16 de setembro de 2009

Taviani dosa tons e paixões no seu melhor disco

Resenha de CD
Título: Meu Coração
Não Quer Viver
Batendo Devagar
Artista: Isabella Taviani
Gravadora: Universal
Music
Cotação: * * *

Ao volante de um maverick laranja, Isabella Taviani posa na capa de seu quarto álbum, Meu Coração Não Quer Viver Batendo Devagar, lançado neste mês de setembro de 2009. A despeito do título, passional como o canto e a obra da artista carioca, o disco - o melhor de Taviani - acerta ao conduzir sua música para tons menos exacerbados. Como já sinalizara a boa e melodiosa balada Presente-Passado, escolhida em agosto pela gravadora Universal Music para anunciar o disco nas rádios e TVs, Taviani procura uma outra direção, livre da condução equivocada do guitarrista Torcuato Mariano, produtor dos três fracos álbuns anteriores da artista. Os dois novos pilotos - Jr. Tostoi e Rodrigo Campello - acertam ao dosar os tons e a intensidade excessiva da cantora/autora sem apagar de todo a essência apaixonada da música de Taviani. Aliás, basta ouvir Todos os Erros do Mundo e Escorpião (faixa de aura flamenca) - duas das 14 inéditas do repertório - para perceber que o estilo passional ainda está lá. Só que diluído pela timbragem elegante dos arranjos e pelos tons mais comedidos da voz de Taviani. E o fato é que músicas como Eu Não Moro na sua Vida e Borboletas e Risos - esta adornada pela harpa de Cristina Braga - se beneficiam dessa opção por um canto menos over. Outro acerto de Taviani foi começar a fazer parcerias. Parceira e convidada de Arranjo, outro tema suave, Zélia Duncan também marca presença em Depois da Chuva, faixa em que toca bandolim e assina parte da letra. A música é assinada por Zélia com Taviani e Jorge Vercillo, parceiro também de Argumentos de Vidro, outro destaque da safra de inéditas. Até Toni Platão entra nesse tempo de delicadeza ao fazer dueto com Taviani em Um Vendaval, faixa de levada próxima do r & b americano. Meu Coração Não Quer Viver Batendo um Devagar representa real upgrade na discografia de Taviani. É bom disco que somente não se torna grande porque o repertório autoral da artista ainda soa irregular, a despeito de todas as benéficas mudanças. Músicas dispensáveis como Falsidade Desmedida, Casa no Céu (faixa de ambiência pop roqueira em que se fazem ouvir bem as guitarras personalíssimas de Tostoi) e O Tudo que É Nada poderiam ter dado lugar a canções alheias de maior inspiração para que Isabella Taviani pudesse se exercitar como a boa intérprete que sempre mostrou ser quando abordou com êxito sucessos de Gilberto Gil (Viramundo) e Wanderléa (Ternura), entre outros nomes. Ainda assim, o álbum merece atenção e audição, livre dos pré-conceitos.

