23 de agosto de 2009

Bossas de Rosenblit ganham belas vozes da MPB

Mais em evidência por conta de sua atuação como produtor musical da Rede Globo, para a qual cria as trilhas incidentais de minisséries e novelas como A Favorita (2008), Alberto Rosenblit sai por um tempo do universo ficcional da TV para lançar seu segundo álbum, De Bem com a Vida, editado pela gravadora Dabliú Discos num kit que inclui CD e DVD. O vídeo exibe o making of da gravação do disco. De tonalidades cariocas, o repertório autoral gravita em torno da Bossa Nova - opção perceptível já na primeira das 11 faixas, Leblon, canção de 1986 que ganhou letra do paulista J. C. Costa Netto e a voz de Ivan Lins. Aliás, cada faixa ganha o reforço vocal de um convidado diferente. Ney Matogrosso entoa o choro-canção Pixinguinha Morreu de Rir. Joyce interpreta a faixa-título e é parceira de Rosenblit em Esperei, música cantada por Celso Fonseca. Já Zé Renato valoriza Na Rua Sol Maior, canção de clima camerístico em que Rosenblit, lírico, reverencia Vilma Graça, professora de música pela qual foi apaixonado. Por sua vez, Zélia Duncan solta a voz no Beco das Garrafas, tema que revive um dos berços da Bossa Nova no Rio de Janeiro dos anos 60. O estelar time de convidados do álbum inclui também Leila Pinheiro (Corações Riscados), Arranco de Varsóvia (no samba Quero Ver Você Feliz) e Lenine, que faz os vocalises de Pororoca - tema grandiloquente que fecha De Bem com a Vida.

9 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Mais em evidência por conta de sua atuação como produtor musical da Rede Globo, para a qual cria as trilhas incidentais de minisséries e novelas como A Favorita (2008), Alberto Rosenblit sai por um tempo do universo ficcional da TV para lançar seu segundo álbum, De Bem com a Vida, editado pela gravadora Dabliú Discos num kit que inclui CD e DVD. O vídeo exibe o making of da gravação do disco. De tonalidades cariocas, o repertório autoral gravita em torno da Bossa Nova - opção perceptível já na primeira das 11 faixas, Leblon, canção de 1986 que ganhou letra do paulista J. C. Costa Netto e a voz de Ivan Lins. Aliás, cada faixa ganha o reforço vocal de um convidado diferente. Ney Matogrosso entoa o choro-canção Pixinguinha Morreu de Rir. Joyce interpreta a faixa-título e é parceira de Rosenblit em Esperei, música cantada por Celso Fonseca. Já Zé Renato valoriza Na Rua Sol Maior, canção de clima camerístico em que Rosenblit, lírico, reverencia Vilma Graça, professora de música pela qual foi apaixonado. Por sua vez, Zélia Duncan solta a voz no Beco das Garrafas, tema que revive um dos berços da Bossa Nova no Rio de Janeiro dos anos 60. O estelar time de convidados do álbum inclui também Leila Pinheiro (Corações Riscados), Arranco de Varsóvia (no samba Quero Ver Você Feliz) e Lenine, que faz os vocalises de Pororoca - tema grandiloquente que fecha De Bem com a Vida.

23 de agosto de 2009 11:49  
Anonymous Anônimo said...

Conceitual, belos intérpretes e sem "mistureba". Tá comprado.
Tem na "Saraiva".

23 de agosto de 2009 12:28  
Anonymous Anônimo said...

É vero. Com um elenco desse aí não tô nem preocupado com repertório, depois eu vejo - ouço.

23 de agosto de 2009 13:05  
Anonymous Anônimo said...

Foto tirada perto da casa do artista mostra o despreendimento e a sofisticação do trabalho.
Alberto é dez. Seu disco com Mário Adnet, dos idos independente, merecia ser reeditado. Pela Dabilú mesmo, que mostra também ter carinho pelo produto.

Carioca da Pidade, que adora biscoitos, finos ou não

23 de agosto de 2009 13:21  
Anonymous Luc said...

Vez por outra, vejo homenagens à profa Vilma Graça. Peranzzetta estudou com ela. Acho que João Moreira Salles tb. Deve ter sido boa professora.

23 de agosto de 2009 20:02  
Anonymous Anônimo said...

"De bem com o convidados" isso sim.

Deu até saudade do Almir Chediak.

Ô escalação de prima...

Se as músicas forem do mesmo nível vai ser um baita CD. Ouve logo, Mauro, e depois nos conte.

Abraços.

23 de agosto de 2009 20:40  
Anonymous Roberto Murilo said...

De Bem com a Vida foi tema de uma das novelas do Manoel Carlos, em versão instrumental e está no CD Trilhas Brasileiras. Se todas as músicas forem do mesmo nível, então este já é um dos CDs do ano.

28 de agosto de 2009 00:08  
Anonymous Anônimo said...

EU TAMBÉM TÔ ACHANDO...

28 de agosto de 2009 01:30  
Anonymous Anônimo said...

O Globo achou. Recomendou o CD aí.
Ouve logo, Mauro!

31 de agosto de 2009 14:15  

Postar um comentário

<< Home