22 de setembro de 2009

Ney inclui 'Cor do Desejo' no CD 'Beijo Bandido'

Nas lojas em outubro de 2009, pela EMI Music, o CD com o registro de estúdio do show Beijo Bandido - estreado por Ney Matogrosso no fim de dezembro de 2008 em Santos (SP) - apresenta músicas que não faziam parte do repertório do espetáculo. Uma delas é A Cor do Desejo, parceria de Júnior Almeida e Ricardo Guima, gravada por Júnior em 2006 no disco Limiar do Tempo. Ao roteiro original, Ney também acrescentou Nada por mim, canção de Herbert Vianna e Paula Toller lançada por Marina Lima em 1985 no álbum Todas. O repertório inclui De Cigarro em Cigarro (Luiz Bonfá), A Bela e a Fera (Chico Buarque e Edu Lobo) e Invento (Vitor Ramil), faixa que originou o título Beijo Bandido.

20 Comments:

Anonymous Garcia - SP said...

Clone de si mesmo, pois Ney lança o mesmo discos a anos. Repararam ?

ZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzz

22 de setembro de 2009 11:26  
Anonymous Anônimo said...

oi pessoal,
teclo de maceió, terra dos dois autores da música. é uma felicidade para nós ter um representante daqui num disco do ney mas essa música já foi gravada e lançada por junior almeida em seu disco 'limiar do tempo', de 2007.
abraços,
anderson.

22 de setembro de 2009 12:20  
Anonymous Anônimo said...

Mauro... acho que a estréia do show não foi em Santos não. E sim no Teatro Tom Jobim/RJ.

22 de setembro de 2009 12:20  
Anonymous Anônimo said...

Tantas composições lindas e românticas de Chico/Edu e Ney vai escolher logo essa??? Bola fora!!

22 de setembro de 2009 12:26  
Anonymous Anônimo said...

Maravilha!! Ney sempre inovando, não é a toa que lhe chamam "camaleão". Ainda bem que outubro já está chegando para eu comprar este Beijo Bandido.

22 de setembro de 2009 13:12  
Blogger Mauro Ferreira said...

Anderson, obrigado pela informação de que a música não é inédita - dado veiculado pela gravadora EMI. Abs, MauroF

22 de setembro de 2009 16:12  
Blogger Mauro Ferreira said...

Anônimo das 12h20m, o show Beijo Bandido estreou em Santos (SP) em dezembro e, em janeiro, chegou ao Teatro Tom Jobim. Abs, MauroF

22 de setembro de 2009 16:13  
Blogger guima said...

Prezado Mauro, teclo de BH. Moro aqui há 7 anos e meu amigo e parceiro Júnior Almeida em Maceió. Somos alagoanos. Júnior já tem uma carreira de 2 décadas e 3 cds gravados, fértil e inspirado compositor, temos várias outras parcerias. Sou jornalista e poeta e pra nós é grande honra ter uma canção gravada pelo nosso ídolo de infância. Realmente "A Cor do Desejo" foi gravada por Júnior de forma independente em 2006 no cd "Limiar do Tempo", com lançamento no Rio, Teatro Rival. No mais, é esperar esse "Beijo Bandido". Abraços,
Ricardo Guima

22 de setembro de 2009 16:37  
Anonymous Anônimo said...

Puxa... pena que Ney nao aproveitou para gravar "Ela e Eu", do Caetano, que cantou lindamente no show canto em qq canto mas ficou de fora do cd. É uma das mais belas interpretações desta musica que ja ouvi...

22 de setembro de 2009 18:22  
Blogger Daniel said...

Caramba, adoro o Ney, tenho todos os seus CD´s e DVD´s, por isso posso falar com propriedade. O Ney, de uns anos pra cá, está muito repetitivo. A Bela e a fera?????? Ninguém merece! Só faltou gravar Sangue latino pela décima vez. Cansando está.

22 de setembro de 2009 19:51  
Blogger Bruno Cavalcanti said...

Dizer que Ney faz o mesmo disco há anos é realmente sinal de não conhecer NADA da obra do "camaleão" da música brasileira. "Beijo Bandido" não tem NADA a ver com "Inclassificáveis", que por sua vez não tem NADA a ver com "Canto em Qualquer Canto" que também não se iguala em nada ao "Vagabundo" que não é a mesma coisa do "Ney Matogrosso Canta Cartola" e por aí vai.
Talvez Ney não se reinvente (visto que o "Beijo Bandido" é quase uma continuação do "Canto em Qualquer Canto", mas com mais instrumentos e talvez mais elegante), mas sempre faz MUITO bem tudo o que se propõe fazer!

