14 de abril de 2009

Banda Cê dá vigor aos 'transambas' de Caetano

Resenha de CD
Título: Zii e Zie
Transambas - Transrock
Artista: Caetano Veloso
e Banda Cê
Gravadora: Universal
Music
Cotação: * * *

Movido por uma nostalgia da modernidade, Caetano Veloso lançou em 2006 um álbum, , cuja atmosfera roqueira e sonoridade jovial encobriram o fato de a safra de inéditas autorais do CD ser, no geral, insossa (apesar de algumas excelentes músicas como Minhas Lágrimas, Não me Arrependo e Rocks). Cultuado em excesso pela crítica, deu a Caetano o que ele procurava: uma aura de modernidade. Zii e Zie - o álbum de inéditas que chega às lojas nesta terça-feira, 14 de abril de 2009 - segue a mesma trilha, porém soa mais focado. O objetivo foi passar o samba pelo filtro do rock. Ou melhor, os transambas pelo viés do transrock. Para tal, Caetano se cercou da Banda Cê, formada pelos três antenados músicos -o guitarrista Pedro Sá, o baterista Marcelo Callado e o baixista Ricardo Dias Gomes - que construíram a sonoridade do álbum . São eles que dão vigor ao CD de Caetano com experimentações, distorções, estranhezas e barulhinhos bons. Em especial, Pedro Sá, cuja genial guitarra dita o ritmo de transambas como Incompatibilidade de Gênios (João Bosco e Aldir Blanc, 1976) e Perdeu, tema em que Caetano perfila a trajetória de personagem às voltas com as mazelas das favelas. O resultado é bom sem alterar o status da produção autoral do compositor, atualmente (bastante) irregular.

Zii e Zie não clona a fórmula de . Até porque as letras de Zii e Zie versam sobre assuntos mais gerais enquanto as letras sexuais e acaloradas de eram mais íntimas e pessoais. A capa - um flash cinzento da Praia do Leblon (RJ) - está em sintonia com o conceito do disco, que retrata a cidade do Rio de Janeiro através de lentes contemporâneas. A letra cinematográfica da vivaz A Cor Amarela - faixa de grande vivacidade rítmica - enfoca uma menina preta de biquíni amarelo vista na Praia do Leblon. O mesmo bairro do Leblon - no qual Caetano atualmente reside - é retratado na noturna Falso Leblon, cuja letra toca na fratura exposta das drogas. Já Lapa enquadra com generosidade o homônimo bairro do Centro do Rio que agrega tribos e sons de várias procedências.

Entre sambas mais ou menos tortos, há duas canções. Por Quem - sustentada num falsete que evidencia a ótima forma vocal do cantor - é a mais bonita. Sem Cais, a pseudo-bossa de Pedro Sá sobre a qual Caetano fez letra que evoca paisagens marítimas do Rio de Janeiro, segue a trilha de estranheza que vai seduzir o público que se encantou por . Fora das fronteiras cariocas, Caetano evoca Portugal em Menina da Ria - outra faixa de vivacidade rítmica - e disserta sobre a política norte-americana em tom coloquial na seca A Base de Guantánamo. E, entre sambas e canções, Zii e Zie atesta que a obra burilada nas temporadas do show Obra em Progresso evoluiu de fato. Sem nunca arrebatar.

74 Comments:

Blogger Mauro Ferreira said...

Resenha de CD
Título: Zii e Zie
Transambas - Transrock
Artista: Caetano Veloso
e Banda Cê
Gravadora: Universal
Music
Cotação: * * *

Movido por uma nostalgia da modernidade, Caetano Veloso lançou em 2006 um álbum, Cê, cuja atmosfera roqueira e sonoridade jovial encobriram o fato de a safra de inéditas autorais do CD ser, no geral, insossa (apesar de algumas grandes músicas como Minhas Lágrimas, Não me Arrependo e Rocks). Cultuado em excesso pela crítica, Cê deu a Caetano o que ele procurava: uma aura de modernidade. Zii e Zie - o álbum de inéditas que chega às lojas nesta terça-feira, 14 de abril de 2000 - segue a mesma trilha, porém soa mais focado. O objetivo foi passar o samba pelo filtro do rock. Ou melhor, os transambas pelo viés do transrock. Para tal, Caetano se cercou da Banda Cê, formada pelos três antenados músicos -o guitarrista Pedro Sá, o baterista Marcelo Callado e o baixista Ricardo Dias Gomes - que construíram a sonoridade do álbum Cê. São eles que dão vigor ao trabalho de Caetano. Em especial, Pedro Sá, cuja guitarra dita o ritmo de transambas como Incompatibilidade de Gênios (João Bosco e Aldir Blanc, 1976) e Perdeu, tema em que Caetano perfila a trajetória de personagem às voltas com as mazelas das favelas. O resultado é bom sem alterar o status da produção autoral do compositor, a rigor, ainda bastante irregular.

