1 de novembro de 2009

Kléber constrói disco com romantismo popular

Resenha de CD
Título: Só o Amor Constrói
Artista: Kléber
Albuquerque &
Miniorkestra
de Polkapunk
Gravadora: Sete Sóis
/ Tratore
Cotação: * * *

A faixa-título do quinto CD do cantor e compositor Kléber Albuquerque, Só o Amor Constrói, é canção abolerada que explora o romantismo popular que dá o tom da música brega. O artista caminha seguro por esse terreno popular, mas o disco evoca outros sons e universos musicais no toque da Miniorkestra de Polapunk, formada pelo baixista André Bedurê, o guitarrista Estevan Sinkovitz, o baterista Gustavo Souza e Paulo Souza, que toca serrote na maioria das 15 faixas. Entre samba (Seis Horas), rock (Sete Faces, composto com o eclético Chico César) e inapropriada releitura de Esquadros (Adriana Calcanhotto) no ritmo veloz do ska, Kléber abre espaço para que a voz de Renato Braz brilhe soberana e solitária em Cala Frio - densa canção de tom soturno, adornada pelo bandolim de Sinkovitz e composta por Kléber a partir dos versos do poeta Isac Ruiz. Ao permitir o brilhante solo vocal do colega, o anfitrião explicita o principal problema do álbum: a fragilidade de seu próprio canto. O sambossa Futebol para Principiantes, por exemplo, entra em campo sem a forma exibida no registro feito pela cantora Márcia Castro no CD Pecadinho (2007). Descontada a deficiência do artista, Só o Amor Constrói se revela um disco de interessante sonoridade indie - ainda que o repertório seja, no todo, irregular...

2 Comments:

Anonymous Marcos said...

acho deselegante, Mauro, você usar o brilho do Renato para denegrir o canto do Kleber

1 de novembro de 2009 22:26  
Anonymous Anônimo said...

Kleber não deu certo na época do Chico César. Ele apareceu junto com o autor de Mama África. Já foi.
Trabalho fraco. E não evoluiu nos últimos 10 anos. Parou no tempo. Já foi a bola da vez. Passou.

2 de novembro de 2009 00:43  

Postar um comentário

<< Home