25 de setembro de 2009

Show de Pedro Mariano deixa a festa para o bis

Resenha de Show
Título: Incondicional
Artista: Pedro Mariano (em fotos de Mauro Ferreira)
Local: Canecão (RJ)
Data: 24 de setembro de 2009
Cotação: * * *
"Vamos dançar?", propôs Pedro Mariano, ao retornar para o bis do show que marcou a estreia da turnê Incondicional no Rio de Janeiro, onde o show aportou no Canecão na noite de quinta-feira, 24 de setembro de 2009. Claro que o público aceitou de imediato a proposta e, com algumas pessoas aglomeradas em pé na beira do palco, o cantor emendou Tá Tudo Bem (Maurício Gaetani e João Andrade) com Livre pra Viver (Cláudio Zoli e Bernardo Vilhena) e terminou seu show em um tom vibrante, no ritmo do funk-soul nacional. Contudo, o bis festivo não traduz fielmente o clima da apresentação, pontuada pelas falas bem-humoradas do artista. Incondicional - show calcado no bom disco homônimo que foi abortado pela EMI Music em 2004 e que acabou lançado somente este ano como produto inaugural do selo de Mariano, Nau - tem reduzido apelo popular, apesar de incluir um ou outro hit do artista no roteiro. Casos de Voz no Ouvido (tema que deu título ao segundo álbum do intérprete) e de Tem Dó, o samba de Baden Powell e Vinicius de Moraes que Mariano trouxe para o universo da balada pop. Com muitas caras, bocas e gestuais que por vezes empanam o brilho de seu canto sempre correto, Mariano desfia roteiro que prioriza as músicas do disco Incondicional, como Quase Amor (Jorge Vercilo) e Procura (Daniel Carlomagno). O tom pop do álbum chega ao palco com arranjos suingantes que costuram levadas de funk e soul. Mas a verdade é que o roteiro carece de maior sedução. Até o bis quase redentor, o show deixa a sensação de que Mariano se diverte mais com seus músicos - ótimos - do que o próprio público. Tanto que, independentemente do som azeitado que rola no palco, o que se ouve são adjetivos insistentes de "lindo!" e "gostoso!" - gritados por uma parte do público feminino que enxerga em Mariano a figura de um galã da música. Para esse público, pouco importa se a canção é de Lenine (A Medida da Paixão) ou de Samuel Rosa (Simplesmente, balada composta com Chico Amaral). Até o set mais descompromissado e intimista - chamado por Mariano em cena de "momento bagunça" - soa comportado demais e esmaece os tons de Colorida e Bela, uma das melhores músicas de Jair Oliveira. Nesse bloco, Mariano se divide entre o canto e o toque da bateria, apresentando músicas como Estrela de Papel (Edu Tedeschi). Mais tarde, já com a banda de volta à disposição original, Mariano se limita a cantar músicas como A Casa da Dor (Jair Oliveira) - anunciada em cena como um "jazz" - e Nau (Max de Castro e Daniel Carlomagno) antes de fechar o show com Três Moedas (Frejat, George Israel e Mauro Santa Cecília) e de fazer, enfim, a festa no bis alegre que quase o redimiu.