Zii e Zie não clona a fórmula de Cê. Até porque as letras de Zii e Zie versam sobre assuntos mais gerais enquanto as letras sexuais e acaloradas de Cê eram mais íntimas e pessoais. A capa - um flash cinzento da Praia do Leblon (RJ) - está em sintonia com o conceito do disco, que retrata a cidade do Rio de Janeiro através de lentes contemporâneas. A letra cinematográfica da vivaz A Cor Amarela - faixa de grande vivacidade rítmica - enfoca uma menina preta de biquíni amarelo vista na Praia do Leblon. O mesmo bairro do Leblon - no qual Caetano atualmente reside - é retratado na noturna Falso Leblon, cuja letra toca na fratura exposta das drogas. Já Lapa enquadra com generosidade o homônimo bairro do Centro do Rio que agrega tribos e sons de várias procedências.

Entre sambas mais ou menos tortos, há duas canções. Por Quem - sustentada num falsete que evidencia a ótima forma vocal do cantor - é a mais bonita. Sem Cais, a pseudo-bossa de Pedro Sá sobre a qual Caetano fez letra que evoca paisagens marítimas do Rio de Janeiro, segue a trilha de estranheza que vai seduzir o público que se encantou por Cê. Fora das fronteiras cariocas, Caetano evoca Portugal em Menina da Ria - outra faixa de vivacidade rítmica - e disserta sobre a política norte-americana em tom coloquial na seca A Base de Guantánamo. E, entre sambas e canções, Zii e Zie atesta que a obra burilada nas temporadas do show Obra em Progresso evoluiu de fato. Sem nunca arrebatar.

14 de abril de 2009 13:38  
Anonymous Anônimo said...

Caetano tem que parar de achar que tem 20 anos e voltar a cantar aquelas coisas lindas de Assis Valente, Ataulfo, Cartola e Tom.

14 de abril de 2009 13:40  
Blogger Carlos Lopes said...

Permitam-me que discorde do anónimo quando se refere aos "20 anos" de Caetano como sendo algo de negativo. Caetano não tem idade, vai mais além... Caetano inova, Caetano é genial, sempre!

14 de abril de 2009 13:55  
Anonymous Anônimo said...

Por que um garoto de vinte não pode cantar coisas lindas de Noel, Cartola, Tom e por que um senhor de 65 não pode tocar rock?
Se comentário me pareceu vindo, como diria Cissa Guimarães, direto do túnel do tempo.
Há tempos que não existe mais isso, quem vive em cercado é vaca.
Mano Cateano é bacana justamente por isso, por não se acomodar, por ter interesse nos artistas novos da música...
Querem transformar sua virtude em defeito.
De acomodado(musicalmente falando) basta o Chico Buarque.

Jose Henrique

14 de abril de 2009 14:03  
Anonymous Anônimo said...

O problema é justamente esse. Caetano esqueceu a sua geração e as gerações anteriores e agora só quer dar uma de moderninho. Fazer o caminho contrário, como fez a Fernanda Takai, com seu lindo álbum é raro. Porque se espera que os velhos se "modernizem"? Porque os "novos" não podem mergulhar nas obras fantásticas dos Lamartines, Braguinhas e Vinicius da vida? Estou curioso para ouvir Paulo Ricardo com Toquinho cantando a obra de Vinícius.... Ainda prefiro Chico na sua quietude do que Caetano cantando sua sopa de letrinhas atual!

14 de abril de 2009 17:21  
Anonymous leo said...

Caetano me cansou há tempos. Ainda não consegui ouvir todas as faixas do CÊ e olha que comprei e me empenhei algumas vezes.
Não há o que discutir sobre a importância do baiano para a cultura brasileira, entretanto sua performance artística há muito deixa a desejar.
E, como cantor, Caetano é um ótimo backing vocal.

14 de abril de 2009 17:40  
Anonymous Anônimo said...

Acomodação não é problema, desde que se acomode naquilo que é espetacular.

14 de abril de 2009 17:58  
Anonymous Anônimo said...

Curioso por " Ingenuidade " e o Mauro nada no texto ...

14 de abril de 2009 18:09  
Anonymous Gustavo Sampaio said...

Mauro, ainda não ouvi o disco, mas a tirar pelo show no Vivo Rio, deve ser bom. Com certeza melhor do que os demais sexagenários têm feito pelo mofo da MPB. Só não entendi o 'status da produção autoral do compositor, ainda bastante irregular, a rigor'. Com isso você tá considerando Caetano um compositor de lapsos criativos? Interessante postura crítica. Apesar de achar que ele consegue compor coisas bem chatas - como todo medalhão -, acho que já prestou bons trabalhos à música brasileira. Abraço.

14 de abril de 2009 19:41  
Anonymous Anônimo said...

