1 de outubro de 2009

Bethânia fala sobre amores, músicas e devoções

Rio de Janeiro (RJ) - Amor, música e devoções foram os assuntos recorrentes na entrevista coletiva concedida por Maria Bethânia na tarde de quarta-feira, 30 de setembro de 2009, para promover seus dois novos álbuns, Encanteria e Tua, nas lojas a partir de 5 de outubro, com distribuição da Biscoito Fino. Cercada de mimos e atenções pelo staff da gravadora e da Estudantina, a gafieira escolhida para ser a sede da entrevista, a intérprete fez questão de abrir a entrevista com o esclarecimento de que a música Dama, Valete e Rei - cuja autoria é creditada erroneamente no disco Tua ao cantor Bill Farr - é, na realidade, criação da lavra de Ruthinaldo e Paulo Gracindo. Eis os principais tópicos do papo de Bethânia - em foto de Mauro Ferreira durante a coletiva - com os jornalistas:

* O conceito dos dois discos
"A compreensão do amor foi o que me moveu. Mas não entendo somente o amor romântico. Quis falar do amor devoto, do amor que festeja. Acho que o amor protege. É uma redoma. Mas não separo um disco do outro, não. Um tem canções com ritmos e letras elaboradas amorosamente. O outro festeja e louva tudo. Meu berço é católico, mas sou do Candomblé, como todo mundo sabe... E santo gosta de festa... Encanteria é louvação".


* Roque Ferreira, compositor predominante nos CDs
"Roque é um rapaz da Bahia cuja música tem um suingue que não é somente o do Recôncavo. É brasileiro. Ele mandou um CD com nove músicas e eu fiquei louca pelas nove. Depois, ele mandou outro CD com mais oito músicas e, depois, um terceiro CD com outras cinco músicas".

* A inclusão de Gilberto Gil em Saudade Dela
"Gil tem elo forte com Edith do Prato (a sambista baiana homenageada na faixa do CD Encanteria). Ele sempre teve gosto por ouvir e aprender o toque do prato e as quebradas da chula. Gil tinha que estar nesse samba".

* A fidelidade aos sons rurais
"Eu tenho uma atração por toda essa coisa melancólica da canção do campo. É como se fosse um refúgio. É Santo Amaro na minha cabeça. Acho chique demais. Meus pais me mandavam muito para a fazenda do meu tio. Eu me criei ouvindo duplas como Tonico e Tinoco. Tenho muito encantamento pela música da roça, pelas guarânias que vem do Paraguai".

* A razão de voltar a lançar dois discos
"Por mim, faria dez discos. Mas tudo no Brasil é caro. Tudo aqui parece uma ópera. Minha fome de cantar é grande. Nasci para isso. Adoro meu ofício e vivo para ele. É um casamento de comum acordo que deu certo".

* A riqueza do repertório inédito
"Recebi com alegria inúmeras canções de compositores. Fique feliz de ver esse movimento tão vivo da canção do Brasil. É um recado positivo para mim, que sou uma intérprete, vivo disso e não sei fazer outra coisa".

* Seu temperamento difícil
"Não sei como meu maestro me aguenta, como meu técnico de som me aguenta... Eu sou insuportável. Falo sobre tudo. Não é que eu ache que saiba mais do que todos. Mas não vejo razão para não falar o que penso".

* Dori, Nana e Zizi
"É uma grande ousadia minha cantar Dori (Caymmi) nesse trabalho. Ele faz canções tão sofisticadas e eu sou uma intérprete de palco. Nana (Caymmi) é que sabe cantar isso direito. Nana e Zizi (Possi). Nana e Zizi são as duas que sabem fazer. Nana é minha irmã. Ter cantado com ela no Brasileirinho foi uma das maiores realizações da minha vida e de toda minha carreira".

* 'Pareço a Diana Krall'
"Tua parece disco de uma cantora de jazz. Parece que eu sou a Diana Krall. Aquela mulher canta tudo, toca tudo, mas não nasceu em Santo Amaro...".

36 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Tudo o que vem de Bethania me concerne.

1 de outubro de 2009 00:54  
Anonymous Paulo - SSA said...

Cada vez mais ansioso pelo espetáculo de Dona Maria aqui em Salvador, em 22 de novembro. Salve Bethânia!