20 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Resenha de Show
Título: Incondicional
Artista: Pedro Mariano (em fotos de Mauro Ferreira)
Local: Canecão (RJ)
Data: 24 de setembro de 2009
Cotação: * * *
"Vamos dançar?", propôs Pedro Mariano, ao retornar para o bis do show que marcou a estreia da turnê Incondicional no Rio de Janeiro, onde o show aportou no Canecão na noite de quinta-feira, 24 de setembro de 2009. Claro que o público aceitou de imediato a proposta e, com algumas pessoas aglomeradas em pé na beira do palco, o cantor emendou Tá Tudo Bem (Maurício Gaetani e João Andrade) com Livre pra Viver (Cláudio Zoli e Bernardo Vilhena) e terminou seu show em um tom vibrante, no ritmo do funk-soul nacional. Contudo, o bis festivo não traduz fielmente o clima da apresentação, pontuada pelas falas bem-humoradas do artista. Incondicional - show calcado no bom disco homônimo que foi abortado pela EMI Music em 2004 e que acabou lançado somente este ano como produto inaugural do selo de Mariano, Nau - tem reduzido apelo popular, apesar de incluir um ou outro hit do artista no roteiro. Casos de Voz no Ouvido (tema que deu título ao segundo álbum do intérprete) e de Tem Dó, o samba de Baden Powell e Vinicius de Moraes que Mariano trouxe para o universo da balada pop. Com muitas caras, bocas e gestuais que por vezes empanam o brilho de seu canto sempre correto, Mariano desfia roteiro que prioriza as músicas do disco Incondicional, como Quase Amor (Jorge Vercilo) e Procura (Daniel Carlomagno). O tom pop do álbum chega ao palco com arranjos suingantes que costuram levadas de funk e soul. Mas a verdade é que o roteiro carece de maior sedução. Até o bis quase redentor, o show deixa a sensação de que Mariano se diverte mais com seus músicos - ótimos - do que o próprio público. Tanto que, independentemente do som azeitado que rola no palco, o que se ouve são adjetivos insistentes de "lindo!" e "gostoso!" - gritados por uma parte do público feminino que vê em Mariano a figura de um galã da música. Para esse público, pouco importa se a canção é de Lenine (A Medida da Paixão) ou de Samuel Rosa (Simplesmente, balada composta com Chico Amaral). Até o set mais descompromissado e intimista - chamado por Mariano em cena de "momento bagunça" - soa comportado demais e esmaece os tons de Colorida e Bela, uma das melhores músicas de Jair Oliveira. Nesse bloco, Mariano se divide entre o canto e o toque da bateria, apresentando músicas como Estrela de Papel (Edu Tedeschi). Mais tarde, já com a banda de volta à disposição original, Mariano se limita a cantar músicas como A Casa da Dor (Jair Oliveira) - anunciada em cena como um "jazz" - e Nau (Max de Castro e Daniel Carlomagno) antes de fechar o show com Três Moedas (Frejat, George Israel e Mauro Santa Cecília) e de fazer, enfim, a festa no bis alegre que quase o redimiu.

25 de setembro de 2009 09:10  
Anonymous Anônimo said...

Pedro é dos melhores artistas aparecidos nos últimos anos. O que lhe falta é um BOM repertório. O que ele apresenta é razoável. Ele tem suingue, voz e presença. Se ele cavasse mais a MPB ia descobrir pérolas para serem regravadas.

25 de setembro de 2009 12:17  
Anonymous Anônimo said...

Ele é um artista pop e popular. Trouxe "Tem dó" do Baden para este universo, pessoas que nunca ouviriam Baden, acabaram ouvindo através dele. Isso é sublime, louvável. Não há nada do que se "redimir", Mauro. A gente é que tem que tirar o chapéu pro rapaz que canta MUITO bem, e transita muito bem na MPB e pop. O disco em duo com Cesar é maravilhoso. O show do duo no Canecão foi igualmente maravilhoso. Ninguem ali conhecia o Cesar, o público era do Pedro, ou seja, ele traz para seu público novas possibilidades, lindas possibilidades.
O Brasil anda chato, os críticos estão sempre prontos para alfinetar.

25 de setembro de 2009 15:39  
Blogger LilicaCampana said...

[2] '...ele traz para seu público novas possibilidades, lindas possibilidades.
O Brasil anda chato, os críticos estão sempre prontos para alfinetar...'

25 de setembro de 2009 17:43  
Anonymous Anônimo said...

Os fãs de Bethânia vivem gritando " linda " , " maravilhosa " e " rainha " nos shows e isso nunca lhe incomodou ... Deixa Pedro e suas tietes em paz !

25 de setembro de 2009 19:31  
Anonymous Anônimo said...

Pedro Mariano é definitivamente um dos melhores artistas da cena musical. É contemporaneo, intelgente, talentoso e muito profissional.

Quem pode assistir ao show de Laçamento em SP e Rio, como eu, pode ver e apreciar um show maravilhoso, como sempre, onde Pedro pode mais uma vez mostrar seu talento e qualidade como produtor e interprete.

Insinuar que o show ficou melhor no final, é injustica. Talvez para os apreciadores de "catoras" pode ter sido sim um show de tres estrelas.

Mas para os verdadeiros apreciadores de musica brasileira, foi um show impecavel.

Em SP o Citibank Hall tinha 1500 pessoas extremamente felizes e cantando todas as musicas. Ja no Rio, a plateia a principio muito fria ou talvez envergonhada, fez com que o artista se distanciasse um pouco. Mas nao deixou a peteca cair e fez o show maravilhoso como de costume.

Fico imaginando como deve ser dificil fazer um show onde o publico nao interage. Mas ao final, descobrimos que o Canecao estava encantado com o Pedro, assim como eu, pois quase todos foram ao camarim pegar um autografo e tirar uma lasquinha de um abraco.

Fica, aqui, o convite ao Mauro para assistir um show do Pedro em SP. Quem sabe poderemos ser mais verdadeiros e presentear o Artista com as 5 estrelas merecidas.

