10 de abril de 2007

Nana registra raros sambas-canções de Caymmi

Obscuro samba-canção de Dorival Caymmi, de 1947, Saudade é a curiosidade do repertório do CD Quem Inventou o Amor, em que Nana Caymmi fecha a trilogia de tributos ao seu pai. Desta vez, o foco são os sambas-canções românticos que dominam a obra do compositor na década de 50. Entre standards do autor no gênero (Sábado em Copacabana, Você Não Sabe Amar, Só Louco, Horas, Não Tem Solução e Nem Eu, de cuja letra foi extraído o verso que dá título ao disco), a cantora rebobina músicas menos conhecidas como Nunca Mais (lançada por Lúcio Alves em 1949), Nesta Rua Tão Deserta (1950 - às vezes creditada como Rua Deserta) e Tão Só (1953). Desde Ontem (samba-canção que a própria Nana tirou do ineditismo no primeiro CD da trilogia, O Mar e o Tempo, de 2002) e E Eu sem Maria (1952) estão no álbum, que vai chegar às lojas pela Som Livre no fim de abril. A produção é de José Milton.

35 Comments:

Anonymous Anônimo said...

capa linda, já gostei do disco pela capa. quanto afeto numa imagem!

10 de abril de 2007 09:20  
Anonymous Anônimo said...

Nana é sempre bem vinda! Maravilhosa, visceral, canta com a alma.

10 de abril de 2007 11:01  
Anonymous Anônimo said...

Em O MAR E O TEMPO há uma música intitulada DESDE ONTEM. Há uma inédita de Caymmi com o mesmo nome?

Sei que a obra de Caymmi não é tão extensa, mas NÃO TEM SOLUÇÃO, VOCÊ NÃO SABE AMAR e E EU SEM MARIA também estão em O MAR E O TEMPO. Sem falar em outras música já regravadas outras vezes por ela, às vezes mais de uma vez, como NESTA RUA TÃO DESERTA, SAUDADE, NEM EU e SÓ LOUCO. Nana é sempre bem-vinda, Caymmi merece todas as homenagens, principalmente vindas da filha, mas será que a cantora não abusou um pouco do direito de regravar músicas já gravadas, muitas, inclusive, recentemente em O MAR E O TEMPO. Vamos esperar as críticas. As que li sobre O MAR E O TEMPO foram todas maravilhosas, o disco é bonito, mas vive esquecido no porta-cds lá de casa. Vai ser relançado E A GENTE NEM DEU NOME e outro NANA, numa caixa junto com BOLERO. Sei não, mas acho que estou mais interessado nessa caixa e em outros discos antigos do que no inédito. Por fim, a capa está linda e casou bem com o título, muito boa.

Flávio

10 de abril de 2007 11:26  
Anonymous Anônimo said...

Nana Caymmi sempre desafinou. Isso não a impediu de ser uma das maiores, nem de registrar versões antológicas do cancioneiro. O disco 'Voz e Suor' está na minha lista dos 10 melhores do mundo.

Mas agora a nossa Dinahir anda desafinando demais, sobretudo em canções lentas. Nos fins de frase, as notas chegam a escorregar um semitom. Alguns trechos de 'O Mar e o Tempo' doem no ouvido.

10 de abril de 2007 11:32  
Blogger Mauro Ferreira said...

Flávio, muito grato por corrigir a minha grave desatenção. É por leitores assim que vale a pena gastar duas horas por dia para atualizar o blog.

10 de abril de 2007 11:40  
Anonymous Anônimo said...

Mais um disco de Caymmi... Brincadeira, né. Depois reclamam porque ela não cantou no disco em homenagem a Maysa...

10 de abril de 2007 14:28  
Anonymous Anônimo said...

Sinceramente, na minha opinião é muito mais adequado e prazeroso a Nana homenagear o pai em vida do que após a morte do mesmo, quando seria taxada de oportunista e aproveitadora ...

Outra coisa: essa capa é uma das mais lindas que já vi em toda a minha vida. Simples e bela.

Adoro a Nana, desafinando, brigando, falando palavrão, mas sempre muito íntegra, coisa rara nesse país ultimamente.

Flávio, muito legais suas observações. Apareça mais vezes.

Mauro, parabéns pela humildade em reconhecer o erro. Por isso é que sou seu fã.

Luc, "Voz e Suor" tocou tanto no meu toca-fitas que o som até apagou. Abração cara.

abração,
Denilson

10 de abril de 2007 16:11  
Blogger Irinéa MRibeiro said...

