10 de setembro de 2009

Disco solo de Érika Martins chega enfim às lojas

Nada menos do que cinco anos depois do fim da Penélope, a banda pop que revelou Érika Martins, o primeiro disco solo da cantora chega - enfim - às lojas, com a marca do selo Toca Discos e a distribuição da Warner Music. A rigor, o CD Érika Martins foi gravado em 2005 e já em 2006 vinha tendo sua edição anunciada. Produzido por Carlos Eduardo Miranda, ao lado de Tomás Magno e Constança Scofield, o álbum destaca no repertório o rock Sacarina, a balada pop Música de Amor (parceria de Érika com Gabriel Thomaz, vocacionada para as FMs) e uma versão em português de Lento, belo tema de autoria de Julieta Venegas, revisitado por Érika com a participação da própria Julieta. Como curiosidade, há cover de tom roqueiro de Ainda Queima a Esperança, parceria de Raul Seixas (1945 - 1989) e Mauro Motta que foi sucesso nos anos 70 na voz da cantora Diana. Outra faixa é Kung Fu (da lavra de Kassin). Érika é autora de nove das 12 faixas.

6 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Nada menos do que cinco anos depois do fim da Penélope, a banda pop que revelou Érika Martins, o primeiro disco solo da cantora chega - enfim - às lojas, com a marca do selo Toca Discos e a distribuição da Warner Music. A rigor, o CD Érika Martins foi gravado em 2005 e já em 2006 vinha tendo sua edição anunciada. Produzido por Carlos Eduardo Miranda, ao lado de Tomás Magno e Constança Scofield, o álbum destaca no repertório o rock Sacarina, a balada pop Música de Amor (parceria de Érika com Gabriel Thomaz, vocacionada para as FMs) e uma versão em português de Lento, belo tema de autoria de Julieta Venegas, revisitado por Érika com a participação da própria Julieta. Como curiosidade, há cover de tom roqueiro de Ainda Queima a Esperança, parceria de Raul Seixas (1945 - 1989) e Mauro Motta que foi sucesso nos anos 70 na voz da cantora Diana. Outra faixa é Kung Fu (da lavra de Kassin). Érika é autora de nove das 12 faixas.

10 de setembro de 2009 15:29  
Anonymous Anônimo said...

Até hoje não sei o motivo de tanto sucesso e elogios que o Penélope recebeu na época. Rock bobinho com uma cantora de voz infantil e chatinha. E ainda por cima fez o favor de regravar Namorinho de portão, que é absolutamente incomparável na INTERPRETAÇÃO de Gal Costa.

Espero que nesse disco solo a Érika cante com voz de mulher, ao invés daquele timbre garotinha lollipop. Ai que falta Cássia Eller nos faz!

11 de setembro de 2009 09:23  
Blogger Rio de Janeiro a Dezembro said...

Eu já ouvi algumas músicas dela e adorei. claro que gosto não se discute e cada um tem o seu, mas tem coisa muito pior por aí como essas bandas emos que vem surgindo nesses tempos. E a faixa com Julieta ficou legal. Mas e por falar em Julieta, ela diz que está compondo para um novo álbum. Só espero que venda no Brasil. Mas a Érika está de parabéns pelo seu trabalho. Só não entendi a demora.

11 de setembro de 2009 12:24  
Anonymous marcia menezes said...

o disco tah maravilhoso, comprei no show da FNAC e nao paro d escutar.erika eh uma gd cantora!

11 de setembro de 2009 12:50  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, pq vc nao emitiu opinião sobre o disco?

16 de setembro de 2009 23:32  
Anonymous Anônimo said...

Escutei mas já sabia , pelo curriculum e beleza da voz desta menina , que teria uma boa surpresa. Ainda bem que ela não saiu de cena ,pois precisamos de cantoras do nivel dela para desintoxicar nossos ouvidos dos lixos "musicais" que perambulam pelas radios.Parabéns Erika.

25 de julho de 2010 20:51  

Postar um comentário

<< Home