Concluindo... eu fui uma das pessoas que gritou "lindo" no show. Se formos entrar em discussao sobre conhecimento musical e apreciacao de grandes autores, tavez Mauro fique um pouco surpreso e constragido, por ter feito uma mencao desnecessaria e enganada sobre a "cultura" dos apaixonados por Pedro.

"Vida longa a Pedro Mariano"

26 de setembro de 2009 10:37  
Anonymous Anônimo said...

Não consigo entender a implicância que a crítica musical (em geral) exige de Pedro Mariano. Se ele regrava Elis, Lenine, Gil, acham que o público dele não assimila a mensagem. O que não é verdade. Se ele grava Jorge Vercilo, tacham ele de popularesco. Sem contar a eterna comparação dele com a mãe, irmã, pai, que ele tem que aguentar pro resto da vida. Quem assistiu ao show de SP curtiu cada momento intensamente. Injusto subestimar o público de Mariano como se estivesse atrás exclusivamente de um galã.

26 de setembro de 2009 12:28  
Anonymous Anônimo said...

Ja estamos mais do que acostumados a ler criticas dos "pseudo criticos" de musica.
Na verdade, os criticos de musica nada mais fazem do que colocar opiniao pessoal. Sobre musica, a vera, eles nunca falam nada.
É como programa de tv...tem que ser brega para dar ibope. Nos jornais, tem que ser tragico para dar venda, para os criticos, tem que falar mal, para dar polemica.....patetico!
Ta no hora dos critcos de musica se atualisarem e pararem de criticar o que temos de verdadeiramente bom no Brasil, como Pedro Mariano....que alem de perfeito na sua musica é lindo tambem.
Ups...espero que a beleza dele nao encomode os feios.
E que seu canto perfeito nao incomode os computadores que concertam as vozes da maioria de "pseudo cantoras" do Brasil.

26 de setembro de 2009 13:38  
Anonymous Anônimo said...

Pedo Mariano???? Que sono...não decolou e nem vai decolar. O tipo de música que ele canta, as melodias das músicas são insossas.

26 de setembro de 2009 14:33  
Anonymous Anônimo said...

Olha, eu já fui muito fã do Pedro Mariano! Mesmo! Ia a todos os shows e era viciado nos discos!
Hoje em dia eu acho realmente insosso o repertório, não consigo nem parar pra ouvir esse disco novo. Sinto que o Pedro faz o disco pra ele, não p/ o público dele!
Acho complicado quando o artista não tem uma mínima visão de mercado, ele não pode ser "vítima" neste caso. Em qualquer profissão temos que fazer concessões, em QUALQUER uma! E isso não é ferir a dignidade ou se vender, é apenas trabalhar inteligentemente. Essa pose de "eu faço o que eu quero como bem entendo" me parece arrogância. Quantos de nós agimos assim no nosso trabalho? E afinal a arte tbm não é um ofício? Imagino que ele não deva se importar de não agradar já que pensa assim (não se preocupa com isso, só com a própria satisfação), então pra que perderemos tempo discutindo aqui? Nada vai mudar mesmo...
É uma pena. O Pedro tinha tudo p/ ser um grande artista, reconhecido por um público grande e caloroso. Quem sabe um dia o Jorge Vercilo o ensine a fórmula(gosto pessoal + sofisticação + visão), ele sabe fazer uso disso sem prejudicar sua arte! Faz muitos shows, tem um público grande e hoje já tem até o respeito da crítica.
Se o Pedro continuar nessa onda irá de mal a pior. Conheço muita gente que gostava e já não gosta mais... Mas será que ele está se importando pra isso? Aposto que não! E que continuará fazendo discos pra ele prórpio, sem pensar em ninguém mais.
A vida é feita de escolhas. Não fui a esse show porque ele escolheu cantar pra ele... Sempre deixou claro que não se importa com os pedidos de músicas dos fãs por exemplo, já cansei de ouvir "o show é meu e eu canto o que eu quiser". Ótimo! Como dinheiro é meu (e eu gasto com o que eu quiser), prefiro gastar com o que tenta me agradar... E não faltam opções duplamente competentes e admiráveis, ainda bem.

26 de setembro de 2009 15:24  
Anonymous Anônimo said...

