentam bem o interesse do espectador. Contudo, é inegável que o Fama de 2009 evoca intencionalmente o clima do musical High School Musical, o fenômeno juvenil criado pela Disney. Escorado em inspirada trilha sonora que rendeu hits como Fame (tema explosivo que ressurge em levada modernosa e é mal aproveitado na sequência final do remake) e Out Here on my Own (entoado na refilmagem por Naturi Naughton, dona da voz mais poderosa do elenco de 2009), o Fama de 1980 focou conflitos existenciais típicos da juventude enquanto narrava a luta de uma turma de aspirantes artistas ao longo dos quatro anos vividos na conceituada e disputada New York City High School of Performing Arts. O Fama de 2009 dilui estes conflitos em trama maquiada para fisgar os fãs de High School Music (sintomaticamente, o papel do mocinho cantor Marco foi confiado a um ator com pinta de galã, Asher Book, fofo, mas com uma voz asséptica). A própria cidade de Nova York pareceu bem mais real e conflituosa no filme original. No remake, a dose de realidade é menor. Talvez por isso, a emoção seja rarefeita, embora a narrativa seja fluente e - vale repetir - prenda a atenção porque a história em si continua boa. Do elenco, o único nome promissor é Naturi Naughton, intérprete de Denise, pianista clássica que se descobre cantora e incursiona pelo universo do hip hop para desgosto dos pais. Naughton canta bem. Aliás, sua interpretação de Out Here on My Own é um dos poucos números musicais realmente bacanas da refilmagem (os duetos de Naughton com Collins Pennie, bom intérprete de Malik, também têm vitalidade). A presença do rap na atual trilha sonora é justificada porque o ritmo já está enraizado no universo musical norte-americano e soa tão natural quanto a disco music evocada no filme de 1980. O real problema do novo Fama é a diluição dos conflitos dos jovens artistas em favor de uma estética mais clean e, sobretudo, de uma superficialidade que traduz os dias de hoje...

9 de novembro de 2009 17:18  

Postar um comentário

<< Home