É CHATO HÁ MUITO TEMPO. VIVA CHICO! VIVA EDU! VIVA MILTON! VIVA PAULINHO DA VIOLA! VIVA FRANCIS! VIVA ATÉ GIL!
Caetano tem que parar de brincar de adolescente.
Só por curiosidade: POR QUE SERÁ QUE É ÚNICO DESTA MARAVILHOSA GERAÇÃO AINDA ATRELADO A UMA MULTINACIONAL ? (NEM A SEMPRE GENIAL - ESTA SIM - "MANINHA" AINDA REZA PELAS CARTILHAS DA INDÚSTRIA DA MÚSICA OFICIAL. Acho que Caetano a Biscoito Fino NÃO QUER. Repito: por que será ?

14 de abril de 2009 21:59  
Anonymous Anônimo said...

Se era para se acomodar no espetacular deveria ter se acomodado no disco "Caetano" - o que tem a música "O Ciúme" - depois não é mais o espetacular Caetano. Acima da média mas muito longe dos demais de sua geração.
E quanto ao cantor, realmente até Chico Buarque tem mais personalidade quando canta - já que não inventa. Simples, não ? A não ser para os fãs. Com fã é outra história. Até em Zezé di Camargo e outros "do gênero" se acham qualidades. GOSTO OU MAU GOSTO NÃO SE DISCUTE.

14 de abril de 2009 22:10  
Anonymous Anônimo said...

A revista Bravo desse mês traz Chico e Mano Caetano na capa, só vi a capa, me parece que a reportagem traça um paralelo entre as carreiras dos dois, já que Chico está lançando um livro e Mano Caetano um cd.
Tem gente que arrisca e tem gente que fica na mesma. Gosto dos que se arriscam, mas como foi dito mais de uma vez aí cima, questão de gosto.

"Um passo a frente e vc já não está no mesmo lugar" Chico Science

Vi o vinil do Da Lama ao Caos hoje, que belezura, custa 80 realezas. Compre Andre Oliveira! :>)

Jose Henrique

14 de abril de 2009 23:47  
Blogger Mauro Ferreira said...

Gustavo, obrigado pela atenta observação. O 'ainda' se referia à produção do 'Cê' em diante e resolvi refazer a frase para deixar isso claro.
abs, MauroF

14 de abril de 2009 23:57  
Anonymous Anônimo said...

Ainda não tenho o disco mas como adoro a criatividade poética incessante de Caetano em sua turnê pelo mundo musical, Zii e Zie já me encanta, assim como o memorável Cê ( e tantos outros). Mas como entender esse pessoal que adora a mesmice e a falta de ousadia de certos compositores? Já foram chamados aqui de puristas e não gostaram muito mas é isso mesmo, são conseguem entender qquer coisa fora da "normalidade" da música( "queremos o normal, queremos o normal" é o grito de guerra deles, valei-me Deus). E ainda ousam fazer comparações com o gênio-baiano-de- todos-os-estilos. Gosto é gosto mesmo...Aliás, o que eles estão fazendo aqui no post de Caetano Veloso? Se são incapazes de compreender as mtas possibilidades musicais, acho que "eles", primeiramente, deviam resolver seus problemas musicais e pessoais...

15 de abril de 2009 00:36  
Anonymous Anônimo said...

Que má vontade com Caetano!!! O cara fez joias para MPB: Terra, Sampa, Coração Vagabundo, Tropicalia, Lingua. Fora da Ordem, London, London, etc.. E ainda querem compará-lo com os outros?
chico foi otimo, mas há muito que não consegue produzir nada igual a sua antiga genialidade. Caetano é o unico que continua Compondo e cantando demais. Os cariocas que me perdoem mas Caetano é Caetano...

15 de abril de 2009 00:50  
Anonymous Marcos said...

Rsrs, Caetano Veloso é genial até nisso, mexe da forma que quer com a moçada que só gosta de músicas 'acomodadas', rsrs. Brota neles aquela sensação de quem só entende um tipo de música e isso os deixa desconcertados. Musicalmente limitados, fazem parte daqueles que xingariam os Beatles se vivessem aquela época.

E vejam bem, alegam que o problema não está com eles, o problema está com o gênio Caetano, rs.

Eles têm razão, conhecer outros conceitos de música que seus limites musicais não permitem entender [ ou até ficar na deles, não se comenta o que não se entende] pra quê?, se podem afirmar: 'quem não entende de música não sou eu, eu entendo e muito, tenho 'bom gosto', sou 'refinado', sei tudo o que é 'bom' e tamos conversados'. Tô sabendo...

Esses 'acomodados musicais' e seus 'compositores que se repetem disco a disco há quarenta anos' se entendem bem.

Caetano: 'Zii e Zie'( e 'Cê'e etc.) neles! E deixe que digam que pensem que falem, rsrs.

15 de abril de 2009 01:06  
Anonymous Anônimo said...

Viva a ousadia mas convenhamos que nem sempre o resultado é relevante. Ainda não ouvi este, but o CÊ é ruim demais. As canções são muito fracas e os arranjos torpes.
Óbvio que CV tem músicas geniais, quem discute?! E grandes tolices tb. Ultimamente não tem acrescentado nada a seu (vasto) repertório musical. E concordo com alguem aí em cima que acha até Chico mais 'autêntico' como cantor. Caetano não canta um décimo do que supõe cantar.