22 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Ao volante de um maverick laranja, Isabella Taviani posa na capa de seu quarto álbum, Meu Coração Não Quer Viver Batendo Devagar, lançado neste mês de setembro de 2009. A despeito do título, passional como o canto e a obra da artista carioca, o disco - o melhor de Taviani - acerta ao conduzir sua música para tons menos exacerbados. Como já sinalizara a boa e melodiosa balada Presente-Passado, escolhida em agosto pela gravadora Universal Music para anunciar o disco nas rádios e TVs, Taviani procura uma outra direção, livre da condução equivocada do guitarrista Torcuato Mariano, produtor dos três fracos álbuns anteriores da artista. Os dois novos pilotos - Jr. Tostoi e Rodrigo Campello - acertam ao dosar os tons e a intensidade excessiva da cantora/autora sem apagar de todo a essência apaixonada da música de Taviani. Aliás, basta ouvir Todos os Erros do Mundo e Escorpião (faixa de aura flamenca) - duas das 14 inéditas do repertório - para perceber que o estilo passional ainda está lá. Só que diluído pela timbragem elegante dos arranjos e pelos tons mais comedidos da voz de Taviani. E o fato é que músicas como Eu Não Moro na sua Vida e Borboletas e Risos - esta adornada pela harpa de Cristina Braga - se beneficiam dessa opção por um canto menos over. Outro acerto de Taviani foi começar a fazer parcerias. Parceira e convidada de Arranjo, outro tema suave, Zélia Duncan também marca presença em Depois da Chuva, faixa em que toca bandolim e assina parte da letra. A música é assinada por Zélia com Taviani e Jorge Vercillo, parceiro também de Argumentos de Vidro, outro destaque da safra de inéditas. Até Toni Platão entra nesse tempo de delicadeza ao fazer dueto com Taviani em Um Vendaval, faixa de levada próxima do r & b americano. Meu Coração Não Quer Viver Batendo um Devagar representa real upgrade na discografia de Taviani. É bom disco que somente não se torna grande porque o repertório autoral da artista ainda soa irregular, a despeito de todas as benéficas mudanças. Músicas dispensáveis como Falsidade Desmedida, Casa no Céu (faixa de ambiência pop roqueira em que se fazem ouvir bem as guitarras personalíssimas de Tostoi) e O Tudo que É Nada poderiam ter dado lugar a canções alheias de maior inspiração para que Isabella Taviani pudesse se exercitar como a boa intérprete que sempre mostrou ser quando abordou com êxito sucessos de Gilberto Gil (Viramundo) e Wanderléa (Ternura), entre outros nomes. Ainda assim, o álbum merece atenção e audição livre dos pré-conceitos.

16 de setembro de 2009 15:01  
Anonymous Anônimo said...

Concordo Mauro, continuo não gostando do trabalho dela, mas esse cd está bem mais audível do que os outros.

16 de setembro de 2009 15:16  
Anonymous Anônimo said...

A música "Todos os Erros do Mundo" é que deveria ter batizado esse disco.

16 de setembro de 2009 15:40  
Anonymous Sérgio said...

Nem conehcia ela! Fui procurar saber e descobri que ela é influenciada por Maria Bethânia, Simone e ELis Regina. Li também que ela regravou VIRAMUNDO. Vou ouvir pra ver se gosto! Se ela foi influenciada por Bethânia, deve ser boa então.

16 de setembro de 2009 16:46  
Anonymous Anônimo said...

Caro Sérgio, nem sempre as influenciadas são tão boas quanto as influenciadoras!!! Nesse caso, passa longe...

16 de setembro de 2009 19:15  
Anonymous Anônimo said...

Eu diria que ela foi influenciada por Cassia Eller, Ana Carolina e Zelia Duncan...isso sim...

16 de setembro de 2009 19:16  
Blogger Jorge Reis said...

Vou ouvir o novo, mas confesso que o 1º trabalho produzido pelo Torcuato Marino eu gostei muito.
Torço para que a artista tenha acertado o tom.
Quanto aofato de ter sido influenciada por álguém, acho que apesar do timbre ser parecido com o de MB, pelo conjunto e qualidade da obra acho que ela se inspirou em Simone.

16 de setembro de 2009 19:25  
Anonymous Anônimo said...

Comprei o CD e diria que metade das musicas poderia ser descartada! A primeira música é boa, a segunda não, a terceira é boa, a quarta não e assim vai. Ela poderia ter dado uma arrancada com esse Maverick, mas só engatou até a terceira marcha!
Toni Platao canta muito no dueto com Taviani. Ainda remete a Ana Carolina, mas mais melosa. Porque cantores acham que gostamos de música lenta?

16 de setembro de 2009 20:12  
Anonymous Anônimo said...

comprei o cd e gostei, bem superior aos demais, concordo com o Mauro.... se ela continuar na linha desse cd vou virar fã, o que nao tinha ocorrido até agora.

16 de setembro de 2009 20:37  
Anonymous Anônimo said...

Uma Ana Carolina MUITO piorada.

16 de setembro de 2009 22:29  
Anonymous Anônimo said...

Desculpe Mauro, mas ela destruiu TERNURA. Vânia Bastos e Wanderléa mandaram muito melhor. Já em Sob Medida e Viramundo ela se saiu melhor.

17 de setembro de 2009 13:21  
Anonymous Luciano Lopes said...