1 de outubro de 2009 06:46  
Anonymous Anônimo said...

MARIA BETHANIA me traduz: emoção, verdade e coerência. Não é à toa, que BETHANIA brilha há decadas em seu ofício e os seus discos são verdeiras obras-primas. Que Deus e os anjos dê-lhe muitos anos de vida.

1 de outubro de 2009 08:28  
Anonymous Anônimo said...

Bethania concilia a sabedoria da maturidade com a joie de vivre da juventude.
Um fenômeno!

1 de outubro de 2009 08:51  
Anonymous Anônimo said...

Foi criado um mito em torno do nome de Bethânia. As pessoas não enxergam mais defeitos na cantora. O mesmo acontece com Ivete Sangalo. Esse endeusamento é o mal do século. O poder que a mídia tem é impressionante.

1 de outubro de 2009 08:56  
Anonymous Anônimo said...

Mesmo assim ainda acho que Bethânia está num momento muito over, o que já começa a causar repetição no seu trabalho. O "feitiço" de Bethânia é justamente arrebatar o seu público na espera pela sua aparição, afinal o estilo Bethânia é consagrado e não está em fase de mudar e ninguém quer isso. Mas para que continue intocável deve ser resguardado como já foi e nunca apagou a chama da cantora, linda e fascinante quando sobe no palco para fazer aquilo tudo de novo. Quem não espera para vê-la sair de cena encerrando o primeiro enquanto a banda faz seu número solo, para depois regressar?

1 de outubro de 2009 09:35  
Anonymous Sérgio said...

Adorei o que Bethânia falou sobre Nana e sobre Zizi! Concordo exatamente com você Bethânia!!!

1 de outubro de 2009 09:37  
Anonymous Anônimo said...

"Foi criado um mito em torno do nome de Bethânia. As pessoas não enxergam mais defeitos na cantora. O mesmo acontece com Ivete Sangalo. Esse endeusamento é o mal do século. O poder que a mídia tem é impressionante" (II).

Inlcusive o próprio dono do blog só vê maravilhas.

1 de outubro de 2009 09:40  
Anonymous jota mello said...

Bethania não é produto da mídia, honey. Bethania subverte (também) a mídia, dita a regra, planta e colhe. Ela é o centro. O olho. O cerne.
Acabo de ouvir os 2 CDs. Estou maravilhado. Tua é quase acústico, anacrônico em tempos automatizados.
Sua interpretação para Linha de Caboclo traz de volta a pujança quase viril de seu canto da juventude.
Longe da mesmice, Bethânia dá o tom a cada faixa, a cada intenção. Não plagia a si mesma. Se reinventa.
Cada vez mais, orgulho nacional.
Ah, o dueto com Lenine...memorável!

1 de outubro de 2009 09:51  
Anonymous Eduardo said...

Comparar Bethânia com Ivete Sangalo?? Bethânia sendo empurrada com apoiio de mídia??? Meu Deus, a oposição se manifestou mais rápido do que eu imaginava! Se os dois CDs estão lindos, com repertório impecável, arranjos na medida certa e Bethânia cantando cada vez melhor, você quer que os críticos falem mal dela por que? Eles não tem motivos! É como eu disse no outro tópico, a imprensa critica e alfineta algumas cantoras que estão apagadas e aí os fãs ficam revoltados e resolvem descontar em cima de Bethânia, que não tem nada a aver no jogo do bicho! O que a Bethânia pode fazer se ela é hoje a maior cantora do Brasil?

1 de outubro de 2009 09:51  
Blogger Outras Palavras said...

Este comentário foi removido pelo autor.

1 de outubro de 2009 10:47  
Anonymous Anônimo said...

"O poder que a mídia tem é impressionante".É o típico,frequente e contraditório papo de "esquerda" que não consegue adquirir consistência sem praticar os mesmos métodos da "direita",além de não enxergar seus próprios defeitos.Tão atual...E tão retrógado quanto achar que uma cantora se basta em apenas ser afinada e ser sensível apenas aos seus defeitos.Tão reacionário...Tão maniqueísta!

1 de outubro de 2009 10:57  
Anonymous Anônimo said...

ouvi os dois cds...pérolas...joia rara...bethania cantando com muito gosto um repertório encantado, com arranjos sofisticados como ela continua crendo que o nosso povo merece.
tão longe da vulgaridade, dos modismos, do facil...bethania continua reinando célere nesta ribalta.

