30 de outubro de 2009

Ulhoa preserva fofura pop de Érika em bom CD

Resenha de CD
Título: Bem me Quer
Mal me Quer
Artista: Érika Machado
Gravadora: Nenhuma
Cotação: * * * 1/2

Érika Machado foi uma das boas surpresas do mercado fonográfico em 2006 com seu segundo disco, No Cimento, saudado como o primeiro porque o álbum que - a rigor - marcou a estreia da cantora e compositora mineira, O Baratinho (2003), foi gravado e vendido de forma artesanal, tendo tido existência semi-oficial. Três anos depois de chamar relativa atenção com No Cimento, Érika volta à cena com seu terceiro álbum, Bem me Quer Mal me Quer, gravado com o patrocínio da Petrobrás e editado de forma independente neste mês de outubro de 2009. A artista acerta ao confiar novamente a produção a John Ulhoa. O pop de Érika é fofo e Ulhoa sabe preservar e acentuar no disco essa fofura, perceptível tanto no piano de brinquedo que introduz Solitária Secretária da Agência de Turismo como na textura lúdica do arranjo de Control Z. Isso para não citar os desenhos (feitos por Érika) que ilustram a capa e o encarte do disco. É fato que a artista retorna ligeiramente menos inspirada do que em No Cimento, mas sua música - que adquire textura roqueira em O Menino Perfeito - continua graciosa. Do repertório autoral de Érika, composto em parceria com Cecília Silveira, os destaques são as canções Tão Longe e Sei Lá, esta um hit radiofônico em potencial, criado com a adesão de John Ulhoa, autor solitário de outra faixa interessante, Plutônio Enriquecido. Com alta dose de melancolia nas letras antenadas e sensíveis, Bem me Quer Mal me Quer merece crédito, ainda que não cative tanto quanto No Cimento. Érika Machado tem o que dizer. E ela o diz com graça...

4 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Érika Machado foi uma das boas surpresas do mercado fonográfico em 2006 com seu segundo disco, No Cimento, saudado como o primeiro porque o álbum que - a rigor - marcou a estreia da cantora e compositora mineira, O Baratinho (2003), foi gravado e vendido de forma artesanal, tendo tido existência semi-oficial. Três anos depois de chamar relativa atenção com No Cimento, Érika volta à cena com seu terceiro álbum, Bem me Quer Mal me Quer, gravado com o patrocínio da Petrobrás e editado de forma independente neste mês de outubro de 2009. A artista acerta ao confiar novamente a produção a John Ulhoa. O pop de Érika é fofo e Ulhoa sabe preservar e acentuar no disco essa fofura, perceptível tanto no piano de brinquedo que introduz Solitária Secretária da Agência de Turismo como na textura lúdica do arranjo de Control Z. Isso para não citar os desenhos (feitos por Érika) que ilustram a capa e o encarte do disco. É fato que a artista retorna ligeiramente menos inspirada do que em No Cimento, mas sua música - que adquire textura roqueira em O Menino Perfeito - continua graciosa. Do repertório autoral de Érika, composto em parceria com Cecília Silveira, os destaques são as canções Tão Longe e Sei Lá, esta um hit radiofônico em potencial, criado com a adesão de John Ulhoa, autor solitário de outra faixa interessante, Plutônio Enriquecido. Com alta dose de melancolia nas letras antenadas e sensíveis, Bem me Quer Mal me Quer merece crédito, ainda que não cative tanto quanto No Cimento. Érika Machado tem o que dizer. E ela o diz com graça...

30 de outubro de 2009 19:26  
Anonymous Anônimo said...

Chatíssima !!!

Para menores...


Pedro
BH

31 de outubro de 2009 08:55  
Anonymous monica mosqueira said...

Gostei! Do site e da crítica! Vou adicionar nos favoritos do meu blog/site sobre música (musicgeneration.zip.net)/eu conheço NO cimento..depois procuro este para escutar*)

31 de outubro de 2009 11:00  
Anonymous Anônimo said...

Pode ser para menores, sim. Mas para menores inteligentes e sensíveis. Esse eu não ouvi ainda, mas No Cimento é bem legal. Dá liga.
É preciso estar aberto para ouvir. E gostar

Carioca da Piedade

31 de outubro de 2009 11:09  

Postar um comentário

<< Home