Concordo totalmente com seu elogio à capa do novo CD da Nana. Muito lindo!
Uma cumplicidade nos sorrisos que invadiu meus sentidos.
Agora comprar e ouvir.
Quanto aos semitons de Nana, faz parte de um estilo de ser, que não é pra qualquer um.Intérprete é assim.
Abração

10 de abril de 2007 16:35  
Anonymous Anônimo said...

VOZ E SUOR é realmente lindo! Um dia ouvi no rádio durante um engarrafamento A DOCE PRESENÇA, procurei saber qual o disco e somente anos depois consegui encontrar em CD. É disco é primoroso do início ao fim. Quanto aos semitons fazem parte do estilo da Nana, mas, às vezes, atrapalham a dicção, a gente não entende o que Nana está cantando. Até mesmo no VOZ E SUOR sinto isso em algumas músicas. Há pouco tempo comprei ALMA SERENA, tem coisas muito bonitas nele. Vou aumentar minha coleção de Nana. Gosto muito da sua participação no disco FAMÍLIA CAYMMI EM MONTREAUX, que ainda não tenho em CD. Outro dia descobri na RÁDIO UOL uma gravação de EU TE AMO, da Sueli Costa, num disco de coletânea da família, muito irregular. Arrepiante. Se alguém souber em que disco NANA gravou essa música e puder informar eu agradeço.

Abraços.

Flávio

10 de abril de 2007 19:57  
Anonymous Anônimo said...

Verdade a capa é muito linda e o título diz tudo, combina demais.
Marcelo Barbosa - Brasília (DF)

Caymmi eu gosto de Morena do Mar, É doce morrer no mar, Marina, João Valentão, A vizinha do lado, ....
Sem dúvida um dos MAIORES compositores da MPB.
Parabéns a filha por dar sempre "Flores em Vida" a este pai.

10 de abril de 2007 20:18  
Anonymous Anônimo said...

Caymmi é um dos maiores compositores e Nana uma das maiores cantoras. E a capa é realmente muito bonita .

Sou a favor de tributos, quando se estar vivo para ver tudo o que está acontecendo. Boa sacada da amorosa filha ... e de José Milton que além de produtor é um amigo inseparavel que aproximou Nana da nova geração de ouvintes sem perder a qualidade .

" Você já foi a Bahia ?" e " Requebre que eu dou um doce " são as minhas preferidas .

11 de abril de 2007 01:10  
Anonymous Anônimo said...

A capa me lembrou Jane e Erondi, e como já foi dito ela desafina e muito, colocá-la no patamar de grande cantora é uma insensatez.
Quanto ao conteúdo, só ouvindo, pois Dorival como compositor deixa muito a desejar, ele sempre tem ideias lindas, por exemplo, Só Louco, porém a canção é iniciada e parece que ele não sabe seguir e terminar a composição.

11 de abril de 2007 07:30  
Anonymous Anônimo said...

Nana é daquelas (raras) cantoras que nos fala aos poros.
Maravilhosa!

11 de abril de 2007 09:18  
Anonymous Anônimo said...

Nana desafina? a mim poco importa, o excesso de virtuosismo de algumas cantoras tidas como "melhores" a mim soa, muitas vezes, cansativo/enjoativo, me dá náuseas... prefiro a interpretação única de Nana, a cor daquela voz que decai nos semitons, nos modos menores, aos porões sombrios e embargados da emoção no canto. "Voz e suor" e "Chora brasileira" estão entre os cds que mais ouço... Embora Nana seja a cantora que mais escuto há alguns anos(sobretudo o repertório dos anos 70, que é impecável), confesso que não vi com bons olhos esse novo cd, pelas razões supracitadas (muita coisa já gravada por ela própria , até recentemente...)mas sei que comprarei e escutarei muito... bem que ela poderia ter gravado coisas inéditas que há muito não faz.

11 de abril de 2007 10:37  
Anonymous Anônimo said...

Falando em intérpretes, vejo nos jornais que estreou em São Paulo a nova peça da Sutil Cia. de Teatro, cujas encenações incluem 'Avenida Dropsie', Nostalgia' e 'A Vida é Cheia de Som e Fúria' (Felipe Hirsch, Guilherme Weber, Erica Migon, etc.).

Chama-se 'A Educação Sentimental do Vampiro', baseada na obra de Dalton Trevisan.