15 de abril de 2009 11:30  
Anonymous Anônimo said...

Gente Caetano sempre foi desse jeito.Se ainda "arrisca" é porque sempre arriscou.Então não esta fazendo nada de anormal.É característico dele.Mas é um gênio.A maior tolice recente que li é que "ele nunca transbordou emoção e é o mais cerebral de todos".Caetano é carinho, generosidade e romantismo total.Caetano sim é o cara!

15 de abril de 2009 11:38  
Anonymous Anônimo said...

"Caetano me cansou há tempos. Ainda não consegui ouvir todas as faixas do CÊ e olha que comprei e me empenhei algumas vezes." (2)


"Ainda prefiro Chico na sua quietude do que Caetano cantando sua sopa de letrinhas atual!" (2)

15 de abril de 2009 12:06  
Anonymous Anônimo said...

Se acomodar no espetacular é muito melhor do que se metamorfosear na linha do banal.

Os Cariocas que me perdoem porquê? Caetano também não consegue sair daqui. A capa com foto do Leblon que não mente.

15 de abril de 2009 12:41  
Anonymous Anônimo said...

Não é comparação. É gosto! Eu prefiro Chico a Caetano. Mas não desgosto desse atual Caetano, apesar de achar o Caetano de décadas atrás muito melhor. O show OUTRAS PALAVRAS foi um dos melhores de Caetano. Ali ele estava na íntegra, sem joguinho de palavras , sem querer parecer um adolescente revoltado. Era o Caetano de Lua e Estrela, Outras Palavras, Rapte-me Camaleoa, enfim...nú com a sua música!

15 de abril de 2009 13:41  
Anonymous Anônimo said...

Estes comentários estão parecidos com a disputa Marlene X Emilinha. Tenham dó!

15 de abril de 2009 16:18  
Anonymous Nando. said...

Para o Marcos:

Mas eu posso gostar de Caetano e desgostar do "Ce" e do "Noites do Norte"..qual o problema? isto nao quer dizer que eu nao entendi, que minha cabeca musical eh limitada, que eu seja purista...este comentario eh bastante anti Caetano.

Reveja estas frases!

Renasca!!!

Reescreva..voce pegou pesado nos que nao andam gostando de Cae.

15 de abril de 2009 18:36  
Anonymous Anônimo said...

Caro Marcos, melhor ouvir um clássico a vida inteira do que inquietudes porcalhentas como as que Caetano vira-e-mexe vem fazendo na década de 90.
Só para perturbar: Chico tem pelo menos 1 clássico na década de 90: "Futuros Amentes". E Caetano ?
PS: CLÁSSICO! Não estou falando de música boa, ótima, maravilhosa, falo de música ETERNA.

15 de abril de 2009 18:57  
Anonymous Anônimo said...

Também voto no Chico Buarque. Mil anos luz à frente de Caetano. Enquanto Caetano - que também aprecio - de 20 músicas acerta 1, Chico de 5 acerta 5.
E concordo com o anônimo: "Futuros Amantes" é para nossos bis e tataranetos saberem que um dia existiu um gênio como Chico Buarque, assim como também existiu um gênio como Caetano (mas o da década de 80 e um pouquinho da de 90 - se acabou a inspiração musical, escreva um livro, que tal ?).

15 de abril de 2009 19:03  
Anonymous Anônimo said...

Façamos justiça, o anônimo que citou nossos gênios o disse muito bem, mas faltou João Bosco que também até hoje é "atrelado" as Multinacionais do disco - se bem que não inventa, vai ver porque também não lança 1, 2 ou 3 obras por ano. Pecar por excesso...

15 de abril de 2009 19:10  
Anonymous Anônimo said...

Na década de 90 Mano Caetano tem, somente, Desde que o Samba é Samba.
Pra mim umas das músicas mais bonitas que já ouvi na vida.
É mais clássico que Fla x Flu.

PS: Marlene x Emilinha?ahahahahahha Boa!!!

Jose Henrique

15 de abril de 2009 19:16  
Anonymous Anônimo said...

"Futuros Amantes" não é a que Chico consegue inserir "escafandrista" na bela letra ?
"... os escanfandristas virão vasculhar sua casa, seu quarto, suas coisas, sua alma, desvãos..."
COISA DE GÊNIO MESMO. SEM COMPARAÇÃO. É FATO. "REGISTRADO EM CARTÓRIO" E NOS ANAIS DA MPB.
"Desde que o Samba é Samba" ? Muito boa. Mas "Futuros Amantes" dá de mil agora e no futuro.
ahahahaha...

15 de abril de 2009 20:34  
Anonymous Anônimo said...

