15 de abril de 2009

O canto torto de Elba cresce em show acústico

Resenha de Show
Título: Elba Ramalho & Trio - Acústico
Artista: Elba Ramalho (em foto de Mauro Ferreira)
Local: Teatro Rival (RJ)
Data: 14 de abril de 2009
Cotação: * * * *
Em cartaz até 16 de abril de 2009, às 19h30m

"...Eu quero que esse canto torto feito faca corte a carne de vocês", perfurou a voz de Elba Ramalho, em diálogo com a guitarra de Marcos Arcanjo, ao reviver A Palo Seco (Belchior), o primeiro grande número do show acústico que a cantora estreou na noite de ontem, 14 de abril de 2009. Maturado pelos 30 e poucos anos de uma carreira urdida com sonho e sangue, o canto torto de Elba brilha neste espetáculo mais íntimo e pessoal. Elba entrou mal em cena, cantando Como 2 e 2 (Caetano Veloso), mas logo encontrou seu tom e seu público. O resultado foi um show cativante que, mesmo após duas horas de duração, deixou na platéia um gosto de quero mais e teve o mérito de apresentar músicas do ainda inédito CD Balaio de Amor, nas lojas em 27 de abril pela gravadora Biscoito Fino. Me Dá meu Coração (Accioly Neto) e É Só Você Querer (Nando Cordel) sinalizaram a pegada popular do vindouro disco de xotes, toadas e baiões de (fortes) tonalidades românticas.
A intérprete divide a cena com trio azeitado. Além de cantar É Só Você Querer em dueto com Elba, entrando no jogo de sedução proposto pela cantora e soltando sua voz que evoca o timbre de Dominguinhos, Cezinha do Acordeom se mostra seguro na sanfona, instrumento que se destaca na releitura de Gostoso Demais, a toada de Dominguinhos e Nando Cordel na qual a cantora injeta a pegada do xote e do baião. Marcos Arcanjo responde pela guitarra, pelo violão e pelos arranjos. Elber Caldas, o Anjo, comanda a percussão sutil e suave. Entrosado, o trio arma a cama para que Elba deite e role em roteiro que evita os hits obrigatórios (Chão de Giz e Banho de Cheiro, já no fim, são as exceções) em favor de um repertório inédito da voz da intérprete. Entre músicas do estupendo álbum Qual o Assunto que Mais lhe Interessa? (2007), como Noite Severina e A Natureza das Coisas, Elba cai dengosa no samba de Bororó (Curare), veste bem a Camisa Amarela de Ary Barroso e reafirma sua vivacidade ao saborear o já mastigado Chiclete com Banana. No tabuleiro da paraibana, tem também Doce de Coco - o choro de Jacob do Bandolim letrado por Hermínio Bello de Carvalho - e blues, Miss Celie's Blues, tema herdado do show Popular Brasileira (1989).
Na sequência, ainda surpreendente, Elba tenta esboçar paralelo entre as obras de Chico Buarque e Cole Porter antes de emparelhar Todo o Sentimento - num arranjo inspirado que abre espaço para intervenções do violão de Arcanjo e do acordeom de Cezinha - e Ev'ry Time We Say Goodbye, que, na voz curtida da intérprete, quase vira uma daquelas toadas melancólicas de Dominguinhos. De quem, aliás, Elba revive Retrato da Vida, bissexta parceria do sanfoneiro com Djavan. É um número de voz-e-acordeom, assim como Dia Branco é o momento voz-e-violão. Em forma vocal, sem precisar baixar os tons, a atriz que virou cantora revive ainda cenas de sua história teatral com Chico Buarque. O Meu Amor, Palavra de Mulher e Folhetim formam o que Elba chama em cena de "trilogia de Chico". Novidade na voz da artista, a abolerada Folhetim é pretexto para que a intérprete desça do palco e mexa com os homens da platéia. No fim, Elba ainda tira um coelho do Cartola e entoa O Mundo É um Moinho para deleite da platéia carioca. Menos perfurante do que na estreia fonográfica da artista, há 30 anos, o canto torto de Elba somente cresceu com o tempo. A ponto de hoje não precisar de produções retumbantes como as dos (ótimos) shows do passado para segurar a atenção da platéia...

8 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Resenha de Show
Título: Elba Ramalho & Trio - Acústico
Artista: Elba Ramalho (em foto de Mauro Ferreira)
Local: Teatro Rival (RJ)
Data: 14 de abril de 2009
Cotação: * * * *
Em cartaz até 16 de abril de 2009, às 19h30m