Meu coração não quer viver batendo devagar..., gostei muito do novo CD da Isabella, realmente as coposições estão suaves, letras inteligentes, boa sacada, destaque para borboletas e risos e eu não moro em sua vida.

Única coisa que não concordo é que os outros CD's foram fracos, o CD de estréia e o ao Vivo considero excelente, inclusive as regração medo da chuva e um dia um adeus, além de composições próprias como foto polaroid, digitais, recado do tempo...

Isabella está no caminho certo, desejo muito sucesso, aliás, merecido.

18 de setembro de 2009 09:06  
Anonymous Anônimo said...

Menos Luciano, menos... Os outros cds da Isabella foram fraquíssimos se comparados com esse atual. Ela está até dosando um pouco mais aquela agressividade e aquela respiração de desespero.

18 de setembro de 2009 13:11  
Anonymous Anônimo said...

O primeiro cd sem dúvida é EXCELENTE!!!! Tanto que uma grande gravadora não perdeu tempo e a contratou e em seguida veio o registro ao vivo, PERFEITO!!! Compositora, intérprete, instrumentista.... e super carismática e muito talentosa. Comparações... muitas são ridículas... I.T é D++++++
Não é a toa que a Rede Globo encomendou uma faixa para uma novela, e que virou mais um sucesso: LUXURIA.
Mandou muito bem Mauro
Abraço aos "peixinhos"
MARCO

19 de setembro de 2009 03:51  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, juro que tentei, mas não consigo engolir essa cantora. Algo nela me incomoda demais. Não sei se são as composições pra lá de chatas ou aquela imitação de Ana Carolina que tenta não ser. Ou as duas coisas...

19 de setembro de 2009 13:33  
Blogger RITA DE CÁSSIA said...

Vou repetir o que já disse no outro tópico. Não sou super fã da Isabella não, até gostei do primeiro CD, mas parou por aí. Mas, quanto à comparação que muitos fazem com a Ana Carolina, saibam que a ANA ainda devia brincar com bonecas qdo. a Isabella já cantava. Foi cantora lírica e fez parte do Conjunto "Sempre Livre" do movimento Brock dos anos 80, aquele que tinha a Dulce Quental como vocalista.

19 de setembro de 2009 15:38  
Blogger RITA DE CÁSSIA said...

Complementando... Fui a um show da Isabella no Rival e gostei dela no palco tb. Fiquei curiosa para ouvir o novo CD.

19 de setembro de 2009 19:04  
Blogger Lara Cervasio said...

Só pra constar que a banda é maravilhosa.

Beijos

20 de setembro de 2009 13:07  
Blogger Jorge Reis said...

Gente essa do "sempre Livre é boa"
Olha o biografia da cantora:

Antes de se tornar cantora, Isabella jogou vôlei, trabalhou em repartição pública (DETRAN) e deu aula para crianças carentes, filha de uma pianista e neta de um cantor de ópera, procurou o curso de soprano apenas para aprimorar a voz pois já sabia que o que queria era MPB. Pensando em aprimorar sua performance no palco ela fez curso na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL). Isabella formou-se em canto lírico e desde então, vem desenvolvendo um estilo que cativa a todos que a ouvem pela força e melodia envolvente de suas composições. Influenciada por cantoras como Simone, Dalva de Oliveira, Elis Regina, Maria Bethânia e a soprano Maria Callas.

Como pudemos observar Taviani sempre esteve livre e não presa ao"sempre livre".

Abraço Rita.

20 de setembro de 2009 20:28  
Blogger RITA DE CÁSSIA said...

Vc. pesquisou direitinho, mas ela fez uma participação no "Sempre Livre" sim, procure se informar. Era bem jovem na época e participou do grupo por um tempo.

21 de setembro de 2009 08:45  
Blogger Jorge Reis said...

Rita, Bom Dia!
Nesse caso ela não deve se orgulhar disso,pois em sua biografia nao fala nada a respeito.
O que é que ela fazia na banda? Se eu não me engano essa banda teve duas montagens, uma no final dos anos oitenta e depois com outros integrantes em meados dos 90. Abraço.

21 de setembro de 2009 08:56  
Anonymous Anônimo said...

Essa moça me cansa...

21 de setembro de 2009 21:05  

Postar um comentário

<< Home