22 de setembro de 2009 19:52  
Anonymous Rafael said...

Oi Bruno Cavalcanti: tive o prazer de assistir a (notável) apresentação de Ney no Teatro Tom Jobim, e eu lhe garanto que "Beijo Bandido" é bem diferente de "Canto em qualquer canto" (aliás, outro belo trabalho). Com uma formação inusitada e originalíssima de piano, percussão, cello e violino, este novo espetáculo tem na ousadia dos arranjos de Leandro Braga e nas interpretações extremamente criativas de Ney suas maiores virtudes. No final, ninguém reclama do fato de não ter nenhuma canção inédita, pois a sonoridade é tão linda e irreverente, que acaba não fazendo diferença. Ney é assim: acaba surpreendendo mesmo sem repertório inédito.
Abraços pro Mauro, pro Bruno e pra todos os leitores do blog.

23 de setembro de 2009 03:06  
Anonymous Lívio said...

Gosto do Ney de qualquer jeito, mas esses trabalhos mais intimistas que ele faz (como o lindo dueto c/ Rafael Rabello ou o tributo a Cartola) são os meus preferidos, uma vez que a beleza vocal dele pode ser apreciada em sua totalidade, sem muitas interferências visuais.
Li no blog da Carta Capital, coluna de Pedro Alexandre Sanches, que essas canções "A cor do desejo" e "Invento" são ótimas e ficaram ainda mais interessantes na voz de Ney. Li tbem que a direção musical é bastante elaborada, quase jazzística, chega a ser uma releitura pop de algumas canções românticas da mpb, alguns temas bastante conhecidos e outros totalmente desconhecidos, mas igualmente fortes. Fiquei curioso, não vejo a hora de conferir.

23 de setembro de 2009 04:52  
Anonymous pedro milliet said...

Estreou sim em Santos, mas foi uma espécie de prévia, não uma estreia oficial. Ney estava a todo o vapor c/ o seu excelente Inclassificáveis e fez uma pausa em dezembro de 2008 pra uma única apresentação aqui, acho que pra amadurecer o projeto, que, há julgar pelos comentários que ouvi, é bastante ousado, musicalmente falando, é claro.
Quem viu, diz que as interpretações de Ney pra Fascinação e a citada A bela e a fera (entre outras) são simplesmente arrepiantes.
Tremendamente injusto afirmar que Ney faz, há anos, o mesmo disco. Demonstra ignorância qto a obra do cantor. Em Beijo Bandido, inclusive, ele canta autores que nunca gravou como Geraldo Azevedo, Vitor Ramil e Junior Almeida, entre outros.

23 de setembro de 2009 05:36  
Anonymous Raquel said...

Conheço o trabalho de Junior Almeida, e "A cor do desejo" é uma canção pop, de concepção bastante moderna. Curiosa a maneira c/ que Ney ousa juntar num mesmo trabalho canções mais arrojadas c/ outras tão tradicionais como "Tango p/ Tereza" ou ainda o surreal tema de Astor Piazzola "As Ilhas". Ney é um artista fantástico e acho admirável essa coisa dele não se prender a épocas ou estilos musicais, pinçando coisas completamente diferentes, sem comprometer o conjunto. Talvez porque seu estilo -personalíssimo- fale mais alto e faça c/ que ele nunca perca a unidade.

23 de setembro de 2009 06:06  
Anonymous maíra said...

Oi Mauro
Eu dei uma passada agora no blog do Bruno Cavalcanti e lá, essa foto que vc postou do Ney está inteira e muito mais bonita. Belo ensaio do Rogério Mesquita, um conceituado fotógrafo especializado em moda, mas que soube muito bem captar a incrível teatralidade e sofisticação do Ney.
Adorei o comentário do Bruno!
Beijos!!!

23 de setembro de 2009 06:17  
Anonymous Anônimo said...

Também não entendi esse ataque pelo fato dele gravar a "Bela e a fera", eu pessoalmente acho uma maravilha.E se o Tim com aquela voz deu uma interpretação dele, o Ney acho parte do lado oposto. Tenho certeza que arrebenta de lindo.
Outro comentàrio sem sentido :o Ney se repete, tem se repetido,ué o ùltimo trabalho não foi o inclassificaveis.Pop,rock, e o disco deixando de lado o porque que a gente é assim e uma outra canção era quase todo inédito.
Eu hein!
Quanto a bela e a fera, a verdade é que o Ney poderia se quisesse gravar o circo mìstico inteiro somente com sua interpretação e ia ser de mais!
Vai Ney!