Alô anônimo de "Futuros Amantes": foi modesto. O disco "Paratodos" é TODO CLÁSSICO. VIVA CHICO! VIVA CHICO! VIVA CHICO!

15 de abril de 2009 20:37  
Anonymous Anônimo said...

"Futuros Amantes" será tema da cena final de um filme que está para ser lançado - deu no "Globo". Isso é música eterna.

15 de abril de 2009 20:56  
Anonymous Anônimo said...

Bethânia não faz tipo, acho que nem em família. Atrevo-me a perguntar quem ela prefere: "Marlene ou Emilinha" ?
Brincadeira, cada um tem seu talento e valor, melhor aqui, pior ali. Devíamos ser gratos por termos esses dois "rapazes" em nossa MPB. CHEGA DE BRIGA BOBA GENTE.

15 de abril de 2009 21:26  
Anonymous Anônimo said...

Nosso Julinho da Adelaide é gênio até nisso: Fazer uma música mandando chamar o ladrão já que a polícia (ditadura) estava por perto. E os espertos Censores da Ditadura Militar (isola!)"comeram mosca".

15 de abril de 2009 21:31  
Anonymous Anônimo said...

Só para alimentar a chama: Chico é LULA, Caetano foi ANTÔNIO CARLOS MAGALHÃES e deve ser FHC e José Serra. Sem Comentários.

15 de abril de 2009 21:32  
Anonymous Anônimo said...

Lembrou bem, anônimo. Sua genialidade até adiou seu exílio. Não foi o papai não, como muitos pensam.
E tem gente que até hoje critica "A Banda" e a cita como um exemplo da alienação de Chico na época. Ai, ai...
E ainda tem o recadinho para Seu Médici: "Apesar de você". VIVA CHICO MAIS UMA VEZ.

15 de abril de 2009 21:39  
Anonymous Anônimo said...

Lembrando Chico: "Isso aqui tá bom demais". Parabéns, Mauro, anônimos, José e demais. Eu fico só lendo e me divertindo.

15 de abril de 2009 21:55  
Anonymous Anônimo said...

"Desde que o Samba é Samba" X "Futuros Amantes". Bela partida. Ingressos esgotados.
Em questão de melodia fica difícil, são gêneros completamente diferentes mas em questão de letra: goleada e troféu para Chico.

15 de abril de 2009 22:13  
Anonymous Edu Krieger said...

Isso aqui tá parecendo um túnel do tempo bobo... estou me sentindo em 1970, quando eu nem era nascido, mas sei que já rolava essa disputazinha medíocre entre uma parcela do público, que tentava criar uma competição tola entre Chico e Caetano, dois artistas tão diferentes e que merecem todo o nosso respeito. É por isso que o Brasil é um país atrasado... vê se nos EUA o público fica criando rivalidade onde não existe? É como se os norte-americanos quisessem comparar Bob Dylan com Cole Porter. Mas lá eles têm uma outra mentalidade, é por isso que são uma potência cultural e econômica. Em vez de perdermos tempo com discussões inúteis e sem cabimento, deveríamos nos encher de orgulho por termos dois artistas desta qualidade, gênios que ainda estão aí, firmes, fortes e produtivos!

15 de abril de 2009 22:50  
Anonymous Anônimo said...

Hehe, o pessoal que gosta do Chico não consegue resistir em vir falar aqui numm post do Caê. Eles sabem que Caetano é o maior gênio e poeta da MPB e isso os irrita profundamente, daí...sobra falação e comentários desordenados,vociferantes e fanáticos. Calma gente, Chico Buarque é repetitivo, imitador de Noel, sem ousadia, sem criatividade, sem originalidade, mas tem seu valor, gosto não se discute. Mas compará-lo com Caetano Veloso, aí complicou pro Chico, hehe...

15 de abril de 2009 23:06  
Anonymous Renan said...

Mauro, fanáticos ( ou fanático) pelo Chico invadiram seu blog numa matéria sobre Caetano,rs. Colegas, assim vcs demontram a seu incômodo com a genialidade do baiano, não percebem?, rs. O grande Veloso deixa os fanáticos passadistas e puristas ( essa é boa) apavorados, é difícil aceitar a força e a pluralidade musical do poeta de Santo Amaro. E como falam besteiras, é uma atrás da outra, se fóssemos listar 40 anos de poesia musical caetaneana aqui o Mauro deletava todo mundo, rs. Melhor só dizer o segte: "há mtas formas de se fazer música, Chico Buarque prefere uma, Caetano Veloso prefere todas", rs.
Ah, e aquela sobre "escafandrista"? Minha Nossa, ele deveria ouvir O Quereres, Livros, Outras Palavras, Trem das Cores, Vaca Profana,ad infinitum...e ouvir tb a soberba Restos de um Naufrágio ( Moacyr Luz e fabuloso Aldir Blanc). Quem sabe ele não encontra lá essa palavra que ele, por estranho motivo ( fanatismo cegante?) tanto preza? Colegas, lembrem-se: temos bons compositores ( Chico é um deles), temos gênios ( Jobim é um deles). E temos Caetano!

