5 de abril de 2009

O céu e o inferno de Britney na visão de sua mãe

Resenha de Livro
Título: Britney Spears:
A História por trás
do Sucesso
Autoria: Lynne Spears
Editora: Ediouro
Cotação: * *

Britney Spears foi do céu ao inferno em apenas dez anos de carreira fonográfica. Atualmente em meio a uma turnê inspirada pelo êxito do CD Circus, lançado em dezembro de 2008, a artista foi alçada instantaneamente ao estrelato quando o seu primeiro álbum, ...Baby One More Time, editado em janeiro de 1999, galgou rapidamente o topo das paradas norte-americanas. Mãe de Britney, Lynne Spears (quase) sempre vivenciou de perto os altos e baixos da filha. No livro Britney Spears: a História por Trás do Sucesso, recém-lançado no Brasil pela Ediouro, dá sua versão parcial dos fatos. De tom populista, o título promete mais do que o livro efetivamente cumpre. A narrativa é fluente porque o relato emocional de Lynne foi escrito, na verdade, por Lorilee Craker, hábil na construção de um texto que, mesmo repetitivo, prende a atenção porque a história em si é boa. Lynne não detalha o que talvez seja pertinente ocultar - o motivo do rompimento de sete meses com Britney, por exemplo, justo no momento em que a estrela atravessava um período de intensa turbulência emocional - e se retrata no livro como uma mãe extremosa, que teria errado na educação dos filhos, mas que faria qualquer coisa pelo bem deles. Bem, o fato é que - entre repetidas louvaçoes cristãs (e justificadas) queixas contra a insensibilidade dos paparazzis e repórteres da imprensa sensacionalista que perseguem sem trégua Britney e seus familiares - Lynne desvenda um pouco a vida da filha antes da fama. Criada em Kentwood, interiorana e conservadora cidade do Sul dos Estados Unidos, Britney buscou o sucesso desde criança ao mesmo tempo em que conviveu com o alcoolismo do pai, Jamie. Lynne Spears se defende o tempo todo das acusações de ter incentivado a corrida da filha em busca do ouro falso dos holofotes, sustentando que nunca tirou proveitos financeiros da fama de Britney. Por ser escrito na primeira pessoa, o livro oferece tão somente a visão da autora, generosa na descrição da irmã Sandra (morta de câncer há dois anos), e de seus demais familiares. Contudo, justiça seja feita, Lynne também relata os desajustes da família por conta do vício do pai de Britney. A história de Britney em si é narrada de forma superficial. Lynne não detalha, por exemplo, como Sam Lufti (então um ilustre desconhecido de sua filha) conseguiu em tão pouco tempo assumir o controle total da vida de Britney na fase de maior descontrole emocional da estrela a partir de um breve contato com uma das assistentes da cantora. Mas essa parte - em que Britney estava totalmente sob o poder de Sam - é das mais envolventes do livro por mostrar, mesmo de forma simplista, a vulnerabilidade de uma estrela assediada como Britney, vítima das drogas, da gangorra do sucesso e da manipulação da indústria da música. Lynne faz leve crítica também à diluição da voz de Britney desde que a filha passou a gravar discos. De acordo com a mãe coruja, sua filha era uma cantora de verdade antes da fama e impressionava pequenas platéias com a suposta emoção de suas interpretações. Difícil acreditar nesse dom vocal que nunca se manifestou nos álbuns de Britney Spears. Mas o livro de Lynne, oportunista ou não, deve ser avaliado tão somente como o relato condescendente de uma mãe que caiu no olho do furacão por conta da fama repentina da filha. Relato íntimo, pessoal e...parcial.

