6 de novembro de 2009

Almanaque conta histórias de canções de Chico

Resenha de livro
Título: Chico Buarque
- Histórias de Canções
Autor: Wagner Homem
Editora: Leya
Cotação: * * *

É provável que admiradores extremados da obra de Chico Buarque saibam que a (rala) contribuição do cantor à letra de Gente Humilde é de apenas quatro versos, tendo Chico entrado para a parceria que o uniu postumamente a Garoto (1915 - 1955) em 1969 somente porque o autor da letra, Vinicius de Moraes (1913 - 1980), estava com ciúme das colaborações de Chico com Tom Jobim (1927 - 1994) e praticamente intimou o autor de A Banda a mexer em versos que já estavam prontos. Tais fãs devem saber também que, em contrapartida, o Poetinha virou parceiro de Chico no samba Desalento (1970) por conta de três míseros versos, suficientes para que o autor de Fado Tropical retribuísse a gentileza feita por Vinicius no ano anterior durante a criação da letra de Gente Humilde. Essas duas curiosidades estão entre as muitas contadas por Wagner Homem no livro Chico Buarque - Histórias de Canções. Fã do compositor desde que ouviu Pedro Pedreiro em 1965, Homem compilou tais histórias com a autoridade de quem - com o aval do próprio Chico - sempre alimentou o site oficial do artista com informações curiosas sobre a obra do compositor. A rigor, tais histórias de canções nem são inéditas - sobretudo as que envolvem as tentativas de driblar a censura que mutilou impiedosamente o cancioneiro de Chico na primeira metade dos anos 70. Contudo, a compilação torna o livro interessante para quem admira a obra do compositor sem ser exatamente um aficcionado por ela. Todas as 133 músicas mencionadas têm as letras reproduzidas antes da história que envolve a sua criação. No todo, Chico Buarque - Histórias de Canções é como um almanaque que compila curiosidades com leveza e as dispõe para que sejam apreciadas de maneira aleatória.

2 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

É provável que admiradores extremados da obra de Chico Buarque saibam que a (rala) contribuição do cantor à letra de Gente Humilde é de apenas quatro versos, tendo Chico entrado para a parceria que o uniu postumamente a Garoto (1915 - 1955) em 1969 somente porque o autor da letra, Vinicius de Moraes (1913 - 1980), estava com ciúme das colaborações de Chico com Tom Jobim (1927 - 1994) e praticamente intimou o autor de A Banda a mexer em versos que já estavam prontos. Tais fãs devem saber também que, em contrapartida, o Poetinha virou parceiro de Chico no samba Desalento (1970) por conta de três míseros versos, suficientes para que o autor de Fado Tropical retribuísse a gentileza feita por Vinicius no ano anterior durante a criação da letra de Gente Humilde. Essas duas curiosidades estão entre as muitas contadas por Wagner Homem no livro Chico Buarque - Histórias de Canções. Fã do compositor desde que ouviu Pedro Pedreiro em 1965, Homem compilou tais histórias com a autoridade de quem - com o aval do próprio Chico - sempre alimentou o site oficial do artista com informações curiosas sobre a obra do compositor. A rigor, tais histórias de canções nem são inéditas - sobretudo as que envolvem as tentativas de driblar a censura que mutilou impiedosamente o cancioneiro de Chico na primeira metade dos anos 70. Contudo, a compilação torna o livro interessante para quem admira a obra do compositor sem ser exatamente um aficcionado por ela. Todas as 133 músicas mencionadas têm as letras reproduzidas antes da história que envolve a sua criação. No todo, Chico Buarque - Histórias de Canções é como um almanaque que compila curiosidades com leveza e as dispõe para que sejam apreciadas de maneira aleatória.

6 de novembro de 2009 18:36  
Blogger Vladimir said...

Uma pena que o livro nem ao menos menciona certas canções "clássicas" da obra de Chico Buarque, como por exemplo "Pedaço de Mim"...

6 de novembro de 2009 19:04  

Postar um comentário

<< Home