12 de outubro de 2009

Partimpim quer festa, FM e folia no lúdico Dois

Resenha de CD
Título: Partimpim Dois
Artista: Adriana Partimpim
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * * *

Adriana Partimpim cresceu e já não perde uma festa, mas, esperta, não quer perder também sua sensibilidade. Partimpim Dois - o segundo CD gravado em estúdio por Adriana Calcanhotto para o público infantil, sob o heterônimo Adriana Partimpim - roça a inteligência lúdica do sapeca primeiro álbum, editado em 2004. Partimpim bisa e estende a conexão com Dé Palmeira, produtor do disco anterior e agora parceiro, co-autor do animado Baile Partimcundum, tema carnavalesco que realça afinidades entre a pegada da folia e a batida acelerada da dance music. A propósito, a inclusão de repertório autoral no cancioneiro de Partimpim é a principal novidade de Dois. Mas, como compositora, Partimpim ainda precisa crescer mais. Ringtone de Amor - a música que ela compôs em 2007 para ser baixada da internet diretamente para os celulares - e Menina, Menino são os pontos baixos de Dois, apesar dos versos bonitinhos. É preferível que as crianças peguem diretamente O Trenzinho do Caipira (Heitor Villa-Lobos e Ferreira Gullar, 1930), que desliza macio por trilhos urbanos a reboque das programações eletrônicas orquestradas por Dé Palmeira para simular o barulho de um trem como na gravação original dessa peça composta originalmente para as Bachianas Brasileiras nº 2. No seu belo trenzinho, Partimpim viaja até as estações baianas. Inteligente, ela sacou que João Gilberto é uma eterna criança e, como tal, compôs seu sambaião Bim Bom com a mesma atmosfera lúdica que norteia o som de Partimpim, que, ousada, adicionou o baticum do Olodum no tema do homi. E não é que ficou bonitinho? Aproveitando a estada na Bahia, Partimpim decidiu brincar seu Carnaval Na Massa, a parceria de Davi Moraes e Arnaldo Antunes que evoca uma folia na Praça Castro Alves com seu arranjo urdido até com brinquedos. Partimpim pode se divertir porque tem se alimentado bem - Alface, música de Cid Campos para poema de Edward Lear traduzido por Augusto de Campos, é delícia de dar água na boca - e tem feito direitinho sua lição. A ponto de saber de cor os versos de Alexandre, escritos em 1997 por seu tio e muso inspirador Caetano Veloso para contar no CD Livro a saga de Alexandre, tão grande quanto a letra. Menina muito inteligente, Partimpim também gosta de poesia, em especial da poesia de Vinicius de Moraes (1913 - 1980), de quem anda recitando As Borboletas na versão musicada em 2006 por Cid Campos para uma animação da Arca de Noé que ainda não saiu do papel. Partimpim é tão boa menina que se lembra até da breve fase cristã de Bob Dylan e vive cantarolando lindamente a versão que Zé Ramalho, fiel e temente ao deus Dylan, fez para Man Gave Name to All the Animals, que, para não complicar, foi intitulada O Homem Deu Nome a Todos os Animais. O problema de Partimpim é que, como toda menina de sua geração, ela quer ganhar dinheiro e ficar famosa. Por isso, ligou o radinho de pilha de sua empregada e descobriu nele uma canção lá dos velhos tempos da Jovem Guarda, Gatinha Manhosa, e a regravou somente com seu violão. Partimpim quer tocar nas FMs. E tomara que consiga, pois elas, as FMs, andam muito precisadas da lúdica sagacidade de Partimpim.

13 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Adriana Partimpim cresceu e já não perde uma festa, mas, esperta, não quer perder também sua sensibilidade. Partimpim Dois - o segundo CD gravado em estúdio por Adriana Calcanhotto para o público infantil, sob o heterônimo Adriana Partimpim - roça a inteligência lúdica do sapeca primeiro álbum, editado em 2004. Partimpim bisa e estende a conexão com Dé Palmeira, produtor do disco anterior e agora parceiro, co-autor do animado Baile Partimcundum, tema carnavalesco que realça afinidades entre a pegada da folia e a batida acelerada da dance music. A propósito, a inclusão de repertório autoral no cancioneiro de Partimpim é a principal novidade de Dois. Mas, como compositora, Partimpim ainda precisa crescer mais. Ringtone de Amor - a música que ela compôs em 2007 para ser baixada da internet diretamente para os celulares - e Menina, Menino são os pontos baixos de Dois, apesar dos versos bonitinhos. É preferível que as crianças peguem diretamente O Trenzinho do Caipira (Heitor Villa-Lobos e Ferreira Gullar, 1930), que desliza macio por trilhos urbanos a reboque das programações eletrônicas orquestradas por Dé Palmeira para simular o barulho de um trem como na gravação original dessa peça composta originalmente para as Bachianas Brasileiras nº 2. No seu belo trenzinho, Partimpim viaja até as estações baianas. Inteligente, ela sacou que João Gilberto é uma eterna criança e, como tal, compôs seu sambaião Bim Bom com a mesma atmosfera lúdica que norteia o som de Partimpim, que, ousada, adicionou o baticum do Olodum no tema do homi. E não é que ficou bonitinho? Aproveitando a estada na Bahia, Partimpim quis brincar seu Carnaval Na Massa, a parceria de Davi Moraes e Arnaldo Antunes que evoca uma folia na Praça Castro Alves com seu arranjo urdido até com brinquedos. Partimpim pode se divertir porque tem se alimentado bem - Alface, música de Cid Campos para poema de Edward Lear traduzido por Augusto de Campos, é delícia de dar água na boca - e tem feito direitinho sua lição. A ponto de saber de cor os versos de Alexandre, escritos em 1997 por seu tio e muso inspirador Caetano Veloso para contar no CD Livro a saga de Alexandre, tão grande quanto a letra. Menina muito inteligente, Partimpim também gosta de poesia, em especial da poesia de Vinicius de Moraes (1913 - 1980), de quem anda recitando As Borboletas na versão musicada em 2006 por Cid Campos para uma animação da Arca de Noé que ainda não saiu do papel. Partimpim é tão boa menina que se lembra até da breve fase cristã de Bob Dylan e vive cantarolando lindamente a versão que Zé Ramalho, fiel e temente ao deus Dylan, fez para Man Gave Name to All the Animals, que, para não complicar, foi intitulada O Homem Deu Nome a Todos os Animais. O problema de Partimpim é que, como toda menina de sua geração, ela quer ganhar dinheiro e ficar famosa. Por isso, ligou o radinho de pilha de sua empregada e descobriu nele uma canção lá dos velhos tempos da Jovem Guarda, Gatinha Manhosa, e a regravou somente com seu violão. Partimpim quer tocar nas FMs. E tomara que consiga, pois elas, as FMs, andam muito precisadas da lúdica sagacidade de Partimpim.