O Pedro não aconteceu, essa é a verdade. Sua voz calcada em cima da música negra tupiniquim, na forma de cantar, não trás verdade. O público sabe disso. Já colocaram tanto dinheiro nesse moço, mas não adianta. Não gosto da forma americanizada e exagerada do Pedro cantar. Esta é minha opinião. Tem gente que não decola, mas constrói uma carreira interessante com discos maravilhosos. Nem isso aconteceu com Pedro Mariano. Apenas lamento. Mas essa é a verdade. Imagina se vou comprar um disco desse moço! Isso aconteceu com um monte de gente que surgiu junto com ele. A Luciana Mello, da turma, estourou uma música e sumiu. Não fez mais nada relevante. O Jairzinho ficou no limbo. O Max de Castro parou. O único que parece criativo ainda é o Simoninha, que tem uma bela voz. O mesmo vai acontecer com esse bando de cantoras novas. Ficarão a ver navios... Sentadas a beira do cais...

26 de setembro de 2009 18:49  
Anonymous Anônimo said...

Ainda bem que nem todo mundo gosta da mesma cor.
Ainda bem que meu gosto muiscal é diferente do amigo acima.
O Pedro é um artista inquestionavel. O estilo de musica agrada alguns e esses alguns sao milhares.
Pelo que posso acompanhar a vida dele ja decolou faz tempo: Além de excelente cantor e instrumentista, é uma pessoa que nao vende sua vida particular para chamar atencao. Nao vai festas por ai, para sair nas fotos e nem precisa parecer com a mãe para conseguir ficar famoso.

26 de setembro de 2009 20:10  
Anonymous Anônimo said...

O trabalho de Pedro Mariano é sofrível.

Repertório óbvio.
Arranjos óbvio (e chatos).

Enfim, o cara tem que correr atrás do talento se quiser um lugar ao sol.

A herança genética não tem segurado as pontas.

PM

27 de setembro de 2009 00:29  
Anonymous Anônimo said...

Ele é brega e muito chato !!!





Pedro

27 de setembro de 2009 11:09  
Anonymous Anônimo said...

Talvez Pedro precise de uma dose de humildade... Palpite meu...

27 de setembro de 2009 23:20  
Anonymous Diogo ! said...

O ultimo album eu ainda não ouvi. Independentemente disso, pra mim Pedro é A melhor voz masculina dos anos 2000 ...


Ainda não fez um album a altura de sua voz mas todos são bons. O penúltimo é o mais fraco mas não chega a ser ruim! " Intuição " é o melhor,seguido pelo " Voz e Piano " e pelo " Voz no Ouvido " de 2000.


Esse pé no pop tem explicação pois a maior referência de Pedro Mariano é Lulu Santos. Mas Pedro, por favor, nada de POPalizar sua música e seu canto.

28 de setembro de 2009 00:50  
Anonymous Anônimo said...

Achei o show muito bom, e acho o Pedro um artista excelente. Gosto é gosto e existem artistas pra todos!

Só achei que o Mauro ofender o público foi completamente fora de propósito!

Andei navegando pelo seu Blog e percebi que você não gosta de quase nada. Só elogia os medalhões.

Pra mim Pedro é um excelente intérprete e faz um show extremamente musical.

28 de setembro de 2009 12:37  
Anonymous Anônimo said...

Mauro,

Eu tive a chance de assistir o show Incondicional pela segunda vez (na estréia fiz questão se ir pra SP).
Posso dizer que o público carioca é que não colaborou dessa vez... O Pedro estava se desdobrando no palco para tentar interagir, acho portanto extretamente injusta a sua colocação!
O show de SP foi inesquecível, todos cantando todas as músicas (inclusive as novas), a casa lotada, tudo como ele merece!...
Viu que ele agradeceu sua presença no show?
Como você NUNCA falou bem dele, ficou claro que ele realmente não se importa com as suas opiniões! Acho isso ótimo! Bater de graça no artista (e subestimar o público)te faz mais feliz?
Eu só lamento que tenha perdido tempo assistindo a um show que OBVIAMENTE você iria detonar, mas pelo visto você gosta e vive disso, né?
Como foi dito acima, a vida é mesmo feita de escolhas.
Abs!

28 de setembro de 2009 13:13  
Anonymous Anônimo said...

Pedro Mariano é´o maior ex.de artista de potencial e talento extremo que não se permite alçar voos.É travado demais.Fica ali nos maneirismos e sotaques da música negra americana e não consegue assimilá-la criando algo mais personalizado,com desenvoltura na alma.Poderia ser o maior cantor do país.

28 de setembro de 2009 15:04  
Anonymous Anônimo said...

Pedro é paulista demais. E também monomusical. Parece que todas as suas músicas tem o mesmo balanço/harmonia. Tirando o primoroso cd que ele fez com o pai, o resto é tudo igual. Pedro pode muuuuuito mais!!!

28 de setembro de 2009 18:13  

Postar um comentário

<< Home