1 de outubro de 2009 11:05  
Anonymous Anônimo said...

Absurdo achar que Bethânia ignore Gal.Fez referência a Nana porque pela primeira vez gravou seu mano Dori,a talvez a figura mais importante na carreira da filha de Dorival.E Zizi veio na sequência porque como Nana tem um refinamento,requinte e uma delicadeza de interpretação únicos na MPB.Concordo plenamente com ela!Mônica Salmaso pode chegar a essa categoria quando se soltar mais.A onda da Gal é outra.Não menos importante e essencial.P.S.Nana(e o novo show?)Zizi(e o novo CD?,independente de suas razões,no quesito trabalho,vigor e disposição,Betha esta a anos luz a frente.

1 de outubro de 2009 11:19  
Blogger Thereza Eugênia said...

Bethânia é a cantora que mais inova no repertorio.
Quando em 1971 Bethania lançou A Tua Presença , um disco que vai de samba a blue com arranjos sofisticados, mostra a seu imenso talento , foi o ponto de partida de uma carreira que sempre nos brinda com albuns primorosos , como Ciclo, Maria, Ambar, Brasileirinho, Que falta voce me faz,Pirata.
Se Gal Costa aceitasse gravar um disco com ela seria o apocalipse musical.

1 de outubro de 2009 11:25  
Anonymous lea said...

Maria, refinadíssima, contempla o simples porque sabe que a sofisticação está no substantivo, não no adjetivo.
É bonito acompanhar seu desempenho na vida. Sua visão sensível espraia enormemente em sua arte e nos contamina com a poesia e beleza.
Esta atitude (seria conduta?) merece todas as reverências.
Bethânia é de utilidade pública. E nos enobrece a todos.

1 de outubro de 2009 11:34  
Anonymous Plava said...

Ouvi 'Domingo' e achei cafona. Algumas rimas são de doer. A interpretação tb não tem sutileza, é antimusical. Forçada, vai a contrapelo da melodia.

Bethânia é, de fato, uma 'intérprete'. De atriz, nada tem (vide a atuação forçada em Quando o Carnaval Chegar). De cantora...

1 de outubro de 2009 11:48  
Anonymous Anônimo said...

Pode ser que haja "defeitos" como alguns querem chamar,só que eles são absolutamente irrelevantes diante de tudo que Bethania tem feito e significa.Será que toda a imprensa carioca e paulista a elogiam(como li sobre estes lançamentos ontem)porque são fãs incondicionais? Claro que não!Eles se baseiam na alta qualidade do que se produz.Quanto a Gal,Bethania
sempre abriu espaço para ela em sua discografia (desde a música SOL
NEGRO),já compos letras pra ela,coisa e tal.Gal nem aí pra devolver a gentileza.Agora Betha
fala sobre outras cantoras.Só isso.
Eu também prefiro NANA e ZIZI.Acho que a própria Gal também prefere.

1 de outubro de 2009 11:54  
Anonymous Lívia Brasil said...

Ouvi os dois Cds e estou maravilhada! O TUA é imcecável.

ATÉ O FIM - como já li por aqui, tem um acordeon que remete à música francesa;
FONTE - tem um clima de boites, com um solo de sax, a letra me lembrou Roberto Carlos.
DOMINGO - é linda fechando o disco é pra chorar, achei poesia pura, Roque Ferreira tem um quê de Chico Buarque.
SAUDADE - O dueto com Lenine é antológico. Sem mais.
TUA - Essa música da Adriana Calcanhoto tem uma pegada pop mas com uma letra que é poesia pura. Amei.
É O AMOR OUTRA VEZ - música que abre o disco é linda com introdução só ao piano e depois entra um samba-canção que me remeteu à canções da década de 50. A Bethãnia até faz o lari-lari-lará-lari-laráá no final, achei uma graça, me lembrou Dalva de Oliveira.
O QUE EU NÃO CONHEÇO - È uma balada linda "às vezes quando te encontro, eu mesma não me conheço.. descubro novos limites e perco endereço" e o arranjo com metal, arrasou! E ainda tem uma intorduçãozinha "eu queria que a mão do amor.."