"...Eu quero que esse canto torto feito faca corte a carne de vocês", perfurou a voz de Elba Ramalho, em diálogo com a guitarra de Marcos Arcanjo, ao reviver A Palo Seco (Belchior), o primeiro grande número do show acústico que a cantora estreou na noite de ontem, 14 de abril de 2009. Maturado pelos 30 e poucos anos de uma carreira urdida com sonho e sangue, o canto torto de Elba brilha neste espetáculo mais íntimo e pessoal. Elba entrou mal em cena, cantando Como 2 e 2 (Caetano Veloso), mas logo encontrou seu tom e seu público. O resultado foi um show cativante que, mesmo após duas horas de duração, deixou na platéia um gosto de quero mais e teve o mérito de apresentar músicas do ainda inédito CD Balaio de Amor, nas lojas no início de maio pela gravadora Biscoito Fino. Me Dá seu Coração (Accioly Neto) e É Só Você Querer (Nando Cordel) sinalizaram a pegada popular do vindouro disco de xotes, toadas e baiões de (fortes) tonalidades românticas.
A intérprete divide a cena com trio azeitado. Além de cantar É Só Você Querer em dueto com Elba, entrando no jogo de sedução proposto pela cantora e soltando sua voz que evoca o timbre de Dominguinhos, Cezinha do Acordeom se mostra seguro na sanfona, instrumento que se destaca na releitura de Gostoso Demais, a toada de Dominguinhos e Nando Cordel na qual a cantora injeta a pegada do xote e do baião. Marcos Arcanjo responde pela guitarra, pelo violão e pelos arranjos. Elber Caldas, o Anjo, comanda a percussão sutil e suave. Entrosado, o trio arma a cama para que Elba deite e role em roteiro que evita os hits obrigatórios (Chão de Giz e Banho de Cheiro, no fim, são as exceções) em favor de um repertório inédito da voz da intérprete. Entre músicas do estupendo álbum Qual o Assunto que Mais lhe Interessa? (2007), como Noite Severina e A Natureza das Coisas, Elba cai dengosa no samba de Bororó (Curare), veste bem a Camisa Amarela de Ary Barroso e reafirma sua vivacidade ao saborear o já mastigado Chiclete com Banana. No tabuleiro da paraibana, tem também Doce de Coco - o choro de Jacob do Bandolim letrado por Hermínio Bello de Carvalho - e blues, Miss Celie's Blues, tema herdado do show Popular Brasileira (1989).
Na sequência, ainda surpreendente, Elba tenta esboçar paralelo entre as obras de Chico Buarque e Cole Porter antes de emparelhar Todo o Sentimento - num arranjo inspirado que abre espaço para intervenções do violão de Arcanjo e do acordeom de Cezinha - e Ev'ry Time We Say Goodbye, que, na voz curtida da intérprete, quase vira uma daquelas toadas melancólicas de Dominguinhos. De quem, aliás, Elba revive Retrato da Vida, bissexta parceria do sanfoneiro com Djavan. É um número de voz-e-acordeom, assim como Dia Branco é o momento voz-e-violão. Em forma vocal, sem precisar baixar os tons, a atriz que virou cantora revive ainda cenas de sua história teatral com Chico Buarque. O Meu Amor, Palavra de Mulher e Folhetim formam o que Elba chama em cena de "trilogia de Chico". Novidade na voz da artista, a abolerada Folhetim é pretexto para que a intérprete desça do palco e mexa com os homens da platéia. No fim, Elba ainda tira um coelho do Cartola e entoa O Mundo É um Moinho para deleite da platéia carioca. Menos perfurante do que na estreia fonográfica da artista, há 30 anos, o canto torto de Elba somente cresceu com o tempo. A ponto de hoje não precisar de produções retumbantes como as dos (ótimos) shows do passado para segurar a atenção da platéia...

15 de abril de 2009 15:01  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel Andrade disse

Elba, paraibana arretada,
tira também do cartola, as canções "Desengano" ou "Lua Viva" do Lula Côrtes que vc conhece bem e fica bem no seu canto rasgado. Ou ainda "Vem ser navegador" do Marco Polo que tá lá no início da carreira. Aí é voltar com as mesmas notícias, como diria Cazuza, mas de forma mais punjante. Seu canto merece. Como n´so merecemos na sua recente passagemaqui por Petrolina/Juazeiro. Aliás sua visita naquqle barzinho, onde deu um canja ninguém esquece.

15 de abril de 2009 22:30  
Anonymous Anônimo said...

Nossa, o roteiro é completamente diferente do que ela fez no memorial da america latina, com o mesmo trio !!! ELba se renova a cada show !

Eduardo Cáffaro ! SP ABC

16 de abril de 2009 11:32  
Anonymous Anônimo said...

quem é o diretor?

16 de abril de 2009 13:31  
Anonymous Ramon Mello said...

,bonito foi Elba descer do palco e cantar para o ilustre jornalista!

16 de abril de 2009 14:37  
Anonymous Anônimo said...

O canto rascante de Elba me toca a alma. Não gosto quando ela é 'melosa'. Já assisti grandes espetáculos desta grande artista.
Vou conferir mais este.

16 de abril de 2009 15:32  
Anonymous maria said...

Embora eu também prefira o canto "rascante" de Elba, a ouvi cantar Vete de Me em um show no Bourbon Street(SP), e ela simplesmente arrasou.
Carismática e estilosa, Elba merece ser conferida sempre.

maria

16 de abril de 2009 18:28  
Anonymous Anônimo said...

Showzaço!!! Elba é pra qualquer canto!! Todo Sentimento e Doce de Côco foram fantásticas...

17 de abril de 2009 01:19  

Postar um comentário

<< Home