Mais um bom motivo para ir passear em São Paulo, sempre um programão para mim. Alguém recomenda um show de música que vá rolar na cidade nos próximos dias?

11 de abril de 2007 10:37  
Blogger André said...

Flávio, a "Eu te amo" a que você se refere é linda mesmo. Ficou em 5º lugar no MPB-Shell 1982 (aquele festival em que o Emilio Santiago ganhou). Essa música foi gravada apenas para o LP do Festival e depois lançada em CD nessa coletânea global da Família Caymmi, juntamente com temas de novelas e minisséries. Não está em nenhum cd de Nana, que eu saiba.

11 de abril de 2007 11:46  
Anonymous Anônimo said...

Vou comprar ontem êsse disco...
Primeiro por que essa capa é tudo !
Segundo por que a Nana é a melhor cantora dêsse pais.
Terceiro por que os samba-canções do Caymmi são o melhor que há na obra dele.
Sábado em Copacabana está na novela das 9 e arrebenta.

11 de abril de 2007 13:48  
Anonymous Anônimo said...

Nana,naninha, quero muito ver um show solo de novo.Tem jeito ou tá difícil?Porque judia tanto da gente, vem p/o Sesc Pompéia fazer aquelas maravilhas de shows que só vc sabe fazer.Apesar de não ter gostado muito do O MAR E O TEMPO,acabarei comprando mais esse tb.Mas já passou da hora dela gravar aquelas canções tipo VOZ E SUOR que só ela sabe interpretar.

11 de abril de 2007 16:20  
Anonymous Anônimo said...

Quero saber porque Zélia não está neste disco

11 de abril de 2007 16:28  
Anonymous Anônimo said...

Todos desafinam.Só que quando raramente Nana desafina,o efeito é sonoramente mágico,magnífico.Quer dizer...Gênio,até ao desafinar!A cantora é tão especial e única que vai regravar músicas que ela mesmo já gravou e vai surpreender como sempre.Quando entra cantando 'Voce não sabe amar' na novela das oito,basta pra gente esquecer todos os outros cantores.Arrasa,não tem pra ninguém!O povo todo deve ter muito medo de cantar com a Nana,pois ela vai muito além deles.Dá até dó dos outros.Capa lindissima!Gente todos grandes cantores na idade da Nana,fazem regravaçoes.Ela faz até poucas.E Mauro,o disco "Pra Caymmi...",não é apenas dela,não pode ser considerado solo,estão ali Dori e Danilo,não é mesmo?

11 de abril de 2007 17:28  
Anonymous Anônimo said...

É verdade, fãs, Nana é afinada emitindo qualquer som. É impressionante!

11 de abril de 2007 23:28  
Anonymous Anônimo said...

Dori é o grande gênio dessa família. Quando começa a compor, já sabemos que vai ser clássico. Faz arranjos como gente grande, sabe mais música do que o pessoal de sua geração toda, é instrumentista e canta muito melhor do que Nana e Danilo juntos.

12 de abril de 2007 01:50  
Anonymous Anônimo said...

Dori cantando parece q tem um sapo boi na boca.... horrível!

12 de abril de 2007 11:22  
Anonymous Anônimo said...

Obrigado pela informação, André Lemos.

Abraços.

Flávio

12 de abril de 2007 14:17  
Anonymous Anônimo said...

Judiação, 11:22...

12 de abril de 2007 16:51  
Anonymous Anônimo said...

Luc,toda família é genial em suas particularidades.Adoro a voz do Dori,mas não se deve comparar uma voz feminina com outra masculina,é imprudente.Mas Nana é a grande voz da família,se aprimorou nesse quesito.Aliás Nana é a grande voz desse país,a Biscoito Fino e outras,devem temer muito a Nana para convidá-la para qualquer projeto,pois sabe que o risco dela roubar a cena é sempre imenso.

12 de abril de 2007 18:01  
Anonymous Anônimo said...

Tá certo. A Nana é tops, eu já disse isso lá em cima. Além do mais, sua passagem do Chiko's Bar para a projeção que tem hoje é uma das boas coisas que aconteceram no Brasil. Tenho impressão que isso se deve ao talento e à presença em trilhas de séries televisivas, posso estar enganado.

Mas agora toda vez que ouvir os discos do Dori - que eu encontrei com grande sacrifício, porque é uma áfrica para conseguir - vou me lembrar do sapo boi. Não dava para ser uma daquelas pererecas coloridinhas, pô?