2 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Resenha de Livro
Título: Britney Spears:
A História por trás
do Sucesso
Autoria: Lynne Spears
Editora: Ediouro
Cotação: * *

Britney Spears foi do céu ao inferno em apenas dez anos de carreira fonográfica. Atualmente em meio a uma turnê inspirada pelo êxito do CD Circus, lançado em dezembro de 2008, a artista foi alçada instantaneamente ao estrelato quando o seu primeiro álbum, ...Baby One More Time, editado em janeiro de 1999, galgou rapidamente o topo das paradas norte-americanas. Mãe de Britney, Lynne Spears (quase) sempre vivenciou de perto os altos e baixos da filha. No livro Britney Spears: a História por Trás do Sucesso, recém-lançado no Brasil pela Ediouro, dá sua versão parcial dos fatos. De tom populista, o título promete mais do que o livro efetivamente cumpre. A narrativa é fluente porque o relato emocional de Lynne foi escrito, na verdade, por Lorilee Craker, hábil na construção de um texto que, mesmo repetitivo, prende a atenção porque a história em si é boa. Lynne não detalha o que lhe é pertinente ocultar - o motivo do rompimento de sete meses com Britney, por exemplo, justo no momento em que a estrela atravessava um período de intensa turbulência emocional - e se retrata no livro como uma mãe extremosa, que teria errado na educação dos filhos, mas que faria qualquer coisa pelo bem deles. Bem, o fato é que - entre repetidas louvaçoes cristãs (e justificadas) queixas contra a insensibilidade dos paparazzis e repórteres da imprensa sensacionalista que perseguem sem trégua Britney e seus familiares - Lynne desvenda um pouco a vida da filha antes da fama. Criada em Kentwood, interiorana e conservadora cidade do Sul dos Estados Unidos, Britney buscou o sucesso desde criança ao mesmo tempo em que conviveu com o alcoolismo do pai, Jamie. Lynne Spears se defende o tempo todo das acusações de ter incentivado a corrida da filha em busca do ouro falso dos holofotes, sustentando que nunca tirou proveitos financeiros da fama de Britney. Por ser escrito na primeira pessoa, o livro oferece tão somente a visão da autora, generosa na descrição da irmã Sandra (morta de câncer há dois anos), e de seus demais familiares. Contudo, justiça seja feita, Lynne também relata os desajustes da família por conta do vício do pai de Britney. A história de Britney em si é narrada de forma superficial. Lynne não detalha, por exemplo, como Sam Lufti (então um ilustre desconhecido de sua filha) conseguiu em tão pouco tempo assumir o controle total da vida de Britney na fase de maior descontrole emocional da estrela a partir de um breve contato com uma das assistentes da cantora. Mas essa parte - em que Britney estava totalmente sob o poder de Sam - é das mais envolventes do livro por mostrar, mesmo de forma simplista, a vulnerabilidade de uma estrela assediada como Britney, vítima das drogas, da gangorra do sucesso e da manipulação da indústria da música. Lynne faz leve crítica também à diluição da voz de Britney desde que a filha passou a gravar discos. De acordo com a mãe coruja, sua filha era uma cantora de verdade antes da fama e impressionava pequenas platéias com a suposta emoção de suas interpretações. Difícil acreditar nesse dom vocal que nunca se manifestou nos álbuns de Britney Spears. Mas o livro de Lynne, oportunista ou não, deve ser avaliado somente como o relato condescendente de uma mãe que caiu no olho do furacão por conta da fama repentina da filha. Relato íntimo, pessoal e...parcial.

5 de abril de 2009 17:47  
Anonymous Anônimo said...

Britney nunca foi uma boa cantora, realmente, mas ela de fato apresentava uma voz mais forte no começo da carreira. Os cigarros e a acomodação com o playback devem ter atrofiado as cordas vocais dela.

Em todo caso, o problema com a moça não foi ter entrado no meio artístico muito cedo, foi a falta de estrutura familiar e psicológica pra isso. Vale lembrar que Christina Aguilera e Justin Timberlake também entraram no meio ainda crianças, sempre estiveram sob a mesma pressão, mas conseguiram virar o jogo, tomar o controle das próprias carreiras, fazer música do jeito que queriam e hoje são referências na música pop e parecem levar vidas bem estáveis e saudáveis.

A julgar por reportagens como as recentemente feitas pela Rolling Stone, Britney sempre foi tratada como criança e afastada dos processos de decisão na sua carreira e na sua própria vida.

6 de abril de 2009 16:00  

Postar um comentário

<< Home