12 de outubro de 2009 09:03  
Anonymous Anônimo said...

Adorei o texto tentando ser lúdico do Mauro, pelo visto a aura da Partimpim conquistou o Sr. rsrs
E to bem curioso pra ouvir o CD, aind anum baixei na internet pq vi pessoas reclamando q os arquivos estavam com problema, mas comprei o meu pela net, até o fim da semana descubro se é tão bom, apesar de pensar q deve ser memso, hauahua

12 de outubro de 2009 10:50  
Anonymous Aline said...

Faltou nesse post Mauro a mesma alfinetada que desde no abaixo " ... a MK Music pôs nas lojas - a tempo de fisgar pais às voltas com os presentes do Dia das Crianças, celebrado nesta segunda-feira, 12 de outubro de 2009 - "


Não fostes justo

12 de outubro de 2009 11:37  
Anonymous Garcia said...

Calcanhotto quer festa, FM , folia e grana com " Partimpim Dois " ...

12 de outubro de 2009 11:40  
Anonymous Anônimo said...

Toda vez que o album adulto dela não emplacar ela vai ressucitar essa tal de Partimpim ?

12 de outubro de 2009 12:07  
Blogger Philipe Daniel said...

Não achei esse disco tão interessante quanto o Primeiro. O primeiro me fez vibrar e voltar a querer ser criança, esse eu achei mais adulto, sei la!

12 de outubro de 2009 15:23  
Anonymous André said...

Concordo com o Mauro quando ele diz que a Partimpim compositora ainda tem que crescer muito, acho que se esse disco fosse todo de intérprete seria genial, os momentos mais belos são quando ela consegue trazer universos totalmente adultos como Villa-Lobos, Bob Dylan, João Gilberto e Caetano para leituras singelas e de extrema delicadeza, tocam em cheio a inteligência, o coração e a curiosidade dos meninos... só acho que o Mauro foi meio ácido com a Partimpim em alguns momentos, essa linguagem infantilóide na escrita o ajudou a roçar a grosseria.

12 de outubro de 2009 15:38  
Anonymous Denilson said...

Eu também fiquei com essa mesma impressão de que regravar "Gatinha Manhosa" foi um truque muito manjado apenas para tocar no rádio...

A Adriana (Partimpim ou Calcanhoto, como queira) não precisava disso...

abração,
Denilson

13 de outubro de 2009 09:14  
Blogger Amigos das Bibliotecas said...

Eita povinho chato desse blog...

Se a cantora faz CD e não toca na rádio, falam que ela precisava de um hit. Dá pra entender???

Façam o seguinte: Ouçam as outras 10 faixas do CD, não tá bom?

E só de ter a oportunidade de ouvir arranjos tão "bonitinhos" pro Trenzinho Caipira, Alexandre e Bim Bom já pagam a bolachinha.

13 de outubro de 2009 10:39  
Blogger Flávia C. said...

Não consigo entender por que, numa época tão capitalista como esta em que vivemos, querer ganhar dinheiro ainda é considerado um "problema".

Essa é a profissão dela. Quem não quer ganhar dinheiro fazendo seu trabalho (principalmente quando é bem feito)? Nada mais justo que Adriana venda discos e toque nas FMs.

13 de outubro de 2009 16:14  
Anonymous Anônimo said...

Tudo bem mas para que continuações? Parece Emílio Santiago com suas aquarelas 1 , 2, 3, 4 disperdiçando a voz, nem Simone mesmo vendendo milhões com seu cd de natal há quase 15 anos atrás fez um número 2 ... olha que ainda a chamam de mercenária até hoje mesmo com vários cds inéditos.

13 de outubro de 2009 18:53  
Anonymous Anônimo said...

E daí? Ela não sai em turnê mesmo... no máximo, show nas grandes capitais e olhe lá. Onde chegou o show "Maré"? E quem disse que Cd dá dinheiro aos artistas?

13 de outubro de 2009 19:40  
Blogger Cava said...

Que medo desse disco. ainda bem que não tenho crianças em casa. o que é borboletas? Só pode ser para filme de terror. Letal!

16 de outubro de 2009 10:43  

Postar um comentário

<< Home