12 de abril de 2007 18:28  
Anonymous Anônimo said...

Nana Caymmi e Maria Bethânia podem TUDO!
São OURO PURO!
A gente viaja na voz dessas grandes artistas.

12 de abril de 2007 20:35  
Anonymous Anônimo said...

Voce tem certa razão,Luc,a carreira de Nana só deslanchou mesmo em 1975,quando gravou um disco histórico cantando a marcante e suprema "Beijo Partido",tema da novela "Pecado Capital".Mas por exemplo jamais teve um especial 'global',como Elis tinha mensalmente ou anualmente,ou Bethânia,Gal e tantos outros,tiveram seus especiais históricos.Então tento crer que Nana,sempre quiz e trilhou uma trajetória bem mais difícel que a maioria e ainda com preconceito de ser filha de pai famoso.Então,se sua carreira vingou de forma tão espetacular,é porque é fera mesmo,merece todo respeito e carinho e as novelas apenas deram pequenos empurrãosinhos,se compararmos à carreiras de outras,privilegiadas pela mídia.Quer um exemplo,procure na reportagem de capa da Veja dessa semana sobre as cantoras do país.Certamente o nome de Nana sequer é citado,tamanha sua singularidade expressiva,jamais terá adesão de um tipo de veículo daqueles.Abraços!

13 de abril de 2007 19:53  
Anonymous Anônimo said...

7:53, a Nana é uma cantora que está na mídia há tempos. Isso não a desmerece. É motivo de comemoração ter na Globo uma intérprete desse nível, de cujo repertório ninguém pode falar um 'isso'.

Se a gente pensar, ela era ouvida por 50 no Chiko's. Hoje são o que, milhares?

14 de abril de 2007 11:13  
Anonymous Anônimo said...

É por causa de comentários como Nana e Bethânia podem tudo, é que ambas são tão relaxadas; quando o povo começar a meter a lingua falando a verdade, a qualidade do trabalho das duas vão melhorar e muito.

16 de abril de 2007 07:32  
Anonymous Anônimo said...

Luc,novamente voce tocou num ponto importantíssimo.Vejo aqui mesmo no blog,como as pessoas querem a Nana de trabalhos como a obra-prima "Voz e Suor",que foi gravada acompanhada apenas de um piano e em apenas quatro ou cinco dias.Acho que Nana e principalmente seu produtor,não perceberam que o público dela,além de ter crescido,como cresceu a população do país,prefere a Nana dos tempos que era tachada de "elitista".Então não precisa que fiquem buscando mais popularidade,baixando o nível do repetório,porque quando se atinge um nível de competência e experiência de Nana,tentar fazer apelo para chegar a uma condiçao de custo beneficio do produto,não vai agradar nem aos fãs fieis nem a uma maioria de público que almejam alcançar.Soará falso,o povo é perseptivo.Cabe ao produtor,manter o nível de qualidade do artista e seu gosto,não o fazendo chegar ao povo diminuindo sua qualidade artística,mas que o público chegue a ele pelo que o artista apresenta e representa de melhor.Abraços!

16 de abril de 2007 17:00  
Anonymous Anônimo said...

Ouvi hj o cd. Nana pode muuuuuito mais do q foi gravado. Muitas regravações, arranjos semelhantes... enfim...é Nana, tudo bem, mas q poderia ser melhor, poderia!

16 de abril de 2007 23:34  
Anonymous Anônimo said...

Vi o cd nas lojas outro dia.Peguei,o preço está razoável,mas olhando as regravações das músicas deu-me a impressão de que iria levar mais do mesmo.Coloquei de volta na prateleira.Fica pra depois.

Luc,tem razão,VOZ E SUOR é daqueles discos que a gente não troca,não vende e nem dá.

17 de abril de 2007 13:30  
Anonymous Anônimo said...

Já era de se esperar esses resultados,essas decepções.Nana esta acomodada entre um produtor,muito bacana,muito amigo e músicos,muito bons,muito amigos,mas que estão escravos dos desejos e caprichos de uma artista espetacular,que não quer ser estimulada,nem se lançar,como diz aquela grande música que Milton Nascimento e Ronaldo Bastos fizeram para ela,"Cais".Acho que Nana não sabe mais a vez de"se lançar"!Uma pena,uma lástima!

17 de abril de 2007 14:06  

Postar um comentário

<< Home