15 de abril de 2009 23:34  
Anonymous Anônimo said...

Caetano é nosso maior compositor de todos os tempos. Quem compoe em em tantos ritmos, linguas, canta Ari Barroso, Beatles, Odair Jose, Tom Jobim com tanta delicadeza e beleza? Quem pode compor Terra, Coração Vagabundo, Alegria Alegria, Lingua, Podres Poderes, Quereres, Fora da Ordem, Its Long way, London London...?
"O povo negro entendeu que o grande vencedor é aquele que se ergue alem da dor"
Caetano Veloso

16 de abril de 2009 12:07  
Anonymous Anônimo said...

Caetano cantando nunca me irritou, imagina. Quando ele abre a boca para outras coisas é que é dose.
"Em boca fechada não entra mosca".

16 de abril de 2009 18:14  
Anonymous Anônimo said...

Agora vem os torcedores baianos...
EDU É QUE TÁ CERTO. Quanta bobagem. Que tal ouvirmos "Os Quereres" ou "Todo Sentimento" ao invés de perder tempo com tanta baboseira ?

16 de abril de 2009 18:16  
Anonymous Anônimo said...

Renan, obrigado pela "lista". Citaste justamente o Caetano perfeito, o que não inventa. Agradeço a ajuda a meus argumentos.
Abraços.

16 de abril de 2009 18:20  
Anonymous Anônimo said...

Isso tá mais chato que "Big Brother". PELO AMOR DE DEUS! Deixem Chico e Caetano em paz.

16 de abril de 2009 18:26  
Anonymous Anônimo said...

O Edu e outros não entenderam o espírito da coisa.
É só o velho e bom papo furado, os que atacam Chico sabem que Caetano é tão bom quanto e vice versa.
Como diria o sensacional Coringa: Why so serious?

PS: Quando vamos parar com a mania besta de enaltecer os EUA em detrimento do velho Brasa?

Jose Henrique

16 de abril de 2009 19:48  
Anonymous Anônimo said...

Na mosca, seu José. É falta do que fazer ou de que falar mesmo. ACHO IMPOSSÍVEL GOSTAR DE UM E NÃO GOSTAR DE OUTRO. THAT'S IMPOSSIBLE!
(Nas duas línguas para evitar mais atritos).

16 de abril de 2009 20:43  
Anonymous Anônimo said...

Quem será "O Cara" ?

16 de abril de 2009 20:47  
Anonymous Anônimo said...

Finalmente o Q.I.s começam a funcionar. Paz para Caetano e "elas" para Chico. Todos felizes.

16 de abril de 2009 20:49  
Anonymous Anônimo said...

"Deixe que digam, que pensem, que falem, deixa isso pra lá, vem pra cá ouvir o Grande Chico e o Enorme Caetano - o que é que tem ?"

16 de abril de 2009 20:53  
Anonymous Anônimo said...

Adorei o "quem será 'o cara'?" Tá ficando cada vez melhor isso aqui.
Digno de Chico e Caetano - que se lerem devem estar balançando a cabeça e pensando: "NÓS SOMOS 'O CARA'" E VIVA A MPB!

16 de abril de 2009 20:56  
Anonymous Anônimo said...

Isso aqui tá bom demais MESMO!

16 de abril de 2009 21:50  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel Andrade disse

Só entro nessa briga para dizer que não adinta. Ainda não apareceu gente na MPB pra fazer algo superior a esses dois camaradas incluindo Gil ai, na mesma geração. Se bem que todos consegume ser bons demais em 90% de sua canções. E tem 10% de musica chata. Agora, essa turma nova de compositores e intérpretes, vai demorar mil anos,luz pra chegar perto, se é que vai. O trio em questão não carrega mais a mesma inspiração dos 70,80 e 90. É o limite da criação. Agora, por que insistem tanto em regravá-los? Vamos Comer Zii e Zie e Leite Derramado. Se não gostar, gaveta neles.

16 de abril de 2009 22:53  
Anonymous Anônimo said...

Claro que Caetano é genial. Mas é claro que o CE é o seu pior trabalho. E eu tenho todos ! Mas este CE não tem jeito de ouvir, é chato pra caramba !

Agora este Zii e Zie, comprei ontem, to ouvindo, é melhor que o CE, mas os arranjos são chatos tb, na verdade , na minha opinião, não gosto deste som de banda de garagem que ele tá fazendo.

Edu - abc

17 de abril de 2009 13:37  
Anonymous Anônimo said...

Agora, "Futuros Amantes" na voz da Gal Costa é tudo de bom, é a perfeição. O Grande compositor na voz da maior cantora, isso sim é obra de arte! O Chico gosta das músicas dele na voz da Gal e ainda por cima ele pede, no vídeo do último show da Gal, p/ que ela grave mais suas músicas.
Viva Chico, Viva Gal e Viva Caetano!