O Encanteria eu ainda não ouvi direito, só os primeiros segundos de cada faixa, vou ouvir com calma, mas adianto que amei o dueto com gil e caetano e a composição da vanessa da mata (samba de roda delicioso), Bethânia é um luxo!!

1 de outubro de 2009 12:18  
Anonymous Anônimo said...

Betânia é um escandaloooo!!!!!! Estou ouvindo o disco novo tua sem parar, beijos!!

1 de outubro de 2009 12:21  
Anonymous Anônimo said...

Também gosto muito de Bethânia e para os mais fanáticos é um bálsamo ela lançar tantos trabalhos seguidos. Mas acho que se criou sim uma atmosfera de super cantora super intérprete em torno de seu nome. Bethânia em discursos é a mesma a anos, seu repertório se for analisado a fundo também beira a mesmice. Grande era o tempo que se esperava sim por um disco da abelha rainha. Os Dramas, Os Pássaros, enfim, todos diferentes, com um sabor de trabalho completamente novo. Como sou fã e consigo ter distância para avaliar, essa é a minha opinião. Fico feliz que ela se mantenha na ativa, mas isso a fez perder muito de sua essência.

1 de outubro de 2009 13:28  
Anonymous Anônimo said...

As pessoas analisam o tempo dos artistas como se fossem infinitos.O tempo que Bethânia ja não mais o mesmo.Não da mais para ficar tentando novas investidas e sim se aprimorando,curtindo seu legado fantástico.Estamos todos indo para la,para o fim e cabe principalmente aos mais jovens trazer o novo.Betha ja fez muito neste sentido.Quem deve a ela é a musica brasileira.Seu saldo esta mais que positivo e perfeito para a eternidade.

1 de outubro de 2009 14:31  
Anonymous Anônimo said...

rosemberg

dizer que bethania é um produto de midia e compará-la a ivete(que eu até gosto), é ,no minimo burrice ou falta de informação.
ninguem vê bethania em shopping, jantando no leblon ou dando as caras no domingão do faustão.
bethania´é quase um pião de obra, só aparece quando é pra mostrar serviço.
palmas pra ela.
uma rainha que sempre preferiu o chão, a se acomodar num trono.

1 de outubro de 2009 15:49  
Anonymous lu santos rosa said...

Amados, mesmo vcs, anônimos, devem ter e cultivar sua cidadela. Todos precisamos ter a nossa. Bethania tem a dela e a mantém. Isso não a impede de brincar no vizinho...mas tem para onde voltar. Isso faz diferença.
Quem vive histericamente atrás do novo perde, inevitavelmente, o prumo.
E quer saber? está lá na Bíblia: 'não há nada de novo sob o sol'. Bethânia é eterna.

1 de outubro de 2009 16:41  
Anonymous Anônimo said...

Que lindas as músicas(letras,interpretação e arranjos)dos novos cds! O que é Sete Trovas,
Ê Senhora,Remanso,É o amor outra vez,Linha de Caboclo,Estrela(só pra citar).Muito legal!!!
Salve Rainha!

1 de outubro de 2009 19:19  
Anonymous Anônimo said...

Viva Bethânia!

Viva Roque Ferreira!

PResidente

1 de outubro de 2009 20:49  
Blogger Jean said...

Há muita pressão sobre a Bethânia. Com dezenas de discos produzidos, alguns clássicos absolutos, outros muitos bons e outros ainda menos bons, que podemos mais esperar da cantora? Que faça sempre o disco do ano? Isso é para os mais jovens, que têm uma energia, uma frescura, um contacto com a realidade de hoje que são necessários para fazerem discos que marquem o tempo. Bethânia, como Caetano, Gal (que disco fantástico o Hoje), Chico, Paulinho da Viola, entre outros, começaram nos anos 60 e têm feito discos brilhantes três décadas depois. No cenário internacional isso é muito raro, e o que é normal é ver o top ten dos melhores discos de cada ano cheio de discos de estreia ou de artistas no início de carreira. No Brasil, o top ten inclui sempre os muito consagrados e poucos novatos. A renovação da MPB acontece mas os mais novos têm dificuldade em fazer sombra às extraordinárias gerações de 60 e 70, que produziram muitos mitos.
Quanto a Bethânia, ela tem uma postura e um marketing admiráveis, um pouco como Marisa Monte e poucos mais. Controla de forma sábia a sua vida artística, vive para ela, tem uma maravilhosa relação com os fãs, e o seu trabalho está quase sempre à altura desse empenho. Eu sou seu fã e portanto qualquer disco da rainha me interessa muito. Adoro a sua independência de gosto, a sua abertura (tropicalista) na escolha do repertório, a sua voz, tudo enfim. Por ser seu fã, um bom disco da Bethânia comove-me mais do que muitas obras-primas de novos artistas, mas isso não me impede de reconhecer o valor artístico de uns e de outros.