23 de setembro de 2009 08:06  
Anonymous Edu said...

Interessante a lembrança de um dos "anônimos" qto à belíssima interpretação de Ney p/ "Ela e eu" de Caetano, que ele incluiu no meio da turne "Canto em qualquer canto", e por isso ficou fora daquele disco.
Uma pena mesmo Ney não ter incluido em Beijo Bandido, mereceria um registro!
Quanto a esta história de Ney "se repetir", isso é conversa fiada, coisa de gente completamente desinformada. Além disso, é absolutamente comum que gdes intérpretes recriem seus standars. É preconceito de brasileiro achar que gravou uma vez, não pode gravar mais. Ainda mais no caso de Ney, que sempre busca novas sonoridades em seus trabalhos.
E "A bela e a fera" é uma das letras mais perfeitas e geniais de Chico. Merece sempre ser regravada!

23 de setembro de 2009 09:54  
Anonymous Anônimo said...

Vamos fazer um abaixo assinado para Ney gravar Ela e Eu...

seria o sonho!!!!!

23 de setembro de 2009 17:20  
Blogger José Carlos Lima said...

O maior cantor da MPB, amamos este cara, a obra em seu conjunto é impar.

Agora que fiquei sabendo da existência do CD Pérolas Raras (2008) Ne, com músicas cuja maioria nunca ouvi e gostaria de ouvir, pois com certeza é tudo de bom.

Segue postagem publicada num blog:

Pérolas Raras é mais um excelente CD do cantor brasileiro de MPB Ney Matogrosso. Neste álbum ele canta raridades de suas músicas lançadas em LP's, em compactos e entre outras coisas. Imperdível!!!

01. Planeta Sonho (1981) - Sobra do álbum Ney Matogrosso
02. Bandido Corazón (1980) - Versão em espanhol da música de 1976, lançada no compacto Ney Matogrosso
03. A Galinha d'Angola (1981) - Gravação do LP A Arca de Noé 2
04. Eu Sou Rei (1984) - Fonograma da trilha sonora do especial infantil Uma Aventura no Corpo Humano
05. Cochabamba (1983) - Tema do LP O Cangaceiro Trapalhão
06. Nacional Kid (1983) - Samba gravado com Joyce para o álbum Tardes Cariocas
07. Seu Valdir (1981) - Choro, lado B do compacto Ney Matogrosso - Folia no Matagal
08. Jeito de Amar (1982) - Baba tecnopop gravada para a trilha sonora da novela Sétimo Sentido
09. Manequim (1985) - Tema de Michael Sullivan & Paulo Massadas gravado por Ney para a trilha sonora da novela Ti Ti Ti
10. A Dança da Lua (1983) - Dueto com Eugénia Melo e Castro para o álbum Águas de Todo Ano, gravado pela cantora portuguesa
11. Bandolero (1980) - Versão em espanhol da música da dupla Luli & Lucina, lançada no compacto Ney Matogrosso
12. Postal de Amor (1975) - Do compacto Fagner e Ney Matogrosso
13. Ponta do Lápis (1975) - Do compacto Fagner e Ney Matogrosso
14. A Lenda do Castelo (1987) - Fonograma da trilha sonora do musical Aldeia dos Ventos, de Oswaldo Montenegro
15. Mente, Mente (1986) - Gravação da trilha sonora do filme Cidade Oculta, feita com Arrigo Barnabé
16. Número Um (1991) - Faixa do CD Nada Além, editado em tributo à obra de Mário Lago (1911 - 2002)
17. Saudade do meu Barracão (2001) - Sobra do álbum Batuque
18. Disparada (1985) - Faixa do LP MPB Especial - Os Grandes Nomes
19. Tristeza do Jeca (1985) - Registro ao vivo feito com a dupla Tonico & Tinoco para o LP Tonico & Tinoco - 50 Anos
20. A Casa Tomada (1972) - Gravação (inédita em disco) da trilha sonora do filme A Casa Tomada
21. A Estrada Azul (1970) - Do compacto duplo com a trilha sonora do filme Pra Quem Fica...Tchau. É a primeira gravação de Ney

FONTE: http://tm-downloads.blogspot.com/2009/03/ney-matogrosso-perolas-raras-2008.html

15 de outubro de 2009 21:05  

Postar um comentário

<< Home