17 de abril de 2009 15:52  
Anonymous Anônimo said...

Mauro,o disco não é tão bom qto o Cê, mas estou gostando! Pode até não arrebatar totalmente mas tá recheado de momentos deliciantes e em alguns momentos arrebata sim! As canções são diversificadas, algumas bem sacadas e mesmo poéticas e em vários estilos, embora tenha mesmo uma certa linha "transamba/transrock" que Caetano busca, o sons dos instrumentos estão super bem colocados. Enfim, tô achando jóia!

17 de abril de 2009 16:59  
Anonymous Anônimo said...

O Pior trabalho de Caetano é "Araça Azul". Perto dele, "Cê" é "Cores, Nomes" ou "Muito(Dentro da Estrela Azulada). Já comprei "Tios e Tias" mas não ouvi ainda, mas duvido que seja pior do que "Araça Azul" ou melhor que seus grandes discos de 70 e 80. Será ?

17 de abril de 2009 17:45  
Anonymous Anônimo said...

Emanuel, cuidado rapaz. Esta bendita geração tem João Bosco, Francis Hime, Edu Lobo, Milton Nascimento, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Renato Teixeira, Paulinho da Viola, Martinho da Vila... É UMA GERAÇÃO DA QUAL TENHO ORGULHO DE PERTENCER E DE TER e não me arriscaria a eleger O MELHOR. Cada um tem seus GRANDES MOMENTOS e uns errinhos, já que errar é humano.
Sem erro é Tom, Dorival, Pixinguinha, Nelson Cavaquinho, Cartola, mas aí é outra geração e outra história.

17 de abril de 2009 17:52  
Anonymous Danilo said...

Só uma coisa, se Caetano gravasse Ataulfo,Vinícius,Tom, ele seria chamado de burocrático, acomodado e repetitivo.Como ele inova se cerca de músicos jovens,e torna sua música mais contemporânea, ele é acusado de ser um velho metido a moderninho.

Assim fica difícil...

17 de abril de 2009 21:45  
Anonymous Helena Dias said...

É igualzinho o cê ( que é um barato), estou ouvindo o ziiezie pela quinta ou sexta vez, sei lá, e só agora parece que comecei a entender o disco. Amo o Caetano dos discos passados mas ele é camaleão mesmo, vou junto com ele nessas distorções de guitarra e essas jogadas de baixo e de batera que é td show!!! E as músicas também são bem legais, lobão tem razão, a cor amarela, perdeu e menina da ria são as que mais gostei até agora e a do joão bosco, incompatibilidade de gênios, tb tá linda. Te amo, Caê!!

17 de abril de 2009 22:42  
Anonymous Helena Dias said...

Esqueci de falar, sem cais também é linda!

17 de abril de 2009 22:45  
Anonymous Anônimo said...

Jóia é "Jóia" por exemplo, da época do bom Caetano, não do adolescente tardio.

18 de abril de 2009 01:22  
Anonymous Anônimo said...

Concordo con o Edu -( Abc) os arranjos são chatos,essa é a questão.
Principalmente a guitarra, posso até imaginar algum tipo de conceito atràs do arranjos e isso somente faz piorar a situação, do meu ponto de ouvido.A capa linda. Mas não gosto nada desse som.

18 de abril de 2009 03:18  
Anonymous Anônimo said...

Caetano Veloso é o único da sua geração [ de ouro] que ainda busca caminhos novos e tenta não fazer ''mais do mesmo'', ainda bem. Do Cê eu gostei, o Zii e Zie ainda preciso ouvir mais, é legal mas por ora estou preferindo o Cê. E o João Bosco, hein?, seu novo disco tem parcerias com o Aldir Blanc novamente, que maravilha!!

18 de abril de 2009 14:59  
Anonymous Anônimo said...

Mauro, você sabe qdo o show do Zii e zie virá para Belo Horizonte?,por enquanto, li a respeito dos shows só no Rio e em São Paulo.

18 de abril de 2009 20:19  
Anonymous Anônimo said...

Eu fico pensando cá com meus botões, que bom que Cartola fez "mais do mesmo" quando nos agraciou com "As Rosas não falam" e "O Mundo é um Moinho"; que bom que Tom e Vinicius fizeram "mais do mesmo" quando nos agraciaram com "Chega de Saudade" e "Garota de Ipanema"; que bom que Chico Buarque fez "mais do mesmo" quando nos agraciou com "Homenagem ao Malandro" e "Vai Passar" e que bom que Caetano FAZIA mais do mesmo quando nos agraciou com "Sampa" e o "O Leãozinho". MAIS DO MESMO SEMPRE!

SE NOVIDADE FOSSE SINÔNIMO DE QUALIDADE, A MPB DOS ANOS 60 E 70 NÃO SERIA ATÉ HOJE TÃO VALORIZADA, ADMIRADA E REGRAVADA. SÓ RIMAM, NÃO SÃO SINÔNIMOS NÃO.