1 de outubro de 2009 21:53  
Anonymous Anônimo said...

"Foi criado um mito em torno do nome de Bethânia. As pessoas não enxergam mais defeitos na cantora. O mesmo acontece com Ivete Sangalo. Esse endeusamento é o mal do século. O poder que a mídia tem é impressionante" (II).

Inlcusive o próprio dono do blog só vê maravilhas.(III)

2 de outubro de 2009 02:04  
Anonymous leo said...

Ambos os CDs me agradaram muito. Encanteria, entretanto, me surpreendeu favoravelmente. Esperava mais uma incursão 'interiorano/religiosa' e me deparei com um repertório festivo, rítmico, hiper agradável.
Os arranjos de ambos estão impecaveis. E Tua tem uma sofisticação de detalhes que me interessa sempre.
Mais importante que tudo, Bethânia está cantando com vibração na medida exata. E aquele timbre incomparável permanece ...... incomparável.

2 de outubro de 2009 08:58  
Anonymous Anônimo said...

BETHANIA EH DE UTILIDADE PUBLICA (II)

2 de outubro de 2009 09:02  
Anonymous Anônimo said...

Realmente o timbre de MB é o seu tesouro. Não há igual. Simone tb tem um belo grave sem, contudo, as nuances da Bethânia. Ora doce, ora rascante, zombeteira, debochada, sensual, onírica, pueril, sua garganta traduz à perfeição toda a dramaticidade de sua persona artística.
Agora ela volta com novas cores em seu caleidoscópio. Não que o tenha mudado, longe disso, mas colou ali novas nuances, intenções frescas, matizes revigorados.
TUA tem algo de CICLO na concepção econômica e pontual dos arranjos, na interpretação concisa, nada hiperbólica. Está um disco lindo, elegante, digno do bom gosto da baiana.
ENCANTERIA, puro charme. Evoca folguedos, chitas, louvação, encontros. Tudo filtrado por seu olho vanghoguiano.
Incrível como tudo em Bethânia conclama à beleza, à poética, ao cotidiano onírico e personalizado.
Talvez por isso sua ARTE não envelheça. A vida é sempre a mesma há milênios. O que muda são os pontos de vista, a sensibilidade de olhar, perceber, festejar, e assim climatizá-la com os eflúvios de uma eterna juventude.
Artistas como Bethânia são fundamentais. Eles nos confirmam na BELEZA. Nos tornam mesmo que esporadicamente importantes. Para nós mesmos.

2 de outubro de 2009 10:56  
Anonymous Anônimo said...

amei os cds.
ao lado do cd da simone são os melhores de 2009

2 de outubro de 2009 18:50  
Anonymous Anônimo said...

Estava ouvindo os cds até agora.
Há tempos não curtia tanto lançamento da Bethania. Ambos estão sensacionais. Para a noite, Tua é o mais indicado.
Imagino o que será este show que vem por aí.

3 de outubro de 2009 00:21  
Anonymous Anônimo said...

O CD encanteria está belíssmo. Sete Trovas é maravilhosa. Adorei o que Bethania disse sobre a compositora Consuelo e sobre o conceito dos cds no jornal o Estado de São Paulo. Aliás, a melhor crítica do cd. A única bem feita.

3 de outubro de 2009 19:01  
Anonymous Anônimo said...

Não haverá críticas sur os CDs???

3 de outubro de 2009 22:06  
Anonymous Anônimo said...

Adoro Bethania. Não perco seus shows. Mas estes 2 CDS embora tenham poucas musicas boas são chatos e cansativos. Embora algumas musicas sejam maravilhosas (poucas musicas boas em dois CDS entediantes).

11 de outubro de 2009 17:55  

Postar um comentário

<< Home