19 de abril de 2009 01:00  
Anonymous Anônimo said...

Rarará, 'mais do mesmo sempre' na sua opinião, meu caro, entenda as coisas mais amplamente ao invés de se ater a 'detalhes explicativos', abra suas asas para novos pensamentos e ideias, 'tropicalize-se' um pouco, pode lhe fazer muito bem. E mais, tenha santa paciência...

19 de abril de 2009 15:43  
Anonymous Anônimo said...

Bom pracaralho esse novo disco.
Caetano é gênio, queiram ou não.

19 de abril de 2009 20:05  
Anonymous Anônimo said...

Eu fico com o "mais do mesmo". Novidade é bom sim, mas só se tiver valor. Novidade por novidade pode ser uma bosta. Melhor o compositor - ou intérprete - seguir sua bela estrada já construída e reconhecida do que tomar atalhos "perigosos" ou dar uma "espiadinha naquele outro lado da montanha do qual não conhece a trilha".
E quanto a "tropicalizar-se" não sei se o "mais do mesmo" vai querer mas eu não. O "Tropicalismo" foi um dos movimentos MAIS CHATOS da MPB - não foi à tôa que a "maninha" não embarcou - Bethânia é sábia(desde o início da carreira) - e durou tão pouquinho.

20 de abril de 2009 23:46  
Anonymous Anônimo said...

Eu concordo com o anônimo EM PARTE.
É saudável se arriscar em busca de algo diferente e na minha opinião no caso de Caetano acho que está insistindo no erro, mas temos por exemplo Leila Pinheiro que deu uma reviravolta de "prima" quando lançou "Catavento e Girassol" só com as obras-primas de Guinga e Aldir Blanc depois de vários discos dedicados a regravações - não que fossem ruins, de jeito algum, mas a "espiadinha do outro lado da montanha" resultou numa obra-prima que levou Leila a outro patamar. Caetano precisa é ter humildade - talvez - para ouvir conselhos e cercar-se de "conselheiros" e "companheiros" a sua altura. Mas acho que Caetano é do tipo que só faz o que quer, pelo menos é a impressão que fica quando "discursa". MINHA OPINIÃO.

21 de abril de 2009 00:30  
Anonymous Anônimo said...

Só maluco ou extraterrestre para duvidar da genialidade de Caetano. O Problema é o desperdício desta qualidade em prol do "vou polemizar", "vou fazer assim, porque o belo assado já tá enjoado". SOSSEGA CAETANO.

21 de abril de 2009 13:47  
Anonymous Anônimo said...

Aos anônimos Caetano já respondeu: vide a letra de "O Quereres" - se bem que em parte é motivo de razão para eles... anos 80, o Caetano que querem de volta. Deixa pra lá.

21 de abril de 2009 14:40  
Anonymous Flávio said...

Mauro, sei não mas penso que, mais uma vez, apesar de gostar e respeitar seus textos,vc errou no julgamento, assim como no Cê ( convenhamos, em termos de crítica,praticamente só vc falou "mal" do disco). O Zii e Zie vai se mostrando ( àqueles que o estão ouvindo seguidas vezes e gradativamente formando opinião)um baita disco!! Depois de ouvir umas dez vezes( sério mesmo, foi por aí)é que captei o disco! Entre tantos achados, cito a deliciosa letra de Menina da Ria ( com sua aparição transatlântica, sua elegante alegria e seu púbis glabro)!Caetano é mesmo fenomenal! Mauro,ouve o disco mais algumas vezes rapaz...

22 de abril de 2009 00:18  
Anonymous Anônimo said...

Olha, eu já achava o "Cê" péssimo mas esse realmente conseguiu superar o mau gosto!
E não é pq Caetano tá querendo bancar o "moderninho". Sobre isso não vejo nenhum problema, ou sobre a incursão por estilos diferentes, sons atuais, enfim...mas...que seja feito com bom gosto e um mínimo de qualidade peloamorrr!
Essas melodias(se é q se pode chamar assim) atuais de Caetano estão bizarras, de uma pobreza sem par! Me dá uma impressão tão desleixada que, "meodeus" !
Não vou discutir a genialidade de Caetano, pra mim, certamente que ele é genial, tem obras belíssimas e não precisa dessa babaquice de ser comparado com A ou B. Mas o fato dele ser genial não impede-me de expressar minha opinião de que esses últimos Cds são as piores coisas que já ouvi nos últimos tempos.
Pra mim, o último disco realmente bom de Caetano foi Circuladô( que contém a linda obra Itapuã)
"Livro" ainda tem boas coisas mas depois disso a obra ficou sofrível
Volto a dizer, acho que"Cê e Zii e Zie" são muito, muito, muito ruins!

27 de abril de 2009 13:27  
Anonymous Anônimo said...

Muito aqui é pouco. E concordo muito com o anônimo: depois de "Livros" MAIS NADA. Pena.

28 de abril de 2009 21:08  

Postar um comentário

<< Home